CONSERVAÇÃO IN VITRO E EX SITU E VALORIZAÇÃO DE ENDEMISMOS IBÉRICOS DAS APIACEAE PORTUGUESAS

Ana Cristina Pessoa Tavares dos Santos

Endemismos ibéricos representados em Portugal

A Península Ibérica, com cerca de 600.000 km2, está separada da maior parte da Europa pela cadeia montanhosa dos Pirenéus, limitada pelo Oceano Atlântico (N, W e SW) e pelo Mar Mediterrâneo (S e E). A península é caracterizada por uma flora muito rica em plantas vasculares (Lobo et al., 2001; IUCN, 2011), que engloba cerca de 8.000 espécies e subespécies de plantas vasculares nativas e naturalizadas, representando um dos 34 hotspots de biodiversidade mundial (CI, 2012), como já foi referido. Inclui ainda mais de 1.200 espécies e subespécies endémicas de plantas vasculares, o que representa cerca de 15 % da flora total da Península Ibérica (Parker, 1981; Gimenéz et al., 2004; Almeida et al., 2007; Bilz et al., 2011).
A família das Apiaceae é muito diversa e a Flora Ibérica descreve 83 géneros (Castroviejo et al., 2003), sendo 107 espécies representadas em Portugal Continental (Aguiar, 2012). Esta Flora, uma das mais recentes e conceituadas na Europa (Bergmann et al., 2010), engloba as regiões geográficas de Espanha Continental, ilhas Baleares e Portugal Continental. Considera 62 taxa endémicos para as Apiaceae, dos quais 48 são endemismos exclusivos de Espanha, 13 comuns aos dois países e 14 endémicos de Portugal Continental (Castroviejo et al., 2003).
Os endemismos desta família em Portugal estão representados ainda por 12 endemismos insulares, podendo citar-se como exemplo o género Melanoselinum Hoffman, um dos cinco taxa de Apiaceae endémicos do arquipélago da Madeira (Aguiar et al., 2004) e os endemismos Daucus carota subsp. azoricus, Angelica lignences, Sanicula azoricae Chaerophyllum azoricum, de entre sete taxa Apiaceae endémicos do arquipélago dos Açores (ALFA, 2010; Corvelo, 2010).
As Apiaceae da Península Ibérica estão representadas em Portugal Continental por 14 taxa endémicos, a saber: Angelica major Lag., Angelica pachycarpa Lange, Bunium macuca Boiss.subsp. macuca, Conopodium majus (Gouan) Loretsubsp. marizianum (Samp.) López Udias & Mateo, Conopodium subcarneum (Boiss. & Reut.) Boiss. & Reut., Daucus carota L. subsp. halophilus (Brot.) A. Pujadas, Distichoselinum tenuifolium (Lag.) García Martín & Silvestre, Eryngium duriaei J. Gay exBoiss., Eryngium galioides Lam., Ferula communis L. subsp. catalaunica (Pau ex C. Vicioso) Sánchez Cuxart & Berna, Ferulago capillaris (Link ex Spreng.) Cout., Laserpitium eliasii Sennen & Pausubsp. thalictrifolium (Samp.) P. Monts., Seseli montanum L.subsp. peixotoanum (Samp.) M. Laínz, Thapsia minor Hoffmanns. & Link. Um taxon é exclusivamente português (Daucus carota subsp. halophilus), enquanto 13 são comuns a Portugal e Espanha, sendo os 14 taxa objeto de estudo deste trabalho (Tabela 1, ver secção 2.1.).
Com base na Flora Ibérica, as cinco espécies endémicas mais vulneráveis ​​em Portugal continental, com uma área de distribuição mais restrita e portanto com prioridade para a conservação são: Angelica pachycarpa (Estremadura-Ilhas Berlengas), Daucus carota subsp. halophilus (Algarve e Baixo Alentejo), Bunium macuca subsp. macuca (Alto Alentejo), Distichoselinum tenuifolium (Algarve) e Seseli montanum subsp. peixotoanum (Trás-os-Montes e Alto Douro) (Parker, 1981; Castroviejo et al., 2003).
Dados recentes (Bilz et al., 2011) mostram que mais de 50 taxa desta família consta do Apêndice 2 da Lista Vermelha das plantas vasculares de 27 estados membros da União Europeia. Sete dos onze géneros a que pertencem as plantas endémicas em estudo constam da mesma lista: Seseli, Laserpitium, Ferula, Eryngium, Bunium, Angelica e Daucus; Eryngium galioides vem referenciada como LC - pouco preocupante - e Daucus halophilus, o taxon endémico exclusivo de 3 províncias portuguesas (Pujadas, 2003a; 2003b), está indicado como DD - informação insuficiente (Bilz et al., 2011).
Alguns dos géneros a que pertencem estas plantas endémicas são utilizados na alimentação, como a cenoura, e a maioria na medicina popular, para o tratamento de uma ampla gama de infeções, sendo Angelica, Bunium, Daucus, Eryngium, Seseli e Thapsia mais frequentemente utilizados (Castroviejo et al., 2003).
Daucus carota subsp. carota, designada “laço da rainha Anne” na América do Norte, onde é considerada uma planta invasora, é uma forma selvagem de D. carota e será o ancestral da cenoura domesticada, a subespécie sativus, a única forma cultivada com importância a nível mundial (Rong et al., 2010).
Nove subespécies de D. carota são descritos para a Península Ibérica (Castroviejo et al., 2003), sendo cinco subespécies representadas em Portugal Continental, onde apenas quatro são nativas: D. carota L.subsp. carota; D. carota L.subsp. maximus (Desf.) Bal; D. carota L. subsp. gummifer Hook (Syme)e D. carota L. subsp. halophilus (Brot.) A. Pujadas.
Assim, para além da subespécie cultivada (subsp. sativus) e as nativas, subespécie carota e o já referido endemismo D. carota subsp. halophilus, existem em Portugal Continental outras duas subespécies nativas (subsp. gummifer e subsp. maximus), sendo muito importante conseguir a distinção clara entre os taxa. Esta não é uma tarefa fácil quando baseada apenas na análise das características morfológicas, que apresentam alguma complexidade, o que ocorre, geralmente, em todas as Apiaceae.
Na verdade, a caracterização molecular da diversidade de plantas é uma ferramenta importante para identificação dos taxa, fator também relevante ao nível industrial, pois tem um grande potencial para melhorar a eficiência da reprodução das plantas cultivadas (Bradeen et al., 2002), estando atualmente em curso estudos que visam identificar polimorfismos da cenoura (Iorizzo ​​ et al., 2011).
Conforme referimos, a morfologia da família Apiaceae é muito variada. No entanto, Eryngium é um género interessante, pois distingue-se de outras Apiaceae pelas suas inflorescências capitadas rodeadas por brácteas e pela presença de uma única bractéola por flor. Dados da dispersão e análises de vicariância indicaram que os candidatos mais prováveis ​​para a sua origem são subgéneros do Mediterrâneo Ocidental: Eryngium subgen. Eryngium e Eryngium subgen.Monocotyloidea (Calvino et al., 2008). O primeiro taxon inclui todas as espécies do Velho Mundo (África, Europa e Ásia), enquanto o segundo inclui todas as espécies do Novo Mundo (Norte, Central e América do Sul e Austrália). No entanto, como salientado pelo Calviño et al. (2008; 2010) a interpretação da história evolutiva de Eryngium permanece extremamente difícil, uma vez que combina vários processos complexos, tais como radiações rápidas e evolução reticulada e dispersões de longa distância.
Vinte e seis espécies de Eryngium são referidas na Flora Europeia (Tutin et al., 1968) e dezasseis estão descritas para a Península Ibérica (Castroviejo et al., 2003), das quais setesão comuns aos dois países. A espécie E. pandanifolium só está referenciada em Portugal, onde estão presentes dois endemismos ibéricos: Eryngium duriaei J. Gay exBoiss. e  Eryngium galioides Lam.(Castroviejo et al., 2003; Nieto Feliner, 2003; Gimenez et al., 2004).
Eryngium duriaei é um espécie herbácea, polinizada por insetos, caracterizada por ter x = 8, como número base de cromossomas mais comum, embora números mais baixos (e.g., x = 5-7) também tenham sido relatados (O'Leary et al., 2004), bem como diferentes níveis de ploidia ao nível do género (Perthuy et al., 2010). Várias espécies de Eryngium foram previamente estudadas quanto à química, diversidade e propriedades de seus óleos essenciais (Ayoub et al., 2003; 2006; Pala-Paul et al., 2005; 2010; Cavaleiro et al., 2011; Darriet et al., 2012).
Como outras Apiaceae, Eryngium duriaei é uma espécie aromática cujos óleosessenciais podem ter algumas aplicações práticas. No entanto, os dados disponíveis sobre a composição e atividade biológica de óleos essenciais de E. duriaei são escassos. Além disso, informações sobre as diferentes populações relatadas em Portugal são bastante limitadas e existem dúvidas sobre as relações ao nível taxonómico. De facto, Jansen (1998) e Nieto Feliner (2003) apontam algumas diferenças morfológicas entre as populações ibéricas de Eryngium duriaei.
Os metabolitos secundários como óleos essenciais, podem ser considerados como marcadores biológicos (Nogueira et al., 2008; Sena Filho et al., 2010), bem como a variação do genoma de DNA (Loureiro et al., 2007a, b; Sunnucks, 2010) e a análise química, para certificar a identificação de espécies morfologicamente semelhantes (Pala-Paúl et al., 2010; Paul et al., 2011).
Esta questão é especialmente relevante para o estudo de espécies endémicas, restritas a populações de habitats muito limitados e particulares (Qiu et al., 2004), onde estes marcadores químicos representam uma ferramenta poderosa e abrangente. Não só podem contribuir para controlar e manter o controlo de qualidade na extração dos metabolitos secundários, por exemplo, os óleos essenciais para utilização em aplicações medicinais, como podem ajudar na identificação taxonómica de espécimes de plantas.

Página anterior

Volver al índice

Página siguiente

Volver al índice

Enciclopedia Virtual
Tienda
Libros Recomendados


1647 - Investigaciones socioambientales, educativas y humanísticas para el medio rural
Por: Miguel Ángel Sámano Rentería y Ramón Rivera Espinosa. (Coordinadores)

Este libro es producto del trabajo desarrollado por un grupo interdisciplinario de investigadores integrantes del Instituto de Investigaciones Socioambientales, Educativas y Humanísticas para el Medio Rural (IISEHMER).
Libro gratis
Congresos

4 al 15 de diciembre
V Congreso Virtual Internacional sobre

Transformación e innovación en las organizaciones

11 al 22 de diciembre
I Congreso Virtual Internacional sobre

Economía Social y Desarrollo Local Sostenible

Enlaces Rápidos

Fundación Inca Garcilaso
Enciclopedia y Biblioteca virtual sobre economía
Universidad de Málaga