DOCENTES DO ENSINO SUPERIOR DO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM LETRAS DO INSTITUTO DO ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ – IESAP

Ione Vilhena Cabral
Roberto Carlos Amanajas Pena

3.2 A Metodologia Desenvolvida pelo Professor

Durante muito tempo o que se teve como metodologia desenvolvida pelos professores, foi uma pratica onde ele explicava os conteúdos os alunos simplesmente absorviam sem nenhum questionamento com relação a disciplina junto ao professor e em seguida vinha a aplicação da prova que iria medir o conhecimento do aluno através daquele mecanismo de avaliação, essa forma de metodologia é típica de uma pratica tradicional.
Essa pratica desenvolvida por muitos profissionais tirava completamente a liberdade do aluno em questionar e até criticar tanto o desempenho do professor quanto os conteúdos. Pois assim como, o aluno faz parte de um processo de ensino aprendizagem o professor é ator de maior responsabilidade desse processo, tendo em vista que é ele que passa a segurança para os alunos. Se sua pratica é classificatória e excludente o aluno vai se sentir prejudicado com a mesma podendo até se evadir da escola, neste caso aqui da universidade.
Por este motivo, desde a instituição da LDB muitos questionamentos e discussões sobre o processo de aprendizagem e principalmente sobre a avaliação vem sendo foco de fóruns e debates. Em função dessas discussões muitos profissionais foram aos poucos mudando sua forma de trabalhar a avaliação dentro da sala de aula com os seus alunos. Atualmente busca-se não mais reprimir e punir os alunos na hora da prova como ocorria antigamente, claro que ainda existem casos a este respeito, mas hoje observa-se modos diferenciados de avaliação principalmente no que tange ao desenvolvimento do aluno no processo de ensino aprendizagem. É o que enfatiza Hoffmann com relação a essas discussões:

“Mas, sem duvida, esse não é um comportamento que se observa apenas nos professores, porque toda a sociedade vem se manifestando no mesmo sentido, ou seja, reagindo quando se fala em abolir o sistema tradicional de realização de provas obrigatórias e atribuição de notas e conceitos periodicamente, basicamente como “uma rede de segurança” que se constituiu sem se refletir exatamente por que”. (2003, p. 18)
 
 Dessa forma, verifica-se que tanto a escola quanto a sociedade tem papéis fundamentais nesse processo de aprendizagem. Que as discussões são primordiais para o desempenho dos alunos e principalmente para a aprendizagem destes. Por este motivo, observa-se que dependendo do índice de reprovação dos alunos na avaliação aplicada o professor é capaz de mudar sua metodologia adequando-a de acordo com a necessidade dos discentes.
É o que se analisa no gráfico 02, onde 100% dos entrevistados, isto é, os alunos colocam que os professores estão mais aptos a mudanças no que tange a sua forma de avaliá-los, e se um grande número de acadêmicos tira nota baixa na avaliação o professor reflete sobre sua pratica e busca outros mecanismos para trabalhar com a turma.

O professor muda sua forma de avaliar a turma de acordo com o desempenho dos alunos buscando assim, segundos os educandos, outra alternativa para avaliá-los. Isso ocorre porque de acordo com o gráfico seguinte alguns alunos trabalham não tendo assim, muito tempo para se dedicar aos estudos daí a compreensão por parte do professor com relação a avaliação. A esse respeito enfatiza Hoffmann:

“Que a resistência dos professores em termos de mudar sua pratica, dar-se conta do prejuízo causado aos estudantes, precisa ser analisada do ponto de vista das concepções construídas por eles ao longo de sua vida enquanto estudantes e em termos das influencias teóricas sofridas. É preciso respeitar o professor em suas concepções, promover estudos e espaços de discussão nas escolas e universidades, porque é através do aprofundamento teórico que os professores poderão tomar consciência do significado de determinados procedimentos avaliativos. Não será através de normas e determinações que o professor irá mudar, mas tornando-se consciente do sentido de determinadas posturas avaliativas através de muitas leituras e discussões com outros educadores”. (2005, p. 72)

Assim, o professor coerente busca outras formas de avaliar a classe, fazendo também uma auto-avaliação de sua própria pratica educativa, pois se uma grande parte da turma tem um baixo rendimento na avaliação o docente tem a obrigação de rever sua metodologia, pois assim como, muitos professores não gostam de determinados alunos, ocorre também o contrario de muitos alunos não gostarem de determinados professores por apresentarem uma metodologia ultrapassada. É o que se configura no gráfico 03 onde 85% dos alunos admitem que os professores mudam sua metodologia dependendo do índice de reprovação da classe, buscando assim outros métodos avaliativos.

O professor muda sua metodologia para facilitar a aprendizagem do aluno contribuindo assim, para o processo de ensino aprendizagem. O professor elabora sua forma de avaliar de acordo com o desempenho dos alunos frente aos conteúdos para só então, alcançar seus objetivos com a turma. Assim de acordo com Libâneo:

“Boa parte dos professores de nossas escolas entende o trabalho docente como “passar” a matéria do programa, geralmente de acordo com o livro didático. É verdade que muitos livros didáticos já indicam a estruturação da aula, mas, ainda assim, o ensino permanece preso à seqüência da matéria (exposição verbal, exercícios, prova), como algo externo e isolado que não mobiliza a atividade mental dos alunos. A estruturação da aula deve refletir o entendimento que temos procurado trazer, sobre o processo de ensino: um trabalho ativo e conjunto do professor e dos alunos, sob a direção do professor, tendo em vista a assimilação consciente e solida de conhecimentos, habilidades e hábitos pelos alunos e, por esse motivo, o desenvolvimento de suas capacidades cognoscitivas”. (1994, p. 96)

Na atualidade a metodologia educacional está voltada para uma educação que atenda um plano dialético, em que o professor tem a competência para mudar sua pratica de acordo com a necessidade da turma, atendendo as capacidades cognoscitivas dos alunos como enfatiza o autor supracitado.

Volver al índice

Enciclopedia Virtual
Tienda
Libros Recomendados


1647 - Investigaciones socioambientales, educativas y humanísticas para el medio rural
Por: Miguel Ángel Sámano Rentería y Ramón Rivera Espinosa. (Coordinadores)

Este libro es producto del trabajo desarrollado por un grupo interdisciplinario de investigadores integrantes del Instituto de Investigaciones Socioambientales, Educativas y Humanísticas para el Medio Rural (IISEHMER).
Libro gratis
Congresos

17 al 31 de enero
I Congreso Virtual Internacional sobre

Economía Social y Desarrollo Local Sostenible

15 al 28 de febrero
III Congreso Virtual Internacional sobre

Desafíos de las empresas del siglo XXI

15 al 29 de marzo
III Congreso Virtual Internacional sobre

La Educación en el siglo XXI

Enlaces Rápidos

Fundación Inca Garcilaso
Enciclopedia y Biblioteca virtual sobre economía
Universidad de Málaga