DOCENTES DO ENSINO SUPERIOR DO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM LETRAS DO INSTITUTO DO ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ – IESAP

Ione Vilhena Cabral
Roberto Carlos Amanajas Pena

1.2  Breve contexto da Educação Religiosa  no Brasil

O Brasil tem suas primeiras atribuições educacionais com os padres jesuítas (comentado no tópico anterior), podiam ser analisados similares ao processo educativo, a educação religiosa provinha da idade média quando a Europa foi conduzida pelos tratados teocêntricos da palavra divina como mediador do povo. Porém, com a formação e o nascer da burguesia cria-se um novo estilo de vida baseado na exploração material e propriedade intelectual do povo pelo clero, e este configura-se por meio da coroa de Cristo em manipular por intermédio das ações as consciências dormentes e cansadas sob domínio da retórica cristã.
Comenta ARRUDA  2007:

“Embora recebessem educação padronizada, os brasileiros entravam em contato com outros estilos de vida e traziam as aspirações da civilização urbana mais avançada e vislumbrada no velho mundo para contrapor ao modo de vida rural e patriarcal da colônia. Esses elementos de diferenciação fizeram germinar idéias políticos e sociais reveladoras da insatisfação do Status quo”. (ARRUDA PG.165)

Com isso, a estrutura da igreja ultrapassa os limites da educação, tendo a monarquia para estabelecer uma divisão entre o homem iletrado pelo homem erudito. A reminiscência por meio da patrística e escolástica configura a passagem por esse período turbulento em que, o lado educacional estava contido em poder do clero e monarquia seguido pela burguesia.
Identifica-se que a educação no Brasil continuava a ser isômera a do século anterior mantendo-se um ensino tradicional baseado nos pensadores racionalista com ênfase na cultura dos poderosos que possuíam maior riqueza e os privilégios da intelectualidade da corte. Isso desdobrava-se com outros conceitos que, visualizassem a maneira de como o saber era repassado. A educação aos poucos foi participando da cúpula oriunda da classe da opulência, sendo moldada a partir da graça ocidental urbanizada, aos desígnios climáticos e tropicais do Brasil.

Assegura ARRUDA 2007:

“A educação interessava apenas a poucos elementos da classe dirigente e, ainda assim, como ornamento e erudição. Era literária, abstrata – além de dogmática -, afastadas dos interesses materiais, utilitários, e até estranha, por tentar trazer o espírito europeu urbano para um ambiente agreste e rural”. (ARRUDA PG. 164)

A especificidade dos jesuítas no Brasil era apenas doutrinar os verdadeiros donos da terra para depois transmitir a cultura de vida e aspirações do velho continente, contudo as companhias eram responsáveis pela educação religiosa, o ensino jesuítico controlava as lições de aprendizagem e limitações destinadas ao modo de alcançar funções de obediência.
A colônia estava voltada para produção e não para a educação, nesse seguimento as proporções era a de um ensino desprezado pela sociedade, o que, caracterizou-se um total abandono nas noções de saber, o reflexo se estende as nações ocidentais como modelo a seguir pela doutrina dogmática. Embora alguns brasileiros procurassem por meios próprios o destino educacional como forma de sobrevivência, já que a ação era oferecida pela igreja e não pela coroa, passa-se então a perceber que, para sorver o ensino o apostolado era preciso dirigi-se com suas colocações para os seminários e colégios religiosos sobre doutrina rigidamente clerical.
Comenta ARRUDA 2007:

“No século XVII, o ensino no Brasil não apresentou grandes diferenças com relação ao século anterior. O ensino jesuítico manteve a escola conservadora, alheia a revolução intelectual representada pelo racionalismo cartesiano e pelo renascimento cientifico. Centrada no nível secundário, a educação visava a educação humanística, privilegiando o estudo do latim, dos clássicos e da religião. Não fazia parte do currículo escolar as ciências físicas ou naturais, bem como as técnicas ou as artes”.
(ARRUDA PG.164)

Com fundamento nestas colocações e propriedades torna a igreja a única detentora da informação para época, já que, para se inserir no lado formal do conhecimento bastava-se colocar a disposição dos seus cuidados sacerdotais. Frisa que era uma saída para o mundo do saber. Os seminaristas eram enviados para estudos no antigo continente, e estudavam as técnicas e a maneira como os dirigentes do apostolado aprendiam a ciência da educação.  

Volver al índice

Enciclopedia Virtual
Tienda
Libros Recomendados


1647 - Investigaciones socioambientales, educativas y humanísticas para el medio rural
Por: Miguel Ángel Sámano Rentería y Ramón Rivera Espinosa. (Coordinadores)

Este libro es producto del trabajo desarrollado por un grupo interdisciplinario de investigadores integrantes del Instituto de Investigaciones Socioambientales, Educativas y Humanísticas para el Medio Rural (IISEHMER).
Libro gratis
Congresos

17 al 31 de enero
I Congreso Virtual Internacional sobre

Economía Social y Desarrollo Local Sostenible

15 al 28 de febrero
III Congreso Virtual Internacional sobre

Desafíos de las empresas del siglo XXI

15 al 29 de marzo
III Congreso Virtual Internacional sobre

La Educación en el siglo XXI

Enlaces Rápidos

Fundación Inca Garcilaso
Enciclopedia y Biblioteca virtual sobre economía
Universidad de Málaga