DOCENTES DO ENSINO SUPERIOR DO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM LETRAS DO INSTITUTO DO ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ – IESAP

Ione Vilhena Cabral
Roberto Carlos Amanajas Pena

Capítulo3
O PERFIL DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS DO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ – IESAP

3.1 O Conceito do Processo de Avaliação da Aprendizagem na Universidade

Muito já se falou no decorrer deste ensaio sobre avaliação, vimos que existem vários tipos como, por exemplo, a mediadora, classificatória, qualitativa e a quantitativa. Por este motivo faz-se necessário, agora compreender de uma forma mais especifica como a avaliação ocorre dentro do âmbito da Educação Superior. Assim, o professor juntamente com o aluno que agora passa a ser um universitário necessita interagir dentro de um universo mais amplo e principalmente cientifico.
 Para que isso ocorra é necessário haver por parte do docente uma compreensão ampla do significado de avaliação dentro desse novo campo escolar que se apresenta para este aluno. Pois, o professor que realmente tem um objetivo para com a turma e compromisso com a mesma e com aquilo que faz escolhe certo a melhor forma de avaliar e o jeito como ele vai avaliar essa turma, uma vez que a avaliação produz mudanças na vida tanto do avaliado quanto do avaliador. Neste sentido, enfatiza Freitas (2002), que a avaliação por se tratar de um fenômeno social, tem a ver com ações, atitudes e valores dos indivíduos em diversas dimensões que se inter-relacionam.
Assim, avaliação ao longo do processo histórico passou por mudanças. Mas, sabe-se que antigamente, precisamente por volta do século XVIII, a avaliação passa a ser estruturada, pois o que setinha até então, era uma forma de seleção e medição dos indivíduos para almejar algum cargo no setor público. A respeito desse enfoque relata Freitas:

“Para mais eficaz e objetivamente dar conta dessas novas funções que lhe foram outorgadas, avaliação teve que se desenvolver tecnicamente, criando os testes escritos e o sistema de notação. Ai está uma primeira característica que colou na avaliação e com o tempo também parece pertencer à sua essência: os testes escritos com fins de medida. Como se sabe as universidades medievais praticavam apenas exercícios orais; como proposta pedagógica. Os testes escritos são uma criação da escola moderna. Sua forma escrita se liga à idéia de credibilidade pública, transparência e rigor. Ganharam tanta importância que acabaram até mesmo interferindo fortemente na definição dos currículos e das propostas pedagógicas”. (2002, p. 19)

Percebe-se então, que a forma de avaliar das universidades medievais não possuíam caráter classificatório como ocorre hoje na modernidade. A pratica desenvolvida pelos professores dessa época ultrapassavam as barreiras da objetividade, posto que o processo da aprendizagem se dava através de exercícios orais, e não através de provas escritas que minimizavam a forma de conhecimento adquirida pelo aluno. Assim, segundo Freitas:

“De um lado, os instrumentos de testes, provas e exames trouxeram mais precisão e força operacional ao sistema de medidas e de seleção. Por outro, determinaram uma concepção e uma pratica pedagógica que consistem basicamente na formulação dos deveres ou exercícios escolares e controle através dos testes. Assim, a avaliação interfere incisivamente na organização dos conteúdos e das metodologias e vai legitimando saberes, profissões e indivíduos, o que significa também produzir hierarquias de poder e privilégios. Como símbolo da legitimação de valores e privilégios sociais, os títulos e diplomas são instituídos formalmente, resultantes também eles da avaliação, e ganharam grande importância na determinação das hierarquias e na distribuição dos indivíduos nos lugares que de “direito” e por mérito individual lhes corresponderiam na sociedade”. (2002, p. 19)

 Mas, de acordo com o autor isso só ocorreu em função do crescimento das grandes cidades e da necessidade que o homem teve em distribuir os indivíduos para os diferentes ramos de empregos e cargos que a sociedade moderna criou e que precisava de mão-de-obra qualificada, daí o processo de avaliação se caracterizar principalmente como medida e seleção de algo que se quer alcançar.
Tal retrato foi possível com a criação de universidades, contrapondo tais idéias por meio de pesquisa realizada, que surgiram com o objetivo de qualificar mão-de-obra para o mercado de trabalho que cresciam largamente nas décadas de 1960, 1970 e 1980. Dessa forma, é importante entender o papel e a importância dessa, que de acordo com Freitas:

“Compreender a universidade é uma construção intelectual e coletiva que passa pelo conhecimento das suas diversas partes, interpretação e integração dos seus diversos e contraditórios sentidos, levando em conta não somente as dimensões internas da instituição, mas também as suas relações com o universal da ciência e dos valores, inseparavelmente do local, da comunidade, dos entornos mais próximos, do relativo e até mesmo do efêmero. A universidade tem compromisso com o universal, com os destinados da humanidade e particularmente com a ciência, bem como com a sociedade que a prove e a encarrega de formar cidadãos e profissionais competentes para o desenvolvimento humano solidário e bem fundamentado. Todo este conjunto constitui uma essencial da construção da consciência de nacionalidade e da própria nação. Neste sentido, ou seja, enquanto corresponde aos reclamos da sociedade – não simplesmente do mercado –, toda universidade deve ser publica, independente de sua natureza jurídica e de suas formas de financiamento e gestão”. (2002, p. 44)   

Assim, observa-se o papel fundamental que a universidade apresenta tanto na vida de quem faz parte dela internamente (direção, colegiado, alunos, funcionários, corpo técnico, etc.), quanto à sociedade que está ao seu entorno, posto que ela constitui, como enfatiza o autor, parte essencial da construção da consciência tanto individual quanto coletiva. Individual porque forma para o crescimento intelectual e profissional do ser. E coletivo no que tange a fazer pesquisa, logo, ciência que tragam resultados precisos para o bem estar de toda uma sociedade. Dessa forma, a avaliação deve desempenhar assim como a universidade papel primordial no que tange ao bem estar dos indivíduos, pois para Freitas:

“O caráter público da universidade produz a exigência ética da avaliação. Daí há que derivar um conceito de avaliação identificado com a responsabilidade social da universidade. Fundada nestes conceitos e tendo estas finalidades, a avaliação devera emergir de um processo construído socialmente. Deverá respeitar as diferentes culturas e os interesses políticos conflituosos dos distintos grupos e levar em conta a diversidade e a pluralidade, sem jamais perder de vista sua referencia fundamental que é a sociedade. Do ponto de vista epistemológico, ético e metodológico, a avaliação que melhor corresponde a essa concepção de universidade inscreve-se num conjunto que recebe diversas denominações, como qualitativa, naturalista, fenomenológica, democrática, participativa, das representações e sentidos, da intencionalidade educativa”. (2002, p. 46)

Deste modo, temos que a avaliação também é responsabilidade social e não uma forma de punição, medição e seleção como ocorre por parte de algumas instituições de ensino que apresentam um quadro de professores despreparados para lhe dá com o diferente e com as novas tendências. Assim, a palavra avaliação durante muito tempo foi motivo de “pânico” entre os alunos, mas hoje se percebe outra realidade com relação à ela.
Pois os professores estão bem mais flexíveis no que tange ao processo de aprendizagem dos seus alunos, tanto que de acordo com a pesquisa realizada no Instituto de Ensino Superior do Amapá – IESAP – mas, precisamente no curso de Licenciatura em Letras os acadêmicos da referida instituição, a respeito do processo de ensino aprendizagem da avaliação na universidade.

Assim, verifica-se no gráfico que 41% dos entrevistados entende que na universidade hoje, os professores procuram trabalhar seus objetivos de forma que venha adequar os conteúdos de acordo com a realidade dos acadêmicos, ou seja, buscando uma avaliação no processo acompanhando os seus alunos de acordo com o seu desempenho diário. Mas, apesar disso, analisou-se ainda, que 26% consideram o processo de avaliação desenvolvido pelos docentes bom e que 22%, um numero bastante elevado no que tange as novas praticas avaliativas, ainda considera que o processo de avaliação se dá de forma tradicional por parte de alguns professores fator esse que já deveria ter sido superado pelos mesmos.

Volver al índice

Enciclopedia Virtual
Tienda
Libros Recomendados


1647 - Investigaciones socioambientales, educativas y humanísticas para el medio rural
Por: Miguel Ángel Sámano Rentería y Ramón Rivera Espinosa. (Coordinadores)

Este libro es producto del trabajo desarrollado por un grupo interdisciplinario de investigadores integrantes del Instituto de Investigaciones Socioambientales, Educativas y Humanísticas para el Medio Rural (IISEHMER).
Libro gratis
Congresos

9 al 23 de octubre
VI Congreso Virtual Internacional sobre

Arte y Sociedad: Paradigmas digitales

2 al 16 de octubre
I Congreso EUMEDNET sobre

Economía y contextos organizativos: nuevos retos

16 al 30 de octubre
II Congreso Virtual Internacional sobre

Migración y Desarrollo

1 al 15 de noviembre
II Congreso Virtual Internacional sobre

Desigualdad Social, Económica y Educativa en el Siglo XXI

4 al 15 de diciembre
V Congreso Virtual Internacional sobre

Transformación e innovación en las organizaciones

11 al 22 de diciembre
I Congreso Virtual Internacional sobre

Economía Social y Desarrollo Local Sostenible

Enlaces Rápidos

Fundación Inca Garcilaso
Enciclopedia y Biblioteca virtual sobre economía
Universidad de Málaga