CONSERVAÇÃO IN VITRO E EX SITU E VALORIZAÇÃO DE ENDEMISMOS IBÉRICOS DAS APIACEAE PORTUGUESAS

Ana Cristina Pessoa Tavares dos Santos

Cultura in vitro – Micropropagação

A cultura in vitro foi desenvolvida prioritariamente para as espécies de distribuição geográfica mais restrita: Daucus carota subsp. halophilus, Angelica pachycarpa, Distichoselinum tenuifolium e Seseli montanum subsp. peixotoanum. Foi também iniciada a micropropagação de Eryngium duriaei.
Os resultados apresentados resultam da otimização das diferentes técnicas de cultura in vitro e da aclimatização a condições de exterior do material vegetal micropropagado, no Jardim Botânico de Coimbra e, para alguns casos, em habitat natural.

Daucus carota subsp. halophilus

Proliferação de meristemas

Após 4 semanas de cultura no meio de germinação, 50% das sementes colhidas em habitat natural puderam germinar e os ápices caulinares foram usados como explante.
 Os resultados da proliferação de rebentos caulinares pela multiplicação de meristemas indicam que a percentagem de proliferação atingiu 100% em todos os meios testados, a única exceção foi para o meio contendo 0,5 mg/L BA, que apresentou uma indução de cerca de 90% (Tabela 12).

Tabela 12: Efeito da concentração de BA sobre a proliferação de rebentos caulinares em segmentos foliares de D. carota subsp. halophilus, após 4 semanas de cultura.


BA (mg/L)

Nº de explantes cultivados

Indução (%)

Nº de rebentos/explante

Controlo

51

100 a

2,7 ± 0,03 d

0,1

51

100 a

3,3 ± 0,14  c

0,2

51

100  a

  3,6 ± 0,04  b c

0,5

70

90,1 ± 8,7  a

3,5 ± 0,12 c

1

75

100  a

3,9 ± 0,08 b

2

74

100  a

4,4 ± 0,14  a

Cada valor é a média com erro padrão de três réplicas. Os valores nas colunas seguidos pela mesma letra não são significativamente diferentes (Teste de Tukey, P < 0,05).

Os resultados também mostraram que o número de rebentos aumentou com a concentração de BA atingindo um máximo de 4,4 rebentos por explante para o meio contendo 2 mg/L (Tabela 12). No meio sem BA também ocorreu proliferação, mas com um menor número de rebentos caulinares (2,7 rebentos/explante).
Num segundo conjunto de experiências e após a remoção de todos os rebentos foliares, a base do explante (stump) foi inoculado novamente no mesmo meio de cultura para um novo ciclo de multiplicação de rebentos. Como o número de rebentos formados em meio MS foi muito menor que nos outros meios (2,7 rebentos/explante), este meio não foi testado na segunda fase de proliferação. Os dados desta experiência mostram que a indução variou entre 89-100% (Tabela 13), sem diferença estatística siginificativa nos valores médios encontrados (P <0,05). O número de rebentos também foi maior (7,9 rebentos/explante) nos meios com 2 mg/L BA (Tabela 13 e ), e o mais reduzido (3,8 rebentos/explante) na concentração mais baixa de BA.

Tabela 13: Proliferação de rebentos foliares em D. carota subsp. halophilus num segundo ciclo de cultura.


BA (mg/L)

Nº de explantes cultivados

Indução (%)

Nº de rebentos/explante

0,1

51

100  a

3,8 ± 0,15 c

0,2

51

96,1 ± 4,0 a

4,6 ± 0,36 c

0,5

70

100  a

6,1 ± 0,39 b

1

75

90,7 ± 5,3 a

 6,0 ± 0,16 b

2

74

89,2 ± 7,0 a

                  7,9 ± 0,4

Cada valor é a média com erro padrão de três réplicas. Valores nas colunas seguidos pela mesma letra não são significativamente diferentes (Teste de Tukey, P < 0,05).

Em todas as concentrações de BA utilizadas observou-se que o número de rebentos formados foi maior no segundo ciclo da cultura do que no primeiro (Tabelas 12 e 13). Embora o comprimento dos rebentos não tivesse sido registado, observou-se que o comprimento da parte aérea foi, em geral, maior para as concentrações maiores de BA.
Para além da proliferação de meristemas observou-se a indução de organogénese na zona de corte do explante, em particular na presença de 1 ou 2 mg/L BA, originando gemas adventícias, o que aumentou o número total de rebentos formados. Repetidas inoculações dos explantes demostraram que o potencial do explante para a organogénese foi mantido durante, pelo menos, 8 meses (dados não apresentados), sem perda da capacidade de proliferação de novos rebentos caulinares.
Foi também observada a floração em alguns rebentos. Este tipo de resposta encontra-se descrito em detalhe na secção 3.2.1.6.
Estudos histológicos realizados em pedicelos das flores produzidos in vitro mostraram uma estrutura anatómica semelhante às mesmas estruturas em plantas silvestres, incluindo a presença de cavidades secretoras características da família Apiaceae.

Página anterior

Volver al índice

Página siguiente

Volver al índice

Enciclopedia Virtual
Tienda
Libros Recomendados


1647 - Investigaciones socioambientales, educativas y humanísticas para el medio rural
Por: Miguel Ángel Sámano Rentería y Ramón Rivera Espinosa. (Coordinadores)

Este libro es producto del trabajo desarrollado por un grupo interdisciplinario de investigadores integrantes del Instituto de Investigaciones Socioambientales, Educativas y Humanísticas para el Medio Rural (IISEHMER).
Libro gratis
Congresos

9 al 23 de octubre
VI Congreso Virtual Internacional sobre

Arte y Sociedad: Paradigmas digitales

16 al 30 de octubre
II Congreso Virtual Internacional sobre

Migración y Desarrollo

1 al 15 de noviembre
II Congreso Virtual Internacional sobre

Desigualdad Social, Económica y Educativa en el Siglo XXI

4 al 15 de diciembre
V Congreso Virtual Internacional sobre

Transformación e innovación en las organizaciones

11 al 22 de diciembre
I Congreso Virtual Internacional sobre

Economía Social y Desarrollo Local Sostenible

Enlaces Rápidos

Fundación Inca Garcilaso
Enciclopedia y Biblioteca virtual sobre economía
Universidad de Málaga