MANIFESTAÇÃO RELIGIOSA DA IGREJA CATÓLICA: A FESTA DE SÃO TIAGO NO MUNICÍPIO DE MAZAGÃO VELHO – AP

Ione Vilhena Cabral
Tatiane da Silva Cardoso
Roberto Carlos Amanajás Pena

3.2 A PARTICIPAÇÃO MASCULINA NA FESTA: OS PERSONAGENS PRINCIPAIS

Como foi citado, anteriormente, a festa de São Tiago é uma guerra entre cristãos e mouros travada no continente africano, e que teve São Tiago e São Jorge lutando ao lado dos cristãos e o rei Caldeira ao lado dos mouros. Sendo assim, por se tratar de uma guerra, onde somente os homens têm participação, assim é a festa atualmente que ocorre em Mazagão Velho, onde as mulheres não podem participar das encenações das batalhas, do baile de máscaras, nada relacionado ao conflito.
Segundo informações dos moradores, as mulheres só podem participar se fizerem promessa a São Tiago, onde o pagamento é a participação na batalha. Mas, elas precisam comunicar a Comissão Organizadora da festa que analisará o caso e dará a permissão, alguns moradores acreditam que esse fato se dá porque já é tradição desde o continente africano, além disso, antigamente, na encenação da batalha, o atalaia morria de verdade, pois os tiros disparados nele eram reais, e isso só os homens presenciavam, hoje esse fato não acontece mais, apenas de forma simbólica. Conforme se vê no quadro abaixo:

Quadro 10: A participação dos homens é maior que a das mulheres na encenação da batalha.

Participação dos homens

Quantidade

%

É tradição só os homens participarem das batalhas

18

39

Antigamente só os homens iam para guerra as mulheres não

15

33

Elas nunca saem só com promessas

10

22

Se as mulheres participarem são retiradas com violência

02

04

Antes disparavam tiros de verdade e matavam o atalaia, hoje é simbólico.

01

02

Total

46

100

Fonte: Pesquisa de campo realizada em 07 e 09/2006, no município de Mazagao Velho, AP.

Mas, em contra partida a essa tradição, onde só os homens podem participar, o depoimento de um dos moradores chamou atenção no que tange a participação das mulheres na festa de São Tiago, ele é um dos integrantes da Comissão Organizadora da festa e diz:

“Lá na áfrica na guerra sangrenta, elas entraram e participaram, mais como na época elas não eram vistas, não tinham direito. E hoje eles permanecem com essa tradição, mais defendo que elas deveriam participar das encenações, os homens saiam para o campo de guerra mais elas deveriam defender suas casas, porque os homens tavam nas batalhas, então com certeza as mulheres lutaram na guerra e mais no baile dos máscaras que teve quem não garante que elas foram mascaradas para passar para o lado mouro” (Sr. Josué da Conceição Videira, 39 anos, entrevistado em 14/09/2006).

Assim, de acordo com o relato do Sr. Josué, alguns moradores sempre questionam a respeito da não participação das mulheres na festa, o porquê delas não encenarem a batalha, uma vez que para ele os homens saiam para a guerra e quem tomava conta da casa eram as mulheres com os seus escravos que lutavam para defender seu espaço e seu ideal. Mas, sabe-se que naquela época, as mulheres não possuíam direito algum, o que prevalecia era a soberania do homem.
Não obstante, como na época esse fato era normal, a festa de São Tiago, desde seu início, segue com essa tradição. Sendo assim, alguns moradores de Mazagão Velho acreditam que “os homens possuem uma resistência física maior que as mulheres”. Estas que sempre foram taxadas de “sexo frágil”, segundo os moradores, não têm capacidade “para celar os cavalos”, “agüentar as horas” que eles passam em cima dos cavalos “com roupas pesadas no sol quente”. Como mostra a figura abaixo dos homens montados nos cavalos. Dessa forma, compete, ainda, aos homens a função de caixeiros e essa tradição é muito forte, pois somente os mais antigos da comunidade tocam as caixas e sabem a batida das músicas. Os jovens que desejam participar necessitam passar por um “treinamento”, uma espécie de curso, que capacita o aluno para tocar o tambor e as músicas.

Foto 22: A participação exclusiva dos homens na festa de São Tiago
Existe, ainda, o pelotão dos atiradores, que durante as encenações disparam vários tiros para o alto, dando sensação de batalha. E, dentre todas essas funções, temos os homens que realizam os papéis principais que são as “figuras” de São Tiago, São Jorge, o atalaia, bobo velho e o menino caldeirinha, lembrando que para a escolha dos papéis são realizados sorteios. Os representantes de São Tiago e São Jorge, durante as encenações, só aparecem no dia 25 de julho, dia do aparecimento do soldado na batalha ainda na África. Por serem os personagens principais, eles trocam duas vezes de roupas, a primeira vestimenta é carregada de luxo, cores fortes e brilhantes que encantam os olhos das pessoas, as “figuras” são vestidas como reis; a segunda roupa é a da batalha, seria o uniforme de guerra dos soldados.
Assim, como se trata de uma tradição de séculos, os moradores de Mazagão Velho se preocupam em manter as características principais da festa como, a não participação das mulheres. Segundo relato de alguns moradores, se os homens perceberem, por exemplo, no baile de máscaras a presença delas, estas podem ser “espancadas” e são retiradas com “violência” do barracão. Mas, isso é difícil ocorrer, pois as mulheres da comunidade já “sabem que não podem participar”, quando uma mulher entra no baile, geralmente, não é moradora de Mazagão, portanto, não conhece a tradição da comunidade, mas atualmente os narradores da festa se preocupam em comunicar que “o baile é só dos homens” e pede que nenhuma mulher entre para participar, pois “é proibida a entrada delas”.
Assim, de acordo com a pesquisa de campo, a comunidade de Mazagão Velho possui festas de todos os gêneros e idades. Ou seja, festas voltadas só para os homens, só para as mulheres e só para as crianças, onde a dos homens é a festa de São Tiago que se estende aos meninos. Já a festa voltada para as mulheres é a do Divino Espírito Santo, onde também participam as meninas. Dessa forma, observa-se que a comunidade segue um padrão, que diz para que todos participem das suas determinadas festas e no seu devido tempo, lembrando que a festa de São Tiago se comparada à outras é a mais celebrada na comunidade.

Volver al índice

Enciclopedia Virtual
Tienda
Libros Recomendados


1647 - Investigaciones socioambientales, educativas y humanísticas para el medio rural
Por: Miguel Ángel Sámano Rentería y Ramón Rivera Espinosa. (Coordinadores)

Este libro es producto del trabajo desarrollado por un grupo interdisciplinario de investigadores integrantes del Instituto de Investigaciones Socioambientales, Educativas y Humanísticas para el Medio Rural (IISEHMER).
Libro gratis
Congresos

4 al 15 de diciembre
V Congreso Virtual Internacional sobre

Transformación e innovación en las organizaciones

11 al 22 de diciembre
I Congreso Virtual Internacional sobre

Economía Social y Desarrollo Local Sostenible

Enlaces Rápidos

Fundación Inca Garcilaso
Enciclopedia y Biblioteca virtual sobre economía
Universidad de Málaga