A visão estratégica do Terceiro Setor, sua formação e atuação na gestão de projetos sociais: Um estudo de caso na Fundação Arte de Educar Amazônia.

A visão estratégica do Terceiro Setor, sua formação e atuação na gestão de projetos sociais: Um estudo de caso na Fundação Arte de Educar Amazônia.

Vanessa Mesquita De Souza

Volver al índice

2.6 O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO TERCEIRO SETOR

Com a globalização e as inovações tecnológicas o mundo tornou-se ainda mais competitivo, este evento veio para influenciar ainda mais nas disputas entre as organizações, estas por sua vez, buscam cada vez mais por recursos, mercados, clientes, imagem e prestígios. Caracterizam como agentes dinâmicos no processo de rápidas mudanças que ocorrem nas sociedades, mercados e no mundo dos negócios.

Tudo isso exige que organizações tomem suas decisões e escolhas, juntamente com seus colaboradores, os gestores devem compreender de forma ampla as tendências nas suas áreas de atuação, ou seja, acompanhar sempre a evolução do mercado, para elaboração de estratégias criativas que motive a organização como um tudo, assegurando assim um desempenho eficaz de garantir a sustentabilidade da organização.

A estratégia é o padrão que integra os objetivos globais de uma organização em um todo coerente e com proposito. Uma estratégia bem formulada permite alocar e integrar todos os recursos e competências organizacionais em uma proposição única e viável para antecipar-se às mudanças ambientais e contingências diante de competidores preparados que disputam os mesmos clientes e fornecedores, interferindo nos objetivos organizacionais desejados. Chiavenato (2009, pág. 5).

Contudo, podemos ressaltar que este processo é uma corrida excessiva, no qual se busca a oportunidade de cada vez mais renovar-se e mudar as estratégias, por questões de sobrevivência perante o mercado competitivo, as organizações precisam sempre estar acompanhando as mudanças e tendências para poder manter-se atualizadas e ajustar-se para competição.

Os desafios surgem a cada instante, por isso, as organizações deve ter clareza no que se pretende realizar, o planejamento estratégico é que conduzirá o desenvolvimento e formulação de estratégias que propiciará sua continuidade na evolução sustentável. O planejamento estratégico pode ser elaborado a longo ou em curto prazo, sendo assim, será o resultado cumulativo de ações desenvolvidas pela organização.

A palavra “estratégia” se originou na Grécia, a partir de estratego, o “cargo de um comandante de armada na antiga Atenas”. Segundo Chiavenato (2009, pág. 7) foi através das guerras que nasceu o conceito de estratégias, as continuadas lutas e batalhas travadas ao longo do século, fizeram com que os militares começassem a pensar antes de agir, ou seja, começou-se a planejar antecipadamente a condução das guerras.

Segundo Voltolini (2003, pág. 36) o conceito e a prática sobre o planejamento estratégico evoluíram significativamente após 50 anos, onde podemos destacar:

  • Houve uma evolução no próprio “problema estratégico”, tornou-se necessário lidar com situações mais complexas, com fatores inter-relacionados, em um ambiente externo de rápidas e profundas transformações;

  • O desenvolvimento cientificou do período propiciou novas formas de pensamento e mesmo de visão do mundo com um desdobramento que vem se mostrando extremamente relevante em todos os campos do conhecimento humano;

  • A evolução nos conceitos de gestão e administração de empresas- notadamente o crescente reconhecimento e valorização do “capital humano” e os avanços no campo da aprendizagem e do desenvolvimento organizacional- estimulou a busca de métodos que lidassem de forma apropriada com estas mesmas dimensões;

  • A intensificação da competição entre as empresas pelos mercados e o próprio amadurecimento da pratica de planejamento estratégico favorecem a investigação e o aparecimento de novos conceitos e abordagens.

Foram produzidos diversos conceitos sobre planejamento estratégico, entre tanto Maximiano (2006.) defini planejamento estratégico como um processo de elaboração das estratégias, onde será definida uma ligação da organização com o ambiente externo e interno, os objetivos da organização devem estar relacionados dentro deste ambiente de modo a dar subsidio para as estratégias alternativas.

O principal objetivo do planejamento estratégico é maximizar os resultados e minimizar as deficiências, objetivado os princípios da maior eficiência, eficácia e efetividade conforme podemos observa no quadro abaixo Chiavenato (2009) faz uma definição entre eficiência, eficácia.

As organizações que planejam estrategicamente normalmente conseguem se destacarem em relação aos seus concorrentes, pois as estratégias definem a estrutura e os processos internos com o objetivo de obter os resultados planejados. Além disso, este tipo de planejamento trata de questões de alto nível, ou seja, está ligada diretamente a alta administração de uma organização, onde são analisados alguns passos conforme nos mostra Voltolini (2003, pág.38):

  • Revisão da missão, ou reflexão do que ela representa;

  • O entendimento das necessidades atuais e futuras dos seus clientes;

  • Os resultados que a organização pretende alcançar;

  • A definição de sua linha de atuação e programas;

  • O posicionamento que a organização deverá ter perante seus principais objetivos;

  • A discussão das competências necessárias para que a organização obtenha sucesso, e a maneira como pretende desenvolve-las;

  • O desenvolvimento da própria organização: objetivos para o desenvolvimento da equipe interna, a definição geral de seus processos de gestão e operação.

É a partir destes passos, que a alta administração irá realizar suas escolhas para tomada de decisões, o que diferencia da parte “tática”, no qual é responsável pelas metas em curto prazo e envolve somente uma parte da empresa, já o operacional abrange a execução das tarefas ou atividades especificas que são responsáveis pelo resultado final.

Deste modo podemos ressaltar a relevância do planejamento estratégico para as organizações do terceiro setor, como já definimos anteriormente, este segmento é composto por organizações sem fins lucrativos, e estas por sua vez vêm enfrentando diversos desafios que acabam por influenciar na continuidade destas organizações. As estratégias são visualizadas dentro do setor como desenvolvimento, visto que, as ONGs atuam de formar articulada com os fatores sociais.

O reconhecimento da sociedade de uma intensa necessidade de transformação social, e utilizar o terceiro setor para justificar este processo enfatizam ainda mais a responsabilidade das organizações com a qualidade da gestão e a eficácia das ações e projetos sociais.

Segundo Voltolini (2003 pág. 45):

O planejamento estratégico pode contribuir significativamente para que as organizações do Terceiro Setor realizem o seu potencial, seja pela reflexão adequada quanto ao verdadeiro propósito da organização, pela leitura apropriada do ambiente e suas possibilidades, pela construção de uma visão de futuro que possa mobilizar recursos, pela clarificação dos seus objetivos ou pelo alinhamento e integração das ações desenvolvidas.

O que vem justificar a importância do planejamento dentro de uma ONG é o fato deste segmento ser bem diversificado e a concorrência das organizações não governamentais, estarem cada vem mais numa disputa acirrada por captação de recurso e a concretização de parcerias, para o desenvolvimento destes projetos este setor necessita de um planejamento e de pessoas qualificadas para sua elaboração. Dando uma visão mais ampla do negócio, administrativamente falando através do planejamento pode ser ter uma visão toda da ONG, o que vem a contribuir para o entendimento do processo organizacional dentro de uma organização, seja ela com ou sem fins lucrativos.