A visão estratégica do Terceiro Setor, sua formação e atuação na gestão de projetos sociais: Um estudo de caso na Fundação Arte de Educar Amazônia.

A visão estratégica do Terceiro Setor, sua formação e atuação na gestão de projetos sociais: Um estudo de caso na Fundação Arte de Educar Amazônia.

Vanessa Mesquita De Souza

Volver al índice

INTRODUÇÃO

Esta pesquisa tem por objetivo demonstrar uma visão sobre o Terceiro Setor, e como este segmento pode contribuir para o meio social, político e econômico do país.

As organizações não governamentais começaram a surgir no um período em que o governo era muito autoritário e pouco se dava importância para as questões e problemas sociais. Foi o período em que o governo começou a conviver com a modernização do país, e o surgimento de uma nova sociedade, baseada na autonomia em relação ao Estado. Entretanto, este segmento consolida-se somente a partir da década de 70, onde se inicia os primeiros movimentos sociais, que vieram principalmente a opor-se ás práticas autoritárias do regime militar e reivindicar os direitos sociais.

O Terceiro Setor destacou-se com a Constituição de 1988, que surgiu para promover melhorias no que diz respeito ao aumento dos direitos da cidadania política e promover uma abertura em termos de debates e colaboração entre diversos setores. A Constituição também trouxe um grande avanço no que diz respeito à política social, pois os movimentos sociais começaram a ganhar mais força, o que implicou no surgimento dos primeiros sindicatos que buscavam soluções inovadoras para combater alguns dos principais problemas sociais como: a fome, miséria e a exclusão social.

Dessa forma, o Terceiro Setor passou a ser reconhecido pelo Estado por ser capaz de mobilizar uma grande quantidade de conhecimento, experiência, recursos humanos e materiais, que são canalizados em prol de seus objetivos.

Entretanto, ainda sem aprofundar nos conceitos e definições do Terceiro Setor, objeto desta pesquisa, e relatando como os meios de comunicação informam, e com a intenção de esclarecer um pouco mais sobre a problemática, é importante ressaltar que são empresas não governamentais, sem fins lucrativos, porém percebe-se que seu caráter é privado, mas com finalidade publica. Este segmento vem para contribuir com o Estado, ajudando a solucionar problemas sociais.

Todavia este crescimento ocorrerá não apenas pelo fato, das soluções apresentadas para os problemas sociais, mas também pelo fato de que estás, vem cada vez mais contribuindo, para que uma parcela da sociedade venha se sensibilizar em ajudar ao próximo, demonstrando assim que este segmento deixa de ter uma visão assistencialista assumindo um papel de fundamental importância perante a sociedade, onde se busca envolver não somente os que estão inseridos dentro dos projetos e programas sociais, mas também os que estão ligados indiretamente como os parceiros (pessoas físicas, jurídicas, empresas privadas e publicas).

Logo, percebe-se que este envolvimento em que o terceiro Setor vem buscando alcançar tem o objetivo de apontar a comunidade, e aos que estão ligados indiretamente, a importância da solidariedade e do amor próximo, isto é, vai muito além de doações em espécies ou material de apoio as estas organizações, o que este setor busca é o comprometimento da sociedade em se envolver de fato com as questões sociais das comunidades que mais precisam.

É necessário ressaltar, que este crescimento também se dá pela importância da reciprocidade entre o Estado (primeiro setor), empresas privadas (segundo setor) e o Terceiro Setor (ONG), ou seja, é necessário uma integração das ONG’s com o primeiro e segundo setor, já que este segmento influencia no aspecto social, político e econômico. Aos poucos essas organizações estão resgatando sua identidade e tornando-se cada vez mais visíveis, tratando-se de termos econômico o Terceiro Setor, tem causado grandes impactos, pois tem influenciado tanto no Produto Interno Bruto como na geração de empregos e renda, o que no cenário atual acaba por contrapor-se ao Estado e as empresas privadas.

Logo, este crescimento do Terceiro Setor justifica-se principalmente pelos projetos apresentados pelas ONGs. Estes projetos por sua vez devem ser elaborados de forma transparente e confiável para os que estão inseridos direta ou indiretamente no processo. É importante destacar que a confiabilidade dependerá de uma união de vários elementos, tais como, transparência, credibilidade, resultados e a gestão, o que vem para enfatizar as praticas administrativas dentro de uma organização.

Portanto, percebe-se que não basta apenas elaborar os projetos sociais e colocá-los em pratica, é necessário que as ONGs tenham uma visão holística e sistêmica da organização, conhecer os procedimentos legais e gerenciais de uma empresa, tratando-se de termos gerenciais ressalta-se a importância de um profissional qualificado está adentrando nestas organizações do Terceiro Setor, pois o mesmo terá conhecimento adquirido em sua trajetória acadêmica e profissional que serão de suma importância para traçar estratégias de atuação dos projetos, e definir os planejamentos estratégicos destas organizações.