PLANEAMENTO TURÍSTICO EM MIRANDA DO CORVO CONTRIBUTO DE UMA ANÁLISE GEOGRÁFICA

Luísa Daniela Moreira Adelino

4. Conclusão

As principais tendências evolutivas do turismo e dos turistas permitem sublinhar o crescimento relativo de modalidades que configuram novas escolhas geográficas como, por exemplo, as que valorizam o campo, os planos de água e as áreas de montanha, e ainda mudanças significativas de comportamento/atitude dos turistas designadamente interesses mais diversificados e segmentados, maior participação e envolvimento activo com os territórios visitados, maior esclarecimento, informação e exigência.
            Os territórios rurais localizados em ambiente de montanha oferecem uma base de recursos diversificados e de extrema importância para o desenvolvimento de actividades turísticas, que lhes conferem um lugar de destaque no panorama dos destinos turísticos actuais. Contudo, estes territórios, fruto das especificidades que lhes são inerentes, apresentam diversas fragilidades.
Apesar de alguns sinais positivos, podemos afirmar que não existe em Portugal regulamentação específica (políticas e instrumentos) para as áreas de montanha. O papel destas áreas e a riqueza dos recursos que albergam não têm sido suficientes para atrair a atenção das autoridades políticas para intervenções de ordenamento específicas, no sentido da sua gestão adequada, tendo estas um papel relativamente passivo. As iniciativas de base local têm adquirido uma especial importância no desenvolvimento destas áreas. No entanto, a desarticulação das políticas e dos investimentos efectuados pelos diferentes actores locais não têm permitido uma afirmação das áreas rurais em ambiente de montanha.
É neste contexto que se realça o papel do planeamento turístico. É importante ter em consideração que não é possível garantir o funcionamento do turismo sem conhecer questões tão variadas como o alojamento, os transportes, os recursos e produtos endógenos, a distribuição turística ou mesmo as relações de interdependência que este estabelece com as outras actividades.
É fundamental conhecer o perfil dos turistas, proporcionar actividades que se adaptem às especificidades dos territórios e ao perfil dos turistas, garantir a colaboração da população local através da sua participação no processo de planeamento turístico, a criação de regras para o usufruto do património cultural e natural de forma sustentada, a articulação dos diferentes intervenientes no território e elaborar estratégias de marketing territorial.
O espaço turístico deve ser pensado dentro de um contexto territorial mais amplo, inserido no espaço regional, pois o desempenho satisfatório de actividades turísticas dependerá não só da forma como se processa a refuncionalização turística de uma dada localidade, mas também das demais actividades desenvolvidas no âmbito regional.
Deste modo, o planeamento estratégico deve estar apto a minimizar os potenciais impactes negativos, a maximizar os retornos económicos do destino turístico e a encorajar uma resposta mais positiva da comunidade local relativamente ao turismo, em termos de longo prazo.
Por esse motivo, o planeamento do turismo deve ser visto como um elemento crítico que garanta, a longo prazo, o desenvolvimento sustentado do destino turístico, nomeadamente as áreas rurais localizadas em ambiente de montanha.
No concelho de Miranda do Corvo (Pinhal Interior Norte), a preocupação com a sua valorização em termos turísticos acontece, pelo menos, desde finais da década de 70 do século XX. Ao longo da década de 80 do mesmo século, foram elaborados alguns planos e projectos, mas só a partir de 2000 é que podemos falar em intervenções concretizadas, com a recuperação da aldeia do Gondramaz, no âmbito do Programa das Aldeias do Xisto (Acção Integrada de Base Territorial do Pinhal Interior/Programa Operacional da Região Centro, 2000-2006).
Apesar de ao longo do período em análise se ter dotado o concelho de importantes infra-estruturas, e da existência de recursos turísticos, o concelho não tem ganho mais visibilidade por isso. O investimento no aproveitamento destes recursos não se tem reflectido no aumento de produtos turísticos o que, por sua vez, não se tem traduzido nos necessários benefícios para este território.
É necessário apostar no planeamento do turismo, nomeadamente através da elaboração de planos estratégicos que funcionem como fio condutor das iniciativas levadas a cabo, a fim de se verificar uma articulação das mesmas. Apostar em todas as áreas ao mesmo tempo para aproveitar a disponibilização de fundos comunitários, ao ritmo dos prazos das candidaturas, não permite colher os frutos que o turismo pode dar.
Não se pode pensar em planeamento estratégico sem elaboração de estudos e sem pensar numa estratégia de marketing. De facto, de que serve organizar um evento ou criar um produto turístico, se não existem estudos de base que permitam traçar o perfil dos turistas, sem ter a noção de quem visita as iniciativas levadas a cabo, se não se cria uma imagem de marca do concelho, e se não se tira o devido partido dos meios de comunicação para fazer chegar o nome de Miranda do Corvo mais longe?
Num concelho de pequena dimensão, com agentes locais pouco empreendedores, a autarquia local afigura-se como actor privilegiado para investir e captar investidores e investimentos na área do turismo. Contudo, mais do que investir de forma isolada e de “costas voltadas” para os territórios vizinhos, esta deve actuar em parceria com outros actores (públicos e privados). De facto, a actuação em rede poderá potenciar a projecção de uma sub-região ao nível regional e nacional, quando um concelho não tem capacidade para o fazer de forma individual. A rede das aldeias do xisto e das praias fluviais são bons exemplos de iniciativas que se desvincularam do concelho A ou B e não obedecem a fronteiras administrativas. Isoladamente cada aldeia e cada praia fluvial não teriam a visibilidade que têm no seu conjunto. Este é um exemplo de sucesso a ser estudado com cuidado e a ser seguido.
Por outro lado, também é importante estimular o empreendedorismo no concelho. De facto, a autarquia possui conhecimentos e ligações privilegiadas com agentes de desenvolvimento e entidades variadas, podendo assim assumir um papel de parceiro estratégico, criando as condições para facilitar a concretização de iniciativas daqueles que têm ideias úteis ao concelho, mas que não têm meios para as por em prática.
Por fim, outra questão a ter em consideração prende-se com a urgência em ordenar o território, nomeadamente os espaços florestais do concelho. Numa área apontada pelo Plano Estratégico Nacional do Turismo como ideal para a prática do turismo de natureza e em que a área florestal domina a paisagem local, apresentar uma floresta desarticulada, pontilhada por espécies invasoras e dominada por espécies introduzidas pelo homem num cenário de “monocultura” de eucaliptos e pinheiros bravos, misturados com propriedades abandonadas, não é, de todo, atractiva para os turistas.
Entendemos que o esforço que tem sido feito pela autarquia e pelos agentes locais é da maior importância para o desenvolvimento do concelho em termos turísticos, mas também entendemos que a falta de determinadas premissas não tem permitido colher os frutos dos investimentos que têm sido feitos e que muito mais ainda se pode fazer.
No contexto das actuais políticas públicas (2007-2013) existem instrumentos de apoio, nomeadamente os Programas Operacionais Temáticos, o Programa Operacional Regional do Centro e os PROVERE, no âmbito do QREN e o PRODER, no âmbito do FEADER, com novas perspectivas de intervenção nos territórios de baixa densidade, cujas filosofias e dotações financeiras poderão constituir importantes oportunidades para o turismo no concelho de Miranda do Corvo.
Desta forma, é preciso repensar as estratégias que têm sido levadas a cabo de forma a melhorar a sua eficácia. É preciso planear.

Referências Bibliográficas

Fontes bibliográficas

ADELINO, Luísa (2006) – Gondramaz, um novo marco nas rotas do turismo (inédito), Instituto de Estudos Geográficos, Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, Coimbra.
ADELINO, Luísa (2008) – Dos recursos aos produtos turísticos – Relatório de Estágio (inédito), Instituto de Estudos Geográficos, Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, Coimbra.
ADELINO, Luísa (2009) – Políticas de Ordenamento do Território e Desenvolvimento: um olhar sobre as áreas de montanha de Portugal Continental (inédito), Instituto de Estudos Geográficos, Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, Coimbra.
ADELINO, Luísa (2009) – Plano Estratégico do concelho de Miranda do Corvo – Um contributo geográfico (inédito), Instituto de Estudos Geográficos, Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, Coimbra.
AFN (Autoridade Florestal Nacional) (2010) – 5º Inventário Florestal Nacional.
AMARO, Rogério (1998) – O desenvolvimento Local em Portugal – As Lições do Passado e as Exigências do Futuro, ISCTE.
AMPIN (Associação de Municípios do Pinhal Interior Norte) (2008) – Programa Territorial de Desenvolvimento para a Região do Pinhal Interior Norte (2008-2013), Candidatura ao “Mais Centro – Contratualização com subvenção global.
BARROS, J. da Cunha (2003) – A projecção do quotidiano no turismo e no lazer: o lugar dos actores, dos contextos e dos paradigmas, Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade Técnica de Lisboa.
BORGES, Maria do R. e LIMA, Susana (2006) – O Turismo de Montanha: Abordagem Conceptual e Enquadramento do Produto, in Revista Turismo e Desenvolvimento, coord. Universidade de Aveiro, Lousã.
BRAGA, Isabel et al. (1996) – Do velho falamos (tradições orais, usos e costumes), Câmara Municipal de Miranda do Corvo.
CAETANO, Lucília (1987) – Miranda do Corvo, “Museu vivo” da cerâmica de barro vermelho, in revista Munda, n.º 13.
CAPUCHO, Maria José e FRANCISCO, José Paulo (2010) – Cultura, competitividade territorial e desenvolvimento sustentável: algumas considerações sobre o caso do Vale do Côa, in Livro de Actas do IV Congresso de Estudos Rurais – Mundos Rurais em Portugal, Múltiplos Olhares, Múltiplos Futuros, Universidade de Aveiro.
CARVALHO, Paulo (2003) - Património cultural e iniciativas de desenvolvimento local no espaço rural, in Território do Global ao Local e Trajectórias de Desenvolvimento, coord. Lucília Caetano, Centro de Estudos Geográficos, Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra.
CARVALHO, Paulo (2005) – Património Cultural e Trajectórias de Desenvolvimento em Áreas de Montanha. O exemplo da Serra da Lousã. Dissertação de Doutoramento em Geografia apresentada à FLUC, Coimbra.
CARVALHO, Armando Ferrão (2006) – Programa das Aldeias do Xisto: Caminhos para o Turismo de Montanha, in Revista Turismo e Desenvolvimento, coord Universidade de Aveiro, Lousã.
CARVALHO, Paulo (2006) – Património Cultural, ordenamento e desenvolvimento: Uma nova visão e valorização do Território, in Cadernos de Geografia, Instituto de Estudos Geográficos e Centro de Estudos Geográficos, Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, n.º 24/25.
CARVALHO, Paulo e CORREIA, Juliana (2008) – Turismo, património(s) e desenvolvimento rural: a percepção local da mudança, comunicação apresentada no VII Colóquio Ibérico de Estudos Rurais – Cultura, Inovação e Territórios, Coimbra.
CAVACO, Carminda (2007) – Práticas e Lugares de Turismo, in Desenvolvimento e Território: Espaços Rurais pós-agrícolas e Novos Lugares de Turismo e Lazer.
CCDR-C (Comissão de Coordenação de Desenvolvimento Regional do Centro) (2003) – Aldeias do Xisto. Afirmar uma Identidade (revista de acompanhamento do Programa das Aldeias do Xisto, 2000-2006), Coimbra.
CCDR-C (Comissão de Coordenação de Desenvolvimento Regional do Centro) – (2007) – Programa Operacional da Região Centro – PO Centro – Relatório de Execução 2006, Coimbra.
CMMC (Câmara Municipal de Miranda do Corvo), (1987) – Plano de Turismo do Concelho, Miranda do Corvo.
CMMC (Câmara Municipal de Miranda do Corvo), (1993) – Plano Director Municipal, Miranda do Corvo.
CMMC (Câmara Municipal de Miranda do Corvo), (2001) – Plano da Aldeia do Gondramaz, Miranda do Corvo.
CORREIA, Juliana Bento (2009) – Turismo, património e desenvolvimento em ambientes de montanha: o exemplo do Piódão (Cordilheira Central), Dissertação de Mestrado apresentada à Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, Coimbra.
COSTA, Vítor (2007) – O Tejo como produto turístico, Lisboa, in http://www.artigonal.com/marketing-artigos/porto-seguro-um-produto-turistico-1301090.html.
CRISTÓVÃO Artur, et al. (2004) – O Espaço Rural e os Novos Instrumentos de Intervenção Territorializada: o Caso da AIBT Douro, Dep. De Economia e Sociologia/Centro de Estudos Transdisciplinares para o desenvolvimento.
CRISTÓVÃO, Artur (2007) – Trabalho Apresentado no Seminário sobre “EQUAL Mountain Opportunities”, Wojtowice, Poland, October 17-19, 2007 Áreas de Montanha: tão críticas, tão sensíveis, tão subestimadas, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, Departmento de Economia, Sociologia e Gestão, Vial Real, Portugal.
CUNHA, Licínio (2003) – Introdução ao Turismo, Lisboa, Editorial Verbo.
DGOTDU (Direcção-Geral do Ordenamento do Território e Desenvolvimento Urbano) – (2007) – Programa Nacional da Política de Ordenamento do Território, Programa de acção, Lisboa.
DGOTDU (Direcção-Geral do Ordenamento do Território e Desenvolvimento Urbano) – (2007) – Programa Nacional da Política de Ordenamento do Território, Relatório, Lisboa.
DGRF (Direcção Geral dos Recursos Florestais) (2005) – Plano Regional de Ordenamento Florestal do Pinhal Interior Norte (PROF PIN).
DINIS, Gorete, et al. (2010) – O papel dos Grupos de Acção Local (GAL) no desenvolvimento do turismo em áreas rurais em Portugal, in Livro de Actas do IV Congresso de Estudos Rurais – Mundos Rurais em Portugal, Múltiplos Olhares, Múltiplos Futuros, Universidade de Aveiro.
FERNANDES, Gonçalo (2004) – Percepções e Significados dos Espaços de Montanha: Da Desarticulação Produtiva à Revalorização Eco-Cultural, Deptº. de Ciências Sociais e da Natureza, ESEG – IPG.
FERNANDES, Gonçalo Poeta (2010) – Perspectivas de Gestão e Políticas de Valorização do Território na Cordilheira Central, in Livro de Actas do IV Congresso de Estudos Rurais – Mundos Rurais em Portugal, Múltiplos Olhares, Múltiplos Futuros, Universidade de Aveiro.
FERNANDES, João Luís (2003) - Dinâmicas de desenvolvimento, territórios e áreas protegidas. Breve reflexão para o caso português. in CAETANO, Lucília (coord.): Território, do Global ao Local e Trajectórias de Desenvolvimento. Coimbra, Centro de Estudos Geográficos.
FERNANDES, João Luís e CARVALHO, Paulo (2003) - Património, memória e identidade: repensar o desenvolvimento. in CAETANO, Lucília (coord.): Território, Ambiente e Trajectórias de Desenvolvimento. Coimbra, Centro de Estudos Geográficos.
FIDÉLIS, Teresa (2001) – Planeamento Territorial e Ambiente. O caso da envolvente à Ria de Aveiro, Cascais, PRINCIPIA.
FONSECA, Carlos, et al. (2006) – Potencialidades Eco-cinegéticas da Serra da Lousã, in Revista Turismo e Desenvolvimento, coord Universidade de Aveiro, Lousã.
FONSECA, Fernando P. e RAMOS, Rui A. R. (s/d) – Potenciar o Desenvolvimento turístico a partir de um processo de planeamento estratégico de marketing: o caso de Almeida, in Revista Portuguesa de Estudos Regionais, n.º5, coord. APDR..
FONSECA, Fernando P. e RAMOS, Rui A. R. (2008) – O turismo como panaceia para inverter o declínio dos espaços rurais? O caso de Almeida, in Actas do III Congresso de Estudos Rurais, (III CER), Faro, Universidade do Algarve.
FONTES, António (2006) – A Serra da Lousã: A afirmação de um Destino Turístico Emergente, in Revista Turismo e Desenvolvimento, coord Universidade de Aveiro, Lousã.
ICN (Instituto de Conservação da Natureza) (2000-2006) – Turismo de Natureza, Enquadramento Estratégico. Parque Natural da Serra da Estrela.
IFADAP (Instituto de Financiamento e Apoio ao Desenvolvimento da Agricultura e Pescas) –  (2001) – Circular Zonas Desfavorecidas n.º 10/2001 (Anexo XX).
INE (Instituto Nacional de Estatística) – (2009) – Anuário Estatística da Região Centro.
INE (Instituto Nacional de Estatística) – (1991) – Recenseamento Geral da população.
INE (Instituto Nacional de Estatística) – (2001) –  Recenseamento Geral da população.
JESUS, Lúcia et al. (2008) – A oferta do turismo no espaço rural – estudo de caso da região de Dão-Lafões – Comunicação apresentada no VII CIER – Cultura, Inovação e Território, Coimbra
KASTENHOLZ, Elisabeth (2006) – O Marketing de Destinos Turísticos – o seu significado e potencial, ilustrado para um Destino Rural, in Revista Turismo e Desenvolvimento, coord. Universidade de Aveiro, Lousã.
MADRP (Ministério da Agricultura, Desenvolvimento Rural e Pescas), (2009) – Plano Estratégico Nacional de Desenvolvimento Rural 2007 – 2013, Lisboa.
MAOTDR (Ministério do Ambiente, do Ordenamento do Território e do Desenvolvimento Regional), (2008) – PROVERE, Programas de Valorização Económica de Recursos Endógenos, das ideias à acção: Visão e Parcerias, Lisboa.
MARQUES, Alfredo (2008) – Dinamização dos Territórios de Baixa Densidade, a experiência da Região Centro.
MENDES, Américo (1997) – Associações de Desenvolvimento Local e Financiamentos Públicos.
MENEZES, Francisco (s/d) – O turismo como agente de desenvolvimento local – um estudo de caso do Vale do Lima.
MEI (Ministério da Economia e da Inovação) – (2007) – Plano Estratégico Nacional do Turismo – Para o Desenvolvimento do Turismo em Portugal, Turismo de Portugal, ip, Lisboa, 2007.
MEI (Ministério da Economia e da Inovação) –  (2008) – Conta Satélite do Turismo – Turismo: Actividade económica 2000-2007, Turismo de Portugal, ip, Lisboa.
MORENO, Luís (2002) – Desenvolvimento Local em Meio Rural. Caminhos e Caminhantes. Dissertação de Doutoramento em Geografia Humana apresentada à FLUL, Lisboa.
MONTEIRO, Maria Lúcia e CARVALHO, Filipe (2006) – O Turismo no Espaço Rural e a intervenção da Direcção Regional da Economia do Centro, in Revista Turismo e Desenvolvimento, coord Universidade de Aveiro, Lousã.
OLIVEIRA, João da Silva (2009) – Turismo, mola propulsora da economia local: um estudo de caso em Porto Seguro, Porto Seguro.
OMT (Organização Mundial do Turismo), (1999) – Código da Ética Mundial do Turismo, Santiago do Chile.
PAIS, Catarina e GOMES, Bruno (2008) – O Espaço Rural no âmbito das Políticas de Desenvolvimento – O Caso do Pinhal Interior, in VII Colóquio Ibérico de Estudos Rurais – Cultura, Inovação e Território, Coimbra.
PARTIDÁRIO, Maria do Rosário (1999) – Introdução ao Ordenamento do Território. Lisboa, Universidade Aberta.
PAUL, José Joaquim das N. (2006) – Potencialidades Turísticas da Serra da Lousã, in Revista Turismo e Desenvolvimento, coord Universidade de Aveiro, Lousã.
PAULO, Wilson (1998) – Mira e Anda. Miranda do Corvo.
PEREIRA DE OLIVEIRA, José Manuel (2000) – “Ideias e Cultura do Plano”: o Ordenamento do Território na perspectiva dos espaços urbanos, in M.ª Júlia FERREIRA (coord.) -  Pensar o Ordenamento Territorial: Ideias, Planos, Estratégias (Actas do Seminário); Lisboa, Universidade Nova.
PEREIRA, M. Teresa (2006) – Os caminhos do xisto na Serra da Lousã (Corredor eco-turístico Miranda do Corvo – Lousã – Góis).
PINUS VERDE – ASSOCIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO (2006) – Aldeias do Xisto – Um novo Destino no Centro de Portugal, in Revista Turismo e Desenvolvimento, coord Universidade de Aveiro, Lousã.
RODRIGUES, António, M. C. (2005) – Da Arte de Miranda – Para uma Monografia de Miranda do Corvo – Miranda do Corvo, edição da Câmara Municipal, Tipografia Lousanense.
RODRIGUES, Arlete (2007) – Planeamento do Centro de Interpretação e Exposição Rural de Vila Nova (CIER) “ A PORTA DA SERRA” – Relatório de Estágio I, Licenciatura em Eco-Agroturismo, IPC, Coimbra.
RODRIGUES, Áurea (2006) – Os Trilhos Pedestres como uma Actividade de Lazer, Recreio e Turismo – Uma Análise Exploratória, in Revista Turismo e Desenvolvimento, coord. Universidade de Aveiro, Lousã.
RODRIGUES, Nancy (2003) – Chanfana: da Tradição à Realidade Histórica (texto para publicação em “O Mirante”), Miranda do Corvo.
ROMÃO, Paulo (2006) – Turismo e Desenvolvimento Local: Uma iniciativa da Aldeia Histórica de Marialva, in Revista Turismo e Desenvolvimento, coord Universidade de Aveiro, Lousã.
SOUTO, Ana (2006) – ELOZ de Serra e de Rio e de Elos que se querem Laços! Apresentação de uma abordagem à Serra da Lousã, na perspectiva de quem a sente e assume como um projecto de vida, in Revista Turismo e Desenvolvimento, coord. Universidade de Aveiro, Lousã.
SPI (Sociedade Portuguesa de Inovação) – (2006) – Programa Director de Inovação, Competitividade e Empreendedorismo para o Município de Miranda do Corvo (PD-ICE Miranda do Corvo), SPI.
SPI (Sociedade Portuguesa de Inovação) –  (2010) – Plano de Acção do Concelho de Miranda do Corvo – Elaboração da Agenda 21 Local para o Pinhal Interior Norte, SPI.
VIEIRA, Catarina e FIGUEIREDO, Elisabete (2010) – Juntar a fome à vontade de comer. Ligação entre o turismo rural e os produtos agro-alimentares regionais da Serra da Estrela, in Livro de Actas do IV Congresso de Estudos Rurais – Mundos Rurais em Portugal, Múltiplos Olhares, Múltiplos Futuros, Universidade de Aveiro, 2010.

 

Legislação

AR (Assembleia da República (1985) - Lei n.º 13/1985 – Lei do Património Cultural Português.
AR (Assembleia da República), (2001) – Lei n.º 107/2001 – Lei do Património Cultural Português.
UE (União Europeia), (1988) – Directiva do Conselho de 14 de Julho de 1986 relativa à lista comunitária das zonas agrícolas desfavorecidas na acepção da Directiva 75/268/CEE (Portugal) (86/467/CEE), Bruxelas.

 

Publicações Periódicas

CMMC (Câmara Municipal de Miranda do Corvo) - Agenda Cultural e Desportiva do Concelho de Miranda do Corvo – 2007 a 2008.
Jornal “o Mirante” – Miranda do Corvo, 1979 a 1990.
PINUS VERDE – Aldeias do Xisto: Programa das Aldeias do Xisto, nº 4, 2004.
PINUS VERDE – Aldeias do Xisto: A descoberta começa aqui, série II, nº 1, 2005.
PINUS VERDE – Aldeias do Xisto: A descoberta começa aqui, série, II, nº 2, 2006.

Sítios consultados

http://ec.europa.eu/agriculture/rur/leader2/rural-pt/euro/p1-0.htm.
http://ec.europa.eu/enterprise/services/tourism/forum_algarve_2007.htm.
http://ec.europa.eu/enterprise/sevices/tourism/index_en.htm.
http://eur-lex.europa.eu/LexUriServ/LexUriServ.do?uri=CELEX:31989D0133:PT:HTML..
http://europa.eu/legislation_summaries/regional_policy/provisions_and_instruments/g24208_pt.htm.
http://lojadosrfalcao.blogspot.com/.
http://www.ccdrc.pt (Consultado em 2010).
http://www.eumed.net/rev/turydes/06/ajb.htm.
http://www.icep.pt/portugal/turismo.asp (consultado em 2006).
http://www.ifap.min-agricultura.pt/.
http://www.ifadap.min-agricultura.pt/ifadap/legislacao/docs/circulares/2001/CC_07_2001.pdf (consultado em 2009).
http://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_main.
http://www.leader.pt.
http://www.millenniumbcp.pt/multimedia/archive/00417/Regioes_Interior_417497a.pdf.
http://portal.icnb.pt.
http://pt.wikipédia.org/wiki/Turismo#Idade_Moderna.
http://www.sindegtur.org.br/2006/glossario.asp.
http://www.proder.pt.
http://www.qca.pt.
http://www.qren.pt..
http://www.quintadapaiva.pt/.
http://www.turismocultural.net/tc/.

Volver al índice

Enciclopedia Virtual
Tienda
Libros Recomendados


1647 - Investigaciones socioambientales, educativas y humanísticas para el medio rural
Por: Miguel Ángel Sámano Rentería y Ramón Rivera Espinosa. (Coordinadores)

Este libro es producto del trabajo desarrollado por un grupo interdisciplinario de investigadores integrantes del Instituto de Investigaciones Socioambientales, Educativas y Humanísticas para el Medio Rural (IISEHMER).
Libro gratis
Congresos

4 al 15 de diciembre
V Congreso Virtual Internacional sobre

Transformación e innovación en las organizaciones

11 al 22 de diciembre
I Congreso Virtual Internacional sobre

Economía Social y Desarrollo Local Sostenible

Enlaces Rápidos

Fundación Inca Garcilaso
Enciclopedia y Biblioteca virtual sobre economía
Universidad de Málaga