TURISMO E DESENVOLVIMENTO ESTUDOS DE CASO NO CENTRO DE PORTUGAL

Paulo Carvalho

3.6 Projectos em curso e perspectivas futuras

A oferta turística de Miranda do Corvo, para além dos recursos e produtos já referidos, pode crescer e diversificar-se nos próximos anos. Esta situação resulta de um conjunto de projectos (já apresentados e em fase de concurso e/ou execução) que podem ser concretizados a curto/médio prazo.
Para melhor se distinguir esses projectos, optámos por dividi-los em duas categorias distintas: as “parcerias público-privadas”, nas quais se procura que o investimento decorra não só a capitais públicos, mas também privados, no sentido de se complementarem e obterem mais sucesso, e as iniciativas públicas, nas quais são investidos apenas capitais públicos (Adelino, 2010).

P4250796

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Paulo Carvalho
Figura 3: Cadaval Cimeiro (Abril de 2010)

Em termos de “parcerias público-privadas”, destacamos as aldeias de Cadaval Cimeiro (figura 3) e Cadaval Fundeiro. Das 46 casas abandonadas e em profundo estado de degradação foram adquiridas até ao momento 38 por uma empresa privada que tem intenção de comprar as restantes.
O Projecto “Aldeia Houses & Resort, Recantos de Xisto” prevê a recuperação destas duas aldeias, a valorização das suas características arquitectónicas, a recuperação das habitações, dos caminhos, das fontes, dos cursos de água naturais, do conceito de aldeia serrana e do conceito de vivência na aldeia. Neste projecto está prevista também a criação de um moinho de água para restauração e a realização de eventos específicos, tais como exposições, moda, biblioteca, música, workshops, entre outros. Além destas infra-estruturas, está prevista a criação de uma represa biológica para apoio ao moinho e a outras actividades de lazer. Pretende-se a implementação do conceito eco-friendly, através da utilização de fontes de energia alternativas, tais como a energia solar, a energia eólica e o biogás, além da utilização da represa biológica e o aproveitamento das linhas de água existentes (Adelino, 2010).
Nestes lugares de montanha, despovoados e abandonados, é evidente a ausência de infra-estruturas básicas (energia eléctrica, rede de comunicações, água canalizada e saneamento) e as limitações em matéria de acessos viários (os únicos caminhos de acesso são florestais). A colaboração da Câmara Municipal de Miranda do Corvo será decisiva no sentido de resolver estes problemas, através de acções concretas tais como a pavimentação do acesso desde a estrada municipal do Gondramaz (obra já concretizada em 2010), a execução das redes de infra-estruturas básicas e de arruamentos com aproveitamento e recuperação dos lajedos de pavimento existentes, e ainda o possível apoio para a requalificação exterior dos edifícios, nomeadamente as fachadas, coberturas e caixilharias.
Na envolvente do Cadaval Fundeiro, a Câmara Municipal prevê a construção de pequenos apoios para a realização de actividades artísticas. Na área de intervenção existe também a intenção de criar um museu representativo da “vida” nas aldeias de xisto e um espaço de mercearia e de artesanato para a comercialização e exposição dos produtos do campo e da floresta.
A área de intervenção será de 250 mil metros quadrados de terrenos rústicos entre as duas aldeias e na envolvente das mesmas. Prevê-se também a recuperação paisagística dos terrenos, a manutenção e implementação da floresta, a recuperação de hortas e pomares, a manutenção da fauna existente e a recuperação de espécies autóctones, e a criação de um sistema de emergência automático (por exemplo de rega) para combater os incêndios em todo o perímetro da intervenção.
É necessário explicar que o quadro paisagístico que envolve as aldeias está muito alterado. O efeito conjugado de diversos factores como o abandono dos antigos terrenos de cultivo e de exploração florestal, os incêndios florestais, a invasão de espécies arbustivas e subarbustivas, e sobretudo a plantação desordenada e intensiva de espécies de crescimento rápido como o eucalipto (que domina de forma esmagadora a paisagem), representa um problema incontornável e significa que as intervenções serão muito exigentes e onerosas (para além das eventuais dificuldades relacionadas com a titularidade das propriedades).
O prazo previsto para a execução deste projecto é de 24 meses e prevê também apoios de comunicação e marketing, através da imprensa, da internet, entre outros.
Outro investimento, resultante de uma “parceria público-privada”, decorrerá na Quinta do Mouro (Lomba do Rei), na freguesia de Vila Nova, e será constituído por um empreendimento de alojamento turístico de pequena escala, na modalidade de hospedagem de Turismo em Espaço Rural (vertente de Agro-Turismo), o qual terá como finalidade proporcionar uma oferta de alojamento e de actividades de lazer, promovidas pelos seus responsáveis ou por terceiros, como complemento à actividade de produção/transformação de produtos agrícolas biológicos (já certificados), bem como a disponibilização do espaço a terceiros para a realização e transformação dos produtos agrícolas.
Os serviços/produtos a fornecer estarão relacionados essencialmente com hospedagem e dormidas com pequeno-almoço; visitas em veículos todo-o-terreno ou através de percursos pedestres a diversos locais de interesse turístico da região; aluguer de bicicletas; prestação de serviços de reserva em estabelecimentos de restauração e de aluguer de viaturas; aluguer de espaços para promoção de diversos eventos, tais como baptizados, casamentos, jantares de grupo, entre outros, por empresas do ramo; realização de reuniões, colóquios e outros eventos do género; produção, transformação e comercialização de produtos agrícolas biológicos certificados; aluguer de espaços para embalagem ou confecção de produtos com origem agrícola. Na parte do investimento público deste projecto está prevista a melhoria dos acessos públicos ao empreendimento.
No que toca ao investimento proveniente de financiamento exclusivamente público destacamos as intervenções nos espaços públicos da aldeia do Gondramaz, nomeadamente a requalificação do centro de BTT. Existe a intenção de criar mais percursos pedestres e equestres a partir da aldeia, prevendo-se acções de limpeza, sinalização e homologação dos trilhos (Adelino, 2010).
Pretende-se, assim, construir uma rede de percursos pedestres, equestres e de BTT na variante de downhill e cross-country, e a ligação à Grande Rota do Xisto, complementando o trabalho já realizado em termos de percursos.
Os percursos de cross-country possibilitarão a ligação a outras partes do concelho com interesse turístico, tais como o centro histórico de Miranda do Corvo, Semide, Senhor da Serra e praia fluvial de Segade.
Com a implementação dos percursos equestres abrir-se-á uma vertente turística que possibilitará a interligação das Aldeias de Xisto com o Centro Hípico da Quinta da Paiva e o complexo envolvente.
Actualmente a Câmara Municipal está a elaborar o Plano de Aldeia do Galhardo. Pretende-se apresentar uma candidatura aos fundos comunitários para se efectuarem intervenções na aldeia semelhantes às que se efectuaram na aldeia do Gondramaz, nomeadamente infra-estruturas básicas, arranjo de espaços públicos e recuperação das fachadas/coberturas dos edifícios, com a finalidade de integrar esta aldeia na Rede das Aldeias de Xisto.
Para além destes projectos, também estão previstos investimentos em espaços verdes. Pretende-se a criação, na Alameda das Moitas, localizada na vila de Miranda do Corvo, do Jardim da Paz, no âmbito do Plano de Desenvolvimento Estratégico que aponta Miranda do Corvo como uma Comunidade Saudável e Solidária.
Localizado numa área natural, junto a uma linha de água protegida, trata-se de um projecto que promoverá a requalificação ambiental e do património natural, promovendo o desenvolvimento integrado do turismo e das áreas ambientais, nomeadamente através da limpeza e manutenção de linhas de água, da escolha cuidada de espécies vegetais e a utilização de energias renováveis/alternativas.
A este jardim pretende associar-se o tema da Paz, através da homenagem a figuras que se destacaram pela defesa da Paz e do Bem, tais como Prémios Nobel e outros (Martin Luther King, Ghandi, Padre Américo – fundador da Casa do Gaiato, com instalações em Miranda do Corvo –, entre outros).
Este espaço propiciará a utilização e requalificação de um espaço actualmente em grande parte abandonado, criando assim uma área requalificada e reabilitada e, por fim, dotará Miranda do Corvo de uma área ao ar livre capaz de potenciar o turismo e de estrategicamente se associar aos projectos turísticos da Rede das Aldeias de Xisto e da região de Coimbra (Adelino, 2010). Por último, uma nota sobre a intenção (da Câmara Municipal) de construir a Casa do Design e do Artesão (no núcleo histórico da vila de Miranda do Corvo, servindo de centro de estudos e desenvolvimento, de atelier para workshops e exposições e de apoio aos artesãos locais) e a Casa das Artes, no sentido de promover e estimular a actividade criativa e de inovação, e apoiar e complementar as actividades turísticas a desenvolver no concelho e na sub-região, acolhendo, por exemplo, exposições e workshops dedicados ao turismo de natureza, às aldeias de xisto, à investigação sobre a Serra da Lousã, e oferecendo um calendário de eventos culturais capaz de fixar e atrair visitantes ao território.
E ainda uma referência aos objectivos de requalificação do centro histórico de Miranda do Corvo e espaço envolvente da igreja matriz, incluindo a recuperação da torre e cisterna do antigo castelo de Miranda do Corvo (que domina a vila e permite desfrutar a paisagem envolvente), estes últimos eventualmente no âmbito da Rede Urbana dos Castelos e Muralhas Medievais do Mondego (que vai apoiar a construção da Casa do Design e do Artesão). Através de uma parceria entre os municípios de Coimbra, Figueira da Foz, Penela, Soure, Pombal, Lousã, Miranda do Corvo e Montemor-o-Velho, a Universidade de Coimbra e a Entidade Regional de Turismo Centro de Portugal, vai ser possível investir cerca de 10 milhões de euros (comparticipados pelo Programa Operacional Mais Centro, 2007-2013) em acções de valorização do território e requalificação das áreas envolventes aos castelos e muralhas das várias vilas e cidades da rede.

Volver al índice

Enciclopedia Virtual
Tienda
Libros Recomendados


1647 - Investigaciones socioambientales, educativas y humanísticas para el medio rural
Por: Miguel Ángel Sámano Rentería y Ramón Rivera Espinosa. (Coordinadores)

Este libro es producto del trabajo desarrollado por un grupo interdisciplinario de investigadores integrantes del Instituto de Investigaciones Socioambientales, Educativas y Humanísticas para el Medio Rural (IISEHMER).
Libro gratis
Congresos

17 al 31 de enero
I Congreso Virtual Internacional sobre

Economía Social y Desarrollo Local Sostenible

15 al 28 de febrero
III Congreso Virtual Internacional sobre

Desafíos de las empresas del siglo XXI

15 al 29 de marzo
III Congreso Virtual Internacional sobre

La Educación en el siglo XXI

Enlaces Rápidos

Fundación Inca Garcilaso
Enciclopedia y Biblioteca virtual sobre economía
Universidad de Málaga