TURISMO E DESENVOLVIMENTO ESTUDOS DE CASO NO CENTRO DE PORTUGAL

Paulo Carvalho

3.5 Iniciativas/realizações estruturantes

A requalificação da aldeia do Gondramaz (figura 2), no âmbito do Programa das Aldeias do Xisto (2000-2006), é um acontecimento decisivo para o turismo em Miranda do Corvo. A dimensão integrada da intervenção (com objectivos económicos, sociais e patrimoniais), a escala geográfica adoptada (sub-regional), a inclusão dos lugares segundo uma lógica de rede territorial, a gestão e a promoção conjunta do território, a participação de diversos agentes institucionais e actores privados, entre outros, são elementos incontornáveis para a construção da imagem e (a maior) visibilidade turística de Miranda do Corvo (Carvalho, 2009).
O “Programa das Aldeias do Xisto” é um “projecto-âncora” da Acção Integrada de Base Territorial do Pinhal Interior (componente FEDER) que envolve 24 lugares serranos – cerca de metade na área geográfica da Serra da Lousã – repartidos por 14 municípios (Arganil; Castelo Branco; Figueiró dos Vinhos, Fundão; Góis; Lousã; Miranda do Corvo; Oleiros; Pampilhosa da Serra; Penela; Proença-a-Nova; Sertã; Vila de Rei e Vila Velha de Ródão) das sub-regiões do Pinhal Interior Norte, Pinhal Interior Sul, Beira Interior Sul e Cova da Beira.
As linhas de acção do PAX, no sentido de requalificar (reabilitar urbanisticamente) e infra-estruturar microterritórios de montanha, melhorar a qualidade de vida das populações e as condições de habitabilidade dos imóveis, preservar e valorizar bens patrimoniais, e incentivar o empreendedorismo de base local, estão na génese de uma nova marca e produto turístico (Aldeias do Xisto), e de um novo actor institucional (ADXTUR – Agência para Desenvolvimento Turístico das Aldeias do Xisto) que, por sua vez, resulta de uma parceria entre dezasseis municípios e mais de setenta operadores privados que actuam no território no sentido de gerir e promover a marca e as actividades dos seus associados nomeadamente a oferta de serviços e produtos turísticos (Carvalho, 2009). A ADXTUR é um factor decisivo para concretizar o desígnio de afirmar as Aldeias do Xisto como um novo produto turístico no Centro de Portugal, destinado a captar um segmento de mercado muito exigente associado ao turismo cultural, turismo de natureza e turismo aventura, e promover de forma articulada paisagens que oferecem inúmeras possibilidades de lazer.
Os traços mais inovadores do PAX estão relacionados com o carácter integrado das intervenções; a imagem e o marketing territorial (que incluiu a criação da marca Aldeias do Xisto); a comunicação e a informação aos visitantes (revista de divulgação – em duas fases editoriais distintas –, painéis informativos, sinalética direccional e página WEB); as novas funcionalidades económicas (nomeadamente a criação de um rede de lojas em regime de franchising tendo como matriz os produtos artesanais, para além do Sistema de Incentivos Específicos para o Pinhal Interior que apoiou iniciativas de investimento empresarial nas áreas do alojamento, restauração e animação turística); a oferta de actividades de lazer no âmbito do pedestrianismo e BTT; a gestão e a promoção (em conjunto) das aldeias do Xisto (com destaque para o papel da ADXTUR), e a animação turística e cultural (Carvalho, 2009).
Na actualidade, a oferta turística e de lazer das Aldeias do Xisto está organizada em quatro vertentes/dimensões principais: o alojamento, a restauração, a animação turística e o artesanato; os caminhos do xisto (percursos pedestres em fase de registo e homologação pela Federação Portuguesa de Campismo e Montanhismo); os centros de BTT (que apresentam um conjunto de equipamentos para a prática desta modalidade associados aos trilhos sinalizados e com diferentes níveis de dificuldade); e a animação, com um calendário muito intenso, através de eventos em áreas como a gastronomia, a recriação de momentos que compõem o ciclo etnográfico do mundo rural, o artesanato, a educação patrimonial, os desportos de natureza e aventura (Carvalho, 2009).

 

HPIM2268

 

 

 

 

 

 

 

 

Paulo Carvalho
Figura 2: Vista parcial do Gondramaz (Fevereiro de 2011)

No Gondramaz os efeitos do PAX são evidentes e incontornáveis.
Em relação ao plano urbanístico/requalificação territorial, destacamos a criação de um espaço de estacionamento, a melhoria e ampliação das redes de infra-estruturas básicas, a recuperação de pavimentos em arruamentos e caminhos, a recuperação de fachadas e coberturas de imóveis particulares, e ainda as intervenções em espaços e imóveis públicos/colectivos.
No âmbito do lazer e turismo, merece destaque a génese de actividades económicas (iniciativas de investimento empresarial) como o alojamento e a restauração/cafetaria (Casa de Campo do “Pátio do Xisto”), a marcação e sinalização de percursos pedestres (que inclui o primeiro percurso acessível das Aldeias do Xisto) e trilhos de BTT, e a construção de um centro de BTT. Estes últimos impulsionaram a prática de pedestrianismo e BTT, no contexto local e de forma articulada com a rede de percursos/trilhos da Serra da Lousã, onde têm decorrido eventos desportivos de escala nacional e internacional (como por exemplo o Avalanche – que é a maior prova de descida colectiva, em BTT, realizada em Portugal). Por outro lado, a observação de espécies de flora e fauna (em particular os cervídeos) é também motivo de interesse e está na base de eventos programados com a participação de instituições académicas e científicas. De forma complementar, é importante sublinhar a colocação de painéis informativos na aldeia e sinalética direccional na rede viária municipal.
A imagem renovada do Gondramaz, muito favorecida com a qualidade estética do quadro paisagístico envolvente (com socalcos, caminhos rurais e espécies arbóreas como as cerejeiras, os castanheiros e os carvalhos), reflecte o mérito do Plano de Aldeia mas também o modo cuidado e exigente como decorreram e foram acompanhadas (no plano técnico) as intervenções. Melhorou a qualidade de vida da população residente e as condições de recepção/acolhimento dos visitantes (excursionistas e turistas).
A escala e a geometria do PAX foi decisiva para a integração de espaços desligados, fracturados, sem imagem de conjunto, e sem sentimento de pertença e partilha de um património comum, assim como foi relevante para alavancar a organização dos actores e o planeamento das estratégias e acções a desenvolver (como acontece neste momento através ADXTUR).
Por outro lado, é necessário considerar o complexo turístico-cultural da Quinta da Paiva constituído por um conjunto de equipamentos, espaços colectivos e áreas verdes que participam activamente na vida da comunidade e desempenham um papel preponderante em actividades como o turismo, o lazer, a cultura e a saúde (Adelino, 2010). É o resultado de uma parceria entre a Câmara Municipal de Miranda do Corvo e a Fundação ADFP (Assistência, Desenvolvimento e Formação Profissional), entidade proprietária do espaço. Esta dá continuidade ao trabalho desenvolvido pela Associação para o Desenvolvimento e Formação Profissional de Miranda do Corvo (instituição privada de solidariedade social, sem fins lucrativos, fundada pelo médico Jaime Ramos em 1987) e pretende criar oportunidades (emprego e actividades ocupacionais) de integração de pessoas vítimas de exclusão, desempregados de longa duração, e portadores de diversos tipos de deficiência ou doença crónica.
A Quinta da Paiva (situada em Miranda do Corvo) é um espaço de 12 hectares (7 de área florestal e 5 de área agrícola) que integra diversas valências, a saber: Centro de Informação (onde os visitantes podem ter acesso à informação relevante sobre a região e adquirir o bilhete de acesso ao Parque Biológico); Parque Biológico da Serra da Lousã (parque de vida selvagem, quinta pedagógica, labirinto de árvores de fruto e roseiral); Parque Desportivo (centro hípico, campos de jogos em areia e circuito de manutenção) e de Lazer (piscina ao ar livre, parque de merendas e parque infantil); Restaurante Museu da Chanfana (espaço que pretende mostrar e proporcionar a degustação da gastronomia local/regional, onde é dada grande importância aos pratos tradicionais de carne de cabra velha como a chanfana, os negalhos, o chispe e a sopa de casamento, de porco como o sarrabulho, o bucho e os enchidos, e ainda da caça e pesca) e Museu de Miranda (com oficinas de artes e ofícios tradicionais).
Na sequência das infra-estruturas já concretizadas na Quinta da Paiva (com destaque para os últimos cinco anos) estão a ser executados variados projectos que irão enriquecer mais a oferta turística a médio prazo. De igual modo, está prevista a construção de um hotel que irá colmatar a grande carência de infra-estruturas de alojamento que existe actualmente em Miranda do Corvo. Desta forma concentrar-se-á, num espaço reduzido, uma densa rede de equipamentos e infra-estruturas para o turismo e a ocupação dos tempos livres.

Volver al índice

Enciclopedia Virtual
Tienda
Libros Recomendados


1647 - Investigaciones socioambientales, educativas y humanísticas para el medio rural
Por: Miguel Ángel Sámano Rentería y Ramón Rivera Espinosa. (Coordinadores)

Este libro es producto del trabajo desarrollado por un grupo interdisciplinario de investigadores integrantes del Instituto de Investigaciones Socioambientales, Educativas y Humanísticas para el Medio Rural (IISEHMER).
Libro gratis
Congresos

17 al 31 de enero
I Congreso Virtual Internacional sobre

Economía Social y Desarrollo Local Sostenible

15 al 28 de febrero
III Congreso Virtual Internacional sobre

Desafíos de las empresas del siglo XXI

15 al 29 de marzo
III Congreso Virtual Internacional sobre

La Educación en el siglo XXI

Enlaces Rápidos

Fundación Inca Garcilaso
Enciclopedia y Biblioteca virtual sobre economía
Universidad de Málaga