TURISMO E DESENVOLVIMENTO ESTUDOS DE CASO NO CENTRO DE PORTUGAL

Paulo Carvalho

3. Conclusão

Os percursos pedestres, caminhos preparados para a prática do pedestrianismo, no contexto das actividades de lazer de ar livre, tal como o número de interessados na prática desta actividade, conheceram nos últimos anos um importante impulso em Portugal.
 Neste contexto, os percursos pedestres assumem importância como forma de complementar a experiência do turista num determinado destino, ao constituírem mais uma oferta de actividade em que o turista pode participar, mas também podem assumir o papel principal no produto turístico e constituírem a razão da deslocação ao destino (Tovar, 2010).
Em Portugal, existem percursos pedestres homologados e é crescente o número de actividades de pedestrianismo oferecidas por diversas entidades, com destaque para a preferência pelas áreas de montanha e de elevado interesse natural, e também existe um relevante conjunto de operadores (nacionais e estrangeiros) especializados na oferta de produtos de turismo de passeio pedestre (através de modalidades, destinos e duração variável).
Grande parte dos programas organizados por empresas portuguesas corresponde a programas de 1 dia, sendo escassa, em comparação com o que oferecem os operadores estrangeiros, a oferta de programas com duração superior a 4 dias, o que revela um sub-aproveitamento da oportunidade de oferecer programas de turismo de passeio pedestre estruturados.
Destacam-se as regiões Norte e Lisboa e Vale do Tejo, quando se consideram os programas de 1 dia. A apreciação de programas com duração superior, confere a importância da região Norte, e faz sobressair também as regiões da Madeira, Algarve, Alentejo e Centro, como principais destinos de turismo de passeio pedestre em Portugal.
No que diz respeito a destinos mais específicos, destacam-se as áreas protegidas (parque nacional e parques naturais), em todas as regiões do país, o Douro, no Norte, e as Aldeias Históricas e Aldeias do Xisto, no Centro.
O território Aldeias do Xisto é um destino turístico recente. Até há poucos anos, a generalidade das aldeias estava muito degradada, os acessos eram comprometedores e a oferta de alojamento e outros serviços turísticos era quase inexistente.
Hoje, resultante de melhorias nas acessibilidades e da intervenção realizada no âmbito da “Acção Integrada de Base Territorial do Pinhal Interior” (Programa Operacional da Região Centro de Portugal, 2000-2006), nomeadamente do Programa das Aldeias do Xisto, com o envolvimento e a articulação de entidades públicas, privadas e associativas, a região oferece condições para o desenvolvimento de produtos de turismo de passeio pedestre, como o atestam os exemplos observados nesta investigação.
A par da existência de um interessante conjunto percursos pedestres, definidos e sinalizados de acordo com as normas e recomendações existentes, e da disponibilidade de informação detalhada sobre eles, as características físicas e culturais do território, a oferta de alojamento turístico, a oferta de gastronomia tradicional da região, o programa de animação das aldeias, a existência de serviços de passeios pedestres guiados, a existência de lojas de venda de produtos locais e, ainda a promoção de tudo isto sob uma única marca, a marca Aldeias do Xisto, gerida por uma associação que congrega interesses públicos e privados, são factores que contribuem para a afirmação deste território como destino turístico vocacionado para produtos de turismo de natureza, com destaque para o turismo de passeio pedestre.

Referências bibliográficas

Bietolini, A. (2007). Manual de Caminhada – Trekking, Arte Plural Edições, 96 pp.
Butler, R; Hall, C. M. & Jenkins, J. (eds.) (1998). Tourism and recreation in rural areas, Chichester, John Wiley & Sons, 328 pp.
Carvalho, P. (2009-a). Património construído e desenvolvimento em áreas de montanha. O exemplo da Serra da Lousã, Lousã, Câmara Municipal da Lousã, 657 pgs.
Carvalho, P. (2009-b). “Planeamento, turismo e património em territórios de baixa densidade”, Biblos, Vol. VII (2ª série), pp. 485-506.
CCRC (2001). Programa Operacional da Região Centro: 2000-2006, Coimbra, CCRC, 97 pp.
Cunha, L. (2003). “A montanha do centro português: espaço de refúgio, território marginal e recurso para o desenvolvimento local”. In CAETANO, Lucília (coord.): Território, Ambiente e Trajectórias de Desenvolvimento, Coimbra, Centro de Estudos Geográficos, pp. 175-191.
Godde, P., Price, M. & Zimmermann, F. (eds.) (2000). Tourism and Development in Mountain Regions, New York and Oxon, Cabi Publishing, 357 pp.
Hall, D.; Roberts, L. & Mitchell, M. (eds.) (2003). New Directions in Rural Tourism, Aldershot, Ashgate, 237 pp.
Hall, C. M. & Page, S. J. (2006). The Geography of Tourism and Recreation. Environment, place and space, London and New York, Routdlege, 530 pp.
Kouchner, F. & Lyard, J. (2001). “A valorização do turismo de passeio pedestre nos territórios rurais – Guia pedagógico para a elaboração e execução de um projecto de passeio pedestre”, Inovação em Meio Rural, Caderno nº. 12, Observatório Europeu Leader (disponível em: http://ec.europa.eu/agriculture/rur/leader2/rural-pt/biblio/walking/walking.pdf, 12-02-2009).
PENT (2007). “Plano Estratégico Nacional do Turismo”, In Diário da República, 1ª Série, nº 46, 4.4.2007, pp. 2166-2174.
Pearce, D. & Butler, R. (eds.) (2005). Contemporary Issues in Tourism Development, London and New York, Routdlege, 273 pp.
Price, M. (2007). Mountain Area Research and Management. Integrated Approaches, London, Earthscan, 302 pgs.
Redelif, M.; Haan, H. & Kasinis, B. (eds.) (1997). Sustainable rural development, Aldershot, Ashgate, 224 pp.
THR (2006). Turismo de Natureza, Lisboa, Turismo de Portugal (disponível em http://www.turismodeportugal.pt/Portug%C3%AAs/Proturismo/ProdutoseDestinosturisticos/ProdutosTuristicos/TurismodeNatureza/Anexos/TURISMO%20De%Natureza.pdf, 16-02-2009).
Tovar, Z. (2010). Pedestrianismo, Percursos Pedestres e Turismo de Passeio Pedestre em Portugal. Dissertação de Mestrado em Turismo (Gestão Estratégica de Destinos Turísticos) apresentada à Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril, 146 pp.
Tovar, Z. e Carvalho, P. (2011). “Caminhos do Xisto (Cordilheira Central): um novo destino de turismo de passeio pedestre em Portugal”, Cadernos de Geografia, Coimbra, Departamento de Geografia (Universidade de Coimbra) e Centro de Estudos de Geografia e Ordenamento do Território, nº 28/29 (2009/2010), pp. 131-142.
Vergunst, J; Árnason, A. & Shucksmith, M. (eds.) (2009). Comparing rural development. Continuity and change in the countryside of Western Europe, Aldershot, Ashgate, 212 pp.

Volver al índice

Enciclopedia Virtual
Tienda
Libros Recomendados


1647 - Investigaciones socioambientales, educativas y humanísticas para el medio rural
Por: Miguel Ángel Sámano Rentería y Ramón Rivera Espinosa. (Coordinadores)

Este libro es producto del trabajo desarrollado por un grupo interdisciplinario de investigadores integrantes del Instituto de Investigaciones Socioambientales, Educativas y Humanísticas para el Medio Rural (IISEHMER).
Libro gratis
Congresos

17 al 31 de enero
I Congreso Virtual Internacional sobre

Economía Social y Desarrollo Local Sostenible

15 al 28 de febrero
III Congreso Virtual Internacional sobre

Desafíos de las empresas del siglo XXI

15 al 29 de marzo
III Congreso Virtual Internacional sobre

La Educación en el siglo XXI

Enlaces Rápidos

Fundación Inca Garcilaso
Enciclopedia y Biblioteca virtual sobre economía
Universidad de Málaga