TURISMO E DESENVOLVIMENTO ESTUDOS DE CASO NO CENTRO DE PORTUGAL

Paulo Carvalho

3. Conclusão

Os percursos pedestres, caminhos preparados para a prática do pedestrianismo, no contexto das actividades de lazer de ar livre, tal como o número de interessados na prática desta actividade, conheceram nos últimos anos um importante impulso em Portugal.
 Neste contexto, os percursos pedestres assumem importância como forma de complementar a experiência do turista num determinado destino, ao constituírem mais uma oferta de actividade em que o turista pode participar, mas também podem assumir o papel principal no produto turístico e constituírem a razão da deslocação ao destino (Tovar, 2010).
Em Portugal, existem percursos pedestres homologados e é crescente o número de actividades de pedestrianismo oferecidas por diversas entidades, com destaque para a preferência pelas áreas de montanha e de elevado interesse natural, e também existe um relevante conjunto de operadores (nacionais e estrangeiros) especializados na oferta de produtos de turismo de passeio pedestre (através de modalidades, destinos e duração variável).
Grande parte dos programas organizados por empresas portuguesas corresponde a programas de 1 dia, sendo escassa, em comparação com o que oferecem os operadores estrangeiros, a oferta de programas com duração superior a 4 dias, o que revela um sub-aproveitamento da oportunidade de oferecer programas de turismo de passeio pedestre estruturados.
Destacam-se as regiões Norte e Lisboa e Vale do Tejo, quando se consideram os programas de 1 dia. A apreciação de programas com duração superior, confere a importância da região Norte, e faz sobressair também as regiões da Madeira, Algarve, Alentejo e Centro, como principais destinos de turismo de passeio pedestre em Portugal.
No que diz respeito a destinos mais específicos, destacam-se as áreas protegidas (parque nacional e parques naturais), em todas as regiões do país, o Douro, no Norte, e as Aldeias Históricas e Aldeias do Xisto, no Centro.
O território Aldeias do Xisto é um destino turístico recente. Até há poucos anos, a generalidade das aldeias estava muito degradada, os acessos eram comprometedores e a oferta de alojamento e outros serviços turísticos era quase inexistente.
Hoje, resultante de melhorias nas acessibilidades e da intervenção realizada no âmbito da “Acção Integrada de Base Territorial do Pinhal Interior” (Programa Operacional da Região Centro de Portugal, 2000-2006), nomeadamente do Programa das Aldeias do Xisto, com o envolvimento e a articulação de entidades públicas, privadas e associativas, a região oferece condições para o desenvolvimento de produtos de turismo de passeio pedestre, como o atestam os exemplos observados nesta investigação.
A par da existência de um interessante conjunto percursos pedestres, definidos e sinalizados de acordo com as normas e recomendações existentes, e da disponibilidade de informação detalhada sobre eles, as características físicas e culturais do território, a oferta de alojamento turístico, a oferta de gastronomia tradicional da região, o programa de animação das aldeias, a existência de serviços de passeios pedestres guiados, a existência de lojas de venda de produtos locais e, ainda a promoção de tudo isto sob uma única marca, a marca Aldeias do Xisto, gerida por uma associação que congrega interesses públicos e privados, são factores que contribuem para a afirmação deste território como destino turístico vocacionado para produtos de turismo de natureza, com destaque para o turismo de passeio pedestre.

Referências bibliográficas

Bietolini, A. (2007). Manual de Caminhada – Trekking, Arte Plural Edições, 96 pp.
Butler, R; Hall, C. M. & Jenkins, J. (eds.) (1998). Tourism and recreation in rural areas, Chichester, John Wiley & Sons, 328 pp.
Carvalho, P. (2009-a). Património construído e desenvolvimento em áreas de montanha. O exemplo da Serra da Lousã, Lousã, Câmara Municipal da Lousã, 657 pgs.
Carvalho, P. (2009-b). “Planeamento, turismo e património em territórios de baixa densidade”, Biblos, Vol. VII (2ª série), pp. 485-506.
CCRC (2001). Programa Operacional da Região Centro: 2000-2006, Coimbra, CCRC, 97 pp.
Cunha, L. (2003). “A montanha do centro português: espaço de refúgio, território marginal e recurso para o desenvolvimento local”. In CAETANO, Lucília (coord.): Território, Ambiente e Trajectórias de Desenvolvimento, Coimbra, Centro de Estudos Geográficos, pp. 175-191.
Godde, P., Price, M. & Zimmermann, F. (eds.) (2000). Tourism and Development in Mountain Regions, New York and Oxon, Cabi Publishing, 357 pp.
Hall, D.; Roberts, L. & Mitchell, M. (eds.) (2003). New Directions in Rural Tourism, Aldershot, Ashgate, 237 pp.
Hall, C. M. & Page, S. J. (2006). The Geography of Tourism and Recreation. Environment, place and space, London and New York, Routdlege, 530 pp.
Kouchner, F. & Lyard, J. (2001). “A valorização do turismo de passeio pedestre nos territórios rurais – Guia pedagógico para a elaboração e execução de um projecto de passeio pedestre”, Inovação em Meio Rural, Caderno nº. 12, Observatório Europeu Leader (disponível em: http://ec.europa.eu/agriculture/rur/leader2/rural-pt/biblio/walking/walking.pdf, 12-02-2009).
PENT (2007). “Plano Estratégico Nacional do Turismo”, In Diário da República, 1ª Série, nº 46, 4.4.2007, pp. 2166-2174.
Pearce, D. & Butler, R. (eds.) (2005). Contemporary Issues in Tourism Development, London and New York, Routdlege, 273 pp.
Price, M. (2007). Mountain Area Research and Management. Integrated Approaches, London, Earthscan, 302 pgs.
Redelif, M.; Haan, H. & Kasinis, B. (eds.) (1997). Sustainable rural development, Aldershot, Ashgate, 224 pp.
THR (2006). Turismo de Natureza, Lisboa, Turismo de Portugal (disponível em http://www.turismodeportugal.pt/Portug%C3%AAs/Proturismo/ProdutoseDestinosturisticos/ProdutosTuristicos/TurismodeNatureza/Anexos/TURISMO%20De%Natureza.pdf, 16-02-2009).
Tovar, Z. (2010). Pedestrianismo, Percursos Pedestres e Turismo de Passeio Pedestre em Portugal. Dissertação de Mestrado em Turismo (Gestão Estratégica de Destinos Turísticos) apresentada à Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril, 146 pp.
Tovar, Z. e Carvalho, P. (2011). “Caminhos do Xisto (Cordilheira Central): um novo destino de turismo de passeio pedestre em Portugal”, Cadernos de Geografia, Coimbra, Departamento de Geografia (Universidade de Coimbra) e Centro de Estudos de Geografia e Ordenamento do Território, nº 28/29 (2009/2010), pp. 131-142.
Vergunst, J; Árnason, A. & Shucksmith, M. (eds.) (2009). Comparing rural development. Continuity and change in the countryside of Western Europe, Aldershot, Ashgate, 212 pp.

Volver al índice

Enciclopedia Virtual
Tienda
Libros Recomendados


1647 - Investigaciones socioambientales, educativas y humanísticas para el medio rural
Por: Miguel Ángel Sámano Rentería y Ramón Rivera Espinosa. (Coordinadores)

Este libro es producto del trabajo desarrollado por un grupo interdisciplinario de investigadores integrantes del Instituto de Investigaciones Socioambientales, Educativas y Humanísticas para el Medio Rural (IISEHMER).
Libro gratis
Congresos

4 al 15 de diciembre
V Congreso Virtual Internacional sobre

Transformación e innovación en las organizaciones

11 al 22 de diciembre
I Congreso Virtual Internacional sobre

Economía Social y Desarrollo Local Sostenible

Enlaces Rápidos

Fundación Inca Garcilaso
Enciclopedia y Biblioteca virtual sobre economía
Universidad de Málaga