BIBLIOTECA VIRTUAL de Derecho, Economía y Ciencias Sociales

OLHARES SOBRE O ESTADO DO TOCANTINS: ECONOMIA, SOCIEDADE E MEIO AMBIENTE

Yolanda Vieira De Abreu (editora)


 


Esta página muestra parte del texto pero sin formato.

Puede bajarse el libro completo en PDF comprimido ZIP (171 páginas, 3.06 Mb) pulsando aquí




6. Pesquisa com os empresários

O questionário que foi proposto aos empresários de Palmas que utilizam os serviços do SINE teve por objetivo obter informações sobre as empresas e o mercado em que atuam, a freqüência que utilizam estes serviços e sua eficiência, expectativas em relação a instituição e se os resultados dos serviços estão sendo satisfatórios e eficazes. Segundo a amostra da Tabela 6.1, dos empresários entrevistados 87% são do ramo do comércio, 9% da prestação de serviços e 4% da indústria. Isto se deve ao fato do pesquisador aplicar a pesquisa principalmente na região do centro de Palmas, onde prevalece o comércio.

 O público que o SINE atente é diversificado, por isso a captação de oferta de emprego também o é. Esta instituição busca atender tanto trabalhadores quanto empresários de todos os setores da economia

Na Tabela 6.2, observa-se que 16% das empresas atuam no mercado há 1 ano, 54% entre 2 a 7 anos e 30% das empresas já atuam acima de 8 anos. Palmas é um mercado novo e muitas empresas foram e são abertas e outras estão criando filiais na Capital. Porém, o poder aquisitivo da população local ainda fica a desejar e têm-se outros problemas de infraestrutura que levam a que muitos empresários palmenses possam ter problemas em manter suas empresas saudáveis. O tempo de atuação das empresas no mercado revela um indicador de vida, sobrevivência e comportamento econômico do mercado.  Na Tabela 6.3, constata-se que para os empresários as principais carências apresentadas pelos empregados são falta de capacitação/qualificação, falta de interesse pelo trabalho e falta de versatilidade/dinâmica. Quantificando as resposta tem-se que 75% dos empresários afirmam que a principal carência do trabalhador palmense é capacitação/qualificação, outros 18% apontam a falta de interesse pelo trabalho e ainda 7% gostaria que o trabalhador tivesse maior versatilidade/dinâmica ao desempenhar sua função.O que caracteriza a dificuldade que o mercado enfrenta para encontrar mão-de-obra adequada a suas necessidades, tornando assim, mais difícil o preenchimento das vagas disponibilizadas nos postos de trabalho do SIE.

Em conformidade com a Tabela 6.4, observa-se que 51% dos entrevistados utilizam os serviços do SINE semestralmente, 38% anualmente, 9% mensalmente e 2% semestralmente. Entende-se que as empresas têm um elevado grau de rotatividade de funcionários ou o trabalhador não se adéqua ao perfil exigido pela vaga ou são empregos temporários. Conforme a Tabela 6.5 observa-se que 60% dos empresários entrevistados com relação ao perfil do candidato encaminhado pelo SINE declaram que ficaram parcialmente satisfeitos, 16% pouco satisfeito, 13% não ficam satisfeitos e 11% totalmente satisfeitos. Estes dados mostram que o SINE ainda precisa melhorar seus procedimentos em relação à tática de relacionar a necessidade dos empresários (ofertantes) e a analise das capacidades dos trabalhadores desempregados (demandantes).

A análise da Tabela 6.6 mostra que para os empresários entrevistados, 47% acreditam que para melhorar o SINE e atendê-los de forma satisfatória é que esse tenha pessoal especializado com as necessidades do mercado de trabalho, 29% que ter um critério de seleção mais rigoroso, reduziria a rotatividade do trabalho, 11% apontam à necessidade de se intensificar as visitas as empresas, 9% informar com mais exatidão ao empresário das aptidões dos trabalhadores e apenas para 4% está ótimo. O SINE/PALMAS é uma organização nova e em formação que ainda esta se aperfeiçoando e adaptando a sua realidade e demandas. É natural críticas sobre sua função e atividades porque quem usa o sistema, para ofertar oportunidades de emprego ou por quem procurar uma nova colocação no mercado de trabalho, por não poder esperar essas adaptações que são normais em qualquer instituição. Por isso, para este tipo de serviço sempre haverá críticas e elogios, porque a escolha de um ou de outro vai depender das expectativas do entrevistado em relação a sua demanda e necessidade.

Na Tabela 6.7, mostra-se que 89% dos entrevistados não recebem visitas periodicamente da equipe do SINE e apenas 11% confirmam que sim. Entende-se que o trabalho de divulgação do SINE não está atingindo seu alvo, fazendo-se necessárias uma revisão nos seus processos de relacionamento com as empresas

A Tabela 6.8, mostra que 53 % pensam que o SINE pode ajudar o empresário na escolha de um trabalhador, relacionando suas necessidades com a descrição do profissional adequado para ocupar a vaga, 27% fazendo triagem de futuros funcionários e 20% visitando a empresa.

Na Tabela 6.9, observa-se que a maioria dos entrevistados (57%) tem como expectativa que o SINE deve oferecer bons funcionários, 27% desejam um local de pesquisa e informações sobre o perfil dos trabalhadores disponíveis, 14% um espaço para debates sobre a melhoria de mão-de-obra de Palmas e 7% esperam que o SINE seja um canal de interação entre governo e empresariado. Diante do exposto pode-se concluir que o empresariado se predispõe a participar das escolhas dos trabalhadores junto com o SINE e a realizar parcerias.

Na Tabela 6.10, observa-se que 69% dos empresários entrevistados pensa que o papel e a função do SINE é de auxílio ao empregador na hora da captação de mão-de-obra, 20% como órgão de desenvolvimento de mão-de-obra pra Palmas, 7% local de empregos públicos e 4% mais uma burocracia estatal. O papel do SINE é de intermediação de mão-de-obra, embora seus usuários tenham interpretação diferente como mostra as respostas. Se relacionar esta resposta a outras já que realizada durante a entrevista pode-se afirmar que como intermediador de mão-de-obra o SINE é uma instituição respeitada pela classe empresarial palmense.

O SINE criou ultimamente o prêmio SINE - Empresário Amigo do Trabalhador-que é uma iniciativa desta instituição e Secretaria do Trabalho e Desenvolvimento Social, e tem como principal objetivo fortalecer a parceria entre empregadores e o SINE. A intenção deste prêmio é de ampliar a parceria entre empresas e o SINE, estimular a criação de emprego no Estado e reconhecer os dirigentes empresariais que buscam no SINE a intermediação de mão-de-obra. As empresas que se destacarem nesta parceria receberão um selo de empresário amigo do trabalhador e serão homenageadas publicamente.

7 CONSIDERAÇÕES FINAIS

O SINE é um órgão governamental, vinculado a Secretaria do Trabalho e Ação Social, que por sua vez é supervisionada pelo Ministério do Trabalho e Emprego através das políticas de emprego. Tem significativa importância social, haja vista o volume de força de trabalho que envolve em seus fluxos. No ano de 2007, por exemplo, o número de atendimento anual foram de 12.901 encaminhados para entrevistas e 1.832 efetivamente colocados pelo SINE(Palmas - TO). Em um processo de evolução para adequação a um melhor atendimento, o SINE-TO conta atualmente com um quadro de pessoal composto por 51 funcionários. Uma de suas prioridades é a inserção ou reinserção do trabalhador no mercado de trabalho, e para isso, oferece a intermediação de mão-de-obra formal e informal, através de um elo com a classe empresarial e o próprio mercado de trabalho, para captação de vagas a serem oferecidas aos trabalhadores e divulgação de seus serviços. Paralelo a essa missão o SINE-TO executa outras ações, como, por exemplo, protocola e acompanha o seguro-desemprego, emissão de carteira de trabalho, qualificação profissional, orientação trabalhista, programa primeiro emprego, entre outros, sendo todas oferecidas gratuitamente à comunidade. Os outros resultados desta pesquisa foram amplamente alcançados, tais como: conhecer as atribuições, competência e responsabilidade do SINE junto ao trabalhador, pesquisar os procedimentos utilizados para colocação e recolocação de mão-de-obra no mercado de trabalho, identificar junto ao trabalhador e aos empresários as deficiências encontradas nas atividades do SINE, sugerir ações voltadas para as práticas de colocação e recolocação no mercado de trabalho, além da ineficácia do SINE como intermediador de mão-de-obra no período estudado. Como resposta ao tema desta monografia, com base nas pesquisas realizadas com os funcionários, trabalhadores e empresários pode-se concluir que o SINE precisa melhorar seus procedimentos em alguns aspectos para ser considerado totalmente eficaz como intermediador de mão-de-obra. No entanto conclui-se também que existe infra-estrutura suficiente, pessoal qualificado, equipes de captação, relacionamento amplo com a classe empresarial, instituições afins, cooperativas, associações e entidades e ainda alto índice de atendimento diário 150/dia. Porém, o trabalhador não consegue resultado em muitos casos, tem uma percepção ruim do atendimento e a classe empresarial revela que está insatisfeita com a qualificação dos trabalhadores encaminhados e a deseja que sejam realizadas mais visitas nas empresas,por parte do SINE (Palmas) para propor orientação de como usar o sistema. Esta visão, entretanto, tem um viés do usuário que espera do SINE-TO um comportamento mais global daquele proposto institucionalmente. Outra relevância do estudo foi à integração vivenciada entre o SINE e as empresas privadas, com intuito de captar vagas em suas organizações e melhorar a qualificação da mão-de-obra inserida ou não no mercado, sendo esta a base para o planejamento de ações futuras. Verificou-se também que a baixa qualificação é evidente no contingente de pessoas que compõem o grupo de trabalhadores desempregados, principalmente das que procuram o SINE/PALMAS. Como justificam os próprios empresários entrevistados, ou seja, de 56 empreendedores, 89% acham que este fator deixa a desejar nos profissionais encaminhados. Esta situação é reconhecida pelo SINE (Palmas) e esta sendo desenvolvidas parcerias junto a outras instituições para melhorar a capacitação do trabalhador, como por exemplo, a implantação do PLANTEQ (Planos Territoriais de Qualificação). Através da pesquisa de campo realizada com os funcionários, empresários e com os trabalhadores que procuram o auxílio do núcleo do SINE/Palmas, pode-se constatar alguns pontos fracos que precisam ser revistos por esta instituição para exercerem suas funções de forma mais eficaz tais como: 1) instituir melhorias na triagem inicial do trabalhador, aumentando seu tempo de atendimento, ou seja, investigar mais suas aptidões; habilidades e carências profissionais e para conseguir esse objetivo seria necessário criar uma sala com estrutura para treinamento/orientação nas entrevistas e informações iniciais ao trabalho, tais como: mercado de trabalho/economia/ empresas/tendências/tecnologia/etiqueta e postura profissional; 2) instituir visitas periódicas para com os empresários, orientado-os em questões relativas ao próprio sistema e talvez consultorias, pois o Estado tem condições humanas para tal finalidade; 3) criar e desenvolver o balcão SINE/Móvel, nas principais localidades da cidade/região, cadastrando, captando vagas e relacionando-se com os problemas da comunidade dando soluções rápidas e precisas; 4) fazer divulgação do SINE nas instituições educacionais em todos os níveis, ou seja, além de melhorar a cultura em relação ao emprego, pode-se captar vagas, pois muitos dos estudantes são empresários e futuros empreendedores; 5) melhorar o relacionamento entre o SINE/PALMAS com outros Estados, pois o sistema é integrado, porém situações inovadoras em outras regiões podem ser estruturadas em Palmas, beneficiando o usuário; 6) Motivar o cliente/usuário com atenção e qualidade dos serviços prestados, pois quando este procura o sistema, sua situação já é bem delicada, e os colaboradores do SINE, devem ser sensibilizados continuamente com tal situação e é essencial a prática de incentivos psicológicos para os desempregados..

8. Referencias Bibliográficas

ARAÚJO, Carlos Roberto Vieira. História do pensamento econômico: uma abordagem introdutória. SP: Atlas, 1998.

ARRUDA, Marcos. Globalização: desafios socioeconômicos, éticos e educativos: Uma visão a partir do Sul/Rio de Janeiro: 2º edição, Vozes, 2000.

BECKER Gary.S; DRUCKER Peter F; LAHÒZ, André: Tendências do mundo do Trabalho. 2008. Disponível em <http: //www.senac.br/conheça/referencias/ref1.htm>. Acesso em 08/04/2008.

CADASTRO GERAL DE EMPREGADOS E DESEMPREGADOS. Ministério do Trabalho e Emprego, 2000. Disponível em <http:/www.mte.gov.br/caged>. Acesso em 04/04/2008.

CASTELLS, M. A Sociedade em Rede: a era da informação. Economia, sociedade e cultura. Vol.1 Ed. Paz e Terra: São Paulo,1999.

CHESNAIS, François. A Mundialização do Capital. São Paulo: Xamã, 1996.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. Dados Macroeconômicos e Regionais, 2000. Disponível em <http:/www.ipeadata.gov.br/>. Acesso em 04/04/2008.

KEYNES, John Maynard. A Teoria Geral do Emprego, do Juro e da Moeda. SP: Atlas, 1992. MANKIW, N. Greogory, Introdução à economia, Princípios de Micro e Macroeconomia; tradução da 2ª ed original Maria José Cyhlar Monteiro.-Rio de Janeiro: Campus, 2001.

MINARELLI, José Augusto, Empregabilidade: O Caminho das pedras. São Paulo: Editora Gente, 1995. MARRAS, J.P. Administração de Recursos Humanos: Do operacional ao estratégico. 4.ed.São Paulo:Futura,2000.

NUNES, Ronivon Nepomuceno, Estudo sobre o desemprego no mercado de trabalho formal de Palmas-TO - 2001 a 2005, Palmas, 2006.

PAIVA, Vanilda.Produção e qualificação para o trabalhador: uma revista da bibliografia internacional. Rio de Janeiro: UFRJ/Instituto de Economia Industrial, 1989.

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS. História de Palmas. Palmas, 2005. Disponível em <http://www.palmas.to.gov.br>. Acesso em 10/04/08.

RODRIGUES, WALDECY-Pesquisa Trimestral de Emprego e Rendimento. Agosto, UFT, 2007.

SACHS, J. Macroeconomia. SP:Makron Books, 2000.

SINE TOCANTINS. Informativo do Sistema Nacional de Emprego. Palmas: Vox, 2002.

SINOPSE PRELIMINAR DO CENSO DEMOGRÁFICO 2000. RJ: IBGE, Vol. 07, 2000, ISSN 0104-057X. Disponível em <http://www.ibge.gov.br>. Acesso em 27/03/08.

TOCANTINS (Estado): Portal do cidadão, 2007.Disponível em <http:/www.to.gov.br/Tocantins+tem+maior+taxa+de+emprego+em+2007/>. Acesso em 28/05/2008.


Grupo EUMEDNET de la Universidad de Málaga Mensajes cristianos

Venta, Reparación y Liberación de Teléfonos Móviles
Enciclopedia Virtual
Biblioteca Virtual
Servicios
 
Todo en eumed.net:

Congresos Internacionales


¿Qué son?
 ¿Cómo funcionan?

 

15 al 29 de
julio
X Congreso EUMEDNET sobre
Turismo y Desarrollo




Aún está a tiempo de inscribirse en el congreso como participante-espectador.


Próximos congresos

 

06 al 20 de
octubre
I Congreso EUMEDNET sobre
Políticas públicas ante la crisis de las commodities

10 al 25 de
noviembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Migración y Desarrollo

12 al 30 de
diciembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Economía y Cambio Climático

 

 

 

 

Encuentros de economia internacionales a traves de internet


Este sitio web está mantenido por el grupo de investigación eumednet con el apoyo de Servicios Académicos Internacionales S.C.

Volver a la página principal de eumednet