BIBLIOTECA VIRTUAL de Derecho, Economía y Ciencias Sociales

OLHARES SOBRE O ESTADO DO TOCANTINS: ECONOMIA, SOCIEDADE E MEIO AMBIENTE

Yolanda Vieira De Abreu (editora)


 


Esta página muestra parte del texto pero sin formato.

Puede bajarse el libro completo en PDF comprimido ZIP (171 páginas, 3.06 Mb) pulsando aquí




1.2. Bacias Hidrográficas e as Hidrelétricas

As principais bacias hidrográficas são a do Tocantins, Araguaia, do Sono, das Balsas, Paraná, e Manuel Alves. O sistema hidrográfico é composto por dois grandes rios principais que cortam o Estado de Norte a Sul: Araguaia e o Tocantins. O Rio Araguaia possui uma extensão de 104.990,8 km2 e ocupa em percentagem 37,7% da área total do Estado e o Rio Tocantins com 173,429,9 km2 ocupa em percentagem 62,3% desta. Sendo que as hidroelétricas construídas ao longo do Rio Tocantins e de seus afluentes correspondem a cerca de 1,46% da produção brasileira. (SEPLAN, 2008) O Estado possui um parque de geração de energia elétrica composto de 20 usinas hidroelétricas (ao longo de 12 rios) e 1 usina termoelétrica. Cabe destaque para as Usinas Hidroelétricas de Luís Eduardo Magalhães (UHE Lajeado) e de Peixe Angical, que são as duas maiores, em geração de energia no Estado que juntas têm uma potência de 1,4 GW (92,1% do total produzido no Estado), sendo ambas Produtoras Independentes de Energia (PIE). A UHE Lajeado foi construída pela Investco S.A., um consórcio formado pelo Grupo REDE, Cemig Eletricidade de Portugal (EDP), Companhia Energética de Brasília (CEB) e a Norte-Americana CMS Energy. Sua construção foi executada no tempo recorde de 39 meses, sendo o maior empreendimento de geração realizado pela iniciativa privada no Brasil. A usina está localizada no rio Tocantins, a 1.030 km de distância da foz, abrangendo os municípios de Miracema do Tocantins e Palmas. A área total do reservatório é de 630 km2 e uma extensão de 170 km de lago. Além disso, possui uma potência instalada de 902,5 MW, podendo abastecer uma cidade ou região com aproximadamente 8 milhões de habitantes. Já a construção da Usina Hidroelétrica de Peixe Angical foi iniciada em 2002 e completou sua entrada em operação comercial em 2006. A usina está localizada no rio Tocantins, entre os municípios de Peixe, São Salvador do Tocantins e Paraná, na região sul do Estado. A área inundada do reservatório é de 294,1 km2 totalizando um volume de água de 2,74 bilhões m³. Possui uma potência instalada de 498,75 MW, podendo abastecer uma cidade ou região com aproximadamente 4 milhões de habitantes. A geração é enviada ao SIN (Sistema Interligado Nacional) por uma linha de transmissão de 500 kV, através da subestação de Furnas na cidade de Gurupi.2. Os demais empreendimentos de energia são de porte menor: dez pequenas centrais hidrelétricas (PCH), seis centrais geradoras hidrelétricas (CGH) e uma usina termelétrica de energia (UTE) que juntas têm uma potência de 1.642.783kW (SEPLAN, 2008).

1.3. Logística de Transporte

No Estado do Tocantins ainda é muito utilizado o modal rodoviário, mas encontra-se em andamento a construção da ferrovia Norte-Sul que favorecerá a entrada e saída de produtos produzidos no Estado. A Ferrovia Norte-Sul (FNS) irá trazer para o Estado uma redução de fretes de longa distância. Esta ferrovia irá se conectar ao Norte com a Estrada de Ferro Carajás (EFC) e ao Sul com a Ferrovia Centro Atlântico (FCA). A FCA é a maior de todas as concessões ferroviárias brasileiras e será responsável por conectar a FNS aos maiores portos nacionais como Santos, Vitória e Rio de Janeiro e às regiões industriais de São Paulo e Minas Gerais. A FNS absorverá 30% do volume de carga transportada pelas principais rodovias, sendo a carga transportada composta de: commodities minerais e produtos agrícolas, partindo do Norte em direção ao Sul, e de combustíveis e carga geral, partindo do Sul em direção ao Norte. Como a ferrovia já está interligada com a Estrada de Ferro Carajás, da Companhia Vale do Rio Doce, que tem como destino o Porto de Itaqui (MA), essa será o principal meio de escoamento da região Norte do país e isso reduzirá o preço do frete.

Segundo a proposta proferida na palestra do Diretor da ANTT, Gregório de Rabelo (2006), existem duas possibilidades, dentre outras, de logística de transporte das cargas do Estado do Mato Grosso e do Tocantins chegarem ao Porto para embarque, seja para o exterior ou para o mercado interno. A primeira somente utilizando dois modais, ferrovia/hidrovia (Fig. 3) e a segunda utilizando além desses a rodovia até chegar ao porto de Itaqui - São Luís do Maranhão (Fig. 4).

Pode-se observar, através dos dados demonstrados até aqui, que o Estado do Tocantins está em plena expansão e construção. Em um futuro, próximo, deve ser muito de êxito e expansão uma vez que a localização é privilegiada - no centro do Brasil - e faz divisas com grandes Estados, possui uma rede rodoviária desenvolvida e terá uma malha de transporte ferroviária e hidroviária em curto espaço de tempo. Tem produção de energia em seu território e ainda possui um potencial considerável a ser desenvolvido utilizando fontes renováveis. Por estar em construção, ainda não desenvolveu instituições fortes e outras, comuns em outros estados brasileiros, ainda não se constituíram. Tem uma universidade federal que está presente em sete cidades de Norte a Sul do Estado, com 25 cursos de graduação, 10 de mestrado e um de doutorado. Como também Escolas Técnicas e Institutos Tecnológicos Federais de nível superior, além das Universidades particulares. As informações gerais contidas neste capítulo são suficientes para que o leitor tenha uma visão geral sobre o Estado do Tocantins e possa compreender melhor os capítulos que se seguem. No anexo I incluí-se alguns mapas e fotos da capital Palmas.

REFERENCIAL BIBLIOGRÁFICO ANTT:

Agência Nacional de Transportes Terrestres. Consultado os seguintes endereços eletrônicos: www.antt.gov.br/ http://www.antt.gov.br/relatorios/ferroviario/concessionarias2006/1-apresentacao.pdf

ANTAQ: Agência Nacional de Transportes Aquaviários. Palestra Gregório Rabelo, 2006. http://www.antaq.gov.br/Portal/pdf/Palestras/PalestraGregorioRabelo.pdf

Brasil: Constituição Federal. http://www.planalto.gov.br/

FURNAS (FURNAS Centrais Elétricas S.A.) Acesso em: 15 mai. 2009. http://www.furnas.com.br/hotsites/sistemafurnas/usina_hidr_peixe.asp.

IBGE : Instituto Brasileiro de Geografia E Estatística Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD). Rio de Janeiro, 2007, v. 28, p. 1-129. Volume Brasil. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/trabalhoerendimento/pnad2007/brasilpnad2007.pdf>. Acesso em: dez/2008 a out/2009. IBGE : INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA Mapas . http://www.ibge.gov.br/ibgeteen/mapas/brasil_regioes.htm , acessado em dezembro, 2009.

DNIT - Departamento Nacional de Infra-estrutura de Transportes -. Acesso através do site http://transportes.gov.br. Consultado em dezembro de 2009.

SEBRAE/TO. Censo Empresarial 2005. www.sebrae.to.gov.br

SEPLAN: Secretaria do Planejamento do Estado do Tocantins. http://www.seplan.to.gov.br/seplan/br/. Consultado em novembro 2008.

Anexo I Fotos Sobre Palmas (TO) e Mapas do Tocantins e do Brasi

Fotos de Palmas (TO) , retiradas do site: Fonte:: http://www.skyscraperlife.com/brazil/9175-doze-fotos-de-palmas-com-algumas-aereas.html

Mapa do Brasil http://www.zonu.com/brazil_maps/Brazil_States_Map.htm


Grupo EUMEDNET de la Universidad de Málaga Mensajes cristianos

Venta, Reparación y Liberación de Teléfonos Móviles
Enciclopedia Virtual
Biblioteca Virtual
Servicios
 
Todo en eumed.net:

Congresos Internacionales


¿Qué son?
 ¿Cómo funcionan?

 

15 al 29 de
julio
X Congreso EUMEDNET sobre
Turismo y Desarrollo




Aún está a tiempo de inscribirse en el congreso como participante-espectador.


Próximos congresos

 

06 al 20 de
octubre
I Congreso EUMEDNET sobre
Políticas públicas ante la crisis de las commodities

10 al 25 de
noviembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Migración y Desarrollo

12 al 30 de
diciembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Economía y Cambio Climático

 

 

 

 

Encuentros de economia internacionales a traves de internet


Este sitio web está mantenido por el grupo de investigación eumednet con el apoyo de Servicios Académicos Internacionales S.C.

Volver a la página principal de eumednet