BIBLIOTECA VIRTUAL de Derecho, Economía y Ciencias Sociales


AGLOMERAÇÕES INDUSTRIAIS COMO FATOR DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL: UM ESTUDO DE CASO NO NORDESTE BRASILEIRO

Cid Olival Feitosa


Esta página muestra parte del texto pero sin formato.

Puede bajarse el libro completo en PDF comprimido ZIP (63 páginas, 318 kb) pulsando aquí

 

 

2.3 – A experiência internacional

As experiências de formação de redes de cooperação entre pequenas e médias empresas difundiram-se globalmente a partir dos anos 1990, com destaque para aquelas regiões que foram pioneiras e apresentaram resultados positivos. Dentre essas experiências podemos destacar algumas regiões da Europa, como o centro-norte da Itália, Baden-Württemberg, na Alemanha, Jutland, na Dinamarca e Portugal, Vale do Silício, nos Estados Unidos e os “keiretsu”, no Japão.

Em seguida, são apresentados dois exemplos de aglomerações industriais, que ilustram a concepção de clusters e de distritos industriais, descritos nas seções anteriores. O primeiro exemplo é o da Itália, considerada como a terra dos distritos industriais, por ter sido o primeiro país nos anos recentes a utilizar, de forma bem sucedida, as idéias de Alfred Marshall, na promoção do desenvolvimento regional. Neste sentido, a experiência italiana tornou-se emblemática para vários países do mundo, que buscaram replicar o modelo de distritos industriais de pequenas empresas, como alternativa para o desenvolvimento local.

O segundo exemplo é o do Baden Wurttemberg, na Alemanha, que apesar de também utilizar a noção de distritos industriais marshallianos, diferencia-se do modelo verificado na Itália por utilizar grandes empresas no relacionamento interfirmas. Desta forma, o modelo alemão assemelha-se à idéia de cluster, discutida ao longo deste trabalho.

2.3.1 –O exemplo da Terceira Itália

Durante ao anos de 1970 e 1980 algumas cidades italianas destacaram-se no processo de desenvolvimento da região, por terem apresentado elevados índices de crescimento, em um período altamente recessivo, em que as grandes empresas passaram a contrair a produção e a demitir empregados.

O desenvolvimento econômico italiano nesse período pode ser caracterizado por dois aspectos. O primeiro é a ocorrência de uma elevada taxa de crescimento do PIB - a Itália alcançou melhor posição entre as economias desenvolvidas após as décadas de 1970 e 1980, quando atingiu o quarto PIB europeu e passou a Inglaterra e a França (Best, 1990, apud Puga, 2000).

O segundo aspecto é o aumento das desigualdades regionais, criando um dualismo entre o norte e o sul da Itália. O norte é a parte industrializada, com grandes empresas, enquanto a produção no sul é realizada principalmente por pequenas empresas, que absorveram o excesso de mão-de-obra dos setores mais avançados da economia.

No início dos anos 1970, no entanto, entre o norte e o sul da Itália surgiu uma “Terceira Itália”. Nessa região, o crescimento das micro, pequenas e médias empresas foi impulsionado pela formação de distritos industriais, estabelecendo um sistema de confiança e cooperação entre tais empresas.

Nessas áreas, o desenvolvimento das empresas não foi realizado pela descentralização da produção das grandes empresas, mas por laços econômicos, sociais, políticos e culturais históricos, que permitiram que mesmo as estruturas produtivas consideradas ineficientes pudessem ser eficientes nesse caso específico (Becattini, 1987 apud Puga, 2000).

A chamada Terceira Itália — regiões onde se localizam Milão, Turim, Bolonha, Florença, Ancona, Veneza, Modena e Gênova — caracteriza-se pela existência de grupos de pequenas empresas, cuja principal estratégia é a inovação contínua e a utilização de métodos flexíveis de produção.

Essa região apresenta um grande número de pequenas firmas e um dos mais altos níveis de renda per capita da Itália. Além disso, emprega grande parte da força de trabalho da região, seja vinculada a alguma empresa, seja desenvolvendo atividades de forma autônoma.

Só para se ter uma idéia, na Emíliga-Romana, 90% das indústrias manufatureiras são compostas por pequenas firmas, correspondendo a 58% do total da força de trabalho da região. Em Modena, centro industrial da Emília-Romana, a renda per capita passou do décimo-sétimo lugar, em 1970, para o segundo lugar, em 1979 (Best, 1990, apud Galvão, 2000). Em Bolonha, o chamado Vale das Embalagens exporta 80% da sua produção para mais de cinqüenta países. Em Modena e Reggio Emília, mais de duzentas minúsculas fábricas de cerâmica respondem por 80% da produção italiana e por 27% da produção mundial de ladrilhos (Amato Neto, 2000).

Os distritos industriais italianos apresentam fortes vínculos de cooperação e os membros da família ou seus empregados de confiança são estimulados a abrirem seus próprios negócios, criando um sistema integrado de produção. No futuro, se eles desejarem, poderão fechar o seu negócio e voltar a trabalhar com seu antigo patrão.

Outro aspecto importante dos distritos italianos é o apoio governamental que as pequenas empresas recebem (serviços contábeis, financeiros, centros de negócios), tudo isso com o objetivo de promover o desenvolvimento econômico local.


 

Grupo EUMEDNET de la Universidad de Málaga Mensajes cristianos

Venta, Reparación y Liberación de Teléfonos Móviles
Enciclopedia Virtual
Biblioteca Virtual
Servicios
 
Todo en eumed.net:

Congresos Internacionales


¿Qué son?
 ¿Cómo funcionan?

 

15 al 29 de
julio
X Congreso EUMEDNET sobre
Turismo y Desarrollo




Aún está a tiempo de inscribirse en el congreso como participante-espectador.


Próximos congresos

 

06 al 20 de
octubre
I Congreso EUMEDNET sobre
Políticas públicas ante la crisis de las commodities

10 al 25 de
noviembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Migración y Desarrollo

12 al 30 de
diciembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Economía y Cambio Climático

 

 

 

 

Encuentros de economia internacionales a traves de internet


Este sitio web está mantenido por el grupo de investigación eumednet con el apoyo de Servicios Académicos Internacionales S.C.

Volver a la página principal de eumednet