BIBLIOTECA VIRTUAL de Derecho, Economía y Ciencias Sociales


FUNDAMENTOS DA MATEMÁTICA

Christian Q. Pinedo



Esta página muestra parte del texto pero sin formato.

Puede bajarse el libro completo en PDF comprimido ZIP (264 páginas, 1.49 Mb) pulsando aquí

 

 

5.3 PROPRIEDADES ADICIONAIS EM N

5.3.1 Multiplicidade.

Definição 5.10 Múltiplo de um número.

Diz-se que um número natural a é múltiplo de outro natural b, se existe k  N tal que: a = b . k.

Exemplo 5.10

• O número 15 é múltiplo de 5, pois existe 3  N tal que 15 = 5  3

• O número 24 é múltiplo de 4, pois 24 = 6  4.

Quando a = k . b, segue que a é múltiplo de b, mas também, a é múltiplo de k, como é o caso do número 35 que é múltiplo de 5 e de 7, pois: 35 = 7  5.

Observação 5.3

1. Quando a=k . b, então a é múltiplo de b e se conhecemos b e queremos obter todos os seus múltiplos, basta fazer k assumir todos os números naturais possíveis.

2. Como estamos considerando 0 como um número natural, então o número 0 (zero) será múltiplo de todo número natural. Considerando k=0 em a=k  b obtemos a=0 para todo b N.

3. Um número b é sempre múltiplo dele mesmo. a = 1  b  a = b

A definição de divisor está relacionada com a de múltiplo.

5.2.2 Divisibilidade.

Definição 5.11. Divisibilidade.

Sejam os números d, n  N, diz-se que d divide n e escrevemos d| n quando existe c  N tal que n = c . d.

A divisibilidade estabelece uma relação binária entre números naturais com as seguintes propriedades:

Propriedade 5.26

Sejam a, b, d, , n , m  N

1. n | n . . . reflexiva

2. d | n e n | m  d | m . . . transitiva

3. d | a e d | b  d | (a+b) e d | ab

4. d | n e d | m  d | (an+bm) para algum a, b  N . . . linear

5. d | n  ad | an . . . multiplicação

6. ad | an e a  0  d | n . . . simplificação

7. 1 | n . . . 1 é divisor de todo natural

8. n | 0 . . . todo natural é divisor do zero

9. 0 | n  n = 0 . . . zero é divisor somente do zero

Exemplo 5.11

Mostre que 2 . (1 + 2 + 3 + 4 + . . . + n ) = n(n+1).

Solução.

Neste exemplo observe que P(n) : 2. ( 1 + 2 + 3 + 4 + . . . + n ) = n(n+1).

Para n = 1, P(1) : 2. 1 = 1(1+1) é verdadeira.

Suponhamos que P(h) : 2. (1 + 2 + 3 + 4 + . . . + h ) = h(h+1) seja verdadeira.

Mostrarei que P(h+1) : 2. ([ 1 + 2 + 3 + 4 + . . . + h + (h+1)] = (h+1)[(h+1)+1] é verdadeiro.

Com efeito, temos que:

2. [1 + 2 + 3 + 4 + . . . + h + (h+1)] =

= 2. [1 + 2 + 3 + 4 + . . . + h ]+ 2 (h+1)] = h(h+1) + 2. (h+1)=

= (h+1)(h+2 ) = (h+1)[(h+1)+1].

Logo, pelo princípio de indução matemática cumpre:

2. (1 + 2 + 3 + 4 + . . . + n ) = n(n+1)  n  N

Exemplo 5.12

Deseja-se construir uma parede decorativa com tijolos de vidro da seguinte forma: a primeira fileira (base) deverá ter 100 tijolos, a segunda fileira, 99 tijolos, a terceira, 98 tijolos e assim por diante até a última fileira que deverá ter apenas 1 tijolo. Determine o número total de tijolos necessários para construir desta parede. será igual a:

Solução.

Observe que a quantidade de número de tijolos necessários para cada fileira é um número natural decrescente a partir de 100, logo temos aplicando a fórmula do Exemplo (5.11) que o total de tijolos é: 2.(100 + 99 + . . . + 3 + 2 + 1 ) = 100(100+1) = 5050.

Portanto são necessários 5.050 tijolos.

Definição 5.12

Sejam os números naturais m e n, dizemos que ``m é maior ou igual que n'' e escrevemos m q n se, e somente se, m > n ou m = n.

Sejam os números naturais a e b, dizemos que ``a é menor ou igual que n'' e escrevemos m  n se, e somente se, n > m ou m = n.

Definição 5.13 Número primo.

Diz-se que um número natural n é um ``número primo'', se n > 1 e os únicos divisores positivos de n são 1 e o próprio n.

Se n não é número primo então é chamado de número composto.

Exemplo 5.13

São números primos: 2, 3, 7, 11 13, 17, 19

São números compostos: 4, 6, 8, 10, 16, 24

O número 1 não é primo; observe que não satisfaz a definição.

Propriedade 5.27

Todo número inteiro n > 1 é número primo ou produto de números primos.

Demonstração

Mostremos por indução sobre n. A propriedade é obvia para n = 2.

Suponhamos que a propriedade seja verdadeira para cada inteiro menor que n . Se n não é primo, então n é divisível por um inteiro d  1 e d  n. Portanto n = cd, de onde c  n, como c e d são menores que n e maiores que 1 , pelo que cada um deles é o produto de números primos; logo n é produto de números primos.

Propriedade 5.28 Euclides.

Existe uma infinidade de números primos.

Demonstração

Suponhamos exista uma quantidade finita de números primos, por exemplo:

p1, p2, p3, . . . , pn-1, pn n  N n-fixo.

Consideremos o número N = 1 + p1, p2, p3, . . . , pn-1, pn . Observe que N > 1 ou N é primo, ou N é produto de primos.

Porém N não é produto de primos, pois é maior que cada um dos p_i e nenhum dos p_i é divisor de N caso contrário, se p_1 | N então p_i também é divisor de 1, o que contradiz a propriedade.

Portanto N é número primo.

Propriedade 5.29 Teorema fundamental da aritmética.

Todo inteiro n > 1 podemos expressar como produto de fatores primos de modo único.

Demonstração

Mostraremos por indução. Para o caso n = 2 a propriedade é evidente.

Suponhamos a propriedade verdadeira para todo inteiro maior que 1 e menor do que n . A mostrar que é verdadeira para n. Se n é primo nada a mostrar.

Suponhamos que o número n seja composto e admite decomposição da forma:

n = p1p2p3 . . . ps ou n =q1q2q3. . . qt  p1p2p3 . . . ps = q1q2q3. . . qt (5.6)

A mostrar que s = t e que cada p é igual a q .

Dado que p1 divide n = q1q2q3. . . qt , então deve dividir pelo menos um de eles, suponhamos que (depois de ordenados) p1 | q1, então p1 = q1 já que p1 e q1 são primos.

Assim, em (5.6) podemos obter m = p2p3 . . . ps ou m = q2q3. . . qt  p1p2p3 . . . ps = q1q2q3. . . qt

Se s > 1 ou t > 1, então 1 < m < n. A hipótese de indução diz que as duas decomposições são idênticas se prescindimos da ordem dos fatores. Conseqüentemente s = t e as decomposições em (5.6) também são idênticas, se prescindimos a ordem dos fatores.

Portanto a propriedade é válida.

Uma conseqüência imediata do Exercício 5-1 (16) é a a propriedade seguinte .

Propriedade 5.30

Para a, b  N sendo a  b > 0 tem-se que existem os números q, r  N tais que b | q, e:

a = bq + r, r < b

A demonstração é exercício para o leitor.

Na igualdade a = bq + r , o número a é chamado de “dividendo”, b é o “divisor”, q o “quociente” e r é chamado de “resto”.

Definição 5.. Divisor Comum.

Sejam os números a, b, d  N, se o número d divide simultaneamente a os números a e b, o número d é chamado ``divisor comum de a e b''.

Exemplo 5.14

A divisão de um certo número inteiro N por 1994 deixa resto 148. Calcule o resto da divisão de N + 2000 pelo mesmo número 1994.

Solução.

Temos pelo enunciado: N = 1994. q + 148. Adicionando 2000 a ambos os membros, vem:

N + 2000 = 1994. q + 2000 + 148  N + 2000 = 1994. q + 2000 + 148

Decompondo 2000 na soma equivalente 1994 + 6, fica:

N + 2000 = 1994. q + 1994 + 6 + 148  N + 2000 = 1994. (q + 1) + 154

Logo, o novo quociente é q + 1 e o novo resto é igual a 154.

Propriedade 5.31 Algoritmo da Euclides.

Dados os números naturais a e b, podemos repetir o processo da Propriedade (5.30) como segue:

a = bq + r1 0  r1 < b

b = r1q1 + r2, 0  r2 < r1

r1 = r2q2 + r3 0  r3 < r2

.

.

.

.

.

rk-3 = rk-2qk-2 + rk-1, 0  rk-1 < rk-2

rk-2 = rk-1qk-1 + r_{k}, 0  rk < rk-1

Por último um dos r será zero, suponhamos o primeiro deles rk = 0, logo rk-1  0.

Então rk-1 será o máximo divisor comum de a e b.

Demonstração

Existe um instante em que rk = 0, pois os rj são números naturais na ordem decrescente.

Sendo rk = 0, então tem-se que rk-2 = rk-1qk-1 + 0, logo rk-1 | rk-2.

Por outro lado, aplicando a Propriedade (5.25) e de rk-3 = rk-2qk-2 + rk-1  rk-1 | rk-3.

Podemos continuar este processo até que na primeira igualdade tem-se que r_{k-1} divide a r1 e b, conseqüentemente divide a a.

Definição 5.. Máximo divisor comum.

O número natural rk-1 da Propriedade (5.30) é chamado “máximo divisor comum de a e b”.

Observação 5.4

O “máximo divisor comum de a e b”. denota-se d = m.d.c{ a, b }.

Também é costume denotar o m.d.c{ a, b }de dois números, como o par não ordenado (a, b).

Para o caso do máximo divisor comum de três números a, b, c  N, denotamos d = m.d.c{ a, b ,c } ou (a, b, c) = (a, (b, c)) = ((a, b), c). Isto é o máximo divisor comum depende somente dos números e não da ordem em que eles estão escritos.

Exemplo 5.15

Dado os números 726 e 275, determine seu m.d.c.

Solução.

726 = 275 . (2) + 176

275 = 176 . (1) + 99

176 = 99. (1) + 77

99 = 77 . (1) + 22

77 = 22 . (3) + 11

22 = 11 . (2) + 0

Portanto, 11 = m..d.c{726, 275}.

Propriedade 5.32

Dados a, b, c  N, existe um e somente um m.d.c.{a, b} = d que satisfaz:

i) d | a e d |b . . d é um divisor comum de a e b.

ii) Se c | a e c | b  c| d . . . cada divisor comum divide d

Demonstração.

Pela Propriedade (5.30) existe pelo menos um d que satisfaz as condições (i)} e (ii).

Pela Propriedade (5.25) tem-se que d | (a+b)  d = (a+b) para algum   N; como c | a e c | b , então a = . c e b = . c para ,   N.

Logo d =  (a+b) =  (. c +  . c) = c( .  +  .  )  c | d.

Propriedade 5.33 Lema de Euclides.

Se a | bc e m.d.c{ a, b } = 1 então a | c.

Demonstração.

Desde que m.d.c{ a, b } = 1 , então a não divide b.

Do fato a | bc  bc =  a para algum   N, e como a não divide b  a | c.

Dados dos números naturais a e b, quando m.d.c{ a, b } = 1 , dizemos que os números a e b são primos relativos. Também é costume dizer que os números a e b são co-primos.

Exemplo 5.16

i) Os números 2 e 9 são primos relativos.

ii) Os números 3 e 15 não são primos relativos.

iii) Os números 3 e 11 são primos relativos.

Propriedade 5.34

Sejam a, b  N tais que a = p1^{1} p2^{2}p3^{3} . . . p_s^{_s} e b = p1^{1}p2^{2} p3^{3}. . . pt^{t} .

Então d =m.d.c{ a, b } , admite a decomposição: d = p1^{c1} p2^{c2} p3^{c3}. . . pk^{ck} , onde c i = min{ i ,  i }.

Demonstração.

Seja d = p1^{c1} p2^{c2} p3^{c3}. . . p_k^{ck} , dado que c i = min{i,  i } então ci  _i e c_i  _i, de onde d | a e d | b, logo d é um divisor comum de a e b.

Suponhamos que d' seja outro divisor de a e b e consideremos a decomposição d' = p1^{e1} p2^{e2}p3^{e3}. . . pm^{em} .

Então, e i   i e e i   i , logo pela Propriedade (5.33) segue que ei  ci.

Portanto, d' | d, logo d = m.m.c{a, b}.

Observação 5.5

Os múltiplos de 2 são denominados números pares.

Os demais números naturais são denominados números ímpares.

Assim, denotando por P o conjunto dos números pares e por I o conjunto dos números ímpares, poderemos escrever: P = {0, 2, 4, 6, 8, 10, 12, . . . } I = { 1, 3, 5, 7, 9, 11, 13, . . . }.

Observa-se que ambos os conjuntos são infinitos.

Exemplo 5.17

Seja a  N tal que a seja número par se, e somente se a2 também é número par.

Solução.

Como a  N é par, então podemos escrever na forma a = 2k para algum k  Z, logo a^2 = a . a = (2k) . (2k) = 4 k . k = 2(2k2) = 2. t, onde t = 2k^2 Z assim a2 é par.

Reciprocamente ().

A mostrar que se existe a^2 como número par, então a também é par.

Por contradição. Suponhamos que a é ímpar, então a = 2r+1 para algum r  N, isto implica que a2 = (2r+1) . (2r+1) = 4r2 + 4r + 1 = 2(2r2+2r)+ 1 = 2s + 1, onde (2r2+2r) = s  N.

Assim, a ímpar implica a^2 ímpar se, e somente se a2 par implica a par.

Portanto, a  N é número par se, e somente se a2 é par

Definição 5.. Mínimo Múltiplo Comum.

Diz-se que um número m é múltiplo comum dos número a e b e denotamos m = m.m.c{a, b}, se m é múltiplo de a e também é múltiplo de b; isto é: m = k  a e m = r  b onde k e r números naturais.

5.3.3 Relação entre o m.m.c. e m.d.c.

Uma relação importante e bastante útil entre o m.m.c. e o m.d.c. é o fato que o m.d.c.{a, b} multiplicado pelo m.m.c.{a, b} é igual ao produto de a e b, isto é:

m.d.c.{a, b}  m.m.c.{a, b} = a  b

Exemplo 5.18

Determinar o m.m.c. e o m.d.c. dos números 15 e 20.

Demonstração.

O primeiro passo é determinar o m.d.c. ou o m.m.c. dos números 15 e 20, obtido o m.d.c.{15, 20} = 5 e sabendo que 15  20 = 300, basta lembrar que m.d.c.{15, 20}  m.m.c.{15, 20} = 15  20 e fazer o cálculo.

Donde obtém-se que o m.m.c.{15, 20} é igual a 300 dividido por 5, ou seja m.d.c.{15, 20} = 60.

Exemplo 5.19

Seja f: N  N  N a operação mínimo múltiplo comum, isto é f(a, b) = m.m.c.{a, b}. Esta aplicação f é comutativa? É associativa ? Determine o elemento neutro de f. Quantos elementos em N se existem, tem simétrico, e quais são?

Demonstração.

Como o m.m.c.{a, b} = m.m.c.{b, a} então f é comutativa. A demonstração da associatividade é óbvia.

O número 1 é o elemento neutro para f, observe que m.m.c.{a, 1} = a. Como o m.m.c.{a, b} = 1 se, e somente se, a=1 e b=1, o único número que tem simétrico multiplicativo é o 1, ademais é seu próprio simétrico.

5.3.4 Propriedades adicionais de divisibilidade.

Propriedade 5.35 Representação decimal de números naturais.

Para cada n  N, n  1 existem “algarismos” a0, a1, a2, : . . . as, onde as  0 no conjunto { 0, 1, 2, . . . , 8, 9 } tais que:

n = .10i = as10s + as-110s-1 + . . . +a1. 10 + a0. 100

Demonstração.

Se n = 1 podemos considerar n = a_0 = 1.

Suponhamos a propriedade seja válida para todo 1  n  h, logo é verdade que:

h = .10i = as10s + as-110s-1 + . . . +a1. 10 + a0. 100

Seja n = h+1, então pelo algoritmo da divisão temos que h+1 = 10q + r com 0  r < 10.

Se q = 0  h+ 1 = r = a0, com a0  { 0, 1, 2, . . . , 8, 9 }.

Se q > 0  q  h, pois se q > h,  h+1 = 10q+r > 10h+r  10h e assim h+1>10h e então 1 > 9h  9, o que é impossível.

Sendo então 1  q  h, pela hipótese de indução.

q = bt10t + bt-110t-1 + . . . + b1. 10 + b0. 100

para certos algarismos bt, . . . , b1, b0 todos em { 0, 1, 2, . . . , 8, 9 }.

Então h+1 = 10q+r = 10(bt10t + bt-110t-1 + . . . + b1.10 + b0.100 )+r = bt10t+1 + bt-110t + . . . + b1.10 + b0.101+r com bt, . . . , b1, b0, r todos em { 0, 1, 2, . . . , 8, 9 }.

Portanto, pelo princípio de indução finita, a propriedade é verdadeira.

A propriedade diz que quando escrevemos qualquer número inteiro, por exemplo 50237, podemos representar na forma:

50237 = 5. 104 + 0 . 103 + 2. 102 + 3. 101 + 7

Seja a  N, por exemplo consideremos a = ; isto é a é um número composto por cinco dígitos. A decomposição polinômica na base decimal do número a é: a = 105x+104m+103z+102n+u e, os dígitos satisfazem as seguintes propriedades:

O número a  N é divisível por:

• 2 se, e somente se, u = 0, 2, 4, 6, 8.

• 3 (ou 9) se, e somente se, a soma x+m+z+n+u for divisível por 3 (ou 9).

• 4 se, e somente se, o número for múltiplo de 4.

• 5 se, e somente se, u = 0, 5.

• 6 se, e somente se, a for divisível por 2 e 3.

• 8 (ou 125) se, e somente se,o número for divisível por 8 (ou 125).

• 11 se, e somente se, (n+m) - (x+z+u) for divisível por 11.

• 25 se, e somente se, o número for múltiplo de 25, ou = .....00.

Exemplo 5.20

Seja a = 75341250 , este número é divisível por 2, 5 e 125 , observe que o número formado pelos três últimos dígitos de a é 250 e 125 | 250 . Também o número a é divisível por 3 e 9, pois 3 | (7+5+3+4+1+2+5+0), análogo para 9.

Exemplo 5.21

Mostre que  n  N a expressão n3 - n é divisível por 6 (seis).

Demonstração.

Temos que P(n) : n3 - n

P(1) : 1^3-1 = 0 é divisível por 6.

Suponha que P(h) : h3 - h seja divisível por 6 sendo h  N.

Para n = h+1 temos P(h+1) :

(h+1)3-(h+1) = (h+1)[(h+1)2- 1] = h3-h + 3h(h+1) (5.7)

Observe que 3h(h+1) é divisível por 6.

Com efeito, se h = 1 temos que 3(1)(2) é divisível por 6. Suponha 3h(h+1) é divisível por 6  h  N.

Logo para h+1 segue que 3(h+1)(h+2) = 3h(h+1) + 6 sendo divisível por 6. Então em (5.7) da hipótese auxiliar para P(n) concluímos que  n  N a expressão n3-n é divisível por 6 (seis).

Exemplo 5.22

Determine a validade da seguinte proposição: (10^{n+1} + 10^n +1) é divisível por 3 para todo n  N.

Solução.

Seja S o conjunto dos números naturais que satisfazem:

(10n+1 + 10n +1) é divisível por 3,  n  N (5.8)

Se n = 1 tem-se na (5.8) que 102+101+1 = 111 é divisível por 3, logo a proposição é verdadeira.

Suponhamos para h  S em (5.8) a seguinte proposição seja verdadeira.

(10h+1 + 10h +1) é divisível por 3,  h  N (5.9)

Para h+1  S tem-se pela hipótese auxiliar (5.9) que:

10h+2 + 10h+1 +1 = 10(10h+1+10+1)-9

é divisível por 3.

Portanto, S = N e a fórmula (5.8) é válida.

Exemplo 5.23

Mostre que se n  N, então (n3+2n) é um número natural.

Demonstração.

Seja S o conjunto de números naturais tais que (n3+2n) é um número natural.

O número 1  S pois (13+2(1)) = 1.

Suponha que h  S; isto é (h3 + 2h) é um número natural.

Então, [(h+1)3+2(h+1)] =

[(h3+3h2+3h+1) + (2h+2)] = (h3+2h) + (h2 + h + 1) é um número natural.

Assim h  S implica (h+1)  S. Logo S = N pelo princípio de indução.

Exemplo 5.24

Mostre que 2n-1(an + bn) > (a+b)n com a+b > 0, a  b e n > 1, n  N. é verdadeira.

Demonstração.

Para n = 2 a desigualdade é da forma:

2(a2+b2) > (a+b)2 (5.10)

Como a  b, temos a desigualdade (a - b)2 > 0 que, somando (a+b)2 obtemos (a - b)2 + (a+b)2 > (a+b)2 isto implica a desigualdade (5.10); portanto a desigualdade é válida para n = 2.

Suponhamos que a desigualdade seja válida para n = h; isto é:

2h-1(ah + bh) > (a + b)h (5.11)

Mostraremos a desigualdade para n = h+1, isto é:

2h(ah+1 + bh+1) > (a + b)h+1 (5.12)

Multiplicando em (5.11) por (a + b) tem-se 2h-1(ah + bh)(a + b) > (a + b)h (a + b) = (a + b)h+1. Resta mostrar que 2h(ah+1 + bh+1) > 2h-1(ah + bh)(a + b).

Com efeito, 2h(ah+1 + bh+1) > 2h-1(ah + bh)(a + b)  (ah+1 + bh+1) > (ah + bh)(a + b) > (ah + bh)(a +b)  (ah+1 + bh+1) > (ah + bh)(a +b) . Esta última desigualdade podemos escrever sob a forma:

(ah - bh)(a - b) > 0 (5.13)

Suponha a > b, da hipótese a > 0 segue que a > | b |; portanto ah > bh, logo (5.13) sempre é verdadeira. Para o caso a < b, então ah < bh e a desigualdade é o produto de números negativos, logo (5.13) sempre é verdadeira. Assim se a desigualdade (5.12) vale para n = h, também vale para n = h+1.

Exemplo 5.25

Para que valores de n  N verifica a desigualdade 2n > n2 ?

Solução.

Quando n = 1 a desigualdade é verdadeira, tem-se 21 > 12.

Para n = 2 tem-se que 22 = 22, a desigualdade é falsa.

Para n = 3 a desigualdade 23 < 32, a desigualdade é falsa.

Para n = 4 tem-se que 24 = 42, a desigualdade é falsa.

Para n = 5 tem-se que 25 > 52, a desigualdade é verdadeira.

Suponhamos em geral que n > 4, logo se n= 5 a desigualdade é verdadeira.

Suponhamos que para todo k> 5 número natural temos 2k > k2.

Sabe-se em geral que para todo k  N é válida a desigualdade 2k > 2k + 1, então adicionando o resultado da hipótese auxiliar segue que 2k + 2k > 2k + 1 + 2k  2k+1 > (k+1)2.

Portanto, 2n > n2 para n=1 e n > 4.

Exemplo 5.26

Descubra o erro no seguinte raciocínio por indução:

Seja P(n): “Se a e b são inteiros não negativos tais que a+b  n  a = b”.

Observe que P(0) é verdadeira.

Sejam a e b inteiros tais que a+b  h+1, defina c = a-1 e d = b-1, então c + d = a + b - 2  h +1 -2  h. A verdade de P(h) implica que a = b; isto é P(h+1) é verdadeira.

Portanto P(n) é verdadeira para todo n  0, n  N.

Exemplo 5.27

Supondo que o número k = seja divisível por 21, mostre que o número h = a-2b+4c também é divisível por 21.

Demonstração.

Como k =  k = 100a + 10b + c  k + 5h = 21(5a+c), por hipótese k | 21  5h | 21.

Sendo m.d.c.{ 5, 21 } = 1  21 | h.

Portanto, h é divisível por 21.

Exercícios 5-2

1. Sejam, a, b, c, n  N, mostre cada uma das seguintes proposições são verdadeiras:

1. Se m.d.c{a, b} = 1 e c | a, d | b, então m.d.c{c, d} = 1

2. Se m.d.c{a, b} = m.d.c{a, c}= 1 , então m.d.c{a, bc} = 1

3. Se m.d.c{a, b}= 1 , então m.d.c{a^n, b^k} = 1,  n, k  N

4. Se m.d.c{a, b} = 1 , então m.d.c{a+b, a-b} = 1 ou 2.

5. Se m.d.c{a, b} = 1 , então m.d.c{a+b, a2-ab+b2} = 1 ou 3.

6. Se m.d.c{a, b} = 1 e se d | (a+b), então m.d.c{a, d} = m.d.c{b, d}= 1.

2. Para cada uma das seguintes proposições em N, demonstre ou considere um contra-exemplo:

1. Se b2 | n, a2 | n e a2 b2, então a | b.

2. Se b2 é o maior quadrado que divide n, então a2 | n implica a | b.

3. Se an | bn então a | b.

4. Se nn | mm, então n | m.

5. Se an| 2bn e n > 1, então a | b.

3. Se a soma de dois números é 320 e o mínimo múltiplo comum entre eles é 600, quais são esses números? Qual é o máximo divisor comum entre eles?

4. Provar que se n > 1, então n4 + 4 é número composto.

5. Mostre que, se a e b são números tais que não sejam divisíveis por 3 então, a6-b6 é divisível por 9.

6. Quais os dígitos que temos a substituir nas letras a e b do número 1a8b2 para que seja divisível por 4 e por 9?

7. Quais são as condições a satisfazer a e b para que a2+b2 seja múltiplo de 7?

8. Mostre que 32n+3+40n+37 é divisível por 64 para todo n  N.

9. Determine o menor número de modo que ao multiplicar por 4662, o produto resulte ser divisível por 3234.

10. Mostre que a soma dos 2n+1 números naturais consecutivos é divisível por 2n+1.

11. Mostre que se k = na+pb é divisível por n-p, então o produto h = (a+b)(n+p) também é divisível por n-p.

12. Mostre que o número 32n+ 7 é um múltiplo de 8 para todo n  N.

13. O resto da divisão de um número k por 4 é 3 e o resto da divisão do número k por 9 é 5. Determine o resto de k por 36.

14. Mostre que se um número primo p não divide a a, então (p, a) = 1.

15. Consideremos os números naturais ímpares tomados em ordem crescente: 1, 3, 5, 7, . . . . Indiquemos o primeiro com a1, o segundo com a2, o terceiro com a3, e assim sucessivamente. Determine uma fórmula que relacione o número ímpar an e seu índice n.

16. Demonstre que o dobro da soma dos n primeiros números naturais é: n(n+1)

17. Determine uma fórmula para calcular a soma dos n primeiros números naturais ímpares.

18. Mostre que seis vezes a soma dos quadrados dos n primeiros números naturais é: n(n+1)(2n+1)

19. Sejam a, b  N com b  0, e seja r o resto da divisão Euclidiana de a por b. Então m.d.c.{ a, b}=m.d.c.{ r, b }.

20. Determine r, s  Z tais que 5480r + 1780s = m.d.c.{ 5480, 1780 } = 20 .

21. Ao dividir 4373 e 826 por um número k, obtemos 8 e 7 como resto respectivamente. Determine o número k.

22. Suponhamos que m.m.c.{ a, b}=297 e a2+b2 = (10)(13)(5)(34). Determine os números a e b.

23. Mostre que o quadrado de todo número ímpar, é múltiplo de mais uma unidade.

24. Determine todos os números inteiros positivos k de três dígitos tais que sejam divisíveis por 9 e 11.

25. Determine os dígitos a e b para que o número 1234 seja divisível por 8 e 9.

26. Sejam a  5 e n  N. Mostre que o número h = a8n+3a4-4 é divisível por 5.

27. Dado qualquer número n  N da forma n = as. 10s + as-1. 10s-1 + . . . a1. 101 + a0, mostre que:

1. n é divisível por 3 se, e somente se, a_s+as-1 + . . . a1+a0 é divisível por 3.

2. n é divisível por 4 se, e somente se, 2a_1 + a_0 é divisível por 4.

3. n é divisível por 8 se, e somente se, 4a2 + 2a1 + a0 é divisível por 8.

4. n é divisível por 9 se, e somente se, as + as-1 + . . . a1 + a0 é divisível por 9.

28. Utilizando o princípio de indução matemática, verifique a validade de cada um dos seguintes enunciados:

1. (n^2 + n) é divisível por 2,  n  N.

2. (n^3 + 2n) é divisível por 3,  n  N.

3. n(n+1)(n+2) é divisível por 6.  n  N, n  0.

4. (3^{2n} - 1) é divisível por 8,  n  N.

5. (10^n -1) é divisível por 9,  n  N.

6. 2n  n2;  n  N, n  4.

7. 3n  (1 + 2n);  n  N.

8. 8 é um fator de 5^{2n} + 7  n  N, n  1.

29. Determine a validade das seguintes proposições; justifique sua resposta.

1. Se x, y  R, com 0 < x < y , então xn < yn  n  N, n  0.

2. (4n -1) é divisível por 3,  n  N.

3. (8n - 5n) é divisível por 3,  n  N.

4. 4n > n4 ;  n  N, n  5.

5. 22n+1+32n+1 é múltiplo de 5.

30. Demonstrar que:

1+ 32 + 52 + 72 + . . . + (2n-1)2 =

31. Demonstrar que a soma dos cubos dos n primeiros números naturais é igual a

32. Mostre o seguinte:

1. Se (a, s) = (b, s) = 1, então (ab, s) = 1.

2. Se p é um número primo e p| ab, onde a, b  Z, então p | a ou p| b.

33. Mostre que, se a  N tal que a > -1 então, para todo n  N+ temos a desigualdade: (1+a)n  1+na.

34. Mostre que a soma dos divisores de um número K=p1^{n1} p2^{n2}p3^{n3} . . . p{m-1}^{nm-1}pm^{n_m} é dada pela igualdade:

S(K) = . . . .

35. Mostre que o produto dos divisores de um número k=p1^{n1} p2^{n2}p3^{n3} . . . p{m-1}^{nm-1}pm^{n_m } é

P(k) =

36. Mostre que 2 e 3 são as únicas raízes da equação x2 - 5x + 6 = 0.

37. Determine a soma: S = 1 + 2x + 3x2 + 4x3 + . . . + (n+1)xn.

Miscelânea 5-1

1 Determine a soma: 1 + 11 + 111 + 1111 + . . . + 111111111. . . 1 , se o último somando é um número de n dígitos.

2 Determine a soma: S = nx + (n-1)x2 + (n-2)x3 + . . . + 2xn-1 + xn.

3 Determine a soma: S = + + + + . . . +

4 Mostre que, se m  N são válidas as seguintes desigualdades:

1. + + + . . . + >

2 + + + . . . + > 1

5 Prove que, para qualquer inteiro positivo n é valido o seguinte:

+ + + + . . . + <

6 Mostre que, se | x | < 1, para qualquer inteiro n  2, então é válida a desigualdade: (1 - x)n + (1 + x)n < 2n.

7 Mostre que se ab  0, então ab  min.{a2, b2}.

8 Mostre por indução sobre n, que:

1. Se x = p + , onde p e q são racionais, e n  N -{0} então x^n = a + b sendo a e b números racionais.

2. Mostre que: (p - )n = a - b .

9 O símbolo é usado para representar a soma de todos os ai para valores do inteiro i desde 1 até n; isto é = a1 + a2 + a3 + . . . + an-1 + an. Mostre que: =

10 Calcular a soma S = sendo ai = k uma constante.

11 Mostre que: | |  .

12 Prove que se m  N -{0}, então: 1m + 2m + 3m + . . . (n-1)m + nm  nm+1, n  1

13 Mostre por indução que para qualquer inteiro k > 1 e n  N -{0}:

1. nk+1  (k+1).[1 + 2 k + 3 k + . . . + (n-2) k + (n-1)k]

2. k .  (k -1).[1 + + +. . . + + ]

14 Mostre por indução o seguinte:

1. A desigualdade de Cauchy :  .

2. (1+q)(1+q2)(1+q4) . . . (1+q2(n-1))(1+q2n) = q  1.

15 Mostre a seguinte igualdade: = nb +

16 Define-se o coeficiente binomial = se 0  m  n. Mostre que:

1. = + se 1  m  n.

2. (a + b)n = an-jbj  a, b  R.

17 Mostre que: 1 - 22 + 32 - 42 + 52 - 62 + 72 - . . . + (-1)n-1. n2 = .

18 Mostre que: 1 + x +x2 + x3 + . . . + xm=  m  N, x  1

19 Mostre que: 3. [1  2 + 2  3 + 3  4 + . . . + n(n+1)] = n(n+1)(n+2)  n N, n  0 .

20 Mostre que: sen x + sen 2x + sen 3x + . . . + sen nx = .sen

21 Demonstrar que: (1+i) n = ( )n[cos + i sen ] n  N.

22 Demonstrar que: (cos x + i sen x)n = = cos nx + i sen nx  n  N.

23 Demonstrar que para todo número natural n > 1 tem-se:

+ + + . . . + >

24 Demonstrar que: 2n-1(an+bn) > (a+b)n onde a+b > 0, a  b e n é um número natural maior que 1.

25 Mostre que, para números naturais x e y, e n  N n \geq 2 são válidas as seguintes igualdades:

1. xn - yn = (x - y)(xn-1 + xn-2.y + xn-3.y2 + . . . + x2.yn-3 + x.y n-2 + y n-1)

2. xn + yn = (x + y)(x n-1 - x n-2.y + x n-3.y2 - . . . +(-1) n-3 x2.y n-3 - x.y n-2 + y n-1) somente para n ímpar.

26 Mostre que, se o produto de n números positivos é igual a 1 (um), a soma dos mesmos não é menor que n.

27 Mostre que todo número natural podemos escrever como o produto de números primos.

28 Mostre por indução que: an =  n  N é um número natural.

29 Mostre que, se a1, a2, a3, . . . , an são números reais tais que | a1 |  1 e | a_n - an-1 |  1, então | an |  1.

30 Mostre que, para todo inteiro positivo n e para p > 0 número real a seguinte desigualdade é válida: (1+ p)n  1 + np + p2 .

31 Mostre que, para qualquer x > 0 e para todo número natural n, a seguinte desigualdade é verdadeira: xn + x n-2 + x n-4 + . . . + + +  n+1

32 Utilizando o princípio de indução matemática, mostre que:

+ + + . . . + =  n  N, n  0

33 Mostre que, se a1, a2, a3, . . . , an , n  N não nulos, tem-se:

+ + + ,. . . . + +  n

34 Mostre que, para quaisquer que sejam os números positivos diferentes a e b é válida a desigualdade: < .

35 Mostre que: . . . =  n  N.

36 Seja r  1.

1. Deduzir que, a + ar + ar2 + ar3 + ar4 + . . . + arn-1 = a

2. Mostre por indução sobre n que: a + ar + ar2 + ar3 + ar4 + . . . + arn-1 = a

37 Demonstrar a identidade : cos . cos 2. cos 4 . . . cos 2n =


 

Grupo EUMEDNET de la Universidad de Málaga Mensajes cristianos

Venta, Reparación y Liberación de Teléfonos Móviles
Enciclopedia Virtual
Biblioteca Virtual
Servicios
 
Todo en eumed.net:

Congresos Internacionales


¿Qué son?
 ¿Cómo funcionan?

 

15 al 29 de
julio
X Congreso EUMEDNET sobre
Turismo y Desarrollo




Aún está a tiempo de inscribirse en el congreso como participante-espectador.


Próximos congresos

 

06 al 20 de
octubre
I Congreso EUMEDNET sobre
Políticas públicas ante la crisis de las commodities

10 al 25 de
noviembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Migración y Desarrollo

12 al 30 de
diciembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Economía y Cambio Climático

 

 

 

 

Encuentros de economia internacionales a traves de internet


Este sitio web está mantenido por el grupo de investigación eumednet con el apoyo de Servicios Académicos Internacionales S.C.

Volver a la página principal de eumednet