BIBLIOTECA VIRTUAL de Derecho, Economía y Ciencias Sociales


FUNDAMENTOS DA MATEMÁTICA

Christian Q. Pinedo



Esta página muestra parte del texto pero sin formato.

Puede bajarse el libro completo en PDF comprimido ZIP (264 páginas, 1.49 Mb) pulsando aquí

 

 

Capítulo VI. OPERAÇÕES BINÁRIAS

Kurt Godel

Kurt Gödel nasceu em 28 de abril de 1906 , em Brünn, Áustria-Hungria (hoje Brno, na República Tcheca) e faleceu em Princeton, EUA, 14 de Janeiro de 1978 . Foi filho de um gerente de fábrica têxtil. Em família, Kurt era conhecido por Der Herr Warum (Sr. Por quê?.

Em 1923, concluiu, com louvor, o curso fundamental na escola alemã de Brünn e embora tivesse excelente talento para linguagens, ele se aprofundou em História e Matemática. Seu interesse pela Matemática aumentou em 1920 , quando acompanhou Rudolf, seu irmão mais velho, que fora para Viena cursar a Escola de Medicina da Universidade de Viena.

Durante a adolescência, estudou Goethe, o Manual de Gabelsberger , a teoria das cores de Isaac Newton e as “Críticas” de Kant.

Em lógica matemática, os Teoremas da incompletude de Gödel são resultados provados em 1930 . O primeiro teorema afirma, de forma simplificada:.

“Em qualquer formalismo matemático consistente suficientemente e robusto para definir os conceitos de números naturais (da aritmética), existirá a possibilidade de formar uma afirmação indecidível, ou seja, não pode ser provada verdadeira nem falsa”.

O segundo teorema da incompletude de Gödel, provado por formalização do próprio primeiro teorema em si, enuncia-se:.

“Nenhum sistema consistente pode ser utilizado para provar a sua própria consistência”.

O resultado foi devastador para uma abordagem filosófica à matemática conhecida como Programa de Hilbert. David Hilbert propôs que a consistência de sistemas mais complexos, como análise real, poderiam ser provados em termos de sistemas mais simples. Assim, a consistência de toda a matemática seria reduzida à aritmética básica. O segundo teorema da incompletude de Gödel mostra que a aritmética básica não pode ser usada para provar sua própria consistência, portanto não pode ser usada para provar a consistência de nada mais forte.

6.1 RELAÇÃO DE ORDEM

6.1.1 Relação de ordem parcial.

Definição 6.1 Relação de ordem parcial.

Dada uma relação R  A  A, dizemos que R é de ordem parcial se, e somente se, R é reflexiva, anti-simétrica e transitiva.

Isto é:

1. (a, a)  R,  a  A

2. (a, b)  R  (b, a)  R  a = b

3. (a, b)  R  (b, c)  R  (a, c)  R

Se R é de ordem parcial em A, dizemos que A é um “conjunto parcialmente ordenado”.

Definição 6.2 Conjunto parcialmente ordenado.

Um conjunto A e uma relação R de ordem parcial em A , constituem um conjunto parcialmente ordenado.

Se uma relação R em A define um ordem parcial em A , então (a, b)  R denotamos por a b que se lê “a anterior ao elemento b”.

Exemplo 6.1

• Seja A uma família de conjuntos, a relação definida em A por x é subconjunto de y , é de ordem parcial.

• Seja A um subconjunto de números reais, a relação em A definida por x  y , é de ordem parcial em A , é chamado de ordem natural em A .

Figura 6.1:

Exemplo 6.2

Seja A = { 1, 2, 3, 4, 5 } . O diagrama da Figura (6.1) define um ordem parcial em A do seguinte modo: x y se, x = y ou se podemos ir de x até y no diagrama na direção ascendente indicada. Observe que 2 1, 4 1 e 5 3 .

Exemplo 6.3

Seja R a relação definida em os números naturais N por “x é múltiplo de y”, então R é um ordem parcial em N e temos 6 2, 15 3 e 17 17.

Observação 6.1

Para os conceitos de parcialmente ordenado se utilizam as seguintes notações:

• a b significa a b e a  b ; se lê “a estritamente anterior a b”.

• b a significa a b ; se lê “b supera a a”.

• b a significa a b ; se lê “b estritamente superior a a”

Definição 6.3 Elementos não comparáveis.

Dois elementos a e b de um conjunto parcialmente ordenado se dizem não comparáveis, se a b e b a

Isto é, se nenhum de eles precede ao outro. No Exemplo (6.3) os números 4 e 5 não são comparáveis.

Observação 6.2

Se uma relação R em um conjunto A é reflexiva, anti-simétrica e transitiva, então a relação recíproca R* é também reflexiva, anti-simétrica e transitiva.

Isto é, se R define um ordem parcial em A , então R* também define um ordem parcial em A , e se chama a ordem inversa.

Para resultados mais profundos a respeito de conjuntos parcialmente ordenados precisamos de uma nova ferramenta da teoria de conjuntos.

Observe que se {Ai} é uma família finita de conjuntos, para i  N, digamos então que uma condição necessária e suficiente para que seu produto cartesiano seja nulo é que pelo menos um dos Ai = . Isto mostra-se por indução sobre N.

A generalização para família infinitas da afirmação do parágrafo precedente é o seguinte axioma da teoria de conjuntos.

Axioma 6.1 Axioma de escolha (6º. axioma de Zermelo)

O produto cartesiano de uma família não vazia de conjuntos não vazios é não-vazio.

Em outras palavras, se {Bi} i é uma família finita de conjuntos não-vazios indexado por um conjunto  não-vazio, então existe uma família {bi}i tal que bi  Bi para cada i  .

6.1.2 Relação de ordem total.

Definição 6.4

Dada uma relação R  A  A , dizemos que R é de ordem total se, e somente se:

1. R é de ordem parcial.

2. (x, y)  R  (y, x)  R,  (x, y)  A  A .

Se R é uma relação de ordem total em A, dizemos que A é um conjunto totalmente ordenado por R. A palavra parcial utilizamos para definir ordem parcial em um conjunto A , isto pelo fato de alguns dos elementos de A não serem comparáveis. Por outro lado, se cada par de elementos de um conjunto parcialmente ordenado A são comparáveis, então dizemos que A é de ordem total.

Definição 6.5 Conjunto totalmente ordenado.

Um conjunto A parcialmente ordenado, com a propriedade adicional de a b, a = b ou a b para quaisquer dos elementos a, b  A , constituem um conjunto totalmente ordenado.

Exemplo 6.4

• A ordem parcial em qualquer conjunto A de números reais (com a ordem natural), é uma ordem total, isto do fato de dois números quaisquer serem comparáveis.

• Seja R a ordem parcial em A = { 1, 2, 3, 4, 5, 6 } definido por `` x divide a y ''. Então R não é uma ordem total em A , isto do fato 3 e 5 não serem comparáveis.

Exemplo 6.5

Consideremos o conjunto P(S) , e a relação R = {(A, B)  P(S)  P(S) /. A  B} não é de ordem total, isto pelo fato, que não satisfaz a propriedade simétrica, dado o par (A, B)  P(S)  P(S) pode acontecer A B  B A

Exemplo 6.6

Mostre que o conjunto T = { (a, b)  R2 /. a  b} é uma relação de ordem total no conjunto de números reais R.

Demonstração.

Com efeito, a  a,  a  r , logo (a, a)  T , a  R.

Se a  b  b  a  a = b , logo (a, b)  T  (b, a)  T  a = b .

Se a  b  b  c  a  c , logo (a, b)  T  (b, c)  T  (a, c)  T.

É verdade que a  b  b  a  (a, b)  R2 isto é, (a, b)  T  (b, c)  T,  (a, b)  R2 .

Portanto, T é uma relação de ordem total.


 

Grupo EUMEDNET de la Universidad de Málaga Mensajes cristianos

Venta, Reparación y Liberación de Teléfonos Móviles
Enciclopedia Virtual
Biblioteca Virtual
Servicios
 
Todo en eumed.net:

Congresos Internacionales


¿Qué son?
 ¿Cómo funcionan?

 

15 al 29 de
julio
X Congreso EUMEDNET sobre
Turismo y Desarrollo




Aún está a tiempo de inscribirse en el congreso como participante-espectador.


Próximos congresos

 

06 al 20 de
octubre
I Congreso EUMEDNET sobre
Políticas públicas ante la crisis de las commodities

10 al 25 de
noviembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Migración y Desarrollo

12 al 30 de
diciembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Economía y Cambio Climático

 

 

 

 

Encuentros de economia internacionales a traves de internet


Este sitio web está mantenido por el grupo de investigación eumednet con el apoyo de Servicios Académicos Internacionales S.C.

Volver a la página principal de eumednet