BIBLIOTECA VIRTUAL de Derecho, Economía y Ciencias Sociales


FUNDAMENTOS DA MATEMÁTICA

Christian Q. Pinedo



Esta página muestra parte del texto pero sin formato.

Puede bajarse el libro completo en PDF comprimido ZIP (264 páginas, 1.49 Mb) pulsando aquí

 

 

6.4 OPERAÇÕES BINÁRIAS

Definição 6.20 Operação binária.

Dado um conjunto não vazio A , dizemos operação binária em A a toda relação de A  A em A .

Denotando a operação binária com * , temos que:

* : A  A  A

(a, b)  a * b

indica-se que a cada par ordenado (a, b)  A  A corresponde o elemento a * b  A.

Exemplo 6.21

• A adição é uma operação binária no conjunto de números reais R.

• A subtração é uma operação binária no conjunto de números inteiros Z; porém não no conjunto de números naturais N.

Exemplo 6.22

Considere o conjunto A = { 1, 2, 3, 4 } e a operação * definida como se indica na Tabela (6.1)

Observe que para cada par (a, b) , o resultado da operação * encontra-se no cruze da fila que começa com a e a coluna que começa com b .

* 1 2 3 4a

1

2

3

4 1 2 3 4

2 3 4 1

3 4 1 2

4 1 2 3

Tabela 6.1

O resultado da operação 4 * 3 é o elemento 2 que encontra-se assinalado. Observação 6.3

1ª. A operação binária, também é conhecida como lei de composição interna.

2ª. Quando * seja uma operação binária sobre um conjunto A dizemos que * tem a propriedade da clausura.

3ª. Se * é uma operação binária sobre um conjunto A e existe B  A com a propriedade que se, a, b  B  a * b  B , dizemos que B é fechado sob a operação * .

Em geral como A  A , então A é fechado sob qualquer operação binária definida em A .

6.4.1 Operação binária univocamente definida.

Se * é uma operação binária num conjunto A, e R uma relação de equivalência em A , operação * em A , está univocamente definida respeito da relação R se, e somente se: (a R b  c R d)  (a * c) R (b * d) isto é: (a, b)  R  (c, d)  R  (a * c, b * d)  R .

Exemplo 6.21

Sejam a operação de adição em N e a relação de equivalência em N definida por R = { (x, y)  N2 /. x = y } . Então a operação de adição está univocamente definida em N com respeito a R .

Observe que,  a, b  N , tem-se que a + b  n ; por outro lado se (a = b  c = d )  a+c = b+d,  a, b., c, ;d  N.

6.4.1 Sistema matemático.

Definição 6.21 Sistema matemático.

Chama-se sistema matemático a um conjunto não vazio A , no qual uma o mais operações estão univocamente definidas com respeito a uma relação de equivalência.

Um sistema matemático composto de um conjunto A e uma operação * é denotado por (A, *) ; quando o sistema estiver composto por A e as operações * e  o denotamos por (A, *, ) .

Exemplo 6.24

Sejam A = { 1, 2, 3, 4 } e R = { (1, 1), (2, 2), (3, 3), (4, 4)} uma relação de equivalência sobre A e * uma operação definida pela Tabela (6.2).

Mostre que (A, * ) é um sistema matemático.

* 1 2 3 4a

1

2

3

4 1 2 3 4

2 3 4 1

3 4 1 2

4 1 2 3

Tabela 6.2

Solução.

O conjunto A  , por outro lado, * é uma lei de composição interna, e se (a, b)  R  (c, d)  R  (a * c, b * d)  R

Exemplo 6.25

(N, +) onde + é a operação de adição em N é um sistema matemático.

Observe que N  , e a adição em N está univocamente definida com respeito à identidade.

Exemplo 6.26

(R, +, .) onde + é a operação de adição, e . a operação de multiplicação em R, é um sistema matemático.

Observe que R   e, em R as operações de + e . estão univocamente definidas pela relação de igualdade.

Exemplo 6.27

Os grupos, anéis, corpos e espaços vetoriais são quatro exemplos de sistemas matemáticos.

6.4.3 Classificação dos sistemas matemáticos.

Os sistemas matemáticos classificam-se em: a) Sistema numérico. b) Grupos. c) Anéis. d) Corpos

Definição 6.22 Sistemas numéricos.

Um sistema matemático da forma (A, *, ) chama-se sistema numérico quando:

a) O operador * é comutativo e associativo.

b) O operador  é comutativo e associativo.

c) Uma das operações seja distributiva respeito da outra.

Exemplo 6.28

São sistema numéricos (N, +, .), (Z, +, .), (Q, +, .), (R, +, .) onde + e . são as operações usuais de adição e multiplicação.

Exemplo 6.29

Sejam A = { a, b } e *,  as operações definidas pela Tabela (6.3)

* a b  a b

a

b a b

b a a

b a a

b b

Tabela 6.3

Logo (A, *,  ) é um sistema numérico.

Definição 6.23 Número.

São chamados de número, cada elemento do conjunto A de um sistema numérico.

Logo de acordo com esta definição os elementos do conjunto A do Exemplo (6.28) cada um de eles é um número.

A relação de equivalência de um sistema numérico não necessariamente é a identidade, porém freqüentemente o é.

Definição 6. Grupo.

Um sistema matemático da forma (G, *) diz-se que é um grupo com a operação * se, e somente se satisfaz as seguintes propriedades:

1. Associatividade: (a * b) * c = a * (b * c)  a, b, c  G .

2. Existência de um elemento neutro:  e  G tal que e * a = a* e = a  a  G

3. Existência de um elemento simétrico a'  G para todo a  G de modo que a*a' = a' * a = e

Quando a*b = b*a para todo a, b  G , o grupo é denominado grupo abeliano ou grupo comutativo.

Se o conjunto G é finito, o número de seus elementos é chamado de ordem do grupo.

Exemplo 6.30

• O conjunto dos números inteiros Z em relação à adição.

• As rotações de um polígono regular em torno de um de seus vértices, em geometria plana constituem um grupo comutativo.

Exemplo 6.31

O conjunto A = { -2, -1, 0, 1, 2 } com a operação usual de adição, não é um grupo.

Observe neste exemplo que a adição é associativa em A , o elemento neutro é o zero, e cada elemento de A tem inverso em A. O fato não ser grupo é que (A, +) não é um sistema matemático, + não é operação binária em A ; isto é A não é fechado respeito adição. Temos que 2  A  1  A porém 2+1  A.

Definição 6.25 Subgrupo.

Dado um grupo (G, *) , chama-se subgrupo de G à parte H de G que constitua um grupo munido da mesma operação * .

Exemplo 6.33

O conjunto dos números inteiros 2Z é um subgrupo comutativo de Z em relação à adição.

Definição 6.26 Anel.

Um sistema matemático da forma (A, *, ) diz-se que é um anel se, e somente se satisfaz as seguintes propriedades:

1º. (A *) é um grupo abeliano.

2º. A operação  em A é associativa.

3º. A operação  é distributiva respeito à operação * .

A = { -2, -1, 0, 1, 2 }

Exemplo 6.33

O conjunto A = { , ,  , } com as operações * e  definidas na Tabela (6.4) é um anel.

* 

 

 

Tabela 6.4

Exemplo 6.34

Os seguintes sistemas matemáticos são exemplos de anéis: (Z, +, .), (Q, +, .), (R, +, .) , onde + e . são as operações usuais de adição e multiplicação.

Definição 6.26 Anel comutativo.

Diz-se que o anel (A, *,  ) é comutativo, quando a operação binária  for comutativa.

Definição 6.27 Anel com unidade.

Diz-se que o anel (A, *, ) tem unidade quando a operação binária  possui elemento neutro.

Este elemento neutro é chamado de unidade do anel.

Exemplo 6.35

O conjunto dos números inteiros assim como o conjunto dos números irracionais proporcionam exemplos de anel comutativo com unidade. Os racionais tem a propriedade adicional que os inteiros não ao têm, cada elemento distinto de zero possui inverso multiplicativo.

Exemplo 6.36

Seja A = { a, b } , e * e  as operações definidas na Tabela (6.5)

* a b  a b

a

b a b

b a a

b a a

a b

Tabela 6.5

Tem-se que (A, *, ) é um anel com unidade; o elemento neutro b é a unidade para a operação .

Definição 6.29 Corpo.

Um corpo A é um anel comutativo com elemento unidade que cumpre a seguinte condição:

Para cada a  A onde a  0 , existe um elemento a*  A tal que a . a* = 1

Isto é, (A, *, ) é um corpo se:

1) (A, *, ) , é um anel comutativo.

2) (A, *, ) , é um anel com unidade.

3) Cada elemento a  A não zero tem um simétrico respeito da operação .

Exemplo 6.37

O conjunto dos números reais R proporciona exemplo de corpo.

Exemplo 6.38

O sistema matemático (A, *, ) dado no Exemplo (6.36) é um corpo.

Exercícios 6-1

1. Mostre que o conjunto N é bem ordenado.

2. Mostre que 1 é o supremo do conjunto E = { x / . x = , n  N} .

3. Seja R a relação em A= { 1, 2, 3, 4, 5, 6 } definida por “a divide b”. Determine se R é de ordem parcial, ilustrar mediante diagrama.

4. Mostre que a relação R definida por “A é equipotênte a um subconjunto de B” é de ordem parcial na família de conjuntos.

5. Sejam os conjuntos A e B totalmente ordenados. Seu produto cartesiano A  B pode-se ordenar totalmente? Justificar sua resposta.

6. A relação “x divide a y” no conjunto de números naturais, define uma ordem parcial. Quais dos seguintes subconjuntos de N são totalmente ordenados?

1. A = { 4, 3, 15 } 2. B = { 2, 4, 8, 16 }

3. C = { 1, 2, 3, . . . , } 4. D = { 5 }

7. Caso existam, determine o supremo, o ínfimo, o máximo e o mínimo para cada um dos seguintes conjuntos:

1. B = { x  n / . | x2-4 | < 16 }

2. A = { x  z / . | x2-9 | + 3| x-4 | < 16 }

3. C = { x  n / . | x2-x+1 | < 3 }

8. Se F = { 0, 1 } e E um conjunto qualquer, A subconjunto de E, a aplicação A de E em F tal que A(x) = 0 se x  A, A(x) = 1 se x  A

1. Se E = { a, b, c, d } e A = { a, b, d } , represente o gráfico de A(x)

2. Se A e B são dois conjuntos quaisquer de E , A' o complemento de A com respeito a E . Mostre que qualquer que seja x  E

a) AB(x) = A(x).  B(x) b) 1-A(x) = ’ A(x)

c) AB(x) = A(x) +  B(x)- A(x) B(x)

3. No conjunto das aplicações de E em F , definem-se as operações (• ) e (* ) por: A .B =AB e A *  B =AB . Demonstre que: A.A = A e A *  A =  A.

9. Determine se o conjunto A para o qual está definida a lei de composição interna * é um grupo:

1. A = Z e * é a multiplicação usual de inteiros.

2. A = Q e * é a multiplicação usual em Q.

3. A = { q  Q /. q > 0 } e * é a multiplicação usual em números racionais.

4. A = { z  Z /. z = } e * é a multiplicação usual em Z.

5. A = R e * é a adição usual em números reais.

6. A = Z e * define-se por a * b,  a, b  Z.

10. Mostre que a operação * definida por a * b = a + 2b +3ab , é uma lei de composição interna sobre o conjunto dos números naturais N. Calcular 1 * 2, 5 * 3, 7 * 15 .

11. Mostre que a multiplicação de números reais, não é uma operação fechada no conjunto A = { 1, 5 }

12. Determine se a subtração de números inteiros é uma operação fechada no conjunto de números inteiros positivos. Idem para o conjunto dos números inteiros múltiplos de três.

13. Determine todas as soluções das seguintes equações:

1. 4x  3 (mod 7) 2. 8x  6 (mod 14)

3. 2x  3 (mod 5) 4. 5x  3 (mod 4)

14. Demonstre que o conjunto Z4 das classes residuais módulo 4 , é fechado respeito da operação  da adição das classes residuais.

15. Sejam A = { 1, 2, 3, 4 } e * uma operação binária definida pela Tabela 6.5. Mostre que a operação * está univocamente definida em A respeito da relação de identidade

R = { (1, 1), (2, 2), (3, 3), (4, 4) }  1 2 3 4

1

2

3

4 1 2 3 4

2 3 4 2

3 4 1 2

4 2 2 3

16. Temos em cada exercício um conjunto e uma operação binária. Determine se cumpre as propriedades de: clausura, associatividade, comutatividade.

1. O conjunto dos inteiros Z, com a operação * definida por: a * b = .

2. O conjunto Q , com a operação  definida por: a  b = .

3. O conjunto P(A) , potência de A , com a operação  união de conjuntos.

4. O conjunto P(A), potência de A , com a operação  intersecção de conjuntos.

5. O conjunto A = { 0, 1, 2, 3}, com a operação  de multiplicação módulo 4.

17. Para o exercício anterior, caso exista, assinale o elemento neutro.

18. Demonstrar que a operação m , máximo divisor comum de dois números não é distributiva pela esquerda respeito da adição de números inteiros positivos.

19. Demonstrar que o conjunto de números reais R1 = { a + b /. a, b  Z } forma um grupo com a operação de adição.

20. Seja G = { 5a /. a  Z } . Mostre que (G, +) é um grupo.

21. Determine se o conjunto G = { -2, -1, 0, 1, 2 } junto com a operação usual de multiplicação constitui um grupo.

22. Demonstre que, caso exista o elemento neutro respeito de uma operação binária * sobre um conjunto A , é único.

23. Mostre que se (G, *) é um grupo e para a  G , então o elemento a' (inverso de a ) é único.

24. Sejam (G1, *), (G2, ) grupos abelianos e (G3,  ) um grupo não abeliano. Determine em G1G2G3 uma estrutura de grupo. Este grupo será abeliano?

25. Mostre que o conjunto A = { a /.a = 2x-1, x  Z } com a adição e multiplicação definida para números inteiros não é um anel.

26. Demonstre que o conjunto dos números reais R junto as operações usuais de adição e multiplicação constitui um corpo.

27. No conjunto dos números reais, definimos as operações * e  como segue: a * b = 2a+3b-5, a  b = a2-3ab . Segundo estas definições resolver as seguintes equações:

1. x * 4 = 8 2. 3  x = 1 3. 4x * 1 = 5  2 4. 5  2x =  x

28. Consideremos M o conjunto dos movimentos aplicados a um quadrado ABCD que conservam sua posição no plano.

• E : Movimento idêntico (identidade)

• S1 : Simetria axil, de eixo a mediatriz dos lados AB e CD .

• S2 : Simetria axil, de eixo a mediatriz aos lados AD e BC .

• S3 : Simetria axil, de eixo a diagonal BD .

• S4 : Simetria axil, de eixo a diagonal AC .

• S5 : Simetria central, de centro o centro do quadrado.

• S6 : Giro de 90^o (dextrógiro) com centro no centro do quadrado.

• S7 : Giro de 90^o (evógiro) com centro no centro do quadrado.

Definamos em M a operação * considerando como resultado de efetuar * entre dois elementos de M o movimento que se obtém aplicando sucessivamente o primeiro movimento e o segundo S_2 * S_1 , logo:

1. Obter S1 * S2, S3 * G1, G1 * G2, G1 * S3.

2. Formar uma tabela da operação * .

3. (M, * ) tem estrutura de grupo?. É abeliano?

4. Provar que S3 * S2 = S1 * S3 . Podemos deduzir que S_2 = S_1 ?

Bibliografia

[1] Apostol T. M.- Introducción a la Teoría Analítica de los Números.- Editora Reverte S.A., 1980.

[2] Burton W. Jones.- Teoría de los Números}- Biblioteca de Matemática Superior. Editorial F. Trillas, S. A. México, 1969.

[3] Cortez M. Walter.- Iniciación a las Matemáticas Superiores.- Notas de Aula.- UNMSM; Editora San Marcos 1970.

[4] Eves Howard. Introdução à História da Matemática 2^a Edição Editora da UNICAMP.

[5] Halmos R. Paul.- Teoria ingênua dos conjuntos.- Coleção Clássicos da Matemática.- Editora Ciência Moderna, 2002.

[6] Irving M. Copi.- Introducción a la Lógica.- Manuales EUDEBA, 1973.

[7]Oliveira, Augusto J. F. Lógica e Aritmética. Brasília: Editora da UNB 2004.

[8]Pinedo Christian Q.- Estruturação para o Ensino da Matemática.- Pró-ciênias.- UTF-PR Pato Branco, Vol 2, 1999.

[9]__________________História da Matemática I.- Notas de Aula N^o 5- UTF-PR Pato Branco 2005.

[10] _______________ Introdução as Estruturas Algébricas.- UFT - Campus de Araguaína, 2007, pp 230.

[11]Polya, G. A Arte de Resolver Problemas. Rio de Janeiro: Interciencia 1995.

[12] Russell Bertrand.- Introdução à Filosofia Matemática.- ZAHAR Editores, 1981.

[13] Symour Lipschutz.- Teoría de Conjuntos.- Libros McGraw - Hill, 1969.

[14] Spivak Michel.- Calculus.- Editora Reverte S.A., Vol II 1983.

[15] Sominski I. S.- Método de Indução Matemática.- Atual Editora. Traduzido por Gelson Iezzi 1996.

[16] Ulloa A. e Haro Luis.- Matemática Básica.- Editora San Marcos, 1970.


 

Grupo EUMEDNET de la Universidad de Málaga Mensajes cristianos

Venta, Reparación y Liberación de Teléfonos Móviles
Enciclopedia Virtual
Biblioteca Virtual
Servicios
 
Todo en eumed.net:

Congresos Internacionales


¿Qué son?
 ¿Cómo funcionan?

 

15 al 29 de
julio
X Congreso EUMEDNET sobre
Turismo y Desarrollo




Aún está a tiempo de inscribirse en el congreso como participante-espectador.


Próximos congresos

 

06 al 20 de
octubre
I Congreso EUMEDNET sobre
Políticas públicas ante la crisis de las commodities

10 al 25 de
noviembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Migración y Desarrollo

12 al 30 de
diciembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Economía y Cambio Climático

 

 

 

 

Encuentros de economia internacionales a traves de internet


Este sitio web está mantenido por el grupo de investigación eumednet con el apoyo de Servicios Académicos Internacionales S.C.

Volver a la página principal de eumednet