BIBLIOTECA VIRTUAL de Derecho, Economía y Ciencias Sociales


FUNDAMENTOS DA MATEMÁTICA

Christian Q. Pinedo



Esta página muestra parte del texto pero sin formato.

Puede bajarse el libro completo en PDF comprimido ZIP (264 páginas, 1.49 Mb) pulsando aquí

 

 

4.2 CONJUNTO PRODUTO

4.2.1 Par ordenado.

Intuitivamente, um par ordenado é um objeto matemático que consta de dois elementos, por exemplo, a e b , de modo, que no par designa-se com o primeiro e segundo elemento respectivamente.

Logo, o conjunto { a, b } com a propriedade que a é o primeiro e b o segundo elemento, constitui um par ordenado.

Para não confundir par ordenado com conjunto de dois elementos, um par ordenado denota-se por (a, b) e é definido como u = (a, b) .

Como conjuntos, { a, b } = { b, a } , entanto como pares ordenados, em geral (a, b)  (b, a) . A operação de pares está sujeita á seguinte regra:

“Para que se cumpra que (a, b) = (c, d) tem que acontecer que a = c e b = d . Em particular (a, b) = (b, a) se, e somente se, a = b”

A igualdade entre pares verifica o axioma de extensão, e portanto, são objetos matemáticos que podem ser elementos de um conjunto.

O conceito de par podemos ampliar da seguinte maneira: Dados três objetos matemáticos a, b e c , definimos (a, b, c) = ((a, , b), c) e dizemos que (a, b, c) é uma terna ordenada.

Para que duas ternas ordenadas (a, b, c) e (m, n, p) sejam iguais, é necessário que a =m, b =n e c= p .

4.2.2 Produto cartesiano.

Definição 4.2 Produto cartesiano.

Dados dois conjuntos A e B , o produto cartesiano A  B (nessa ordem) é o conjunto constituído pelos pares ordenados { (x, y)  A  B /. x  A  y  B }

Dois elementos (a1, b1) e (a2, b2) do produto cartesiano A  B dizemos que são iguais se, e somente se, a1 = a2 e b1 = b2 .

Dados os conjuntos A e B , podemos construir os conjuntos A  B e B  A que, em geral são distintos. Para o caso de A = B o produto A  B cartesiano simbolizamos A2 .

Suponhamos temos o conjunto A , e consideremos o produto cartesiano A  A , mostra-se que se A é um conjunto finito com n elementos, então o conjunto A  A tem n2 elementos.

Exemplo 4.2

a) Considere os conjuntos A = {2, 3, 4 } e B = { 3, 5 } , o produto cartesiano A  B = {(2, 3), (2, 5), (3, 3), (3, 5), (4, 3), (4, 5) }

b) Seja A = {1, 2, 3} e B = {a, b}, então B A = { (a, 1), (a, 2), (a, 3), (b, 1), (b, 2), (b, 3)}

c) Suponhamos os conjuntos A = { 2 } , B = { 3, 5 } e C = { a, b } , então (A  B)  C = { ((2, 3), a), ((2, 3), b), ((2, 5), a), ((2, 5), b), }

Propriedade 4.1

Para qualquer conjunto A, B e C tem-se:

1. A  B  B  A . . . não é comutativa

2. (A  B)  C  A  (B  C) . . . não é associativa.

3. A   = 

4. A  (B  C) = A  B  A  C

5. A  (B  C) = A  B  A  C

6. A  (B - C) = A  B - A  C

7. A  B =   A =   B = 

8. A  B  A  C  B  C

9. A  C = B  C  C    A = B

Demonstração ( 4 )

1. (x, y)  A  (B  C) . . .hipótese.

2. x  A  y  (B  C) . . . def. de  .

3. x  A  (y  B  y  C) . . . def. de  .

4. (x  A  y  B)  (x  A  y  C . . . tautologia.

5. (x, y)  (A  B)  (x, y)  (A  C) . . . def. de  .

6. (x, y)  ((A  B)  (A  C)) . . . def. de 

7. A  (B  C)  ((A  B)  (A  C)) . . . de ( 1 )-( 6 )

8. (x, y)  ((A  B)  (A  C)) . . . hipótese.

9. (x, y)  (A  B)  (x, y)  (A  C) . . . def. de 

10. (x  A  y  B)  (x  A  y  C) . . . def. de .

11. x  A  (y  B  y  C) . . . tautologia

12. x  A  y  (B  C) . . . def. de  .

13. (x, y)  A  (B  C) . . . def. de  .

14. ((A  B)  (A  C))  A  (B  C) . . . de ( 8 )-( 13 )

Portanto, de ( 7 ) e ( 14 ) segue que A  (B  C) = A  B  A  C.

Demonstração ( 74 )

Suponhamos que não seja verdade A =   B = , isto é

1.  (A =   B = ) . . . hipótese auxiliar.

2. A    B   . . .lei de Morgan

3.  a  A,  b  B . . . def. de 

4.  (a, b)  A  B . . .def. de 

5. A  B   . . . def. de , def. de 

6. A    B    A  B   . . . ( 1 )-( 6 )

7. A  B =   A =   B =  . . . tautologia.

Portanto, de ( 7 ) A  B =  ==> A =   B = 

A demonstração das demais propriedades é exercício para o leitor.

4.2.3 Diagonal de um produto cartesiano.

Definição 4.3 Diagonal do produto.

Dado o conjunto A, a diagonal do produto cartesiano A  A é o conjunto  A definido por:  A = { (x, y) /.x = y }

Logo, se A = { a_i /. i = 1, 2, 3, . . . } , então o conjunto:  A ={ (a_i, a_i)  A  A /. i = 1, 2, 3, . . . , n } é a diagonal de A  A

Exemplo 4.3

Se A= { 3, 5, 9 } então  A = { (3, 3), (5, 5), (9, 9) }

4.2.4 Relações.

Definição 4.4 Relações.

Dados os conjuntos A e B , dizemos relação de A em B a todo subconjunto de A  B .

Isto é, R é relação de A em B se, e somente se, R  A  B .

Exemplo 4.4

Sejam os conjuntos A = { alunos do 1º. ano de Fundamentos da Matemática } e B = N , então entre A e B podemos formar algumas relações como:

S1 = {(x, y)  A  B /. x tem y anos }

S2 = {(x, y)  A  B /. x tem y reais }

S3 = {(x, y)  A  B /. x tem y de nota na primeira prova }

Observação 4.2

• Se o conjunto A tiver n elementos, o conjunto B tiver m elementos, então A  B têm n.m elementos; e assim podemos obter 2nm subconjuntos diferentes (relações binárias).

• Sendo a relação um conjunto, ela é determinada por extensão nomeando todos seus elementos, ou por compreensão expressando um enunciado aberto p(a, b) tal que para todo (a, b)  A  B , a sentença p(a, b) seja uma proposição.

Exemplo 4.5

Sejam A= { a, b } e B = { 2, 5 } , sabe-se que A  B = { (a, 2), (a, 5), (b, 2), (b, 5) } , e aqui podemos obter 2^4 = 16 relações diferentes a saber:

R1 = { } = 

R2 = { (a, 2) }

R3 = { (a, 2), (a, 5) }

R4 = { (b, 2), (b, 5) }

R5 = { (a, 5), (b, 2), (b, 5) }

.

.

.

R15 = { (a, 2), (a, 5), (b, 5) }

R16 = { (a, 2), (a, 5), (b, 2), (b, 5) }= A  B

Exemplo 4.6

Seja S = { 7, 4, 9, 6, 2 } e T = {5, 1, 4, 3, 2 } e considere a relação R que diz: ”. . . é dobro de . . . “, então podemos escrever:

R = { (x, y)  S  T /. x é dobro de y } . . . por compreensão.

R = { (4, 2), (6, 3), (2, 1), } . . . por extensão.

Observação 4.3

1. Se x  A e y  B e satisfaz que, (x, y)  R , então diz-se que x está em relação com y mediante R e denotamos com o símbolo x R y .

2. Se R é uma relação de A em B , o conjunto A é chamado de “conjunto de partida” e o conjunto B é chamado de “conjunto de chegada”.

3. Dado que o conjunto vazio   A  B , então  é uma relação de A em B e é chamada de ``relação nula ou vazia''.

4. Temos que R é uma relação de A em B se, e somente se, R  A  B .

Propriedade 4.2

Quaisquer que seja uma relação R , tem-se que R  U  U .

Demonstração.

Para todo x  R tem-se que  a, b  U tal que (a, b) = x .

Assim, x  R implica que C(x)  C(a, b) , então C(a)  C(b)  (a, b)  U  U .

Portanto, R  U  U.

4.2. 5 Domínio e Imagem de uma relação.

Seja R uma relação não vazia de A em B , isto é: R = {(x, y)  A  B /. x R y }

Definição 4.5 Domínio de uma relação.

O domínio da relação R é o conjunto dos elementos x  A para os quais existe um elemento y  B tal que (x, y)  R , e denotamos:

D( R) = { x  A /.  y  B  (x, y)  R }

Isto é, o domínio de R é o subconjunto de elementos de A formado pelas primeiras componentes dos pares ordenados que pertencem à relação.

Definição 4.6 Imagem de uma relação.

A imagem ou contradomínio de uma relação R é o conjunto dos elementos y  B para os quais existe um elemento x  A tal que (x, y)  A  B ; e denotamos: Im( R) = { y  B /.  x  A  (x, y) R }

Isto é, a imagem de R é o subconjunto de B formado pelas segundas componentes dos pares ordenados que pertencem à relação.

Exemplo 4.7

No Exemplo (4.5) temos que:

D( R1) = , Im( R1) =  ;

D( R2) = {a} , Im( R2) = {2} ;

D( R3) = {a} , Im( R3) = {2, 5} ;

D(R4) = {b} , Im( R4)={2, 5} e

D( R5) = {a, b} , Im(R5) ={2, 5}

Exemplo 4.8

No Exemplo (4.6) temos que:

D( R) = { 4, 6, 2 } e Im( R) = { 2, 3, 1 }

4.2.6 Diagramas de coordenadas.

Figura 4.1: Figura 4.2:

Estamos familiarizados com o plano cartesiano R  R como mostra a Figura (4.1), cada ponto P  R2 representa um par ordenado (a, b) de números reais. Uma reta imaginária vertical que passa por P corta o eixo horizontal em a e outra reta horizontal corta o eixo vertical em b .

Quando o produto cartesiano de dois conjuntos não tiver muitos elementos, podemos representar em um diagrama de coordenadas diferente. Por exemplo se A = { 1, 2 } e B= { a, b, c } , o produto cartesiano A  B podemos representar mediante o diagrama da Figura (4.2); o ponto Q é o par (2, c) .

Exemplo 9

Figura 4.3:

Sejam os conjuntos A = { x1, x2, x3, x4 } e B = { y1, y2, y3, y4 } , e a relação: R = { (x1, y1), (x2, y2), (x3, y3), (x4, y4)}

O diagrama da relação R mostra-se na Figura (4.3).

4.2.7 Gráfico de uma relação.

Definição 4.7 Gráfico de uma relação.

Dados os conjuntos A, B , seu produto cartesiano A  B e uma relação R  A  B . Chamamos de gráfico G_ R de R ao conjunto:

GR = { (a, b)  A  B /. (a, b)  R }

Se um par ordenado (a, b)  GR , dizemos que “b corresponde a segundo R ''.

Exemplo 4.10

Seja B = { 1, 2, 3, 4 } e a relação T  B  R definida por T = { (x, x+3) } , então T tem por gráfico o conjunto GT = { (1, 4), (2, 5), (3, 6), (4, 7) }

Exemplo 4.11

Se A = {1 , 2 , 3} e B = {a, b} , então GR = {(1, a), (2, a), (3, a), (3, b)} é um gráfico, observe que GR  A  B .

Figura 4.4:

Exemplo 4.12

Seja N e a relação S  N  N definida por S = { (x, x3) } . Então o gráfico GS de S é o conjunto: GS = { (1, 1), (2, 8), (3, 27), (4, 64), (5, 125), . . . , (n, n3), . . . }

Exemplo 4.13

Sejam os conjuntos: A = { 3, 4, 5, 6 } , B = {1, 2, 3, 4 } e a relação: S = {(x, y)  A  B /. x = y+2 } . Podemos escrever: S = {(3, 1), (4, 2), (5, 3), (6, 4) }

A Figura (4.4) representa o diagrama da relação de S .

O domínio e imagem da relação S é: D(S) = {3, 4, 5, 6 } e Im(S) = {1, 2, 3, 4 } respectivamente.

Exemplo 4.14

Para os conjuntos do Exemplo (4.13) seja: T = {(x, y)  A  B /. x > y } , logo

T = {(3, 1), (4, 1), (5, 1), (6, 1), (3, 2), (4, 2), (5, 2),

(6, 2), (4, 3), (5, 3), (6, 3), (5, 4), (6, 4) } .

O domínio da relação T é: D(T) = {3, 4, 5, 6 } ; é a imagem da relação T é: Im(T) = {1, 2, 3, 4 } .


 

Grupo EUMEDNET de la Universidad de Málaga Mensajes cristianos

Venta, Reparación y Liberación de Teléfonos Móviles
Enciclopedia Virtual
Biblioteca Virtual
Servicios
 
Todo en eumed.net:

Congresos Internacionales


¿Qué son?
 ¿Cómo funcionan?

 

15 al 29 de
julio
X Congreso EUMEDNET sobre
Turismo y Desarrollo




Aún está a tiempo de inscribirse en el congreso como participante-espectador.


Próximos congresos

 

06 al 20 de
octubre
I Congreso EUMEDNET sobre
Políticas públicas ante la crisis de las commodities

10 al 25 de
noviembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Migración y Desarrollo

12 al 30 de
diciembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Economía y Cambio Climático

 

 

 

 

Encuentros de economia internacionales a traves de internet


Este sitio web está mantenido por el grupo de investigación eumednet con el apoyo de Servicios Académicos Internacionales S.C.

Volver a la página principal de eumednet