BIBLIOTECA VIRTUAL de Derecho, Economía y Ciencias Sociales


FUNDAMENTOS DA MATEMÁTICA

Christian Q. Pinedo



Esta página muestra parte del texto pero sin formato.

Puede bajarse el libro completo en PDF comprimido ZIP (264 páginas, 1.49 Mb) pulsando aquí

 

 

5.2 NÚMEROS NATURAIS

Existe um conjunto N chamado de “conjunto dos números naturais”' para o qual os seguintes axiomas (chamados axiomas de Peano) são verificados:

Axioma 5.2

Ao conjunto N, dos números naturais, pertence o zero 0.

Axioma 5.3

A todo número natural n corresponde outro número natural único, chamado o sucessor de n o qual representamos por n^* = n+1.

Axioma 5.4

Dois números naturais distintos, tem sucessores distintos.

Axioma 5.5

O zero não é sucessor de nenhum número natural.

Axioma 5.6

Se A é uma parte de N que tem por elementos o zero e o sucessor de todo número natural n, então A = N.

Assim, pelo Axioma (5.2) o conjunto de números naturais N é não vazio e fica determinado pela seguinte coleção:

N = { 0, 1, 2, 3, 4, 5, . . . , n , . . . , }

Denotamos o conjunto dos números naturais positivos por:

N+ = { 1, 2, 3, 4, 5, . . . , n , . . . , }.

Exemplo 5.2

• O conjunto N de números naturais é indutivo, pois 0 é um número natural e n+1 também é natural para todo n natural.

• O conjunto de todos os números inteiros é indutivo.

• O conjunto {0, , 1, , 2, , . . . } é indutivo

Observação 5.1

1. Denotamos o antecessor de qualquer número natural n  N^+ como *n; e este número satisfaz a igualdade: *n +1 = n.

2. Denotamos o consecutivo de qualquer número natural n  N como n*; e este número satisfaz a igualdade: n* = n +1.

Propriedade 5.2

Para qualquer números naturais m, e n tem-se:

i)} m  n  m*  n*.

ii) n  n*.

iii) n  1   p  N, tal que p*=n.

Demonstração. i)

Suponhamos que m  n e m*  n*, então pelo Axioma (5.4) teremos m = n, contrariando a hipótese.

Demonstração. ii)

Seja A ={ m  N /. m  m* } , pelo Axioma (5.2) temos que 0  N logo 0  A, e se m  A, pela definição de A temos que m  m* e conseqüentemente pela parte i), segue que m* (m*)* , logo m*  A e pelo Axioma (5.6) vamos ter que A = N.

Portanto, para todo n  N tem-se que n  n*.

Demonstração. iii)

Seja A = {0}  { n  N /.  m, n  N tal que n = m* }.

Por definição de M, temos que 0 A. Por outro lado, se n M, com n  0, tem-se que n = m*, para algum m  N.

De onde n* = (m*)* e n^* é o sucessor de m*, logo n* A e pelo Axioma (5.6) segue que A= N.

5.2.1 Indução matemática.

Em matemática, muitas definições e proposições se realizam utilizando o “princípio de indução matemática”. A generalização de uma propriedade após verificação de que a propriedade é válida em alguns casos particulares, pode conduzir a sérios enganos como mostra o seguinte exemplo:

Exemplo 5.3

Considere a relação f(n) = 2^{2n}+1 definida para todo n  N.

Temos que, quando:

n = 0 então f(0) = 2^{2^0} + 1 = 3

n = 1 então f(1) = 2^{2^1} + 1 = 5

n = 2 então f(2) = 2^{2^2} + 1 = 17

n = 3 então f(3) = 2^{2^3} + 1 = 257

n = 4 então f(4) = 2^{2^4} + 1 = 65537

Observe que todos aqueles números encontrados são números primos; P. Fermat (1601 - 1665) acreditou que a fórmula f(n) representaria números primos qualquer que fosse o valor positivo para n  N, pois esta indução era falsa, Euler (1707 - 1783) mostrou que para n = 5 resulta f(5) = 4294967297 = 641  6700417, logo a afirmação de P. Fermat foi precipitada.

Exemplo 5.4

Consideremos a relação f(n) = n^2 + n + 41 definida para todo n  N, observe que, para valores menores que 40, f(n) é um número primo.

Com efeito, se n = 1, f(1) = 43; se n = 2, f(2) = 47; se n = 3, f(3) = 53; . . . ; se n = 39 , f(39) = 1601. Porém se n = 40 temos f(40) = 402 + 40 + 41 = (41)(41) não é primo, mostrando que a sentença é falsa. Em 1772 Euler mostrou que f(n) = n2 + n + 41 assume valores primos para n = 0, 1, 2, 3, . . . , 39.

Euler observando que f(n-1) = f(-n) mostrou que n^2 + n + 41 assume valores primos para 80 números inteiros consecutivos, sendo estes inteiros: n = -40, -39, -38, . . . 0 , 1, 2, 3, . . . 38, 39; substituindo a variável n por n - 40 temos f(n-40) = g(n) = n2 - 79n + 1.601; logo g(n) = n2 - 79n + 1.601 assume valores primos para todos os números naturais de 0 até 79.

Exemplo 5.5

A sentença:

“2n + 2 é a soma de dois números primos”.

é uma sentença verdadeira para n = 1, n = 2, n = 3, n = 4, . . . e, como nos exemplos anteriores após muitas tentativas, não achamos algum número natural que a torne falsa.

Ninguém até hoje, achou um número natural que tornasse a sentença falsa e ninguém, até hoje, sabe demonstrar que a sentença é sempre verdadeira. Esta famosa sentença conhecida como conjetura de Goldbach feita em 1742, em uma carta dirigida a Euler diz:

“Todo inteiro par, maior do que 2, é a soma de dois números primos”.

Não sabemos até hoje se esta sentença é verdadeira ou falsa.

Em resumo, dada uma afirmação sobre números naturais, se encontramos um contra-exemplo, sabemos que a afirmação não é sempre verdadeira.

E se não achamos um contra-exemplo? Nesta caso, suspeitando que a afirmação seja verdadeira sempre, uma possibilidade é tentar demonstrá-la recorrendo ao princípio de indução; é necessário portanto, dispor de um método com base lógica que permita decidir sobre a validade ou não de uma determinada indução, isto esta garantido com a seguinte proposição:

Propriedade 5.3 1º. princípio de indução matemática.

Se P(n) é uma proposição enunciada em termos de n, para n  N tal que:

1º. P(0) é verdadeiro

2º. Para todo h  N P(h) é verdadeiro, implica P(h+1) é verdadeiro.

Então P(n) é verdadeiro  n  N.

Demonstração.

Com efeito, seja A={ n  N /. p(n) é verdadeira }. Conforme as hipóteses 1º. e 2º. acima temos que 0 A e se k A então k+1 A ou seja as condições do Axioma (5.6) estão satisfeitas.

Portanto A coincide com o conjunto de todos os números naturais, isto é p(n) é verdadeira para todo número natural n.

Os números naturais são fechados respeito às operações de adição e multiplicação. As operações de subtração e divisão para números naturais, não se aplica; caso contrario teríamos que subtração e divisão de números naturais é um natural; isto último é um absurdo.

5.2.2 Adição de números naturais.

Definição 5.4 Adição.

Para todo m, n  N, a adição em N, é uma aplicação:

+ : N  N  N

(m, n)  +(m, n)

simplesmente denotamos +(m, n) como a+b e satisfaz o seguinte axioma:

Axioma 5.7

• Para todo n  N, n + 0 = n

• Para todo (m, n)  N  N, n + m* = (n+m)*

Propriedade 5.4

O número zero é o elemento neutro para adição em N.

Demonstração.

A propriedade é verdadeira para n = 0, isto é 0 + 0 = 0, o zero é neutro à direita.

Suponhamos que a propriedade seja verdadeira para todo n  N; isto é 0 + n = n

Mostrarei que a propriedade é válida para o sucessor de n; isto é para n*.

Por definição de adição 0 + n* = (0+n)*, e pela hipótese de indução 0 + n = n, logo 0 + n^* = (0+n)* = n*, e esta propriedade é verdadeira para n^*.

Portanto, pelo axioma de indução (Axioma (5.6)) a propriedade é verdadeira para todo n  N.

Propriedade 5.5

Se o sucessor de zero é 1, então para todo n  N, n* = n+1.

Demonstração.

Com efeito, pela hipótese temos que 0* = 1

Como n + 1 = n + 0^* = (n + 0)*, isto implica pela Propriedade (5.4) que n + 1 = n*.

Propriedade 5.6 Associativa.

A operação de adição + em N, é associativa; isto é:

Para todo m, n, p  N, (m+n)+p = m+ (n+p).

Demonstração.

Por indução sobre p.

Esta propriedade é verdadeira para p = 0.

(m + n ) + 0 = m + (n + 0) . . . def. de adição.

Suponhamos para todo p, seja verdadeira. . . . hipótese de indução.

Mostrarei que a propriedade é válida para p*.

(m+n)+p* = ((m+n)+p)* . . . def. de adição.

= (m+(n+p))* . . . hipóteses de indução.

= m + (n+p)* . . . definição de adição.

= m + (n+p*) . . . definição de adição.

Pelo axioma de indução concluímos que esta propriedade é válida para todo número n  N.

Propriedade 5.7 Comutativa.

A lei + é comutativa; isto é para todo m, n  N temos que m + n = n + m.

Demonstração.

Exercício para o leitor.

Propriedade 5.8

Em N, nenhum elemento distinto de zero tem simétrico para a adição; isto é m + n = 0 então m = 0 e n = 0.

Demonstração.

Seja m + n = 0. . . . hipótese.

Suponhamos que n  0 . . . hipótese auxiliar.

Logo n tem um antecessor ^*n . . . def. de antecessor.

Assim, n= *n+1.

Por conseguinte, m + n = m + (*n+1) . . . substituição.

m + n = (m + *n) + 1 . . . associatividade

m + n = (m+*n)* . . . def. de sucessor.

Então m + n = 0 = (m+*n)*, isto implica que zero é o sucessor de algum número. Isto é absurdo ao Axioma (5.5).

Portanto supor n  0 é errado; n tem que ser zero, e pelo Axioma (5.6) resulta m = 0.

Propriedade 5.9 Cancelamento.

Todo número natural é regular para a adição, isto é:  n  N se, a + n = b + n, então a = b.

Demonstração.

A demonstração é por indução sobre n, e utilizamos o fato da aplicação f de N em N definida por f(n) = n+1 ser injetiva.

A propriedade é verdadeira para n = 0: a+0 = b + 0 então a = b.

Suponhamos que seja verdadeira para n  N, a + n = b + n , então a = b.

Mostrarei que a propriedade é válida para n*

Seja a+n* = b + n*, ou (a+n)* = (b+n)* . . . def. de adição.

Como f é injetiva segue de f(a+n) = f(b+n), então a + n = b + n implica a = b, segundo a hipótese de indução.

5.2.3 Relação de ordem em N.

Definição 5.5

1. Sejam os números m, n  N, dizemos que ``m é maior que n'' e escrevemos m > n, se existe x  N tal que m = n+x.

2. Sejam os números a, b  N, dizemos que ``a é menor que b'' e escrevemos a < b, se existe y  N tal que a+y = b.

Propriedade 5.10

Sejam m, n  N então:

i) m<n e n < p, então m < p. . . . transitividade

ii) m<n se, e somente se m+p<n+p . . . monotonicidade

Demonstração. i)

Por hipótese m<n e n < p, logo existem números naturais r e t, tais que n=m+r e p=n+t.

Assim, p=n+t = (m+r)+t = m+(r+t) de onde p > m.

Portanto, m < p.

Demonstração. ii)

Se m<n, então existe r  N tal que n = m+r, logo n+p=(m+r)+p = m+(r+p) = m+(p+r)=(m+p)+r e portanto, m+p < n+p.

Inversamente.

Se m+p < n+p, então existe t  N tal que n+p = (m+p)+t = m+(t+p) = (m+t)+p , assim n = m+t, de onde m < n.

Observação 5.2

A relação < é transitiva, porém não é reflexiva e nem simétrica.

Propriedade 5.11 Lei de tricotomia.

Se m, n  N uma e somente uma das seguintes alternativas é verdadeira:

i) m = n ii) m < n iii) m > n

A demonstração desta propriedade é exercício para o leitor.

Definição 5.6

Dados m n  N, diz-se que m é menor ou igual que n e escrevemos m  n se, m<n ou m=n.

Analogamente define-se a relação m  n (maior ou igual).

Definição 5.7

Seja A um subconjunto de N. Dizemos que m  N é o menor elemento de A se:

i) m  A.

ii) m  n para todo n  A.

Propriedade 5.12 Princípio da boa ordem.

Se A é um subconjunto não vazio de números naturais, então A possui um menor elemento.

Demonstração.

Seja A  N, A  . Se 0  A, então 0 é o menor elemento de A.

Suponhamos então que 0  A e que A não tenha menor elemento m  N. Isto vai levar a uma contradição.

Como m não é o menor elemento de A, segue-se que m  A ou existe n  A tal que n < m.

Seja B = { n  N /. m  n onde m  A }, é imediato que A  B = , caso contrario, se existe p  A  B, então p  A e p  B implica p  p onde p  A . Isto é contradição; logo A  B= .

Por outro lado, 0  B, pois por hipótese 0  A .

Suponhamos então que n  B, como m  A, se m  n então n*  A caso contrario n* seria um menor elemento para A. Assim, se m  n^* tem-se que m  A e n*  B.

Mostramos que 0  B e que n  B implica n*  B, podemos concluir pelo princípio de indução generalizada para segue que B = N, mas A  B =  e como B = N segue que A = .

Por redução ao absurdo segue que todo subconjunto não vazio A  N possui um menor elemento.

Propriedade 5.13

Seja A subconjunto de números naturais tais que k  A e m*  A, para todo m  k em A. Então, A contém todos os números naturais n  k.

Demonstração.

Seja B = { 0, 1, 2, . . . , s }  A onde s é tal que s*=k.

Tem-se que 0  B, suponhamos que n  B, então n*  B; logo pelo princípio de indução (Propriedade (5.3)) segue que B = N.

Portanto, A contêm todos os números naturais n  k.

Assumindo o princípio da boa ordem como axioma, podemos enunciar o princípio de indução generalizada.

Propriedade 5.14 2º. princípio de indução matemática.

Seja P(n) é uma proposição enunciada para n  N tal que:

1º. Para n_0  0 tem-se que P(n_0) é verdadeira.

2º. Se P(h) é verdadeiro para h > n_0, implica P(h+1) é verdadeiro.

Então P(n) é verdadeiro  n  N, tal que n  n0.

Demonstração.

Consideremos A = { n  N /. P(n) é proposição falsa }, então A  N e CN (A)  N, onde CN (A) = { n  N /. P(n) é proposição verdadeira }.

Pelo princípio da boa ordem (Propriedade (5.12)) o conjunto CN (A) possui um menor elemento n0, como n0  A então a proposição P(n_0) é verdadeira, logo em virtude da 1º. hipótese n0  0.

Para h > n_0 se P(h) é verdadeira, implica que também P(h*) é verdadeira, logo h*  CN (A) de onde h*  n_0 em CN (A).

Em virtude da Propriedade (5.13) segue que CN (A) contém todos os naturais n  n0.

Portanto, P(n) é verdadeiro  n  N, tal que n  n0.

Exemplo 5.6

Utilizando o princípio de indução matemática, mostre que:

3[12+32+52+ . . . + (2n-1)2] = n(4n2-1)  n  N, n  0

Solução.

Seja S o conjunto dos números naturais que satisfazem:

3[12+32+52+ . . . + (2n-1)2] = n(4n2-1) (5.2)

Se n = 2 tem-se de (5.2) que, 3[12+32] = (2)(3)(5) = 30, logo a proposição é verdadeira.

Suponhamos para h  S em (5.2) a seguinte igualdade seja verdadeira.

3[1^2+3^2+5^2+ . . . p + (2h-1)^2] = h(4h^2-1) (5.3)

Para h+1  S tem-se pela hipótese auxiliar (5.3) que:

3[12+32+52+ . . . + (2h-1)2 + (2h+1)2] =

h(4h2-1)+ 3(2h+1)2= (h+1)(2h+1)(2h+3)

Portanto, S = N e a fórmula (5.2) é válida  n  N, n  0.

Exemplo 5.7

Mostre que, para todo número real (1+x)n  -1 e para qualquer natural n  N então tem-se a desigualdade (1+x)n  1 + nx.

Demonstração.

Seja S o conjunto de números naturais para os quais (1+x)^n  1 + nx.

1º. 1  S pois, (1+x)^1  1 + (1)x.

2º. Se h  S, temos que (1+x)^h  1 + hx, então (1+x)^{h+1} = (1+x)(1+x)^h  (1+x)(1+hx)  1 + x + hx + hx^2  1 + (h+1)x.

Logo, se h  S então (h+1)  S.

Aplicando o princípio de indução matemática temos que S = N.

5.2.4 Multiplicação de números naturais.

Definição 5.8 Multiplicação em N.

Para todo m, n  N, a multiplicação em N, é uma aplicação:

• : N  N  N

(m, n)  •(m, n) =m n

simplesmente denotamos • (m, n) como m n e satisfaz o seguinte axioma:

Axioma 5..8

1. Para todo n  N, n 1 =n.

2. Para todo (m, n)  N  N, m n* = m n + m.

Propriedade 5.15

O número zero satisfaz 0 n = n 0 = 0.

Demonstração.

Por indução sobre n.

Esta propriedade é verdadeira para n = 0, portanto 0.0 = 0 por definição de multiplicação.

Suponhamos seja verdadeira para n, logo:

0 n = 0 . . . hipótese auxiliar.

Mostrarei que é válida para n*.

0 n* = 0 n + 0 . . . def. de multiplicação.

= 0+ 0 . . . hipótese de indução.

Segundo o axioma de indução, a propriedade é verdadeira para todo n  N.

Propriedade 5.16 Elemento neutro multiplicativo.

O número 1 é o elemento neutro para a multiplicação, isto é,  n  N, 1 n = n 1 = n.

Demonstração.

É suficiente mostrar que 1 é elemento neutro à direita.

Com efeito, se n=1 tem-se que 1 1 = 1 o qual é verdadeiro.

Suponhamos para h > 1, que 1 h = h . Mostrarei que 1 h* = h*.

Aplicando a hipótese indutiva, observe que 1 h* = 1 h + 1 = h+1 = h^*.

Portanto, o número 1 é o elemento neutro para a multiplicação.

Propriedade 5.17

O conjunto dos números naturais é fechado respeito da multiplicação; isto é, para todo m, n  N tem-se m n  N.

Demonstração.

Suponhamos n seja número natural arbitrário fixo, e consideremos a proposição: P(m) : n m  N, para todo m  N.

Assim, P(1) : n 1 = n  N é verdadeira, pois n 1 = n.

Suponhamos que para algum h  N a proposição P(h) : n h  N seja verdadeira.

Logo, pelo Axioma (5.8) e hipótese indutiva, segue que n h* = n h + n é verdadeira. Isto é n h*  N.

Portanto, o conjunto dos números naturais é fechado respeito da multiplicação.

Propriedade 5.18

Quaisquer que sejam os números naturais m e n, tem-se que m* n = mn + n.

Demonstração.

Exercício para o leitor.

Propriedade 5.19 Comutativa.

A multiplicação é comutativa; isto é para todo (m, n)  N  N, temos mn = n m.

Demonstração.

Esta propriedade é verdadeira para n = 0

m. 0 = 0. m . . . Propriedade (5.5)

Suponhamos verdadeira para n, então m n = n m . . . hipótese auxiliar.

Mostrarei que é válida para n*

m n* = m n + m . . . def. de multiplicação.

= n m+m . . . hipótese de indução.

= n* m . . . Propriedade (5.18)

Pelo axioma de indução, segue que a propriedade é válida  n  N.

Existe uma propriedade em N que relaciona ambas as operações de adição e multiplicação, chamada propriedade distributiva.

Propriedade 5.20 Distributiva.

A multiplicação é distributiva respeito à adição; isto é para todo (m, n, p)  N  N  N tem-se que: (m+n) p = m p + n p.

Demonstração.

É suficiente mostrar a distributividade pela direita por indução sobre p.

A propriedade é verdadeira para p = 0, então (m+n).0 = m 0+n 0

Suponhamos seja verdade para p, (m+n)p = m p + n p

Mostrarei para p*.

(m+n)p* = (m+n)p + (m+n) . . . def. de multiplicação.

= m p + n p + m + n . . . hipótese de indução.

= (m p + m) + (n p + n) . . . comutativa da adição.

= m p* + n p* . . . def. de multiplicação.

Pelo axioma de indução, a propriedade é verdadeira  n  N.

Propriedade 5.21 Associativa.

A multiplicação é associativa, isto é, para todo m, n, p  N, (m n) p = m (n p).

Demonstração.

Mostra-se por indução sobre p, usando a Propriedade (5.20)

Propriedade 5.22

Em N, se um produto é nulo, então ao menos um dos elementos é nulo; isto é: se m.n = 0, então m = 0 ou n = 0.

Demonstração.

1) Suponhamos m n = 0 e m  0. . . . hipótese.

2) m n* = m n + m . Axioma da multiplicação

3) m n* = 0 + m . . (2) e (1)

4) m n* = m 1 . . (3) e Axioma da multiplicação

5) n* = 1 . . . (4) e Propriedade

6) n=0 . . .. (0^* = 1)

Portanto, m.n = 0 implica m = 0 ou n = 0.

Propriedade 5.23

Em N, nenhum elemento distinto de 1 tem simétrico para a multiplicação, isto é m n = 1, então m = 1 e n = 1.

Demonstração.

Suponhamos que m n = 1, se n  0 pela Propriedade (5.20), existe *n  N tal que m n = m(*n) + m.

Do mesmo modo, se m  0, existe *m tal que m = *m+1, logo m n = *m n + n = 1, então m (*n) + *n = 0, logo *n = 0 e n = 1.

De onde pela hipóteses temos que 1 m = 1 implica que m = 1.

Propriedade 5.24

Em N+= N - {0} todo elemento é regular, isto é  a, b  N+, a n = b n e n  0 então a = b.

Demonstração.

Demonstra-se por indução sobre n, considerando como primeiro elemento n = 1.

Conseqüência desta propriedade é que,  a  N* definimos a aplicação ga : N  N por ga(n) = a.n. Observe que esta aplicação é injetiva e que a  b implica ga  gb.

5.2.5 Potência inteira de um número natural.

Para todo a, n  N tem-se que a n-ésima potência do número a é outro natural denotado por an, e se lê “a elevado à n”

Definição 5.9

Seja a  N, a  0, para todo n  N definimos a0 = 1 e an+1 = an a

Desta definição resulta que, para o caso a = 0, a expressão 00 não está definida. Propriedade 5.25

As propriedades das potências inteiras resultam da definição, em particular.

•  a, m, n  N, am an = am+n, se a  0.

•  a, n, p  N, (an)p = anp, se a  0.

A demonstração desta propriedade é exercício para o leitor.

Exemplo 5.8

Considere h: N  N  N definida como segue: h(a, b) = a * b = a . Determine se h é comutativa, associativa. Determine o elemento neutro de h caso exista. Que elementos em N tem simétrico?

Solução.

Como a * b = a e b * a = b, logo h não é comutativa, a * (b * c) = a * b = a e (a * b) * c = a * c = a logo é associativa.

Se h tem elemento neutro e, então e * a = a para todo a  N porém a * e = a, assim não existe elemento neutro.

No tem sentido calcular o elemento simétrico se, não tem elemento neutro.

Exemplo 5.9

Seja (  ) uma operação em R2 definida por (x, y)  (x', y') = (xx'-yy', yx' + xy'). Demonstre que é comutativa e associativa.

Demonstração.

a) Comutativa?

(x, y)  (x', y') = (xx'-yy', yx' + xy') =(x'x-y'y, y'x + x'y)=(x', y')  (x, y)

b) Associativa?

((x, y)  (x', y'))  (c, d) =(xx'-yy', yx' + xy')  (c, d) =

=(c(xx'-yy')-d(yx' + xy'), c(yx' + xy')+ d(xx'-yy')) =

= (cxx'-cyy'- dyx'-dxy', cyx' + cxy'+ dxx'-dyy') (5.4)

Por outro lado

(x, y)  ((x', y')  (c, d)) = (x, y)  (x'c-y'd, y'c + x'd) =

=(cxx'-cyy'- dyx'-dxy', cyx' + cxy'+ dxx'-dyy') (5.5)

Observando (5.4) e (.55) tem-se que ((x, y)  (x', y'))  (c, d) = (x, y)  ((x', y')  (c, d))

Portanto é associativa.

Exercícios 5-1

1. Mostre que, para todo n  N tem-se n+1=1+n.

2. Mostre que a relação + : N  N  N é comutativa; isto é para todo m, n  N temos que m + n = n + m.

3. Mostre que m + n  m para todo m, n  N+.

4. Mostre que, dados m, n  N tais que m=n, então m+r=n+r para todo r  N.

5. Mostre que < em N ^+ é uma relação transitiva, mas não é reflexiva nem simétrica.

6. Mostre que n  0, para todo n  N.

7. Demonstre que para qualquer m, n  N, uma e somente uma das proposições:

(a) m = n, (b) n > m, (c) m > n

é verdadeira. (Lei de tricotomia)

8. Demonstre que se, m, n  N e n>m, então, para cada p  N, n+p > m+p e reciprocamente.

9. Mostre que:

a) (m + n) (p + q) =(m p+ m q)+(n p+n q)

b) m (n+p) q=(m n) q+m(p q)

c) m* + n* = (m+n)*+1

d) m* n* = (mt n)*+m + n

10. Sejam m, n, p, q  N e defina m n pq = (m n p) q: (a) Mostre que nesta igualdade, podemos inserir parênteses à vontade. (b) Prove que m(npq) = m n + m p + m q.

11. Identifique S = { x /. x  N, n^* > x > n para todo n  N }.

12. Se m, n, p, q  N e se n > m e q > p, mostre: (a) n+q > m+p, (b) q n > m p.

13. Sejam m, n  N. Mostre que (a) Se m = n, então n < h^* m para todo h  N. (b) Se h* + m = n para algum h  N, então n > m.

14. Para m, n  N mostre que: (a) n2 > m n > m2, (b) m2+n2 > 2m n

15. Mostre que, se o produto de n números positivos é igual a 1 (um), a soma dos mesmos não é menor que n.

16. Para todo m  N, defina m1= m e mp+1 = mp m desde que mp esteja definido. Se m, n, p, q  N prove que:

a) mp mq = mp+q b) (mp)q = m^{p q} c) (m n)p = mp np

17. Utilizando o princípio de indução matemática, mostre cada um dos seguintes enunciados:

1.} 6 (1^2+2^2+3^2+ . . . + n^2 ) = n(n+1)(2n+1)  n  N, n  0

2.} 4[1^3+2^3+3^3+ . . . + n^3] = n^2(n+1)^2  n  N, n  0

3.} 2[1+4+7+ . . . + (3n-2)] = n(3n-1)  n  N, n  0

4.} 3 [12+32+52+ . . . + (2n-1) 2] = n(4n2-1)  n  N, n  0

5.} 2 [2 + 5 + 8 + . . . + (3n-1)] = n(1+3n)  n  N, n  1

6.} 20 + 21 + 22 + . . . + 2n-1 = 2n – 1  n  N, n > 1

7.} 3 [1  2 + 2  3 + 3  4 + . . . + n(n+1)] = n(n+1)(n+2)  n  N, n  0.

18. Mostre que, se a, b  N tais que b  a e a  0, então uma das seguintes igualdades cumpre: 1. a = qb 2. a = qb + r, r < b, onde q, r  N.

19. Se n  N, o fatorial do número n é denotado n!, e definido do modo seguinte:

0! = 1 , 1! = 1 e quando n > 1 define-se n! = 1  2  3  4  5  . . . (n-1)  n ou n! = n(n-1)(n-2)(n-3) . . . 4  3  2  1. Mostre que:

1. 2^{n-1}  n!  n  N.

2. 2^n < n! < n^n para  n  N n  4.

20. Mostre a desigualdade: (n+1)2 > 22 n ! para n  N sendo n  2.

21. Mostre que todo subconjunto não vazio A  N possui um primeiro elemento, isto é, um elemento n0  A tal que n0  n para todo n  A.


 

Grupo EUMEDNET de la Universidad de Málaga Mensajes cristianos

Venta, Reparación y Liberación de Teléfonos Móviles
Enciclopedia Virtual
Biblioteca Virtual
Servicios
 
Todo en eumed.net:

Congresos Internacionales


¿Qué son?
 ¿Cómo funcionan?

 

15 al 29 de
julio
X Congreso EUMEDNET sobre
Turismo y Desarrollo




Aún está a tiempo de inscribirse en el congreso como participante-espectador.


Próximos congresos

 

06 al 20 de
octubre
I Congreso EUMEDNET sobre
Políticas públicas ante la crisis de las commodities

10 al 25 de
noviembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Migración y Desarrollo

12 al 30 de
diciembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Economía y Cambio Climático

 

 

 

 

Encuentros de economia internacionales a traves de internet


Este sitio web está mantenido por el grupo de investigación eumednet con el apoyo de Servicios Académicos Internacionales S.C.

Volver a la página principal de eumednet