BIBLIOTECA VIRTUAL de Derecho, Economía y Ciencias Sociales


FUNDAMENTOS DA MATEMÁTICA

Christian Q. Pinedo



Esta página muestra parte del texto pero sin formato.

Puede bajarse el libro completo en PDF comprimido ZIP (264 páginas, 1.49 Mb) pulsando aquí

 

 

4.6 CARDINALIDADE DE UM CONJUNTO

Definição 4.27 Cardinalidade.

Define-se a cardinalidade de um conjunto A , como a número de elementos que pertencem ao conjunto A .

Denotamos a cardinalidade de um conjunto A por card(A) ou o(A) , e se lê “cardinalidade de A” ou “número de elementos de A”.

Observe que a cardinalidade de um conjunto A , sempre é menor ou igual que a cardinalidade do conjunto P(A).

Exemplo 4.57

• Seja o conjunto A = { 1, 0, 3 } , então o(A) = 3

• Seja B = { -1, 0, 1, 3, 8 } então o(B) = 5

• Seja A = { } , então o(A) = 0

• Seja A = { 1, 2, 3, 4, 5, 6, . . . , n } , então o(A) = n

• Seja A = {  } , então o(A) = 1

Exemplo 4.58

Sejam A e B dois subconjuntos finitos de um conjunto universal U. Demonstrar que:

1. o(A  B)= o(A) + o(B) - o(A  B) .

2. Deduzir fórmulas para A  B =  e A  B .

3. Determine uma fórmula para o(A B C) , onde A , B e C são subconjuntos finitos quaisquer de U.

Solução. (1)

Suponhamos A = { a1, a2, a3, a4, . . . , an } onde todos os a_i são distintos, para i = 1, 2, 3, 4, 5, 6, . . . , n e B = { b1, b2, b3, b4, . . . , bm } onde todos os bi são distintos, para i = 1, 2, 3, 4, 5, . . . , m , logo o(A) = n e o(B)= m .

Suponhamos que A  B   e que o(A  B) = r  1 , então isto implica que em A existem r elementos iguais aos que existem em B ; suponhamos por exemplo que sejam a_1 = b_1, a_2= b_2, a_3 = b_3, . . . , ar = br , logo podemos escrever os elementos do conjunto A e B do seguinte modo:

A = { a1=b1, a2=b2, a3=b3, a4=b4, . . . , ar = br , ar+1, ar+2 . . . an }

r elementos n-r elementos

B = { a1=b1, a2=b2, a3=b3, a4=b4, . . . , ar = br, br+1, br+2 . . . bm }

r elementos m-r elementos

É claro que o(A)= r + (n - r) e o(B)= r + (m - r)

Por outro lado, A  B = { ar+1, ar+2 . . . an , a1=b1, a2=b2, a3=b3, a4=b4, . . . , ar = br, br+1, br+2 . . . bm } .

Logo o(A  B) = (n-r)+ r +(m-r) = n + m - r = o(A) + o(B) - o(A  B)

Portanto, o(A  B)= o(A) + o(B) - o(A  B)

Solução. (2)

Como A  B = , então o(A  B) = 0 ; logo o(A  B)= o(A) + o(B)

Quando A  B , podemos escrever B = A  (B-A) e como A  (B-A) =  , segue que o(B) = o(A) + o(B-A) , assim o(B - A) = o(B) - o(A).

Solução. (3)

A B C = (A B)  C , então:

o(A B C) = o((A B)  C )= o(A  B) + o(C) - o((A  B)  C) (4.1)

Por outro lado, (A  B)  C = (A  C)  (B  C) , logo

o((A  B)  C)) = o(A C) + o(B C) - o(A B C) (4.2)

Do fato:

o(A C) = o(A) + o(C) - o(A  C) e o(B C) = o(B) + o(C) - o(B  C)

segue em (4.2) que:

o((A  B)  C)) =

= [o(A) + o(C) - o(A  C)] + [ o(B) + o(C) - o(B  C)]-o(A B  C) =

= o(A) + o(B) + 2[o(C)] - o(A  C) - o(B  C) - o(A  B C) ,

de onde, em (4.1) vem que:

o(A  B  C) = o(A) + o(B) + o(C) - o(A  C) - o(B  C) - o(A  B) - o(AB C)

4.6.1 Conjuntos enumeráveis.

Denotemos N (n) = { k N /. k n }

Definição 4.28 Conjunto finito.

Dizemos que um conjunto A é finito, se A =  ou se, existe n N tal que a aplicação f : N (n)  A seja uma bijeção.

Propriedade 4.9

Sejam m, n N. Se existe uma bijeção f : N (m)  N (n) , então m = n

Demonstração.

Suponhamos que n= 1, então temos a aplicação f: N(m)  N(1)= {1} definida por f(x) = 1 para todo x N(m) . Pelo fato ser f uma bijeção segue-se que existe um único x N(m) .

Se m  1 , existe y  x para o qual f(y) = 1 . Isto contradiz o fato ser f biunívoca. Portanto, m = 1

Suponhamos a propriedade seja verdadeira para n N.

Se para n N a aplicação f: N(m)  N(n+1) é uma bijeção, então m  1 ; caso contrário f(N(m)) = f(N(1)) = {f(1)} e em N(n+1) teríamos somente elementos distintos de f(1) que não estão na imagem de f , além disso f(x)=n+1 para um único x N(m) .

A aplicação g:(N(m)-{x})  N(n) definida por g(k) = f(k) se k N(m) está bem definida, e é bijetiva.

Definimos h(k) = k se k < n e h(k) = k+1 se, x < k  m-1 também está bem definida e é bijetiva. De modo que, pela hipótese de supor que a propriedade é verdadeira para n N e sabendo que a composições de aplicações bijetivas é bijetiva, então: goh: N (m-1)  N (n) é uma bijeção. Isto obriga que m = n+1 .

Definição 4.29 Conjunto enumerável.

Um conjunto A diz-se enumerável, quando é finito ou quando podemos estabelecer uma aplicação bijetiva f: N  A .

Caso exista a aplicação f , dizemos que o conjunto A é infinito enumerável, e seus elementos podemos relacionar como segue: f(1)=a1, f(2)=a2, f(3)=a3, f(5)=a5, . . . , f(n)=an, onde n N e A = { a1, a2, a3, a4, . . . , an }

Exemplo 4.59

• O conjunto dos números naturais pares é infinito enumerável; é suficiente definir f: N  N como sendo f(n) = 2n .

• O conjunto dos números naturais ímpares é infinito enumerável; é suficiente definir g: N  N como sendo g(n) = 2n-1 .

• O conjunto dos números inteiros é infinito enumerável; é suficiente definir a aplicação h: N  Z pela lei.

• h(n) =

Um bom exemplo de conjunto não enumerável é o conjunto dos números reais R ; isto mostraremos posteriormente.

Intuitivamente definimos no Capítulo III Seção 1 a cardinalidade de um conjunto, lembre que dois conjuntos A e B tem o mesmo cardinal, e escrevemos card( A ) = card( B ) para significar que existe uma bijeção f:A  B .

Logo se A for infinito enumerável, tem-se que card( A ) = card( B ) se, e somente se, B for infinito enumerável.

Dados os conjuntos A e B , diremos que card( A ) < card( B ), quando existir uma aplicação f:A  B somente biunívoca mas não sobrejetiva.

Definição 4.30 Conjuntos equipotêntes.

Dizemos que dos conjuntos A e B são equipotêntes se eles têm o mesmo cardinal, e denotamos A  B .

Por exemplo, todos os conjuntos infinitos enumeráveis são equipotêntes com N .

Dizemos que um conjunto A tem cardinal do contínuo, se A é equipotêntes com R .

Exemplo 4.60

Os seguintes conjuntos tem o cardinal do continuo:

i) Qualquer subintervalo de R .

ii) O conjunto dos números complexos C .

iii) Qualquer espaço vetorial de dimensão finita sobre R .

O Axioma (3.4) é necessário para demonstrar alguns resultados básicos da teoria de conjuntos como são por exemplo os teoremas (sem demonstração):

Propriedade 4.10 Teorema de Bernstein.

( A, B) (C(A)  o(A)  o(B)  o(B)  o(A)  A  B)

Propriedade 4.11 Teorema de Cantor.

( A) (C(A)  0(A)  o(P(A))

É importante mencionar o seguinte paradoxo da teoria de conjuntos.

4.6.2 Paradoxo de Cantor.

“Seja C o conjunto de todos os conjuntos. Então todo subconjunto de C é um elemento de C; logo, o conjunto potência denotado P(C) é um subconjunto de C ; porém, isto implica que a cardinalidade do conjunto potência seja menor ou igual a cardinalidade de C”.

Segundo a propriedade (Teorema de Cantor), a cardinalidade de C deve ser menor que a cardinalidade do conjunto potência P( C) .

Assim, o conceito de conjunto de todos os conjuntos leva a uma contradição.

Em geral, para todo conjunto finito A tem-se que:

card(A) < card(N+) < card(R)

A hipótese do contínuo diz:

Não existe conjunto A tal que:

“Cardinalidade do enumerável < card(A) < cardinalidade do contínuo”

Exercícios 4-2

1. Dada uma família A de conjuntos, seja R a relação definida em A por “x é disjunto de y”. Dizer se R é: a) reflexiva; b)simétrica ; c) anti-simétrica ; d) transitiva.

2. Mostre que A  A é uma relação de equivalência em A .

3. Determine as quinze partições diferentes do conjunto A = { 1, 2, 3, 4 }

4. No conjunto Z considere a relação a R b definida por a R b  a.b  0 . Determine se R define uma relação de equivalência sobre Z .

5. Seja A = { a, b, c, d, e, f } e R = { (a, a), (a, d), (b, b), (b, c), (b, f), (c, b), (c, c), (c, f), (d, a), (d, d), (e, e), (f, b), (f, c), (f, f) } e uma relação de equivalência. Determine as classes de equivalência e verifique que formam uma partição de A .

6. Suponha que A1 = { 1, 2, 4 } é uma classe de equivalência com respeito a uma relação de equivalência em um conjunto A . Determine os elementos que pertencem à relação de equivalência para que A1 seja subconjunto de A.

7. Se A = { a, b, c, d, e } particionamos da seguinte maneira: A1 = { a } , A2 = { b, d } , A3 = { c } e A4 = { e } . Determine a relação de equivalência que induzem estes quatro subconjuntos.

8. Dado B = { 1, 2, 3, 4, 5, 6 } determine se as seguintes famílias determinam uma partição de B .

1. { {1, 3, 5}, {2, 4 }, {3, 6} } 2. { {1, 5}, {2}, {4}, {1, 5}, {3, 6} }

3. { {1, 5}, {2}, {3, 6} } 4. { {1, 2 3, 4, 5} }

9. Dado o conjunto N  N e R ={ ((a, b), (c, d))  (N  N )2 /. ad = bc } . Mostre que R é uma relação de equivalência e, portanto induz uma partição de N  N.

10. Dado o conjunto N  N e R ={ ((a, b), (c, d))(N  N )2 /. a + d = b + c }. Mostre que R é uma relação de equivalência e, portanto induz uma partição de N  N.

11. Seja A = { 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7 }determine se as seguintes famílias de conjuntos são ou não partições:

1. B={B1 = { 1, 3, 5 }, B2 = { 2 }, B3 = { 7, 4 }}

2. C={C1 = { 1, 5, 7 }, C2 = { 3, 4 }, C3 = { 2, 5, 6 }}

3. D={D1 = { 1, 2, 5, 7 }, D2 = { 3 }, D3 = { 4, 6 }}

4. E={E1 = { 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7 } }

12. Determine se as seguintes relações são de equivalência:

1. A = { a /. a = (x, y)  Z2 ,  x < y }

2. B = { a /. a = (x, y)  Z2 ,  x  y }

3. C = { a /. a = (x, y)  Z2 ,  x  y (mod 3) }

13. Demonstrar que E = { (0, 0), (1, 1), (2, 2), (3, 3), (0, 2), (1, 3), (2, 0), (3, 1) } é uma relação de equivalência em A = { 0, 1, 2, 3 } . Achar as classes de equivalência cl(0), cl(1), cl(2), cl(3) .

14. Seja A = { a /. a = (x, y)  Z2 onde x - y é divisível por 3 } . Mostre que A é uma relação de equivalência em Z e achar as distintas classes de equivalência.

15. Sejam f: A  B, g: B  C e h: C  D. Demonstre que (hog)of = h o(gof).

16. Sejam os conjuntos A = {1, 2, 3} e B = { a, b } . Quantas aplicações diferentes de A em B existem, e quais são?

17. Dadas as aplicações f1, f2, f3 e f_4 , determine quais são biunívocas em R

1. f1(x) = x2 2. f2(t) = t+2 3. f3(s) =

4. f4 correspondendo a cada número seu quadrado.

18. Dadas as seguintes aplicações, determine quais são biunívocas. Justifique sua resposta.

1. A cada pessoa que habita Pato Branco, corresponde o número de seus anos.

2. A cada cidade de Brasil, corresponde o número de seus habitantes.

3. A todo livro escrito somente por um autor, assiná-lê o autor.

19. Pode uma aplicação biunívoca ser constante? Justifique sua resposta.

20. Pode uma aplicação sobrejetiva ser constante? Justifique sua resposta.

21. Dar um exemplo de:

1. Uma aplicação de N a um subconjunto próprio de N que não seja uma bijeção.

2. Uma injeção de N a um subconjunto próprio de N .

3. De Z a um subconjunto próprio de Z, que não seja injeção.

4. Uma injeção de Z a um subconjunto próprio de Z.

5. Uma aplicação de R a N .

6. Uma aplicação de R a N tal que para todo x  R, f(x)  x

22. Seja R uma relação de equivalência em um conjunto A. Mostre que o conjunto quociente A/ R é uma partição de A. Isto é, mostre que:

a) a  [a],  a  A .

b) [a] = [b]  (a, b)  R .

c) Se [a]  [b]  [a] e [b] são disjuntos.

23. Dar um exemplo de uma aplicação para cada item:

1. De um subconjunto próprio de N para N que não seja bijeção.

2. De uma injeção, de um subconjunto próprio de N para N .

3. De um subconjunto próprio de Z a Z , que não seja injeção.

4. De uma injeção de um subconjunto próprio de Z para Z.

5. De uma aplicação de N a R .

6. De uma aplicação de N a R tal que para todo f(x)  x .

24. Resolva cada um dos seguintes exercícios:

1. Dadas as aplicações f(x) = x2-1 e g(x) = 2x ,calcule f[g(x)] e g[f(x)] .

2. Dadas as aplicações f(x)=5x e f[g(x)] = 3x + 2 ,calcule g(x) .

3. Dadas as aplicações f(x) = x2 + 1 e g(x) = 3x -4 , determine f[g(3)] .

25. Se f é uma bijeção de A sobre B . Existe uma aplicação inversa de f escrita f^* , que é uma bijeção de B sobre A ?

26. Seja f:A  B uma aplicação bijetiva; demonstre que as seguintes proposições são verdadeiras:

1. C  f*(f(C)) para todo subconjunto C de A .

2. f(f*(D))  D para todo subconjunto D de B .

27. Sejam f:A  B uma aplicação, e A1 e A2 subconjuntos de A , demonstre as seguintes relações:

1. A1  A2  f(A1)  f(A2) . 2. f(A1  A2) = f(A1)  f(A2)

3. f(A1  A2)  f(A1)  f(A2) 4. f(A1) - f(A2)  f(A1 - A2)

28. . \item Sejam f:A  B uma aplicação, e B1 e B2 subconjuntos de B , demonstre as seguintes relações:

1. B1  B2  f^*(B1)  f^*(B2) 2. f*(B1  B2) = f*(B1)  f*(B2) .

3. f*(B1  B2) = f*(B1)  f*(B2) 4. f*(B1) - f*(B2) = f*(B1 - B2) .

29. Seja f:A  B uma aplicação; a igualdade das imagens por f no conjunto de chegada B implica a equivalência dos elementos do conjunto de partida em A ? Isto é x1  x2  f(x1) = f(x2) (equivalência em A  igualdade em B )

30. Seja f: A  N , onde A = { -3, -2, -1, 0, 1, 2, 3 } e f(x) = . Determine uma partição para A.

31. Mostre que a aplicação composta gof das aplicações biunívocas f:A  B e g: B  C é uma injeção de A  C .

32. Mostre que a aplicação composta gof das aplicações sobrejetivas f:A  B e g:B  C é sobrejetiva de A  C .

33. Mostre que a aplicação composta gof das aplicações bijetivas f:A  B e g:B  C é uma bijeção de A  C .

34. Para todo subconjunto B de um conjunto A, definimos a aplicação característica B de B , como a aplicação do conjunto B ao conjunto { 0, 1 } definida por: B(x) = 0 se x  B e B(x) = 1 se x  B . Para A = { a, b, c } e B= { b, d } , construir o gráfico de B(x) .

Calcule 1 - B(x) para todo x  A . Qual é o subconjunto de A que admite por aplicação característica a aplicação , definida por (x) = 1 - B(x)?

35. Sejam A = { a, b, c, d, e }, B= { a, b, c }, C={ b, c, e } e B(x) a aplicação característica de B . Para todo x  A , calcule:

1. B(x).C(x) 2. BB(x) + C(x) - B(x).C(x) .

36. Mostre que a relação: R ((x1, y1), (x_2, y_2))  x1y1(x22-y22)= x2y2(x12-y12) .

37. Definida sobre S = {(x, y)  RR / x  0, y  0 } é uma relação de equivalência.

38. Para a relação R da pergunta anterior.

Seja (a, b) um elemento fixo de S , mostre que:

R ((x, y), (a, b))  = ou = -

Miscelânea 4-1

1. Seja A  . Será  o gráfico de uma relação binária sobre A ?. Se sua resposta for afirmativa, será esta relação reflexiva? Transitiva? De equivalência?

2. Idem ao exercício anterior para o conjunto A = .

3. Sejam A = { a, b } e B = { {a}, {a, b},  } . Determinar o gráfico da relação R entre os elementos x  A e y  B , onde R(x, y) ; “x é elemento de y”.

4. Sejam E = { a, b, c } e F = E . Determinar o gráfico G  E  F da relação R , onde R(x, y) ; “x não é elemento de y”.

5. Seja E={ a, b } . Determinar o gráfico da relação binária R definida sobre P(E) , onde R (x, y) ; “x está contido em y”.

6. Seja R a relação “x+y=0” e R está definida sobre E={ 1, , -3, 0, 3, } . Determinar o gráfico de R.

7. Seja R uma relação em N definida por: a R b  a2 -b2 = 7k,  k  Z . Mostre que R é uma relação reflexiva e simétrica.

8. Mostre que a relação R definida sobre R por: (x, y)  R  x2 - y2 = 2(x-y) é uma relação simétrica e transitiva.

9. Mostre que se f é uma bijeção de A em B, então f o f* = 1_B e f* o f = 1_A

10. Seja F = { f : A  B /. f é aplicação } e seja G = { g : B  A /. g é aplicação }. Mostre que, se existe uma aplicação h  G , tal que f o h = 1_B então, a aplicação f  F é sobrejetiva.

11. Mostre que, se existe uma aplicação g  G , tal que gof = 1_A então, a aplicação f  F é biunívoca.

12. Mostre que, se f: A  B e g: B  C são aplicações bijetivas, então (g o f)* = f* o g* .

13. Mostre que S3, o conjunto de todas as aplicações bijetivas de {x1, x2, x3 } em si mesmo, tem seis elementos.

14. Sejam X, Y, X subconjuntos de A, suponhamos aplicação f:P(A)  P(A) tal que X  Y  f(X)  f(Y) e f(f(X))=X . Mostre que f( X) = f(X) e f( X) = f(X) .

15. Dadas as famílias {A}L e {B}M forme duas famílias com índices em LM considerando os conjuntos:

(A  B)( , )  LM e (A  B)(,) LM

16. Prove que se tem:

1. ( A)  ( B) = (A  B)

2. ( A)  ( B) = (A  B)

17. Seja {Aij}(i, j)  N+  N+ uma família de conjuntos com índices em N+  N+, prove ou desaprove por contra-exemplo, a igualdade:

( Aij) = ( Aij)

18. Mostre que todo subconjunto A  N finito é limitado.

19. Mostre que todo subconjunto A  N é enumerável.

20. Mostre que, se  : A  B é biunívoca e B é enumerável então, A é enumerável.

21. Mostre que toda seqüência infinita a1, a2, a3, . . . an . . . de elementos distintos é enumerável.

22. Mostre que o conjunto N+  N+é enumerável.

23. Mostre que o conjunto N  N é enumerável.

24. Mostre que se  : A  B é sobrejetiva e se A é enumerável então, B também é enumerável.

25. Sejam A e B conjuntos enumeráveis. Mostre que o produto cartesiano A  B é enumerável.


 

Grupo EUMEDNET de la Universidad de Málaga Mensajes cristianos

Venta, Reparación y Liberación de Teléfonos Móviles
Enciclopedia Virtual
Biblioteca Virtual
Servicios
 
Todo en eumed.net:

Congresos Internacionales


¿Qué son?
 ¿Cómo funcionan?

 

15 al 29 de
julio
X Congreso EUMEDNET sobre
Turismo y Desarrollo




Aún está a tiempo de inscribirse en el congreso como participante-espectador.


Próximos congresos

 

06 al 20 de
octubre
I Congreso EUMEDNET sobre
Políticas públicas ante la crisis de las commodities

10 al 25 de
noviembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Migración y Desarrollo

12 al 30 de
diciembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Economía y Cambio Climático

 

 

 

 

Encuentros de economia internacionales a traves de internet


Este sitio web está mantenido por el grupo de investigación eumednet con el apoyo de Servicios Académicos Internacionales S.C.

Volver a la página principal de eumednet