USO EFICIENTE DA ÁGUA: ASPECTOS TEÓRICOS E PRÁTICOS

USO EFICIENTE DA ÁGUA: ASPECTOS TEÓRICOS E PRÁTICOS

Organizador: José Dantas Neto

Volver al índice

 

 

CAPÍTULO 4. USO EFICIENTE DA ÁGUA EM INDÚSTRIAS

Maria de Fátima Nóbrega Barbosa

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Recursos Naturais/Universidade Federal de Campina Grande, PB/BRASIL

Antônio Gláucio de Sousa Gomes

Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Recursos Naturais/Universidade Federal de Campina Grande, PB/BRASIL

José Dantas Neto

Professor Dr. em Agronomia UNESP/SP/BRASIL

1 INTRODUÇÃO

A escassez de água representa um problema de extrema importância no sentido de ser tema de discussão, em fóruns nacionais e internacionais, das possíveis alternativas para solucionar e/ou minimizar essa problemática, seja em nível local, regional e até global. A escassez de água atinge regiões de todo o planeta, dessa forma, torna-se imprescindível que qualquer experiência relativa ao uso eficiente desse nobre recurso natural seja levada a outras regiões como forma de disseminar e até conscientizar outras nações da importância de se preservar a qualidade desse bem, que outrora se pensou tratar-se de um recurso infinito.

Levando em consideração essa preocupação, o texto ora em apreciação tem por escopo abordar aspectos conceituais e práticos do uso eficiente da água ligado ao setor industrial. Assim, num primeiro momento serão feitas explanações sobre alguns aspectos conceituais e técnicos do uso eficiente da água em indústrias, posteriormente serão apresentadas algumas experiências de indústrias brasileiras que implantaram sistemas de uso eficiente de água em seus processos produtivos com resultados sustentáveis.

2 USO EFICIENTE DA ÁGUA: CONCEITOS

As discussões em relação ao uso eficiente da água tem gerado muitas visões sobre a dimensão do que representa para diferentes correntes do pensamento o que venha a ser o uso eficiente desse recurso. Dessa forma, antes de abordar o uso eficiente da água na indústria, necessário se faz tecer algumas considerações acerca de alguns conceitos do que seja o uso eficiente da água tomando como referência alguns autores que em momentos oportunos teceram comentários sobre o tema em comento.

Os conceitos a seguir foram extraídos das discussões travadas em outubro de 1991 na Cidade do México, quando profissionais de áreas e países diversos se reuniram para a realização de um Seminário Internacional sobre o uso eficiente da água, tendo como resultado desse encontro a Declaração do México sobre os rumos que deveriam ser dispensados a água para o benefício de todos.

As conceituações a seguir foram organizadas de acordo com Velasco (1991) e podem ser explanadas da seguinte forma.

Para J. Bau (1991, p.1) o uso eficiente da água implica ações como:

Captar água da chuva em recipientes para usos domésticos ou construir uma represa; recarregar um aqüífero ou usar água de menor qualidade para preservar água de boa qualidade; reduzir a demanda de água mediante o melhoramento dos hábitos pessoais, a redução dos desperdícios e o pagamento de tarifas adequadas; aproveitar o desenvolvimento da tecnologia e das técnicas de administração da água; coordenar o manejo dos recursos hidráulicos com o da terra e os aspectos econômicos e sociais; ou promover normas e regulações.

Pelo exposto percebe-se tratar de um conceito ampliado para o uso eficiente da água, uma vez que aborda várias dimensões, como a tecnológica, a social, a econômica, a política.

Outros autores, porém, apresentam uma conceituação mais direcionada para um aspecto específico coma a de Walker, Richardson e Sevebeck (1991) que afirmam que o uso eficiente da água está ligado ao seu melhor aproveitamento no sentido de garantir maior eficiência em seu uso.

Por sua vez, Arreguín (1991) diz que o uso eficiente representa otimizar o uso da água, bem como de sua infra-estrutura com a participação forte dos usuários atrelado ao princípio da equidade social.

Para S. Gloss (1991) atingir o uso eficiente implica atingir várias dimensões, tais como: uma eficiência absoluta, que significa levar em consideração a menor quantidade de água necessária a um determinado uso; uma eficiência econômica significando utilizar-se da água com os maiores benefícios econômicos; uma eficiência social que tem por escopo levar seus benefícios a um maior número de usuários numa comunidade; uma eficiência ecológica, tendo como prioridade assegurar a conservação dos recursos naturais; uma eficiência institucional, dando poderes a uma instituição para gerenciar as tarefas relacionadas ao uso da água.

Este conceito ganha expressividade, uma vez que aborda várias perspectivas, especialmente a social, econômica, institucional e ecológica que futuramente vão estar expressas nos princípios que irão nortear a Agenda 21, documento que resultou da Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, realizada no Rio de Janeiro, Brasil, em 1992 onde foram discutidas as ações que deveriam ser colocadas em prática por autoridades governamentais em todo o mundo no sentido de se alcançar o desenvolvimento sustentável.

As recomendações gerais extraídas desse evento apontaram algumas medidas que devem ser levadas em consideração no sentido de se utilizar a água de forma eficiente. Em relação ao aspecto técnico, as recomendações foram no sentido de se normalizar e certificar a qualidade dos materiais, bem como as equipes utilizadas nos sistemas hidráulicos; no aspecto administrativo a recomendação foi no sentido de descentralização das instituições que cuidam dos serviços de abastecimento da água; no aspecto social a diretiva é no sentido de promover o acordo entre usuários e instituições de governo como forma de propiciar a participação organizada dos usuários visando o ressarcimento dos custos de forma eqüitativa entre esses atores sociais.

Especificamente para o setor industrial as recomendações foram: “desenvolver e implantar processos industriais que consumam menos água e reduzam a demanda de energia; cobrar o custo real do abastecimento de água; induzir as indústrias a que tratem e reciclem seus efluentes” (VELASCO, 1991, p. 3).