USO EFICIENTE DA ÁGUA: ASPECTOS TEÓRICOS E PRÁTICOS

USO EFICIENTE DA ÁGUA: ASPECTOS TEÓRICOS E PRÁTICOS

Organizador: José Dantas Neto

Volver al índice

 

 

5.7 EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RESIDÊNCIAS RURAIS DA PARAÍBA

Diversos indivíduos, ao pensar a educação ambiental, relacionam-se somente a essa, não percebendo muitas vezes a amplitude de seu significado e esquecendo que o próprio homem é a natureza, uma vez que se transforma, sofrendo ações do meio, de si mesmo e do outro (PIRES; RIBES, 2005).

É interessante lembrar que o Governo Federal Brasileiro já havia afirmado que a educação ambiental deve capacitar o educando ao pleno exercício da cidadania, e que a tendência natural seja de que essa educação se transforme em educação política, entendendo que o fundamento da degradação ambiental não está na ignorância dos processos ecológicos da natureza, mas sim no estilo predatório da apropriação dos recursos naturais que encontra paralelo na apropriação da mão-de-obra da classe trabalhadora. A concepção de educação ambiental não é neutra, é ideológica. Ela deve ser definitivamente compreendida como uma educação política, preparando cidadãos capacitados a entender o porquê fazer algo, não se detendo apenas no como fazer, ou seja, enfatizando o componente reflexivo, tão importante quanto o ativo (REIGOTA, 2001).

Silva et al. (2006) avaliaram ações em educação ambiental junto às comunidades rurais do semi-árido paraibano beneficiadas com cisternas. O trabalho foi desenvolvido através de três etapas: a) na primeira etapa foram realizadas visitas com conversas informais com o intuito de apresentar o projeto e conhecer as famílias; b) na segunda etapa foram realizadas entrevistas semi-estruturadas com os representantes das 70 famílias das duas comunidades; c) a terceira etapa constitui-se de dez encontros com execução de ações de educação ambiental.

Como resultados as autoras concluíram que as ações em Educação Ambiental permitiram sensibilização de grande parte das famílias trabalhada, mas foram insuficientes para provocar a mudança de hábitos e que sem o processo de Educação Ambiental não será possível o uso adequado das águas de cisternas.