Tesis doctorales de Economía

 

TURISMO, CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO: UMA ANÁLISE URBANO-REGIONAL BASEADA EM CLUSTER

Jorge Antonio Santos Silva

 

 

 

Esta página muestra parte del texto pero sin formato.

Puede bajarse la tesis completa en PDF comprimido ZIP (480 páginas, 2,35 Mb) pulsando aquí

 

 

 

 

4 UM LEVANTAMENTO TENDO COMO OBJETO A HOTELARIA DE SALVADOR

4.1 Aspectos metodológicos do trabalho empírico

Tendo em vista que a hotelaria pode ser considerada como o setor mais tradicionalmente “turístico”, em certa medida homogêneo e dotado de identidade própria, constituido para prestar serviços de hospedagem e hospitalidade a clientes majoritariamente não residentes no local onde estão instalados os equipamentos hoteleiros, ela deve desempenhar, dada sua importância e nível orgânico, um papel de liderança na dinâmica do turismo de uma determinada localidade.

Destacando portanto, a relevância assumida pela hotelaria na estrutura receptiva de destinos turísticos, se analisa neste capítulo os resultados de um trabalho empírico realizado com o objetivo de detetar o perfil da rede hoteleira de Salvador, capital do Estado da Bahia, bem como levantar e mensurar alguns indicadores da sua contribuição para o nível de eficiência econômica do turismo para a cidade.

Poderia se ter optado por um outro setor da estrutura produtiva da economia da cidade de Salvador cujas atividades se dirigissem majoritariamente ao atendimento e consumo de visitantes, a exemplo da operação e agenciamento de turismo, dos restaurantes ou de algum segmento mais específico das atividades de entretenimento, porém, a disponibilidade de informações e estatísticas foi um fator que exerceu forte influência na escolha realizada, além de ter ficado explícito no marco teórico referencial que a hotelaria se constitui uma das áreas mais bem delimitadas dentre tantas que integram a ampla “oferta turística”, e, por esta razão, se presta com mais facilidade a estudos e análises.

O questionário utilizado no levantamento de campo, teve sua aplicação prevista apenas para os meios de hospedagem (MHs) do tipo hotel, classificado e assemelhado, que estivessem integrando a base de dados ativa da Empresa de Turismo da Bahia S/A – BAHIATURSA, Órgão Oficial do Turismo da Bahia, ou seja, que estivessem enviando regularmente suas informações de natureza quantitativa, através dos boletins de ocupação hoteleira (BOHs). O levantamento teve início em outubro de 2000, com os MHs alvos somando um total de 50 (cinquenta) hotéis (Tabelas 4.1 e 4.2, p. 408-409).

Cabe aqui um esclarecimento quanto à qualificação dos hotéis como classificados e assemelhados. Os hotéis classificados são aqueles que detinham esta condição segundo os critérios do Instituto Brasileiro de Turismo - Embratur, válidos até 28 de fevereiro de 1997, quando “caiu” o então vigente sistema de classificação hoteleira, tendo sido mantidos nesta condição em função de análise e decisão da área técnica da Bahiatursa.

O conceito de hotéis assemelhados foi introduzido a partir de 1997, por essa mesma área técnica, para referir-se aos hotéis que, não sendo classificados até a data acima, através da pesquisa de “Atualização da Oferta dos Meios de Hospedagem de Salvador” realizada a cada dois anos pela Bahiatursa, obtiveram pontuação, em cada período de realização desta pesquisa, que os classificavam como “padrão A”, processando-se então o seu enquadramento, de acordo com cada faixa pré-estabelecida de pontuação, em uma correspondente categoria por quantidade de estrelas – de 1 a 5.

Tabela 4.1 Oferta de Unidades Habitacionais (UHs) e Leitos dos Hotéis

Classificados (1) e Assemelhados (2), por Categoria. Salvador - 2000 (3)

O questionário elaborado para efeito deste estudo, foi estruturado da seguinte forma: um bloco de Dados Gerais do Hotel - identificação e caracterização do meio de hospedagem (MH), um bloco sobre o Nível de Ocupação / Sazonalidade - taxas e periodicidade da ocupação do MH, um bloco sobre a Mão-de-Obra Utilizada - quantificação, perfil e qualificação dos recursos humanos empregados nos estabelecimentos pesquisados, e um bloco sobre a Estrutura de Receitas e Custos, central para o objeto deste estudo (Anexo 2, p. 473).

As informações relacionadas à identificação do estabelecimento, sua tipologia, categorização, capacidade de unidades habitacionais (UHs) e leitos, e a quantificação, distribuição e remuneração da mão-de-obra, referem-se ao ano de início do levantamento de campo, outubro de 2000.

Para subsidiar a análise do estudo da caracterização competitiva da hotelaria de Salvador, se procurou obter informações sobre a taxa de ocupação, período sazonal, faturamento, receita operacional, custo operacional e gastos com fornecedores, numa perspectiva evolutiva de tres anos, para 1997, 1998 e 1999. Visando identificar a origem ou destinação dos recursos para os itens faturamento e gastos com fornecedores se solicitou sua distribuição entre Salvador, Bahia, Outros Estados e Outros Países, apenas para o ano de 1999.

Se propunha, inicialmente, a examinar a estrutura de receitas e custos dos 50 hotéis informantes regulares da Bahiatursa em 2000, visando detetar a possível ocorrência de vazamentos ou fugas da economia de Salvador e da Bahia, propiciados pela saída para outros estados ou até outros países de significativos fluxos monetários, pela remuneração de capitais, mão-de-obra e insumos originados fora da base econômica municipal e estadual, o que poderia estar significando uma redução e a não retenção a nível local e regional de uma relevante parcela dos resultados econômicos gerados pelo turismo da Bahia, em sua capital Salvador, a partir de um importante e estratégico segmento de sua sustentação que é o setor hoteleiro.

Tal constatação poderia permitir sinalizar caminhos e medidas para reduzir tais vazamentos e maximizar a retenção local dos efeitos econômicos do turismo, argumentando-se com a necessidade de políticas setoriais do tipo “substituição de importações”, conducentes a um processo de desenvolvimento regional, sustentável, de base local – de caráter endógeno.

Problemas e dificuldades começaram a surgir quando a pesquisa foi a campo. Enquanto as informações de identificação, ocupaçào / sazonalidade e mão-de-obra foram prestadas no próprio mês de outubro de 2000, as que tratavam dos aspectos de faturamento e custos se fizeram objeto de intenso esforço de visitação, orientação e cobrança, que se arrastou até junho de 2001, quando se resolveu parar de insistir e dar a coleta por terminada.

Dos 50 hotéis que constituiam o universo inicial da coleta e do estudo, se obteve informações de 30 hotéis. Dos 20 restantes, sentiu-se uma forte resistência em fornecer tais informações, alguns, desde o primeiro contato, declararam que não iriam responder o que se pedia, outros foram justificando e adiando tanto que se resolveu não mais insistir e em vários, a maioria de pequeno porte, se percebeu não haver uma estrutura apropriada de conhecimento e controle sistematizado que permitisse responder o que o questionário pedia, de forma a se ter uma informação de qualidade.

Os 30 hotéis que responderam ao questionário, em seu conjunto e nos sub-conjuntos de análise, possuem uma representatividade amostral bastante significativa, em relação aos 50 que se pretendia de início estudar.

O perfil do conjunto desses hotéis será analisado no próximo item deste capítulo, em sua conformação geral, para o total dos 30 hotéis, e para os sub-conjuntos de análise assim definidos: por grupos de categoria dos MHs - 1 + 2 estrelas, 3 estrelas e 4 + 5 estrelas; e por tamanho do estabelecimento - pequeno porte (até 50 UHs), médio porte (de 51 até 100 UHs) e grande porte (acima de 100 UHs).

Os 30 hotéis que constituem a amostra do levantamento realizado, representam, em relação ao universo dos 50 hotéis: 2.542 UHs e 5.131 leitos, ou respectivos 62,2% e 58,1% (Tabelas 4.3 a 4.6, p. 413-416).

Para os sub-grupos que serão examinados no estudo, a representatividade da amostra também é significativa. Para os hotéis de 5 e 4 estrelas corresponde a 61% das UHs e a 55,1% dos leitos, para os de 3 estrelas, 71,1% e 69,4%, e para os de 2 e 1 estrelas, 45,1% e 42,9%, respectivamente. Para os hotéis considerados de grande porte - mais de 100 UHs, a representatividade é de 63,4% para as UHs e 56,6% para os leitos, para os estabelecimentos de médio porte - 51 a 100 UHs, corresponde a 69% para as UHs e a 67,2% para os leitos, e para os de pequeno porte - até 50 UHs, situa-se em 48% para as UHs e em 48,8% para os leitos.

Tabela 4.3 Amostra de Unidades Habitacionais (UHs) e Leitos dos Hotéis Classificados

Examinando-se os questionários respondidos pelos 30 hotéis integrantes da amostra, constatou-se que eles não o fizeram de modo 100% correto e completo, comprometendo o nível de segurança e precisão que pudesse permitir a realização de um estudo quantitativo mais acurado da estrutura de receitas e custos e dos impactos dos vazamentos da economia local que tal estrutura estaria propiciando e assim não se teria condições de certeza para concluir-se em que dimensão estaria sendo afetada a eficiência do turismo na economia da Bahia, a partir de Salvador (Tabela 4.7, p. 417).

Tabela 4.7 Quantidade de Hotéis que não Informaram Questões. Salvador – 2000

Fonte: Elaboração nossa, a partir de levantamento efetuado nos questionários.

Porém, tais problemas e dificuldades acabaram por reconduzir e ampliar o foco e o conteúdo do estudo, devido ao fato de que as informações obtidas, na forma que foram tabuladas, possibilitaram o alcance de importantes constatações quanto a aspectos relativos à estrutura ocupacional do setor hoteleiro de Salvador e ao seu nível ou potencial de competitividade, permitindo trabalhar os dados sob um enfoque mais qualitativo, inclusive quanto à análise dos vazamentos da economia local que passaram a ser vistos mais sob uma perspectiva de sinalização e tendência, em termos relativos, que sob uma ótica de precisão na quantificação de sua magnitude, em termos absolutos.

No redirecionamento adotado, pela opção de realizar uma análise qualitativa do perfil e da estrutura de competitividade da hotelaria de Salvador, além da abordagem tendencial da ocorrência de vazamentos, foram elegidas as questões-chave, do questionário aplicado, que forneceram os parâmetros quantitativos das principais variáveis estudadas, a saber: Questão 16 - Faturamento Bruto Anual, Questão 20 - Receita Operacional Anual, Questão 22 - Custo Operacional Anual e Questão 29 - Gasto Total com Fornecedores. A partir desses parâmetros quantitativos se analisa o conjunto dos hotéis e os diferentes grupos de categoria e tamanho do estabelecimento, discriminando a participação relativa dos diversos elementos que compõem cada uma das variáveis estudadas.

Os conjuntos de informações e dados, organizados de acordo com as principais variávies abordadas, permite retratar o perfil da hotelaria de Salvador no período de 1997 a 1999, contemplando alguns aspectos gerais e de capacidade referidos ao ano 2000. Esse perfil é objeto de análise mais detalhada no ponto seguinte deste capítulo, sob um enfoque de base qualitativa que buscará, entre outros elementos, detetar sinais de estrangulamento e comprometimento do poder de competição da rede hoteleira da capital baiana.

Grupo EUMEDNET de la Universidad de Málaga Mensajes cristianos

Venta, Reparación y Liberación de Teléfonos Móviles
Enciclopedia Virtual
Biblioteca Virtual
Servicios
 
Todo en eumed.net:

Congresos Internacionales


¿Qué son?
 ¿Cómo funcionan?

 

15 al 29 de
julio
X Congreso EUMEDNET sobre
Turismo y Desarrollo




Aún está a tiempo de inscribirse en el congreso como participante-espectador.


Próximos congresos

 

06 al 20 de
octubre
I Congreso EUMEDNET sobre
Políticas públicas ante la crisis de las commodities

10 al 25 de
noviembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Migración y Desarrollo

12 al 30 de
diciembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Economía y Cambio Climático

 

 

 

 

Encuentros de economia internacionales a traves de internet


Este sitio web está mantenido por el grupo de investigación eumednet con el apoyo de Servicios Académicos Internacionales S.C.

Volver a la página principal de eumednet