Tesis doctorales de Economía


ESTUDO COMPARATIVO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DA INDÚSTRIA DA CERÂMICA DE REVESTIMENTO VIA ÚMIDA NO BRASIL E NA ESPANHA

Yolanda Vieira de Abreu



Esta página muestra parte del texto pero sin formato.
Puede bajarse la tesis completa en PDF comprimido ZIP (119 páginas, 722 kb) pulsando aquí

 

 

 

6. Indicadores econômicos de eficiência energética para as energias térmica e elétrica das ICRVU brasileira e espanhola

6.1. Indicador econômico-físico-termodinâmico de eficiência energética (IEFTEE ou Iecet) para energia térmica

Conforme mostrado no Capítulo 2, os indicadores econômicos podem ser: econômicotermodinâmico (1o) e econômico puro (2o). Para o primeiro tipo de indicador é necessário que a energia seja mensurada na entrada em unidades termodinâmicas e na saída em valor monetário, porém tais dados não estão disponíveis, neste momento. Os dados coletados de consumo de eletricidade, não indicam a quantidade de energia que entra no sistema, nem como possibilita imputar preços na saída. Isso acontece porque esses dados teriam duas maneiras de serem construídos. A primeira delas poderia ser através da realização do balanço energético do processo de produção, porém as empresas brasileiras, consultadas não o forneceram. O segundo, seria através dos preços dos produtos que saem da fábrica, porém nenhuma dessas possibilidades está disponível, neste momento. Tal afirmação baseia-se no fato que são produzidos diferentes tipos e larguras de cerâmica, no mesmo dia e na mesma linha de produção e as empresas não fornecem os preços por tipos de produtos e em serie anuais. Portanto, não se têm dados suficientes para construir esse tipo de indicador com estas características.

O indicador econômico puro, que seria o segundo proposto, tem como característica principal à mensuração do valor monetário das energias de entrada e de saída, aqui se repete a mesma dificuldade do primeiro indicador. Não se tem o valor monetário da energia nem na entrada e nem na saída, porque as ICRVU brasileiras não realizam, ou não cederam, balanços energéticos minuciosos que poderiam nos fornecer esses dados. Portando, o que se pode fazer é adaptar os dados coletados ao conceito dos indicadores, seja econômico ou econômico termodinâmico.

Uma das soluções possíveis, utilizada neste trabalho, é a seguinte: o dado coletado quanto à energia térmica empregada no processo é a total gasta no processo de produção, incluindo perdas, mensuradas na unidade (original) de cada energético. Outro dado disponível é a quantidade física produzida, mensurada em metros quadrados. Portanto, este trabalho, construirá um indicador, que mostrará quanto de energia térmica foi gasta para produzir um metro quadrado, em valores monetários.

Portanto, o indicador seria econômico-termodinâmico-físico (IETF ou Iecet), porque irá fornecer, como resultado final, quanto se gasta de energia térmica, em valores monetários, para se produzir um metro quadrado de cerâmica (por exemplo: US$/m2). Assim, esse indicador permitirá uma comparação econômica antes e depois da inclusão do GN na matriz energética brasileira, porque esse energético somente começou a ser implantado na maioria das ICRVU pesquisadas a partir de 2000.

Além dessa possibilidade poderá se verificar o valor em dólar gasto para se produzir um metro quadrado de cerâmica no Brasil e na Espanha. Como resultado foi possível conhecer quais as fontes energéticas que poderão ser utilizadas em conjunto a fim de produzir um metro quadrado, segundo os indicadores econômicos de eficiência energética.

O indicador econômico físico termodinâmico de eficiência energética (IEFT ou Ieeet), foi calculado com as seguintes premissas: total de energia térmica (E.T.) consumida ao ano, convertida em metros cúbicos de GN e multiplicada pelo valor do dólar médio do ano em questão, que resultará em US$/m2. O período computado será de 1998 a 2000, tanto para os dados espanhóis como para os brasileiros. Esse período foi determinado, levando em consideração que o GASBOL (nome do gasoduto que transporta o gás boliviano, até o Sul do país) chegou somente a partir de 1999 às cidades de São Paulo e Santa Catarina, onde estão situadas as principais empresas de cerâmica.

Os dados de energia térmica das ICRVU espanholas foram computados em moeda espanhola – Pesetas Espanholas11 – e para as brasileiras em Real [R$], sendo que ambas, foram convertidas em dólares americanos [US$]. Para se transformar em Dólar, a moeda brasileira e espanhola, foi utilizada a taxa de cambio médio anual do dólar, sendo que no Brasil a cotação terá como base o dólar comercial. Após a conversão de todos os valores de energia térmica (V.E.T.) em metros cúbicos de GN e multiplicados pelo dólar médio do ano, foi dividida pela quantidade total (anual) da produção, em metros quadrados, de acordo com a seguinte fórmula.

IEFT ou Iec et = Valores de Energia Térmica [US$ anual]
Quantidade total de produtos produzidos em [m 2/ano]

Na Tabela 20, pode ser observado o Iecet brasileiro, foi calculado a partir dos dados das energias térmicas, originais, coletados, transformados em equivalente a GN/m3 (item 2, 4, 6, 8). O item 10 contém o valor do US$/mil m3, esse valor para o ano de 1998 foi calculado dividindo o valor do energético (GN) em real pelo dólar médio comercial. O valor médio do dólar foi elaborado a partir da soma dos valores das cotações médias mensais, fornecidas pelo Banco Central, dividida por doze (meses), obtendo como resultado o valor do dólar médio. Os valores das tarifas para o GN, segundo a ABEGÁS (via e-mail em dez/2002 – Anexo III), são compostas por "preço do gás -produção" ou commodity e tarifa de transporte (variável de acordo com o ponto de entrega). Até janeiro 2000 o preço era único sem diferenciação pela distância. A tarifa de 1998, fornecida pela ABEGÁS foi de R$88,584/1000m3 (equivalente a US$ 76,13) e a tarifa media para GN em dólar para o Brasil em 1999 (US$ 63,98) e 2000 (US$ 80,49) estes valores foram coletadas no site da ANP.

As Tabelas 20 (cálculo do Iecet brasileiro) e 21 (cálculo do Iecet espanhol), fornecem valores muito diferentes. Porém, ao se observar o item 18 da primeira tabela e o resultado final em US$et/m2 da Tabela 21 poderá verificar-se que os valores, quando se usa somente o GN não são muito diferentes, são compatíveis e neste caso, a fonte de energia e a tecnologia utilizada são as mesmas. Portanto, a diferença grande de US$et/m2, está quando se utilizam diversas fontes de energia, para produzir o mesmo produto. Neste caso precisa-se levar em consideração que no Brasil até Janeiro/2000 a tarifa do GN não contemplava o transporte. Esta era a mesma, não importando a distancia para entrega. O GLP era em parte importado e parte produzido no país; o carvão mineral é nacional; o gás pobre de carvão utilizado até 1998 não tinha um preço fixo, poderia se negociar por contrato o que o tornava economicamente atraente. Porém, as empresas preferiram deixar de usar o GPC, porque não era uma fonte de energia com fornecimento garantido e pelas mudanças nas leis ambientais, que agora determinam o reflorestamento das áreas desmatadas. Tal mudança aumentaria o custo e também por algumas das empresas fornecedoras usarem mão-de-obra infantil, o que poderia vir a prejudicar a imagem da empresa compradora de tal produto. Mesmo com a saída do GPC a composição de fontes de energia (GLP, CM, Óleos) ainda era economicamente mais viável em 1999, do que começar utilizar somente o GN. Um outro dado importante que se pode retirar desses cálculos é que tanto no Brasil como na Espanha, a tendência na ICRVU é de aumento dos gastos com energia, como resultado da valorização do dólar perante as moedas locais. A questão do GN pode ser vista como custo da implantação de uma nova tecnologia, sempre existe a necessidade de um tempo para maturação da mesma e isso pode refletir no custo total.


Grupo EUMEDNET de la Universidad de Málaga Mensajes cristianos

Venta, Reparación y Liberación de Teléfonos Móviles
Enciclopedia Virtual
Biblioteca Virtual
Servicios
 
Todo en eumed.net:

Congresos Internacionales


¿Qué son?
 ¿Cómo funcionan?

 

15 al 29 de
julio
X Congreso EUMEDNET sobre
Turismo y Desarrollo




Aún está a tiempo de inscribirse en el congreso como participante-espectador.


Próximos congresos

 

06 al 20 de
octubre
I Congreso EUMEDNET sobre
Políticas públicas ante la crisis de las commodities

10 al 25 de
noviembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Migración y Desarrollo

12 al 30 de
diciembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Economía y Cambio Climático

 

 

 

 

Encuentros de economia internacionales a traves de internet


Este sitio web está mantenido por el grupo de investigación eumednet con el apoyo de Servicios Académicos Internacionales S.C.

Volver a la página principal de eumednet