DOENÇA HOLANDESA REVISITADA
Tesis doctorales de Economía

POLÍTICA CAMBIAL E MACROECONOMIA DO DESENVOLVIMENTO

Paulo Gala

 

Esta página muestra parte del texto pero sin formato.

 bajarse los archivos en pdf comprimidos ZIP. (167 pags., 1359 Kb)

 

3. A DOENÇA HOLANDESA REVISITADA

Com relação aos impactos do câmbio nas diversas variáveis macroeconômicas, Corden (2002) identifica três abordagens: o “real targets approach”, o “nominal anchors approach” e o “exchange rate stability approach”. No primeiro, que segue a tradição keynesiana, a taxa de câmbio tem efeitos reais e pode afetar trajetórias de produto e emprego. Corden mostra que numa abordagem desse tipo é razoável para o BC de um país manter alguma autonomia na determinação do nível da taxa de câmbio nominal para poder responder de forma mais eficiente aos diversos choques enfrentados pela economia. Um choque negativo que reduza os termos de troca de um dado país, por exemplo, poderia ser compensado com uma desvalorização do câmbio nominal, evitando que todo o custo do ajuste recaia sobre preços e salários nominais com conseqüências negativas no emprego e nível renda.

Para o “nominal anchors approach”, ligado à tradição monetarista, o comportamento da taxa de câmbio tem pouco efeito sobre variáveis reais como produto e emprego, sendo uma de suas principais funções a de estabelecer uma âncora nominal para o sistema. Uma grande quantidade de planos de estabilização, especialmente os latino-americanos nos últimos anos, teve como inspiração essa abordagem. Nessa vertente teórica, assume-se a hipótese de maior flexibilidade do salário nominal e, portanto, desvalorizações do câmbio real são muito mais difíceis já que a resposta dos preços e salários é mais elástica a mudanças na taxa de câmbio nominal. Por fim, Corden chama a atenção para a abordagem da estabilidade da taxa de câmbio. O principal argumento por trás desta postura é o de que a baixa volatilidade do câmbio real estimularia aumentos da corrente de comércio exterior ao reduzir custos de transação. Essa abordagem tem muita influência na discussão de áreas monetárias ótimas e no tema de unificações monetárias.

Inspirando-se na proposta de Corden (2002), Williamson (2003) define o “development approach” para a política cambial presente em estratégias bem sucedidas de crescimento econômico. Como já mencionamos na introdução do trabalho, ao evitar apreciações excessivas do câmbio real via administração do câmbio nominal, as autoridades monetárias estariam contribuindo para o desenvolvimento de uma indústria de manufaturas voltada para a exportação, como nos conhecidos casos de “export-led growth”. Williamson (2003) destaca o problema de “Dutch Disease” e o impacto negativo que as sobrevalorizações têm no desenvolvimento de uma indústria de manufaturas tecnologicamente avançada e provedora de externalidades positivas para o resto da economia.

O termo “Dutch Disease” foi cunhado para descrever os problemas que surgiram na Holanda nos anos 60 e 70 a partir da descoberta de reservas de gás. O acréscimo repentino de exportações desse produto causou mudanças importantes na economia holandesa. A excessiva apreciação cambial decorrente da renda gerada pela nova descoberta implicou numa retração do setor de bens comercializáveis manufatureiro holandês, que acabou por gerar desemprego e menores taxas de crescimento. A situação econômica do país piorou após a descoberta das reservas numa situação paradoxal que ficou conhecida como o problema da “Dutch Disease” ou maldição dos recursos naturais. Muitos outros casos desse tipo foram analisados na literatura. Alguns autores mostraram como a descoberta de ouro na Austrália no século XIX causou problemas semelhantes para a indústria australiana ou ainda como o caso do forte fluxo de ouro para a Espanha no século XVI devido às descobertas na América foi também nocivo. Em termos mais gerais, a síndrome da “Dutch Disease” está vinculada, paradoxalmente, aos efeitos negativos decorrentes das rendas econômicas geradas por grandes descobertas ou abundância de recursos naturais, tais como ouro, diamantes, petróleo e gás.

Com objetivo de contribuir para essa discussão, este capítulo estuda os efeitos negativos de sobrevalorizações cambiais decorrentes da abundância de recursos naturais. A análise se divide em quatro partes. A primeira trata dos argumentos teóricos presentes na discussão sobre “Dutch Disease”. A segunda discute aspectos de um modelo que procura incorporar dentro do instrumental de crescimento endógeno a hipótese de que câmbios reais depreciados poderiam contribuir para maiores taxas de crescimento e aumentos de bem estar. A terceira parte apresenta alguns estudos de caso presentes na literatura empírica sobre o tema. A última discute a condução da política cambial na Indonésia nos últimos 30 anos. Argumenta-se que a política cambial adotada por esse país nos anos 70 e 80, especialmente em resposta aos choques do petróleo, foi um dos principais componentes de sua estratégia de sucesso pós-1970.


Grupo EUMEDNET de la Universidad de Málaga Mensajes cristianos

Venta, Reparación y Liberación de Teléfonos Móviles
Enciclopedia Virtual
Biblioteca Virtual
Servicios
 
Todo en eumed.net:

Congresos Internacionales


¿Qué son?
 ¿Cómo funcionan?

 

15 al 29 de
julio
X Congreso EUMEDNET sobre
Turismo y Desarrollo




Aún está a tiempo de inscribirse en el congreso como participante-espectador.


Próximos congresos

 

06 al 20 de
octubre
I Congreso EUMEDNET sobre
Políticas públicas ante la crisis de las commodities

10 al 25 de
noviembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Migración y Desarrollo

12 al 30 de
diciembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Economía y Cambio Climático

 

 

 

 

Encuentros de economia internacionales a traves de internet


Este sitio web está mantenido por el grupo de investigación eumednet con el apoyo de Servicios Académicos Internacionales S.C.

Volver a la página principal de eumednet