Contribuciones a las Ciencias Sociales
Agosto 2010

PREMISSAS SOBRE O AGIR COMUNICATIVO DE HABERMAS

 

César Augusto Soares da Costa (*)
csc193@hotmail.com

 

Para Habermas, a idéia formulada sobre o “agir racional com respeito a fins” compreende a duas formas de racionalização incidentes no mundo moderno e capitalista, a saber: um é decorrente a das mudanças procedidas “de baixo pra cima” na esfera da produção e circulação de mercadorias, a outra, corresponde a modificações ocorridas de “cima para baixo”, a qual legitima a dominação mediante a ideologia justificada pela técnica da ciência moderna. A repercussão dessas formas de racionalização no mundo moderno aparece nos mecanismos institucionais criados pelo Estado, os quais contribuem para “burocratizar” e para a “despolitizar” a vida social. Segundo Habermas de que forma o agir comunicativo como um agir-com-respeito-a-fins pode reverter o quadro de institucionalização do mundo da vida? Apartir dessa premissa fundamental procuramos neste breve ensaio, assinalar alguns pontos fulcrais do pensamento do autor alemão.

Para Habermas, na sociedade capitalista do mundo moderno as relações são impessoais e mediadas pelo contrato, pelo trabalho. Nesta sociedade, os homens devem agir orientados conforme determinados fins, e o trabalho é uma maneira para se atingir esses fins, que na sociedade capitalista é a produção e o lucro. Isto gera segundo Habermas, uma racionalidade que irá determinar as relações econômicas e sociais, e estabelecer uma dominação burocrática, que justificará determinados usos e um modo de perceber a sociedade. Então as sociedades envolvidas neste processo sofrerão um processo de racionalização que irá submeter os diversos setores sociais a padrões de decisões racionais, criando assim, um quadro de institucionalização do mundo da vida, onde a subjetividade e os valores seguirão escolhas e alternativas, orientadas por uma repressão objetivamente supérflua.
 



Para citar este artículo puede utilizar el siguiente formato:
Soares da Costa, C.A.: Premissas sobre o agir comunicativo de Habermas, en Contribuciones a las Ciencias Sociales, agosto 2010, www.eumed.net/rev/cccss/09/casc.htm 


No entender de Habermas, a mudança desse quadro será possível por meio da interação. O Agir comunicativo proposto por Habermas, é uma interação mediatizada simbolicamente, regidas por normas que definem expectativas de comportamento recíproco e que necessitam ser compreendidas por pelo menos dois sujeitos. Entretanto, as normas são regidas por sanções que se objetivam pela comunicação e mediadas pela intersubjetividade das intenções dos sujeitos em reconhecê-las. Pois a violação destas regras amplia várias conseqüências na vida das pessoas. Sendo assim, as regras apreendidas com respeito a fins nos equipam com disciplina das habilidades, normas interiores que permitem resolver problemas e agir conforme as normas. O quadro institucional da sociedade consiste de normas que guiam as interações verbalmente mediatizadas, mas existem subsistemas como o Estado onde são institucionalizadas ações racionais com respeito a fins. Do mesmo modo, percebemos outros subsistemas como família que estão ligadas a tarefas e habilidades, mas que repousam sobre as regras normais de interação. Pois as ações no modo institucional são dirigidas e impostas ao comportamento, sendo que nos subsistemas do agir racional com respeito a fins, se moldam ao esquema “instrumental e estratégico”. Contudo, é pela institucionalização que pode ter garantia de que seguirão regras técnicas buscando estratégias satisfatórias.

Assim, esta forma de “despolitizar” os sujeitos, impondo questões de ordem técnica faz com que os sujeitos percam suas funções, ao passo que o quadro institucional da sociedade continua oposto do agir racional com respeito a fins, porque para o Estado as questões práticas são suprimidas, representando interesses privados. Visto que o agir comunicativo coloca os indivíduos no mesmo patamar, sendo os agentes que constituem seus interesses, sua própria forma de operar.

Os movimentos sociais, segundo Habermas, se configuram como interlocutores da interação, porque eles se constituem uma forma reivindicatória de suas idéias. Logo, é pela interação que os movimentos ganham força por estarem de uma forma fora do sistema do agir racional onde a razão técnica é preponderante. Apartir daí é pela linguagem que os movimentos adquirem uma personalidade capaz de estabelecer ainda dentro dos subsistemas um corpo próprio e autônomo. Mas à medida que os movimentos, ou seja, a interação se legitima, o esquema se molda ao agir comunicativo e instrumental ganhando novas técnicas que os institucionalizam. Sendo assim, a interação corta, cinde a razão formal colocando os interesses de seus sujeitos num mesmo nível. No caso dos movimentos sociais, a razão técnica opera bloqueando os sujeitos se configurando aos sistemas.

Respaldado pelas relações sociais, é possível subverter a ação racional-com-respeito-a-fins institucionalizado, onde o agir comunicativo Habermasiano, se caracteriza também como um espaço e oportunidade para a discussão das diferenças e existindo reciprocidade de buscarmos um entendimento em relação às várias questões do mundo da vida, que interferem na forma de despolitizar os sujeitos e somente impõe problemas de ordem técnica!

Referências bibliográficas

HABERMAS, J. Técnica e ciência enquanto “ideologia”. In: BENJAMIN, W, HORKHEIMER, M, HABERMAS, J. Textos Escolhidos. 2 ed. São Paulo: Abril Cultural, 1983. p. 313-43.

* Sociólogo, Educador e Professor. Mestre em Ciências Humanas/PUCRS

Nota Importante a Leer:

Los comentarios al artículo son responsabilidad exclusiva del remitente.

Si necesita algún tipo de información referente al artículo póngase en contacto con el email suministrado por el autor del artículo al principio del mismo.

Un comentario no es más que un simple medio para comunicar su opinión a futuros lectores.

El autor del artículo no está obligado a responder o leer comentarios referentes al artículo.

Al escribir un comentario, debe tener en cuenta que recibirá notificaciones cada vez que alguien escriba un nuevo comentario en este artículo.

Eumed.net se reserva el derecho de eliminar aquellos comentarios que tengan lenguaje inadecuado o agresivo.

Si usted considera que algún comentario de esta página es inadecuado o agresivo, por favor, pulse aquí.

Comentarios sobre este artículo:

No hay ningún comentario para este artículo.

Si lo desea, puede completar este formulario y dejarnos su opinion sobre el artículo. No olvide introducir un email valido para activar su comentario.
(*) Ingresar el texto mostrado en la imagen



(*) Datos obligatorios

 


Editor:
Juan Carlos M. Coll (CV)
ISSN: 1988-7833
EUMEDNET

Congresos Internacionales


¿Qué son?
 ¿Cómo funcionan?

 

15 al 29 de
julio
X Congreso EUMEDNET sobre
Turismo y Desarrollo




Aún está a tiempo de inscribirse en el congreso como participante-espectador.


Próximos congresos

 

06 al 20 de
octubre
I Congreso EUMEDNET sobre
Políticas públicas ante la crisis de las commodities

10 al 25 de
noviembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Migración y Desarrollo

12 al 30 de
diciembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Economía y Cambio Climático