CAMINHOS DO JEQUITINHONHA: ANÁLISE DO PROJETO DE COMBATE Á POBREZA RURAL

Marcela de Oliveira Pessôa

4.2.1 – A crítica do capital social

Para atingir a melhoria da qualidade de vida não bastam conformações técnicas e introdução de estruturas produtivas que ofereçam empregabilidades pontuais, tal como mostrou a trajetória das políticas sociais vivida pela sociedade brasileira ao longo do século passado. Do mesmo modo, a superação da pobreza não se resume a oferta de estruturas básicas, se não se propõem gerar capacitação e autonomia das sociedades em que se inserem. A pobreza não é fundamentada apenas no capital físico e financeiro, mas também na degradação/ausência do capital humano e social. Portanto, apropriando dos termos de Muls (2008), a superação da pobreza exige que se criem e fortaleçam estruturas que instiguem a reação autônoma 1 dos indivíduos e comunidades à pressão heterônoma2 da superestrutura que os condiciona à tal situação.
Um dos meios que tem ganhado notoriedade como elementar na superação de adversidades coletivas é o capital social. Termo que tem se tornado jargão teórico e panaceia social, como critica Portes (2000). O capital social também está elencado entre os objetivos do PCPR, que se propõe a (IDENE, 2011):

  • Melhorar o bem-estar e renda da população rural pobre;
  • Fomentar o capital social das comunidades rurais3 ;
  • Melhorar a governança local, fazendo da participação eixo central da estratégia de implementação dos investimentos financiados pelo Projeto; e
  • Promover maior integração das políticas públicas junto aos CMDRS’s.

Cabe, portanto discutir o conceito de capital social e como o IDENE tem fomentado-o, até o momento, através do PCPR.


1 Reação autônoma implica em organizar e movimentar as forças a partir de dentro, e pode “ser mensurada pela capacidade dos atores que vivem neste território em desviar o movimento
imposto pela pressão heterônoma e de redirecioná-lo positivamente para a criação consciente de valores adicionados (recursos específicos) localmente” (MULS, 2008 p.10).

2 Pressão heterônoma implica no movimento de forças externas sobre determinada localidade, uma destas manifestações, segundo Muls (2008, p.10) é a divisão internacional do trabalho que é “forte elemento de regulação que destrói, pela uniformização das normas e hierarquização das tarefas, as estruturas do espaço local tradicional” (MULS, 2008 p.10).

3 Destaque meu.

Volver al índice

Enciclopedia Virtual
Tienda
Libros Recomendados

El conjunto de métodos aplicados al conocimiento de la ciencia, derivan de la Epistemología, que es una rama de la filosofía. La Epistemología es la aplicación de los principios de la Teoría del Conocimiento, en este caso, al conocimiento de la ciencia Económica. Al dar comienzo a esta obra, postulo que la ciencia económica y, con ella, su método, es la más teñida por los intereses ideológicos.
Libro gratis
Congresos

9 al 23 de octubre
VI Congreso Virtual Internacional sobre

Arte y Sociedad: Paradigmas digitales

2 al 16 de octubre
I Congreso EUMEDNET sobre

Economía y contextos organizativos: nuevos retos

16 al 30 de octubre
II Congreso Virtual Internacional sobre

Migración y Desarrollo

1 al 15 de noviembre
II Congreso Virtual Internacional sobre

Desigualdad Social, Económica y Educativa en el Siglo XXI

Enlaces Rápidos

Fundación Inca Garcilaso
Enciclopedia y Biblioteca virtual sobre economía
Universidad de Málaga