CAMINHOS DO JEQUITINHONHA: ANÁLISE DO PROJETO DE COMBATE Á POBREZA RURAL

Marcela de Oliveira Pessôa

4.2.1 – A crítica do capital social

Para atingir a melhoria da qualidade de vida não bastam conformações técnicas e introdução de estruturas produtivas que ofereçam empregabilidades pontuais, tal como mostrou a trajetória das políticas sociais vivida pela sociedade brasileira ao longo do século passado. Do mesmo modo, a superação da pobreza não se resume a oferta de estruturas básicas, se não se propõem gerar capacitação e autonomia das sociedades em que se inserem. A pobreza não é fundamentada apenas no capital físico e financeiro, mas também na degradação/ausência do capital humano e social. Portanto, apropriando dos termos de Muls (2008), a superação da pobreza exige que se criem e fortaleçam estruturas que instiguem a reação autônoma 1 dos indivíduos e comunidades à pressão heterônoma2 da superestrutura que os condiciona à tal situação.
Um dos meios que tem ganhado notoriedade como elementar na superação de adversidades coletivas é o capital social. Termo que tem se tornado jargão teórico e panaceia social, como critica Portes (2000). O capital social também está elencado entre os objetivos do PCPR, que se propõe a (IDENE, 2011):

  • Melhorar o bem-estar e renda da população rural pobre;
  • Fomentar o capital social das comunidades rurais3 ;
  • Melhorar a governança local, fazendo da participação eixo central da estratégia de implementação dos investimentos financiados pelo Projeto; e
  • Promover maior integração das políticas públicas junto aos CMDRS’s.

Cabe, portanto discutir o conceito de capital social e como o IDENE tem fomentado-o, até o momento, através do PCPR.


1 Reação autônoma implica em organizar e movimentar as forças a partir de dentro, e pode “ser mensurada pela capacidade dos atores que vivem neste território em desviar o movimento
imposto pela pressão heterônoma e de redirecioná-lo positivamente para a criação consciente de valores adicionados (recursos específicos) localmente” (MULS, 2008 p.10).

2 Pressão heterônoma implica no movimento de forças externas sobre determinada localidade, uma destas manifestações, segundo Muls (2008, p.10) é a divisão internacional do trabalho que é “forte elemento de regulação que destrói, pela uniformização das normas e hierarquização das tarefas, as estruturas do espaço local tradicional” (MULS, 2008 p.10).

3 Destaque meu.

Volver al índice

Enciclopedia Virtual
Tienda
Libros Recomendados


1647 - Investigaciones socioambientales, educativas y humanísticas para el medio rural
Por: Miguel Ángel Sámano Rentería y Ramón Rivera Espinosa. (Coordinadores)

Este libro es producto del trabajo desarrollado por un grupo interdisciplinario de investigadores integrantes del Instituto de Investigaciones Socioambientales, Educativas y Humanísticas para el Medio Rural (IISEHMER).
Libro gratis
Congresos

9 al 23 de octubre
VI Congreso Virtual Internacional sobre

Arte y Sociedad: Paradigmas digitales

2 al 16 de octubre
I Congreso EUMEDNET sobre

Economía y contextos organizativos: nuevos retos

16 al 30 de octubre
II Congreso Virtual Internacional sobre

Migración y Desarrollo

1 al 15 de noviembre
II Congreso Virtual Internacional sobre

Desigualdad Social, Económica y Educativa en el Siglo XXI

4 al 15 de diciembre
V Congreso Virtual Internacional sobre

Transformación e innovación en las organizaciones

11 al 22 de diciembre
I Congreso Virtual Internacional sobre

Economía Social y Desarrollo Local Sostenible

Enlaces Rápidos

Fundación Inca Garcilaso
Enciclopedia y Biblioteca virtual sobre economía
Universidad de Málaga