GEOTECNOLOGIAS E O PLANEJAMENTO DA AGRICULTURA DE ENERGIA

Heloísa Rodrigues Nascimento
Yolanda Vieira de Abreu

2.3.2 O Etanol no Estado do Tocantins

De acordo com dados da Secretaria da Agricultura do Tocantins – SEAGRO (2010), o Estado do Tocantins possui uma área total de 27.842.070ha, dos quais 50%, ou seja, 13.921.035ha, tem vocação para a produção agrícola.

O Tocantins, além de apresentar condições favoráveis de clima e solo e oferta de água para irrigação dos plantios, oferece outras vantagens adicionais como a logística de transporte que permitirá exportar etanol pelo Porto de Itaqui (São Luís – MA), pelos trilhos da Ferrovia Norte-Sul, utilizando o sistema multimodal de transportes. O Porto de Itaqui é a porta mais próxima para saída dos produtos do Estado rumo aos mercados da Ásia, Europa e América do Norte. A diferença em comparação com os portos de Paranaguá, Paraná, e de Santos, em São Paulo, equivale à cerca de cinco dias de navio (O JORNAL, 2007).

No cadastro do MAPA – Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Secretaria de Produção e Agroenergia – Departamento de Cana-de-Açúcar e Agroenergia de 30/08/2010, constam apenas 1 (uma) usina produtora de etanol no Estado do Tocantins, a Brasil Bio, Bioenergética Ind. E Com. De Álcool e Açúcar Ltda., localizada na cidade de Gurupi (MAPA, 2010). Mas no cadastro da UDOP-União dos Produtores de Bioenergia estão cadastradas a Brasil Bioenergética localizada em Gurupi, Bunge – Unidade no município de Pedro Afonso e a Tocantins localizada em Arraias.

A Bunge Açúcar e Álcool unidade no município de Pedro Afonso-TO está em fase de implantação e seu funcionamento está previsto para maio de 2010. A usina produzirá álcool, etanol e açúcar, destinados ao mercado de todo o país. O local já possui no projeto agrícola 7 mil hectares plantados de cana-de-açúcar, no entanto, o projeto é de 45 mil hectares. A capacidade de processamento inicial é de 1,4 milhões de toneladas anualmente, podendo atingir até 4,4 milhões de toneladas por ano (SILVA et al., 2009).

O empreendimento pode gerar até 1.500 empregos diretos até 2012 nas atividades agrícolas e industriais, além de empregos indiretos na cadeia produtiva e nos setores de comércio e serviços. No projeto agrícola, a irrigação é feita a partir da água captada no córrego Lajeado, por meio de pivôs de 1.223 metros de comprimento - o maior do mundo, conforme informações do próprio fabricante - com capacidade para irrigar até 930 hectares (SILVA et al., 2009).

Segundo a Conab apud Rocher (2010) a cana avançou de aproximadamente de 700 hectares para 26 mil hectares no ano de 2010, com a instalação da usina Bunge no município de Pedro Afonso. As áreas plantadas com cana eram usadas para a cultura da soja, na safra 2010/11 devem ser colhidos 120 toneladas por hectare de cana no Tocantins, bem acima da média regional de 70 hectares por tonelada. Por enquanto a usina de etanol dá prioridade ao cultivo de cana em áreas próprias.
A safra 2008/09 do estado do Tocantins produziu cerca de 2,801 10³ m³ de etanol. A Figura 2.9 abaixo mostra a produção de etanol no Estado do Tocantins em 10³ m³ desde a safra 2005/2006 até a safra 2008/2009 (ÚNICA, 2009).


Figura 2.9 – Produção de etanol no Estado do Tocantins (10³ m³) – Safra 2005/2006 a 2008/09
Fonte: Única (2009)

 

Observa-se na figura 2.9 que a produção de etanol no Estado do Tocantins é praticamente recente, visto que se iniciou a partir do ano de 2005, participando da safra 2005/06, 2006/07, já na safra 2007/06 não houve produção, voltando a produzir na safra 2008/09.

Além da produção de etanol utilizando como matéria-prima a cana-de-açúcar, no Estado do Tocantins pode-se citar o desenvolvimento de outras para a produção de etanol como:
 Na Universidade Federal do Tocantins (UFT), no Campus de Palmas, desenvolve-se um projeto denominado A Cultura da batata-doce como fonte de matéria-prima para o etanol, que possui uma mini usina piloto de etanol, localizada na Estação experimental da UFT, Campus de Palmas. Esse projeto já apresenta grande repercussão em todo país e recentemente firmou parceria com a EMBRAPA, visando avanços para a produção de etanol através dessa cultura (CAMARGO et al.,2009 apud SILVA et al., 2009).

De acordo com a Secretaria de Comunicação do Tocantins, uma parceria feita entre a UFT – Universidade Federal do Tocantins, o Instituto Ecológica e BID – Banco Interamericano de Desenvolvimento implantou em Porto Nacional, o projeto modelo para a produção de biocombustível extraído da mandioca. (TOCANTINS, 2009)

No Estado do Tocantins, através da empresa Tobasa Bioindustrial de Babaçu S.A., localizada no município de Tocantinópolis - TO o fruto do babaçu é processado integralmente, produzindo óleo, sabão de coco, farinhas amiláceas, álcool, subprodutos protéicos, carvão ecológico e carvão ativado. A empresa processa anualmente aproximadamente 75 mil toneladas de babaçu correspondendo em média, a 5 milhões de litros de óleo e 10 milhões de quilos de amido de etanol. (OLIVEIRA et al. 2009 apud SILVA et al., 2009).
                                                        
Percebe-se que a produção de etanol no Estado do Tocantins ainda é incipiente, mas está presente no Estado um projeto ousado da empresa Bunge que poderá expandir esta produção e ampliar a participação do mesmo no cenário nacional, entretanto é importante a existência de projetos industriais e científicos envolvendo a pesquisa para a diversificação matérias-primas para a produção de etanol, tais como a batata-doce, babaçu e mandioca os quais têm buscado maior rendimento e eficiência para a produção de etanol.  

Volver al índice

Enciclopedia Virtual
Tienda
Libros Recomendados

El conjunto de métodos aplicados al conocimiento de la ciencia, derivan de la Epistemología, que es una rama de la filosofía. La Epistemología es la aplicación de los principios de la Teoría del Conocimiento, en este caso, al conocimiento de la ciencia Económica. Al dar comienzo a esta obra, postulo que la ciencia económica y, con ella, su método, es la más teñida por los intereses ideológicos.
Libro gratis
Congresos

14 al 29 de abril
I Congreso EUMEDNET sobre

Los Modelos Latinoamericanos de Desarrollo

12 al 27 de mayo
I Congreso EUMEDNET sobre

El Final de la Hegemonía USA

14 al 28 de junio
I Congreso EUMEDNET sobre

Los Tratados de Libre Comercio

07 al 21 de junio
I Congreso EUMEDNET sobre

Desarrollo Económico, Social y Empresarial en Iberoamérica

15 al 29 de julio
X Congreso EUMEDNET sobre

Turismo y Desarrollo

4 al 18 de agosto
I Congreso sobre

Filosofía de la Sustentabilidad de Vivienda Tradicional “Transformando comunidades hacia el desarrollo local”

06 al 20 de octubre
I Congreso EUMEDNET sobre

Políticas públicas ante la crisis de las commodities

10 al 25 de noviembre
I Congreso EUMEDNET sobre

Migración y Desarrollo

15 al 30 de noviembre
III Congreso EUMEDNET sobre

Filosofia de la Ciencia y Sustentabilidad

01 al 16 de diciembre
IV Congreso EUMEDNET sobre

Transformación e innovación en las organizaciones

12 al 30 de diciembre
I Congreso EUMEDNET sobre

Economía y Cambio Climático

Enlaces Rápidos

Fundación Inca Garcilaso
Enciclopedia y Biblioteca virtual sobre economía
Universidad de Málaga