DETERMINAÇÃO E ANÁLISE DA DINÂMICA DO DESFLORESTAMENTO, SEGUNDO AS ATIVIDADES PRODUTIVAS, NO MUNICÍPIO DE MOJÚ-PA ENTRE 2000 E 2010.

DETERMINAÇÃO E ANÁLISE DA DINÂMICA DO DESFLORESTAMENTO, SEGUNDO AS ATIVIDADES PRODUTIVAS, NO MUNICÍPIO DE MOJÚ-PA ENTRE 2000 E 2010.

Heriberto Wagner Amanjás Pena

Volver al índice

INTRODUÇÃO

O desflorestamento recente no município de Moju tem operado transformações rápidas na paisagem da zona rural, nos últimos dez anos um novo ciclo de investimentos tem se concentrado na região sob a lógica da expansão por monocultuivo e promovendo uma ampliação linear das conversões florestais, e novas áreas estão sendo anexadas como atividades produtivas com intuito de atender as demandas atuais e futuras do mercado.

Nesse sentido, a dinâmica econômica do estado do Pará apresenta informações valiosas para um estudo sobre desflorestamento na região, de um lado o período considerado já é capaz de sinalizar novas tendências produtivas em andamento ou mesmo a constatação de dinâmicas já iniciadas e que parecem se reproduzir para o futuro, porém num ritmo mais acelerado e desordenado quanto à escolha de localizações produtivas.

A Região do Baixo Tocantins, a qual pertence o município de Moju têm sido a preferencia de alocações de grandes volumes de investimentos, e isto tem promovido um cenário incerto e complexo quanto ao uso dos recursos e também das novas dinâmicas de conversões florestais, o que representa mais um complicador para o município que tem uma extensão muito grande 9.681,20 1Km2 (IBGE, 2012) e um recorte territorial que prejudica a gestão do território.

O entendimento das dinâmicas de desflorestamento em curso no município de Moju está correlacionado as interpretações dos indicadores de produção do município com outras variáveis que qualifiquem melhor as mudanças nos processos estruturais vigentes. A intensificação das atividades econômicas, somado a uma forte pressão sobre o uso dos recursos naturais tem alterado a estrutura de funcionamento dos ecossistemas.

Por conseguinte, o município vem enfrentando um conjunto de ligeiras transformações nesta ultima década, especialmente por conta dos grandes projetos, que atuam na região como a industrialização do óleo de palma (dendê), entre outros, existem também fortes interesses externos e principalmente a aposta do governo federal no Programa Nacional de Produção e Uso Sustentável do Biodiesel – PNPB lançado em 2004 e com fortes parcerias com o estado do Pará para ampliação de áreas de produção de dendê, que entende o município de Moju como área estratégica para aumento da produção.

Portanto, se de um lado o cenário atual é de forte expansão dos investimentos em grandes projetos visando uma consolidação do município como um dos principais polos produtivos de óleo de palma. De outro, as pressões sobre o uso dos recursos naturais intensificou-se com desflorestamento médio nos últimos dez anos de aproximadamente 2.880Km2 2e um incremento anual de 120,81 Km2, caso este cenário se projete para o futuro em pouco mais de 40 anos, a área do município será toda de consolidação das atividades produtivas.

Teoricamente admite-se que ocorre forte interação econômica e a expansão de algumas atividades esta correlacionada ao crescimento de outras, podendo também, acontecer o inverso. Portanto, diante do crescimento linear das taxas de desflorestamento no município de Moju, e da expansão concomitante de um conjunto de atividades produtivas, quais são os fatores que respondem pelo desflorestamento recente naquele município? Quais deles tem maior poder de explicação das conversões dos ecossistemas?

Nesse sentido, em termos gerais a análise dos determinantes explicativos da dinâmica do desflorestamento no município de Moju foi o caminho adotado para explicar como as interações produtivas estão se estabelecendo na região e com que grau de associação ou convergência vetorial. Especificamente, a estimação dos parâmetros com base na analise fatorial foi empregado para dimensionar a participação das atividades produtivas; a identificação e análise das interações e o estabelecimento de novas abordagens no aspecto multidimensional.

Além desta introdução este artigo esta organizado em quatro seções. A discussão dos principais estudos teóricos sobre os modelos de desflorestamento segundo as atividades produtivas corresponde à seção inicial. Na segunda seção, a descrição metodológica e a metodologia de análise econométricas são apresentadas. A terceira seção, os resultados e os principais testes estatísticos que dão sustentação ao modelo são expostos e analisados. Na ultima seção todos os comentários, discussões e sugestões de política pública são referenciadas e comparadas com a revisão de literatura.