ECONOMIA SERGIPANA

Cid Olival Feitosa

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ABLAS, L. A. Q.; MÜLLER, A. E.G.; SMITH, R. (1985). Dinâmica Espacial do Desenvolvimento Brasileiro. São Paulo: IPE/USP. 2 vols. (Série Ensaios Econômicos).
AFFONSO, R. B. A. (1995). A Federação no Brasil: impasses e perspectivas. In AFFONSO, R. B. A, SILVA, P. L. B. (Orgs.). A Federação em Perspectiva: ensaios selecionados. São Paulo: FUNDAP.
______. (1997). Os Estados e a Descentralização no Brasil. Série Política Fiscal n. 93. CEPAL/GTZ, Santiago do Chile.
______. (2000). Descentralização e reforma do Estado: a Federação brasileira na encruzilhada. Economia e Sociedade, Campinas, n. 14, p. 127-152, jun.
ALMEIDA. M. G. S. (1984). Sergipe: fundamentos de uma economia dependente. Petrópolis/RJ: Vozes.
______. (1991). Atividades Produtivas. In: DINIZ, D. M. (Coord.). Textos para a História de Sergipe. Aracaju: UFS/BANESE.
ALMEIDA, J. E. de; ARAÚJO, J. B. de (2006). Um modelo exaurido: a experiência da SUDENE. Disponível em http://www.ie.ufu.br/ix_enep_mesas/Mesa%2031%20-%20Hist%C3%B3ria%20econ%C3%B4mica%20e%20social%20
Brasileira%20II/UM%20MODELO%20EXAURIDO.pdf. Acesso em 27/09/2006.
ANDRADE, M. C. (1960). A terra e o homem no Nordeste. 2 ed. São Paulo: Brasiliense.
______. (1981). Estado, Capital e Industrialização do Nordeste. Rio de Janeiro: Zahar Editores.
______. (1988). O Nordeste e a Questão Regional. São Paulo: Ática. (Série Princípios).
ARAÚJO, A. T. (1970). História de Sergipe. Aracaju: Livraria Regina.
ANP – Agência Nacional do Petróleo (2006). Boletim mensal de produção submetido a ANP. 1970 – 2004.
ARAÚJO, T. B. (1997). A promoção do desenvolvimento das forças produtivas no Nordeste: da visão do GTDN aos desafios do presente. Revista Econômica do Nordeste, Fortaleza, v. 28, n. 4, p. 451-468, out./dez.
______. (2000a) A experiência de planejamento regional no Brasil. In: Ensaios sobre o desenvolvimento brasileiros: heranças e urgências. Rio de Janeiro: Revan: Fase.
______. (2000b). Poder local, governos municipais e as políticas de indução do desenvolvimento econômico no Brasil. In: Ensaios sobre o desenvolvimento brasileiros: heranças e urgências. Rio de Janeiro: Revan: Fase.
______. (2000c). Por uma Política Nacional de Desenvolvimento Regional. In: Ensaios sobre o desenvolvimento brasileiros: heranças e urgências. Rio de Janeiro: Revan: Fase.
______. (2000d). O Setor Público e o Nordeste. In: Ensaios sobre o desenvolvimento brasileiros: heranças e urgências. Rio de Janeiro: Revan: Fase.
______. (2000e) Nordeste, Nordestes: que Nordeste? In: Ensaios sobre o desenvolvimento brasileiros: heranças e urgências. Rio de Janeiro: Revan: Fase.
AURELIANO, L. M. (1999). No limiar da industrialização. 2 ed. Campinas: IE/UNICAMP.
AZEVEDO, A. (1956). Vilas e cidades do Brasil colonial: ensaio de geografia urbana. São Paulo, USP/FFCL. Boletim Geografia n. 11.
AZEVEDO, S.; ANDRADE, L. (1982). Habitação e poder: da Fundação da Casa Popular ao Banco Nacional de Habitação. Rio de janeiro, Zahar.
BAENINGER, R. (2000). Novos espaços da migração no Brasil: anos 80 e 90. Anais do XII Encontro Nacional de Estudos Populacionais - ABEP. Caxambu, 23 a 27 de outubro.
BARRETO, D. M. (2003). A construção do desenvolvimento de Sergipe e o papel do CONDESE. Aracaju: UFS. (Dissertação de Mestrado em Ciências Sociais).
BARROS, J. R. M. de; GALVÃO, A. C. (1984). A política de industrialização do Nordeste em face da crise econômica brasileira. Revista Econômica do Nordeste: Fortaleza, v. 15, n. 3, p. 381-410, jul./set.
BERCOVICI, G. (2003). Desigualdades Regionais, Estado e Constituição. São Paulo: Max Limonad.
BEZERRA, F. (1952). Investigações Histórico-Geográficas de Sergipe. Rio de Janeiro: Organização Simões.
BIELSCHOWSKY, R.; MUSSI, C. (Orgs.) (2002). Políticas para a retomada do crescimento – reflexões de economistas brasileiros. Brasília: IPEA/CEPAL.
BNB (1997). Diretrizes para um plano de ação do BNB: 1991/95 – setor secundário. Fortaleza: ETENE, v. 3.
BOLAFFI, G. (1979). Habitação e urbanismo: o problema e o falso problema. In MARICATO, E. (Org.). A produção capitalista da casa (e da cidade) no Brasil industrial. São Paulo, Ed. Alfa Omega, pp. 37-70.
BRANDÃO, C. A. (2003). A dimensão espacial do subdesenvolvimento: uma agenda para os estudos urbanos e regionais. Campinas: IE/UNICAMP. Tese de Livre Docência.
BRASIL, SUDENE (1985). Aspectos gerais da economia e da sociedade do Nordeste. Recife: SUDENE, 320p.
BRASIL (1986). Primeiro Plano de Desenvolvimento do Nordeste da Nova República. Lei n. 7.499/1986, publicada no D.O.U. em 26/06/1986. Disponível em: http://www6.senado.gov.br/legislacao/ListaTextoIntegral.action?id=107320. Acesso em 29/12/2006.
CAIADO, A. S. C. (2002). Desconcentração industrial regional no Brasil (1985-1998): pausa ou retrocesso? Campinas: IE/UNICAMP. (Tese de Doutorado), 269p.
CALAZANS, J. (1942). Aracaju: contribuição á história da capital de Sergipe. Tese para concurso à cadeira de História do Brasil e de Sergipe da Escola Normal “Rui Barbosa”.
CAMPOS, M. B. (1989). Industrialização Brasileira e Exploração de Sais Minerais de Sergipe. Aracaju: UFS. (Monografia de Graduação), 25p.
CANO, W. (1988). Questão regional e urbanização no desenvolvimento econômico pós 1930. Anais do VI Encontro Nacional de Estudos Populacionais. vol. 2, Olinda: p.67-99.
______. (1997). Concentração e desconcentração econômica regional no Brasil: 1970/95. Economia e Sociedade, n. 8, p. 101-41. Campinas.
______. (1998a). Raízes da Concentração Industrial em São Paulo. 4 ed. Campinas, SP: UNICAMP, IE (30 Anos de Economia, 1).
______. (1998b). Desequilíbrios Regionais e Concentração Industrial no Brasil 1930-1995. 2 ed. Campinas, SP: UNICAMP, IE (30 Anos de Economia, 2).
______. (2000). Soberania e política econômica na América Latina. São Paulo: Editora da UNESP.
______. (2002). Ensaios sobre a formação econômica regional do Brasil. Campinas: Editora da UNICAMP.
______. MOTA, F. C. M (2006). Desconcentração produtiva e evolução regional da economia brasileira (1970-2005). Projeto Temático. São Paulo: UNICAMP (mimeo).
CAPES – Coordenação Nacional de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (1959). Estudos de Desenvolvimento Regional (Sergipe). Série Levantamentos e Análises.
CARDOSO, A. P. O. (1989). Articulação Comercial de Sergipe: comércio por vias internas – 1974-1983. Aracaju: UFS. (Monografia de Graduação). 75p.
CARDOZO, S. A. (2004). Continuidades e descontinuidades na articulação do espaço econômico nacional - 1930 aos anos 90: uma análise a partir das políticas tributária, monetária e de desenvolvimento regional. Campinas: IE/UNICAMP. (Dissertação de Mestrado) 154p.
CARVALHEIRO, N. (1999). Os Planos Bresser (1987) e Verão (1989): a persistência da busca da estabilização. In KON, A. (Org.)(1999a). Planejamento no Brasil II. São Paulo: Editora Perspectiva.
CARVALHO, I. M. M. de (1987). O Nordeste e o regime autoritário: discurso e prática do planejamento regional. São Paulo: Hucitec: SUDENE.
CARVALHO, F. F. (2001). Da Esperança à Crise – a Experiência das Políticas Regionais no Nordeste. Campinas: IE/UNICAMP. (Dissertação de Mestrado) 164p.
CASTRO, A. B. (1980). 7 Ensaios sobre a economia brasileira. 3 ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2v.
CEPLAN – Consultoria Econômica e Planejamento (2005). Sergipe: desempenho, perspectivas econômicas e evolução dos indicadores sociais – 1970-2004. Recife. (mimeo)
CERQUEIRA, L. C. L (1991). O sistema PETROBRÁS em Sergipe. Aracaju: UFS. (Monografia de Graduação em Economia) 73p.
COELHO, M. S. A. (1992). O sistema urbano nordestino: estruturação através do tempo. Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, ano 54, n. 1, p. 75-93, jan./mar.
CONDESE – Conselho de Desenvolvimento de Sergipe (1977). Viabilidade de implantação de um Complexo Industrial Integrado de Base. Aracaju: Governo do Estado de Sergipe (Estudos Preliminares).
CORRÊA, R. L. (1965). Contribuição ao estudo da área de influência de Aracaju. Revista Brasileira de Geografia. Ano XXVII, n. 2, p. 233-258, abr./jun.
______. (1988). O estudo da rede urbana: uma proposição metodológica. Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, ano 50, n. 2, p. 107-124, abr./jun.
CUNHA, J. M. P., BAENINGER, R. (2005). Cenários da migração no Brasil nos anos 90. Cadernos CRH, Salvador, v. 18, n. 43, p. 87-101, jan./abr.
DANTAS, I. J. C. (1983). Revolução de 1930 em Sergipe: dos tenentes aos coronéis. São Paulo: Cortez; Aracaju: UFS.
______. (2004). História de Sergipe: República (1889-2000). Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro.
DE CARLI, G. (1937). O açúcar na formação econômica do Brasil. Rio de Janeiro: Instituto do Açúcar e do Álcool.
DEDECA, C. S. (2002). Reorganização econômica, absorção de mão-de-obra e qualificação. Revista de Economia Política, v. 22, n. 2, abr./jun.
DINIZ, J. A. F. (1970). A zona de influência de Aracaju. Revista Brasileira de Geografia. ano XXXI, n. 3, p. 103-150.
______. (1987). O subsistema urbano-regional de Aracaju. Recife: SUDENE-PSU-SRE.
DINIZ, C. C. (1995). A dinâmica regional recente da economia brasileira e suas perspectivas. Brasília: IPEA, Texto para Discussão n. 375.
DINIZ, D. M. F. L. (1991). A propriedade da terra e a questão agrária. In: In: DINIZ, D. M. (Coord.). Textos para a História de Sergipe. Aracaju: UFS/BANESE.
DRAIBE, S. (2004). Rumos e Metamorfoses: um estudo sobre a constituição do Estado e as alternativas da industrialização no Brasil: 1930-1960. São Paulo: Paz e Terra.
DUARTE, A. C. (1971). Aracaju e sua região. Boletim Geográfico. Rio de Janeiro, ano 30, n. 220, pp. 3-130, jan./fev.
EISENBERG, P. L. (1977). Modernização sem mudança: a indústria açucareira em Pernambuco: 1840/1910. Trad. João Maia. Rio de Janeiro: Paz e Terra.
FALCÓN, M. L. O. (2003). Estudo de Competitividade da Economia de Aracaju. In FALCÓN et al. Cenários de Desenvolvimento Local: estudos das cadeias produtivas de Aracaju. Aracaju: Secretaria Municipal de Planejamento, 2. v.
FONTES, J. S. L. (1974). Cidades e Vilas de Sergipe no Século XIX – Depoimentos. In Anais do VII Simpósio Nacional dos Professores Universitários de História. São Paulo.
FREITAS, A. S. (1984). Notas sobre a indústria nordestina desde a sua origem até o ano de 1960. Revista Econômica do Nordeste, Fortaleza, v. 15, n. 3, p. 411-444, jul./set.
FRANÇA, V. L. A. (1999). Aracaju: estado e metropolização. Aracaju: UFS.
FRANÇA, V. L. A. e CRUZ, M. E. (2005). Projeto de reurbanização da Coroa do Meio: uma estratégia de inclusão social. Revista da Fapese de Pesquisa e Extensão. Aracaju: Fundação de Apoio à Pesquisa e Extensão de Sergipe, p. 43-53.
FURTADO. C. (1981). O Brasil pós-milagre. Rio de Janeiro: Paz e Terra.
______. (1987). Formação Econômica do Brasil. 22 ed. São Paulo: Editora Nacional.
______. (1997). A Fantasia Desfeita. Rio de Janeiro: Paz e Terra. (Obra Autobiográfica de Celso Furtado).
GALVÃO, A. C. F. (1987). O capital oligopólico em marcha sobre a periferia nordestina: evolução da organização territorial, divisão territorial do trabalho e complementaridade industrial. São Paulo: USP. (Dissertação Mestrado). 458p.
GALVÃO, O. A. (1984). Integração Econômica, Comércio e Desenvolvimento Regional. In PIMES. Desigualdades Regionais no Desenvolvimento Brasileiro. Recife: PIMES/SUDENE, v. I.
GOODMAN, D. E.; ALBUQUERQUE, R. C. de (1974). Incentivos à Industrialização e Desenvolvimento no Nordeste. Rio de Janeiro: INPES/IPEA. Relatório de Pesquisa n. 20.
GREMAUD, A. P.; PIRES, J. M. (1999). II Plano Nacional de Desenvolvimento – II PND. In KON, A. (Org.). Planejamento no Brasil II. São Paulo: Editora Perspectiva.
GTDN (1997). Uma política de desenvolvimento econômico para o Nordeste. Revista Econômica do Nordeste, Fortaleza, v. 28, n. 4, p. 387-432, out./dez. (Publicação de Documentos Técnicos e Científicos).
GUIMARÃES NETO, L. (1984). Notas sobre emprego e indústria no Nordeste. Revista Econômica do Nordeste, Fortaleza, v. 15, n. 3, p. 535-574, jul./set.
______. (1989). Introdução à Formação Econômica do Nordeste. Recife: Fundaj. Editora Massangana.
______. (1995). Desigualdades regionais e federalismo. In AFFONSO, R. B. A.; SILVA, P. L. B. (Orgs.). Desigualdades regionais e desenvolvimento. São Paulo: FUNDAP: Editora da UNESP.
______. (1996). A experiência brasileira de planejamento regional da perspectiva do Nordeste. In KONRAD ADENAUER STIGUNG. A política regional na era da globalização. Série Debates n. 12.
______. (1998). Ciclos econômicos e desigualdades regionais no Brasil. Cadernos de Estudos Sociais: Recife, v. 14, n. 2, p. 315-342, jul./dez.
______. (1999). O planejamento regional no Nordeste: notas para uma avaliação. In KON, A. (Org.). Planejamento no Brasil II. São Paulo: Editora Perspectiva.
______. (2002). Trajetória econômica de uma região periférica. In Estudos Avançados/USP – Instituto de Estudos Avançados, v. 11, n. 29. São Paulo: IEA.
______. (2004). O Nordeste, o Planejamento Regional e as Armadilhas da Macroeconomia. Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia. Salvador: SEI (Série Estudos e Pesquisas, 67).
______; GALINDO, O. (1992). Quem controla o que na indústria incentivada do Nordeste? Rio de Janeiro: Cadernos IPPUR/UFRJ, ano VI, n. 1.
HARVEY, D. (1996). Do gerenciamento ao empresariamento: a transformação da administração urbana no capitalismo tardio. Espaço e Debate, n. 39, p. 48-64.
HIRSCHMAN, A. O. (1967). Desenvolvimento industrial no Nordeste brasileiro e o mecanismo de critério fiscal do artigo 34/18. Revista Brasileira de Economia. Rio de Janeiro, v. 4.
HOLANDA, N. (1976). A política de desenvolvimento do Nordeste. Revista Econômica do Nordeste: Fortaleza, v. 7, n. 2, p. 219-232, abr./jun.
IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censos Demográficos, 1960, 1970, 1980, 1991, 2000. Rio de Janeiro.
______. Censo Industrial, 1940, 1950, 1960, 1970, 1975, 1980, 1985. Rio de Janeiro.
______. (2006) Contas Regionais do Brasil, 1985-2004. Rio de Janeiro.
______. Pesquisa Industrial Anual, 1996-2004. Rio de Janeiro.
______. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. 1985, 2005. Rio de janeiro
IBGE/IPEA/UNICAMP (2001). Caracterização e tendências da rede urbana do Brasil: redes urbanas regionais: Norte, Nordeste e Centro-Oeste. Brasília: IPEA.
IEL – Instituto Euvaldo Lodi (1986). Memória Histórica da Indústria Sergipana. Universidade Federal de Sergipe. Rio de Janeiro: IEL/SENAI-DN, Divisão de Pesquisas, Estudos e Avaliação.
IESAP – Instituto de Estudos Econômicos e Sociais Aplicados (1988). Cenários da Economia Sergipana – 1988/1992. Aracaju: SEPLAN/IESAP.
INEP/SEPLAN – Instituto de Economia e Pesquisas/Secretaria de Estado do Planejamento (1986). O Setor Industrial em Sergipe. Aracaju: SEPLAN/SE.
IPEADATA (2006). Séries históricas das Contas Regionais Atualizadas. Disponível em: http://www.ipeadata.gov.br/ipeaweb.dll/ipeadata?243818125. Acesso em 18/12/2006.

JATOBA ET ALL (1980). Expansão capitalista: o papel do Estado e o desenvolvimento recente regional. Pesquisa e Planejamento Econômico. Rio de Janeiro, vol. 10, n. 1, p. 273-318.
KON, A. (Org.)(1999a). Planejamento no Brasil II. São Paulo: Editora Perspectiva.
KON, A. (1999b). Introdução: a experiência brasileira de planejamento público federal. In: KON, A. (Org.). Planejamento no Brasil II. São Paulo: Editora Perspectiva.
LIMA, P. (1994). Economia do Nordeste: tendências recentes das áreas dinâmicas. Análise Econômica, ano 12, mar/set., p. 55-73.
LOPES, E. S. A. (2004). Considerações sobre o panorama econômico, político e social do Estado de Sergipe. Texto de apoio 3. Seminário do Pronord. Disponível em http://www.lead.org.br/filemanager/download/123/ConsiderPanoramaE
conSE_ElianoSergio_PronordT1S3. Acesso em 15/08/2005.
LOPREATO, F. L. C. (1993). Crise de financiamento dos governos estaduais (1980/1988). Campinas: UNICAMP/IE. Texto para Discussão, n. 26, 52p.
______. (2000). O endividamento dos governos estaduais nos anos 90. Texto para Discussão. IE/UNICAMP, n. 9, mar.
LOUREIRO, K. A. S. (1983). A trajetória urbana de Aracaju em tempo de interferir. Aracaju: Instituto de Economia e pesquisas – INEP.
MACHADO, A. B. (1990). Grande Aracaju: processo de uma metropolização emergente. Aracaju: UFS. (Dissertação de Mestrado).
MAGALHÃES, A. R. (1983). Industrialização e Desenvolvimento Regional: a Nova Indústria do Nordeste. Brasília: IPEA/IPLAN.
MARANHÃO, S. (1984a). Estado e Planejamento Regional: a experiência do Nordeste brasileiro. In: MARANHÃO, S. (Org.). A questão Nordeste: estudo sobre formação histórica, desenvolvimento e processos políticos e ideológicos. Rio de Janeiro: Paz e Terra. (Coleção Estudos sobre o Nordeste, v. 16).
______. (1984b). Desenvolvimento econômico e poder político: algumas reflexões sobre o caso do Nordeste brasileiro, 1930-1975. In: MARANHÃO, S. (Org.). A questão Nordeste: estudo sobre formação histórica, desenvolvimento e processos políticos e ideológicos. Rio de Janeiro: Paz e Terra. (Coleção Estudos sobre o Nordeste, v. 16).
MARICATO, E. (2001). Brasil, cidades: alternativas para a crise urbana. Petrópolis, RJ: Vozes.
MATOS, E. N.; MELO, R. O. L. (2002). A estrutura do emprego industrial no Nordeste nos anos noventa. Ouro Preto/MG: Encontro Nacional da Associação Brasileira de Estudos Populacionais, 13, 4 a 8 de novembro.
MELLO, J. M. C. (1998). O capitalismo tardio. Contribuição á revisão crítica da formação e do desenvolvimento da economia brasileira. 10 ed. Campinas, SP: UNICAMP, IE (30 Anos de Economia).
MELO, R. O. L. (2000). Mudança de regime comercial e desenvolvimento regional no Brasil nos anos 90. Campinas: IE/UNICAMP. (Tese de Doutorado). 273p.
______. (2001). As principais cadeias produtivas da economia sergipana: características e potencial de desenvolvimento. Projeto de Pesquisa. Aracaju. (mimeo).
______. (1999). Perspectiva de geração de emprego e renda na economia sergipana. Aracaju: UFS. (mimeo)
MORA, M. (2002). Federalismo e dívida estadual no Brasil. Rio de Janeiro: IPEA> Texto para Discussão nº. 866.
MORAES, A. C. (1999). Plano Brasil Novo. In KON, A. (Org.)(1999a). Planejamento no Brasil II. São Paulo: Editora Perspectiva.
MOREIRA, R. (1979). O Nordeste brasileiro: uma política regional de industrialização. Rio de Janeiro: Paz e Terra.
MONTEIRO NETO, A. (2005). Desenvolvimento regional em crise: políticas econômicas liberais e restrições à intervenção estatal no Brasil dos anos 90. Campinas: IE/UNICAMP. (Tese de Doutorado), 299p.
NASCIMENTO, A. J. (1994). A economia sergipana e a integração do mercado nacional (1930/80). Campinas: IE/UNICAMP. (Dissertação de Mestrado) 200p.
______. (2001). O “Crash” de 29 e a Economia Sergipana. In SILVA, N. P. e HANSEN, D. L. (Orgs.). Economia regional & outros ensaios. Aracaju: Editora da UFS.
NASCIMENTO, J. M. (1997). A indústria mineral de Sergipe. Campinas: UNICAMP. (Dissertação de Mestrado em Geociências), 104p.
NÓBREGA, W. (2003). O papel do Setor Público na inserção e integração da economia sergipana na economia nacional: impressões a partir das transformações na indústria durante as décadas de 1960 e 1970. Revista Econômica do Nordeste: Fortaleza, v. 34, n. 4, out-dez.
NOVAIS, F. A. (1974). Estrutura e dinâmica do antigo sistema colonial (séculos XVI-XVIII). São Paulo: CEBRAP. (Cadernos CEBRAP, 17).
NUNES, B. F. (Coord.) (1981). Nordeste: as pequenas cidades e o planejamento local. Fortaleza: BNB/ETENE.
OLIVEIRA, C. A. B. de (2003). Processo de industrialização: do capitalismo originário ao atrasado. São Paulo: Editora UNESP; Campinas, SP: UNICAMP.
OLIVEIRA, K. F. (2003). Dinâmica migratória em Sergipe nas décadas de 70 a 90: uma abordagem a partir de alguns fatores estruturais. Rio de Janeiro: Escola Nacional de Ciências Estatísticas/IBGE. (Dissertação de Mestrado em Demografia).
PACHECO, C. A. (1996). A questão regional brasileira pós 1980: desconcentração econômica e fragmentação da economia nacional. Campinas: IE/UNICAMP. (Tese de Doutorado), 334p.
______. (1999). Novos padrões de localização industrial? Tendências recentes dos indicadores da produção e do investimento industrial. Texto para Discussão n. 633. IPEA. Brasília.
PASSOS SUBRINHO, J. M. (1987). História Econômica de Sergipe (1850-1930). Aracaju: Programa Editorial da UFS.
______. (1992). Migrações internas: resistências e conflitos (1872-1920). Caderno de Estudos Sociais. Recife, v. 8, n. 2, p. 235-260, jul./dez.
______. (2000). Reordenamento do trabalho: trabalho escravo e trabalho livre no Nordeste açucareiro; Sergipe 1850/1930. Aracaju: FUNCAJU.
______. (2001). A indústria têxtil em Sergipe: gênese, crescimento e limites de uma indústria periférica. In SILVA, N. P.; HANSEN, D. L. (Orgs.) Economia Regional & Outros Ensaios. Aracaju: Editora UFS.
PERRUCI. G. (1976). A república das usinas: um estudo de história social e econômica do Nordeste, 1889-1930. Rio de Janeiro: Paz e Terra.
PORTO, F. (1991). A cidade de Aracaju 1855-1865: ensaio de evolução urbana. 2 ed. Aracaju: Governo de Sergipe/ FUNDESC.
PRADO, S. (1999). Guerra fiscal e políticas de desenvolvimento estadual no Brasil. Economia e Sociedade: Campinas, n. 13, p. 1-40, dez.
PRADO, S.; CAVALCANTI, C. E. G. (2000). A guerra fiscal no Brasil. São Paulo: FUNDAP/FAPESP; Brasília: IPEA.
PRADO JÚNIOR, C. (1986). História Econômica do Brasil. 33 ed. São Paulo: Brasiliense.
REBOUÇAS, G. M. (1994). A influência do II PND na economia sergipana. Aracaju: UFS (Monografia de Graduação) 42 p.
Revista de Finanças Públicas, Brasília: Ministério da Fazenda/Secretaria de Economia e Finanças, diversos anos.
RIBEIRO, N. M. G. (1989). Transformações do Espaço Urbano: o caso de Aracaju. Recife: FUNDAJ: Editora Massangana.
RIBEIRO, U. P. (2005). Política industrial e desenvolvimento regional: o caso de Sergipe no período 1995 a 2002. São Cristóvão: UFS. (Dissertação de Mestrado em Geografia). 148p.
SÁNCHEZ, F. (2001). A (in)sustentabilidade das cidades-vitrine. In ACSERALD, H. (Org.). A duração das cidades: sustentabilidade e risco nas políticas urbanas. Rio de Janeiro: DP&A.
SANTANA, N. (1991). A inserção do estado de Sergipe na política de incentivos fiscais do Nordeste: 1963-1988. Aracaju: UFS (Monografia de Especialização em Ciências Sociais). 93p.
SANTOS, L. A. (1991). Organização do Trabalho. In: DINIZ, D. M. (Coord.). Textos para a História de Sergipe. Aracaju: UFS/BANESE.
SANTOS, A. F.; ANDRADE, J. A. (1992). Delimitação e regionalização do Brasil semi-árido. Aracaju: UFS.
SANTOS, M. (1996). A urbanização brasileira. 3 ed. São Paulo: Hucitec.
SANTOS, V. M. dos (1995). O significado do Sistema 34/18-FINOR no processo recente de industrialização do Nordeste. Cadernos de Estudos Sociais: Recife, v. 11, n. 1, p. 117-140, jan./jun.
SEPLAN/SEIC (1993). Diagnóstico do Setor Industrial Sergipano (versão preliminar). Aracaju: CODISE/SEBRAE/FIES/IEL.
SERGIPE, Governo do Estado (1977). Viabilidade de implantação de um Complexo Industrial Integrado de Base (estudos preliminares). Aracaju: CONDESE.
______. (1991). Legislação de Incentivos do Estado de Sergipe: incentivos à indústria. Lei n. 3.140, de 23 de dezembro de 1991.
______. (1995). Lei Complementar nr. 25, que cria a Região Metropolitana de Aracaju. Aracaju, dez.
______. (2006). Programa Sergipano de Desenvolvimento Industrial – PSDI. Atualização da Lei n. 3.140, através de lei n. 5.581, de 16 de março de 2006, publicada no D.O.E n. 24.984, em 21 de março de 2006.
SERRA, J. (1998). Ciclos e mudanças estruturais na economia brasileira do pós-guerra. In BELLUZZO, L. G. M.; COUTINHO, R. (1998). Desenvolvimento capitalista no Brasil. E ed. Campinas: IE/UNICAMP. (30 Anos de Economia – UNICAMP, 9).
SILVA, D. M. M. (1989). A estrutura industrial em Sergipe e o desenvolvimento do capitalismo: 1950-1980. Aracaju: UFS (Monografia de Graduação em Economia) 53p.
SILVA, N. P. (2001). Sergipe: Formação Econômica. In SILVA, N. P.; HANSEN, D. L. (Orgs.) Economia Regional & Outros Ensaios. Aracaju: Editora UFS.
SILVA, S. (1976). Expansão cafeeira e origens da indústria no Brasil. São Paulo: Alfa-Ômega.
SILVA, E. R. (2002). A economia goiana no contexto nacional: 1970-2000. Campinas: IE/UNICAMP. (Dissertação de Mestrado). 187p.
SIMONSEN, R. (1939). A evolução industrial do Brasil. São Paulo: FIESP.
SINGER, P. (1968). Desenvolvimento Econômico e Evolução Urbana. São Paulo: Editora Nacional.
SOUZA, A. V. (1986). Política de industrialização, emprego e integração regional: o caso do Nordeste do Brasil. Recife: PIMES/UFPE. (Dissertação de Mestrado em Economia) 198p.
SOUZA, T. O. (1991). Estrutura de poder. In: DINIZ, D. M. (Coord.). Textos para a História de Sergipe. Aracaju: UFS/BANESE.
STEIN, S. J. (1979). Origens e evolução da indústria têxtil no Brasil – 1850/1950. Rio de Janeiro: Campus.
SUDENE (1979). Incentivos Fiscais e Criação de Empregos no Nordeste. Recife: SUDENE/CAEN (Série População e Emprego, 7).
______. (1996). Agregados Econômicos Regionais: Produto Interno Bruto, Formação de Capital, Consumo do Governo – Nordeste do Brasil. Recife.
______. (1999). Contas Regionais/Estudos Econômicos. Disponível em: http://www.SUDENE.gov.br/economicos/carta2000/atividadeGlobal.html. Acesso em 12/05/2005.
SUDENE/BNB. (1986). O Sistema FINOR: resultados e sugestões de aprimoramento. Fortaleza.
______. (1992). Relatório de Pesquisa sobre o desempenho da indústria incentivada do Nordeste 1988. Recife: SUDENE. DPG/PLI.
SUZIGAN, W. (2000). Indústria Brasileira: origem e desenvolvimento. São Paulo: Hucitec, Ed. UNICAMP (Economia & Planejamento; 40. Série Teses e Pesquisas; 24).
TAVARES, H. M. (1989). Uma experiência de planejamento regional: o Nordeste brasileiro. Campinas: IE/UNICAMP. (Tese de Doutorado) 412p.
TAVARES, M. C. (1981). Da substituição de importação ao capitalismo financeiro: ensaios sobre economia brasileira. Rio de Janeiro: Zahar.
VAINER, C. B. (2000). Pátria, empresa e mercadoria: notas sobre a estratégia discursiva do Planejamento Estratégico urbano. In ARANTES, O. et al. (Orgs). A cidade do pensamento único: desmanchando consensos. Petrópolis, RJ: Vozes.
VALADARES, L. (Org.) (1980). Habitação em questão. Rio de Janeiro. Zahar.
VARSANO, R. (1997). A guerra fiscal do ICMS: quem ganha e quem perde? Rio de Janeiro: IPEA. Texto para Discussão nº. 500.
VIDAL, F. C. B. (2001). Nordeste do Brasil – atualidade de uma velha questão: vicissitudes da teoria do subdesenvolvimento regional no contexto do capitalismo contemporâneo. Salvador/BA. (Dissertação de Mestrado). 326f.

Volver al índice

Enciclopedia Virtual
Tienda
Libros Recomendados


1647 - Investigaciones socioambientales, educativas y humanísticas para el medio rural
Por: Miguel Ángel Sámano Rentería y Ramón Rivera Espinosa. (Coordinadores)

Este libro es producto del trabajo desarrollado por un grupo interdisciplinario de investigadores integrantes del Instituto de Investigaciones Socioambientales, Educativas y Humanísticas para el Medio Rural (IISEHMER).
Libro gratis
Congresos

4 al 15 de diciembre
V Congreso Virtual Internacional sobre

Transformación e innovación en las organizaciones

11 al 22 de diciembre
I Congreso Virtual Internacional sobre

Economía Social y Desarrollo Local Sostenible

Enlaces Rápidos

Fundación Inca Garcilaso
Enciclopedia y Biblioteca virtual sobre economía
Universidad de Málaga