BIODIESEL NO BRASIL EM TRÊS HIATOS: SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL, EMPRESAS E LEILÕES. 2005 A 2012.

Hugo Rivas de Oliveira
José Eustáquio Canguçu Leal
Yolanda Vieira de Abreu

3.2 Construção do quadro de pontuação fixa, utilizado para analisar as empresas e suas estratégias competitivas.

A construção das variáveis que irá ser aplicados às dez maiores empresas, segundo a ANP (2010), para se descobrir a estratégia de competitividade empregada com mais intensidade, por cada uma delas, teve como base as apontados por Porter (1986), que são: diferenciação, liderança em custo e enfoque. 

Foram elaboradas tabelas denominadas identificação das variáveis estratégicas competitivas, apontadas por Porter (1986), contendo quatro variáveis para cada uma das estratégias. Tais variáveis estão apresentadas nas tabelas 3.2 (Diferenciação); 3.3 (Liderança de Custo) e 3.4 (Enfoque) que foram aplicados como parâmetros para verificar como essas empresas chegaram a se destacar no mercado de biodiesel segundo ANP (2010). Para cada variável se estabeleceu que as empresas pontuassem o máximo de 25 pontos se cumprirem os requisitos determinados para a mesma, e de zero ponto se não cumprirem os requisitos necessários em determinada variável. O papel dessa pontuação é estabelecer, objetivamente, parâmetros quantitativos e comparativos em relação às dez maiores empresas produtoras de biodiesel no ano de 2010.

Na tabela 3.2 se verifica a identificação das variáveis de Diferenciação

Tabela 3.2 Identificação das variáveis de Diferenciação.


Estratégia Genérica
Competitiva

 

Variáveis

 

Requisitos

 

Peso

Diferenciação

SCS
(Total máximo 25)

Sim

25

Não

0

Matéria-prima
(Total máximo 25)

3 matérias primas ou mais

25

2 matérias primas

15

1 matéria prima

10

Cadeia produtiva
(Total máximo 25)

Armazenagem; Tancagem; Esmagamento e Refino

10

Produção própria Etanol

10

Produção própria de Oleaginosas ou outras matérias-primas

5

Posição Mercado
(Total máximo 25)

Primeiro - Quarto

25

Quinto - Sétimo

15

Oitavo - Décimo

10

Total Geral Máximo

100

Fonte: apud Porter, 1986, p.53.

A pontuação máxima para a estratégia genérica competitiva de diferenciação é de 100 pontos, somando os requisitos: selo combustível social; matéria-prima; cadeia produtiva e posição de mercado (Tabela 3.2). Para a análise das variáveis de estratégia genérica competitiva de diferenciação, foram utilizados os seguintes parâmetros:

  • Matéria-prima: para a empresa que utilize três matérias-primas ou mais, a pontuação é de 25 pontos; para a empresa que utilize duas (2) matérias-primas a pontuação é de 15 pontos, para a utilização de apenas uma matéria-prima 10 pontos, sendo que a empresa só pontuará em um item. Este critério foi determinado desta forma, porque se a empresa utiliza mais do que um tipo de matéria-prima, passa a ter mais vantagem para negociar preços e tem mais segurança de fornecimento.
  • Cadeia produtiva: o resultado dessa variável é construído levando em consideração os somatórios dos requisitos; armazenagem, tancagem, esmagamento e refino (10 pontos); produção própria de etanol 10 pontos e produção própria de oleaginosas ou outros substitutos (5 pontos). Este critério foi determinado desta forma, porque a logística pesa muito nos custos totais e a questão de ter acesso ao etanol também sempre dá uma vantagem maior para quem tem sua própria produção, agora as oleaginosas ou seus substitutos para produção do biodiesel são mais fáceis de encontrar produção em qualquer parte do país, não trazendo grandes vantagens ter produção própria.
  • Posição de mercado: a colocação da empresa no ranking das dez maiores dá pontuação do primeiro ao quarto lugar de 25 pontos, para as posições do quinto ao sétimo (15 pontos), e do oitavo ao décimo colocado (10 pontos). Escolheu-se utilizar, para determinar este critério, a própria lista publicada pela ANP (2010) com o posicionamento de mercado das empresas.

b) Liderança de Custo

        A pontuação máxima para a estratégia genérica competitiva de liderança em custo é de 100 pontos, somando os requisitos: Formação acionária cruzada; Real utilização percentual da capacidade instalada; SCS e Laboratórios P&D. Na tabela 3.3 se observa a identificação das variáveis de Liderança de Custo.
Tabela 3.3 Identificação das variáveis de Liderança de Custo.


Estratégia Genérica
Competitiva

Variáveis

Requisitos

Peso

Liderança
de
Custo

Formação Acionária Cruzada
(Total máximo 25)

Acionistas/Empresas que fornecem dois ou mais insumos da cadeia produtiva

25

Acionistas/Empresas que fornecem um insumo da cadeia produtiva

15

Nenhum acionista que participa como fornecedor de matéria-prima ou insumo

10

Real utilização percentual da capacidade instalada
(Total máximo 25)

70 a 100% da capacidade instalada

 

25

50 a 70% da capacidade instalada

15

Abaixo de 50%

10

SCS
(Total máximo 25)

Sim

25

Não

0

Laboratórios P&D
(Total máximo 25)

Tem Laboratório

25

Não tem

0

Total Geral Máximo

100

Fonte: apud Porter, 1986, p.53.

Para análise das variáveis de estratégia genérica competitiva de liderança no custo foram utilizados os seguintes parâmetros:

c) Enfoque

A pontuação máxima para a estratégia genérica competitiva de enfoque é de 100 pontos. Na tabela 3.4 se observa a identificação das variáveis de Enfoque:

Tabela 3.4 Identificação das variáveis de Enfoque.


Estratégia Genérica
Competitiva

Variáveis

Requisitos

Peso

Enfoque

Patente
(Total máximo 25)

Sim

25

Não

0

Laboratórios P&D
(Total máximo 25)

Tem Laboratório

25

Não tem

0

Mercado
(Total máximo 25)

10 a 25%

25

5 a 10%

15

Menos de 5%

10

Produção
(Total máximo 25)

Crescimento 2006 - 2010

25

Estável 2006 - 2010

15

Queda 2006 - 2010

10

Total Geral Máximo

100

Fonte: apud Porter, 1986, p.53.

Para a análise das variáveis de estratégia genérica competitiva de enfoque, foram utilizados os seguintes parâmetros:

  • Laboratórios P&D: para a empresa que possui laboratórios a pontuação é de 25 pontos; para a empresa que não possui, a pontuação é zero ponto. Critério escolhido segundo teorias descritas no capítulo dois, referencial teórico, utilizando Chesnais (1996) e Porter (1989).
  • Mercado: para a empresa que detém de 10% a 25% de participação de mercado, a pontuação é de 25 pontos; para a empresa que detém de 5% a 10% de participação de mercado, a pontuação é de 15 pontos; e para menos de 5% de participação de mercado a pontuação é de 10 pontos. Critério escolhido segundo teorias descritas no capítulo dois, referencial teórico, utilizando Chesnais (1996) e Porter (1989).
  • Produção: para a empresa que teve crescimento de produção entre 2006 a 2010, a pontuação é de 25 pontos; para a empresa que manteve estável sua produção entre 2006 e 2010, a pontuação é de 15 pontos; e para a empresa que apresentou queda de produção entre 2006 e 2010, a pontuação é de 10 pontos. Critério determinado pela estabilidade da empresa em se manter no mercado e de manter ou aumentar seu nível de produção.

A partir do somatório dos pontos obtidos por cada empresa nos itens listados nas tabelas de Diferenciação, Liderança de custo e Enfoque, demonstrando em quais itens as empresas se destacaram e o que as levaram a um diferencial no mercado, sendo listadas entre as 10 maiores do ano de 2010, segundo a publicação da ANP.

Após as análises das variáveis foi elaborada a Tabela Resumo contendo as 10 maiores empresas de biodiesel relacionando-as com as três estratégias genéricas competitivas apontadas por Porter (1986), que foram Diferenciação, Liderança em Custo e Enfoque.

Volver al índice

Enciclopedia Virtual
Tienda
Libros Recomendados


1647 - Investigaciones socioambientales, educativas y humanísticas para el medio rural
Por: Miguel Ángel Sámano Rentería y Ramón Rivera Espinosa. (Coordinadores)

Este libro es producto del trabajo desarrollado por un grupo interdisciplinario de investigadores integrantes del Instituto de Investigaciones Socioambientales, Educativas y Humanísticas para el Medio Rural (IISEHMER).
Libro gratis
Congresos

9 al 23 de octubre
VI Congreso Virtual Internacional sobre

Arte y Sociedad: Paradigmas digitales

16 al 30 de octubre
II Congreso Virtual Internacional sobre

Migración y Desarrollo

1 al 15 de noviembre
II Congreso Virtual Internacional sobre

Desigualdad Social, Económica y Educativa en el Siglo XXI

4 al 15 de diciembre
V Congreso Virtual Internacional sobre

Transformación e innovación en las organizaciones

11 al 22 de diciembre
I Congreso Virtual Internacional sobre

Economía Social y Desarrollo Local Sostenible

Enlaces Rápidos

Fundación Inca Garcilaso
Enciclopedia y Biblioteca virtual sobre economía
Universidad de Málaga