POTENCIALIDADES LOCAIS, TURISMO E DESENVOLVIMENTO LOCAL CARIRI PARAIBANO

Luiz Gonzaga De Sousa

CONCLUSÕES

Diante das investigações teóricas e das informações levantadas, alguns pontos são essenciais para considerar como justificativas fundamentais para conclusões importantes para finalização deste trabalho, que deve servir como parâmetros de política de organização, estruturação, execução e monitoramento dos recursos econômicos escassos, sociais, históricos e ambientais da sociedade no Cariri paraibano.
Em primeiro lugar, durante os levantamentos executados, foram constatados alguns problemas e possibilidade de complementaridades na agropecuária, na indústria, no comércio e nos serviços, que apresentam bastantes espaços para serem melhorados em forma de rede, cujo turismo apresenta condições de impulsionar uma promoção do desenvolvimento local.
Tudo que foi coletado acerca do Cariri paraibano são significantes na existência de potencialidades locais, incluindo capital social, trabalhado via turismo em muitas cidades da microrregião, especificamente, Monteiro, Cabaceiras, São João do Cariri e possibilidades em outras de pouca expressão, que têm o envolvimento da população, na dinâmica para melhoria nas condições de vida da população.
Um ponto importante é que se investigou com significante detalhe e respaldo teórico, cujas experiências que deram certo em outra microrregião que serviram como externalidade ou spillover para o local e por meio de respostas da população, pode se verificar que a recepção de informações externas constitui-se bastante significante para as populações atrasadas, ou subdesenvolvidas.
            Na localidade caririseira, constatou-se uma mediana participação da população nas políticas econômicas e sociais do entorno; ainda não é maior, em virtude ao processo de centralização do poder, cujo processo de conscientização deve estar presente, justamente pelo envolvimento político engajado do conhecimento das formas de atuação na vida das comunidades que constituem a sociedade.
O fundamental é que a questão da administração de cada município dentro da microrregião, que ainda continua fortemente centralizada (mesmo com partidos diferentes – PSDB, PT, PMDB, PDT, alguns outros), deve se tornar mais aberta, ou descentralizada, para se congregarem idéias novas e de participação dos grupos organizados que dinamizem o entorno, com a ampliação das iniciativas privadas e com incentivo e/ou subsídio governamental ao desenvolvimento local.
Alguns municípios na microrregião já trabalham com a comunidade, mesmo dentro desse clima de centralização por força constitucional, pois, existem prefeitos que aceitam organização de grupos de trabalho que dinamizam o local, com os grandes eventos, ou programas menores que envolvam os cidadãos, que demandem e promovam uma movimentação no entorno, de tal forma que seja um embrião de desenvolvimento local envolvendo as comunidades.
            Um desenvolvimento local sustentável envolve a atuação da população, na lide social e econômica de uma localidade, que acontece pelo empowerment, cuja população normalmente cria grupos de trabalho, aciona a juventude, a igreja, os movimentos sindicais, a associação, a cooperativa, para reivindicar prioridades para a localidade e isto já existe em Monteiro, Cabaceiras, São João do Cariri, com significante benefício social.
Nessas localidades, são fortemente patentes os spillovers ou externalidades recebidos de outras experiências, as de fora do local, com efeitos evidentes nos benefícios do entorno, devido a programas que são ou foram executados em outras localidades com grande sucesso; assim como, alguns outros produtos fabricados fora do estabelecimento local; externos à microrregião, já promovem ganhos sociais para o entorno.
Nas investigações promovidas na localidade, constatou-se que os recursos naturais não se encontram eficientemente inseridos na economia, no ponto de vista turístico, cujo envolvimento efetivo da população (empowerment) aciona melhoras nas formas de trabalho na microrregião, que gerem um bem-estar para todos indistintamente e um desenvolvimento local sustentável.
Na microrregião do Cariri paraibano, são fatos, algumas iniciativas locais, que se mostram eficientes no processo de geração de desenvolvimento local, devido às potencialidades locais, com capital social, via turismo, tais como: o Programa de Caprinovinocutura, as Festas do Bode, a manufatura de queijos, doces, iogurts, o Pacto Novo Cariri pelas incubadoras e alguns outros projetos que têm gerado emprego e renda para a população.
O evidente é que, constatou-se que o turismo é uma das mais promissoras variáveis para o desenvolvimento local na atualidade, como conseqüência gera melhorias nas condições locais, já comprovado, mesmo que isso seja de maneira lenta; em que a oferta turística em sua práxis, impulsiona os spillovers ou externalidades de programas externos ao local e incorpora-se a população ativa que esteja excluída da ação social local.
Na grande microrregião do Cariri paraibano, verificou-se que a cultura do local chama a atenção de muitos estudiosos e admiradores da idiossincrasia do entorno, a começar pela formação histórica, depois a identidade (pertencimento) com o local, em seguida vêm as festividades e as formas de diversão trazidas dos antigos, que não devem se acabar, cujos grupos locais já se organizam para recuperá-las e dinamizá-las como forma de contribuição para o progresso do entorno.
Outro ponto importante constatado, é quanto à formação histórica do local, que também aparece no cultural, onde aparece o vaqueiro, as inscrições rupestres, a fauna e a flora, diferente de muitos outros lugares do Nordeste brasileiro, aparece como um acervo que deve ser investigado para entendimento das origens do local e isto provoca um turismo sustentável para curiosos e estudiosos acerca do assunto que dominou por muito tempo, as terras do Cariri.
Inegavelmente, pode-se observar que o Cariri paraibano é uma localidade mística, em virtude dos lajedos gigantes, a própria atuação religiosa dos habitantes locais, o aconchego do entorno quanto aos que chegam ao local para visitar e não saem mais, adotando esse ambiente como se fosse sua terra natal.
No Cariri paraibano, fica claro, que já se possui hoje em dia, um apreciável índice de desertificação que não é procedente do turismo e que isto deve ser revertido em melhoria do ecossistema, que seja de forma participativa para o bem comum; entretanto, faz-se urgente a manutenção e conservação do meio ambiente, onde se vive, tanto para brindar aos visitantes passageiros, como para proporcionar melhor qualidade de vida para os filhos do local.
O que é preciso, é que as autoridades do Estado com as Prefeituras fomentem Plano Diretor, com estratégias exeqüíveis, para a microrregião e para o município como um Plano de Governo ou um Dossiê de Ambiência, que contemple o turismo como dinamizador direto e indireto frente aos setores econômicos, tais como: a agropecuária, a indústria, o comércio e os serviços para o processo de desenvolvimento local.
Sem dúvida, o que se faz necessária é uma política estratégica de investimentos em infra-estrutura, de forma mais intensiva, assim como, incentivar e subsidiar o pequeno agricultor e o micro empresário como elementos chaves, na formação de emprego e produção, do mesmo modo, melhoria no nível de renda local, como acumulador de capital, que possui um efeito multiplicador importante na dinâmica do entorno.
            Em resumo, o turismo exerce uma função estratégica importante no processo de desenvolvimento local, porque não dizer, no Cariri paraibano, visto que muitos setores da economia, das comunidades locais, assim como, da geografia e da história podem alavancar, em rede, formas para sair do atraso, cujo processo impulsiona os fatores fundamentais desse modelo, para um crescimento com desenvolvimento e bem-estar, para todos os membros da sociedade do entorno.

RECOMENDAÇÕES

De uma forma geral, podem-se fazer algumas recomendações quanto às informações coletadas e utilizadas nesta investigação processada para este trabalho, em termos de compreensão do Cariri paraibano, tais como:
Devem ser fomentados grupos de trabalho qualificados, especificamente de jovens, que priorizem uma estruturação da sociedade local, de forma convergente, para desenvolvimento local;
Orientar associações ou sindicatos, em seus diversos campos de ação, para estruturação a uma viabilidade econômica das micros e pequenos empreendimentos locais, tanto no sentido agrícola como industrial;
Fomentar grupos das mais diversas estratificações sociais que possam dinamizar o setor turístico do entorno, como programas que envolvam a sociedade, mesmo de forma tímida;
Trabalhar acontecimentos históricos e as personalidades envolvidas, que contribuíram para a formação da sociedade local e suas atuações políticas na formação da identidade do local;
Envolver os aspectos geográficos da localidade na geração de economias internas e externas para uma melhora da qualidade de vida da população, de forma participativa e engajada;
Indicar a importância do local para a região, em termos de economia, história e capital social, quanto ao processo de contribuição na formação da identidade, da cultura e da maneira de ser do povo;
Listar os fatos históricos como importantes para o dinamismo do local, cuja sociedade deve reconhecer seus personagens na construção de um pertencimento ao entorno, com boa qualidade de vida;
Incentivar a produção industrial, agropecuária e artesanal para melhorar a economia social e inserção no efetivo mercado para qualificar o processo de competitividade econômica;
Devem-se reunir as diversas representações locais para a construção de um desenvolvimento local engajado, ao deliberar os caminhos para uma melhora no bem-estar do entorno;
Procurar formas de como as autoridades constituídas devem descentralizar as atividades gerencias de atuação governamental, quanto aos investimentos locais nas diversas formas de economia e do social;
Implementar feiras comerciais para exposição e venda de produtos locais de qualidade, que sejam sustentáveis no longo prazo, para enfrentar de forma eficiente a competitividade das importações; e,
            Assim, existe um campo para desenvolvimento local muito vasto, devido a atuação da população e as disponibilidades de matérias primas e insumos que fazem diminuir os custos de produção e comercialização.

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

ABRAMOVAY, Ricardo. O Capital social dos territórios: repensando o desenvolvimento rural. São Paulo, Economia Aplicada – volume 4, n° 2, abril/junho 2000.

AEB (ANUÁRIO ESTATÍSTICO DO BRASIL), IBGE, Rio de Janeiro. 2009.

AESA (AGÊNCIA EXECUTIVA DE GESTÃO DAS ÁGUAS DO ESTADO DA PARAÍBA). João Pessoa, Paraíba. 2008.

ALBAVERA, Fernando Sánchez. El desarrollo productivo basado en la explotación de los recursos naturales. Chile, Naciones Unidas (CEPAL), Serie Medio Ambiente y Desarrollo nº 86, División de Medio Ambiente y Infra estructura, 2003.

ALBAVERA, Fernando Sánchez. Planificación estratégica y gestión pública por objetivos. Chile, CEPAL, Instituto Latinoamericano y del Caribe de Planificación Económica y Social, ILPES, Serie Gestión Pública nº 32, 2003.

ALMEIDA, Joaquim Anécio, FROEHLICH, José Marcos e REIDL, Mário. Turismo rural e desenvolvimento local sustentável. São Paulo, PAPIRUS Editora, 2001.

ALMEIDA, Maria Geralda de. Desenvolvimento turístico ou desenvolvimento local? Algumas reflexões. Anais do ENTBL - Planejamento para o desenvolvimento local. Curitiba, Paraná. Instituto de Estudo de Sócio-Ambientais – IESA. Universidade Federal de Goiás galmeida@ iesa.ufg.br. 2004.

ALVES, Jorge Amaro Bastos. O turismo como fator de contribuição para o desenvolvimento local: uma análise do planejamento municipal de piraquara - From the SelectedWorks of Jorge Amaro. Universidade Federal do Paraná. Curitiba, Paraná. 2008.

ALVES, José Jakson Amâncio. Caatinga do Cariri paraibano. Campina Grande, UEPB, Geonomos; 17(1), 2009,  jaksonamancio@uepb.edu.br.

ANDRADE, Manuel Correia. Nordeste e a questão regional. Recife, Ed. Universitárias. 1998.

AROCENA, José. El desarrollo local. Aspectos teóricos. Condicionantes. Atores involucrados. Decano de la Facultad de Ciencias Sociales y Comunicación de la Universidad Católica. Exposición realizada en el seminario regional Globalización, desarrollo local y las cooperativas, Florida, 1996.

ARRIAGADA, Irma. Panel 1: Aproximaciones conceptuales e implicancias del enfoque del capital social. Ponencias 1. Capital social: potencialidades y limitaciones analíticas de un concepto. Chile, CEPAL - SERIE Seminarios y conferencias. Nº 31. 2003.

ARROYO, Daniel. Os eixos do desenvolvimento local. Internet. FLACSO. Universidade de Buenos Aires, São Martín e Belgrano. BID e Banco Mundial. 2007.

ASSOAM (ASSOCIAÇÃO DOS ARTESÃOS DE MONTEIRO). Monteiro. Paraíba, 2011.

ATLAS do Desenvolvimento Humano no Brasil. Brasil. www.pnud.org.br. 2005.

AZAMBUJA, Darcy. Teoria geral do Estado. Edição Globo, revista e ampliada. 2008.

BARBOSA. Luiz Gustavo M. Os impactos econômicos do turismo e sua implicação nas políticas públicas: o caso do município de Macaé-RJ, Brasil. Rio de Janeiro. Internet. lbarbosa@fgv.br. 2005.

BECKER, Daniel, et al. Empowerment e avaliação participativa em um programa de desenvolvimento local e promoção da saúde. Rio de Janeiro, Revista Ciência & Saúde Coletiva, 9(3):655-667, beckercedaps@alternex.com.br e danielb@cedaps.org.br, 2007.

BENEGAS-LYNCH, Alberto. Bienes públicos, externalidades y los free-riders: el argumento considerado. Internet, Revista Acta Académica, Universidade Autónoma de Centro América, n° 22, ISSN 10177507, Mayo, 1998.

BERNAL, Ricardo Vivas e FAJARDO, Andrés. Sistema econômico. Pontifícia Universidad Javeriana, Falcultad de Ciências Econômicas y Administrativas. Bolívia, 2000.

BERTALANFFY, Karl Ludwig von. Teoria geral dos sistemas. Petrópolis, Rio de Janeiro, Vozes. 1982.

BLANCO, Hernán. Planeamiento del desarrollo local. Serie Recursos Naturales e Infraestructura, nº 61. Santiago, Chile, Serie Gestión Pública nº 32. Instituto Latinoamericano y del Caribe de Planificación Económica y Social, (ILPES), CEPAL, 2003.

BOURDIEU, Pierre. O que falar quer dizer: a economia das trocas simbólicas, Algés: Difel. Internet. 1985.

BOUTANG, Yann Moulier. Las externalidades. Internet. 2000.

BRUNLAND, Gro Harlen. Nosso futuro comum. ONU, Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, Relatório Brundtland, Noruega, 1987.

BRENNER, Eliane Lopes. El reto de la conservación ambiental y la diversificación del turismo diversificado masificado de balneario: el diseño de una estrategia para Caldas Nova – Brasil. Espanha, Tesis de doctorado, Universidad Autónoma de Barcelona, Departamento de Geografia, BellaTerra, 2002.

BREWER, J. e HUNTER, A. Multimethod research: A synthesis of styles. Neebury Park, CA: Sage. 1989.

BUARQUE, Sergio. Metodologia de planejamento do desenvolvimento local e municipal sustentável. Brasília, INCRA/IICA, 1999.

CEF (CAIXA ECONÔMICA FEDERAL). Informações sobre Bolsa Família, 2009.

CALERO, César. Los recursos naturales. calero_cesar@hotmail.com. 2005.

 

CAMPANHOLA, Clayton e SILVA, José Graziano da. Desenvolvimento local e a democratização dos espaços rurais. Internet. 2000.

CAMPOS. Angelo Mariano Nunes. O turismo como alternativa de desenvolvimento local sustentável. Revista Espaço Acadêmico, Nº 43. Internet. angcampos@yahoo.com.br. ISSN 1677-6976. 2004.

CAMPOS, José Nilson B e STUDART, Ticiana Marinho de Carvalho. Secas no Nordeste do Brasil: origens, causas e soluções. Universidade Federal do Ceará UFC, 2008, nilson@ufc.br e ticiana@ufc.br,

CANEDO, Daniele. Cultura é o quê? - reflexões sobre o conceito de cultura e a atuação dos poderes públicos. Salvador-Ba. V ENECULT – Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, 2007.

CARVALHO FILHO, Manoel Vital. Assessoria ao processo de desenvolvimento local. Rio Grande do Norte. Projeto de Cooperação Técnica – INCRA – IICA, 1999.

CASSIMIRO, Francisco Filho. Contribuições do turismo à economia brasileira. São Paulo, Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, tese de doutoramento, julho de 2002.

CASTILHO, Dino Sandro Borges de. Capital social e políticas públicas: um estudo da infra-estrutura e serviços aos municípios do programa nacional de fortalecimento da agricultura familiar. Dissertação. UFRGS. Porto Alegre. 2002.

CASTILLO, Nelly Miranda, Recursos naturales. Internet,Nellymircas@hotmail.com. 2007.
           
CASTRO, André Luiz de e NASCIMENTO, Raquel Lima. Índice de desenvolvimento turístico. Minas Gerais. Universidade Católica de Minas Gerais. Revista Tur. 2007.

CASTRO, Fernando Guerrero. El Turismo como factor de desarrollo económico en la provincia la Altagracia, en los años comprendidos entre el 1983 y el 2002.    fco.guerrero@codetel.net.do, 2003.

CASTRO, Josué de. Geografia da fome. Editora Civilização Brasileira. 2003.

CAVALCANTI, Clovis. Desenvolvimento local sustentável e gestão dos recursos naturais: referências conceituais e políticas. Internet, 2005.

CAVESTANY. Fernando Barreiro. Desarrollo desde el territorio. A propósito del Desarrollo Local. Nov. 2000.

CEPAL (COMISIÓN ECONÓMICA PARA AMÉRICA LATINA Y EL CARIBE). Santiago de Chile. 2009.

CIP (CENSO INDUSTRIAL DA PARAÍBA), João Pessoa, Paraíba. 2008.

CHUMPITAZ. Edwin Walter Tovar. Empowerment (Cambio en la cultura y visión de la empresa). Internet. Waltertovar73@hotmail.com. 2005.

COELHO CESAR, Ana Maria Roux Valentini. Método de estudo de caso (Case Studies) ou Método do caso (Teaching Case)? Uma análise dos dois métodos no Ensino e Pesquisa em Administração. Internet. 2007.

COELHO, Franklin. Desenvolvimento local e construção social: o território como sujeito. Rio de Janeiro, Rede DLIS, 2001. p. 57-68.

COLEMAN J. S. Social Capital in the Creation of Human Capital. American Journal of Sociology, Volume 94 Supplement S95-S120. 1990.

CONRADO, Daniel e NASCIMENTO, Luis Felipe. Recuperação e preservação do meio ambiente – uma Oportunidade de Geração de Emprego através das Inovações Tecnológicas. Rio Grande do Sul, UFRGS/PPGA. felipen@adm.ufrgs.br e dconrado@netmarket.com.br.  2000. 

COSTA, José Jonas Duarte da. Impactos socioeconômicos das políticas de combate à seca na Paraíba. Tese de Doutorado em História Econômica. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Departamento de História: São Paulo, 2003.

COZZOLINO, Luiz Felipe Freire e IRVING, Marta de Azevedo. Unidades de conservação e desenvolvimento local: as ASPAS do rio de janeiro e seus processos de governança local. IP-UFRJ/Programa EICOS, felipecozzolino@uol.com.br e eicos@psycho.ufrj.br. 2004.

CUNHA, Euclides da [1903]. Os sertões. São Paulo. Abril Cultural. 1979.

DANTAS, Leilian Cruz. Desenvolvimento local e valorização de produtos dos engenhos de cana-de-açúcar em base territorial: o caso do brejo paraibano. Rio e Janeiro, RJ – BRASIL; Março de 2000.

DARRE, Jean Pierre. L’invention des pratiques dans l’agriculture. Paris, France, Karthala. 1996

DEL CASTILLO, Jaime, LLORENS, Juan Luis & ALBUQUERQUE, Francisco. Estudio de casos de desarrollo económico local en America Latina. Washington. BID. 2002.

DELGADO, Alier Méndez & FEIJÓ, María del Carmen Lloret. Como medir el mesarrollo local según la experiencia cubana? Cuba, Facultad de Ciencias Empresariales de la Universidad Central de las Villas. http://www.eumed.net/cursecon/ecolat. 2007.

DENARDI, Reni Antonio; HENDERIKX, Elizabeth Maria Gerardo Johanna; CASTILHO, Dino Sandro Borges de; e BIANCHINI, Walter. Fatores que afetam o desenvolvimento local em pequenos municípios do estado do Paraná. Paraná, Emater, 2000.

DIAS, Larissa Reynaldes e MONTANHEIRO, Rebecca Bonomo.
Academia de Turismo da Universidade Estadual do oeste do Paraná - UNIOESTE. Turismo como fator de crescimento e desenvolvimento do município. Revista Turismo, 2003.

DIAS, Reinaldo. Turismo sustentável e meio ambiente. São Paulo. ATLAS S. A. 2003.

DIAZ, Maria M. Aguilera. La mojana: Riqueza Natural y Potencial Econômico. Colombia. Documento de Trabajo sobre Economia Regional. Nº 48. 2004.

DINIZ, Paulo, DUQUÉ, Ghislaine & TONNEAU, Jean-Philippe. Desenvolvimento territorial no Nordeste um método de diagnóstico e planejamento Participativo. CD-Ron, 2003.

DOWBOR, Ladislau. Redes de apoio ao desenvolvimento local. São Paulo, Internet. Artigo. 2005.

DOWBOR, Ladislau. O desenvolvimento local e racionalidade econômica. Internet. 2006.

DUESENBERRY, James Stemple. Income, saving and the theory of consumer behavior. 1948 (In.: Paixão, 2005).

DURSTON, John e MIRANDA, Francisca. Experiencias y metodología de la investigación participativa. Chile, 2003.

DURSTON, John. Que es capital comunitario? Serie Políticas Sociales, Nº 38. Chile. CEPAL. 2003.

EMBRATUR (EMPRESA BRASILEIRA DE TURISMO). 2005.

EMP (ENCICLOPÉDIA DOS MUNICÍPIOS PARAIBANOS). João Pessoa, Paraíba. A União, 1973.

ESCALONA. Francisco Muños. Critica de la economia turística: enfoque de oferta vs enfoque de demanda. Internet. Eumed. Espanha. 2003.

FAJARDO, Sergio. 2000. Discussão sobre territorialidade econômica e as transformações na paisagem e no espaço rural pela ação de trades agrícolas e cooperativas. Paraná. sergiofajardo@hotmail.com. 2007.

FAMUP (FEDERAÇÃO DE ASSOCIAÇÕES DE MUNICÍPIOS DA PARAÍBA). João Pessoa. Paraíba. www.famup.com.br. 2011.

FARIAS SEABRA, Giovanni. As rotas culturais do turismo sertanejo. João Pessoa, Paraíba, CCEN. Artigo. 2006.

FONTES, Ângela; Maria, VELLOSO; & DIOGO Pedro Nogueira. A estratégia de desenvolvimento local proposta pelo Programa Comunidade Ativa: potencialidades e entraves do DLIS. Rio de Janeiro. Relatório, Versão Final. 2002.               

FRANÇA-FILHO, G.C. Terceiro setor, economia social, economia solidária e economia popular: traçando fronteiras conceituais. Bahia - análise e dados, Salvador: SEI, v.12, n.1, 2002.

FRANCO, Augusto de. Capital social, sustentabilidade e comunalidade. Brasília, Instituto de Política / Millennium, 2001.

GARCIA JR. René. O capital social como fonte de desenvolvimento local sustentável. Revista Brasil Sempre.

GESPAR (SISTEMA DE GESTÃO PARTICIPATIVA) no Projeto do Banco do Nordeste/PNUD. Fortaleza. 2000.

GLAGOVSKY, Hugo Esteban. Que es FODA! Argentina. Internet. 2006.

HELVIA, Antonio Elizalde. Planificación estratégica territorial y politicas públicas para el desarrollo local. Serie Gestión Pública, nº 29. Santiago, Chile, Serie Gestión Pública nº 32. Instituto Latinoamericano y del Caribe de Planificación Económica y Social, (ILPES), CEPAL, 2003.

HUBERMAN, Léo. História da riqueza do homem. Rio de Janeiro. ZAHAR Editores. 1978.

HURTADO, Adolfo, GURANZIROLI, Carlos E., BASIN, Frederick, LOQUÊRCIO, Paulo, OBANDO, Sérgio e CARDIM, Silva E. Plano regional de desenvolvimento local sustentável. Contribuição ao Debate do CNBB sobre Estratégias de Desenvolvimento Rural Sustentável. INCRA, INCRA/FAO, Brasília, abril, 2002.

INSTITUTO POLITECNICO NACIONAL. Metodologia para el Análisis FODA. Dirección de Planeación y Organización. Internet. 2002.

IBGE (INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. www.ibge.gov.br. Rio de Janeiro. 2009.

JORNAL DO TURISMO. São Paulo. www.jornaldoturismo.com/. Internet. 20/08/2007.

JUNIOR, Rufus B. Hughes. Demonstration effect. Internet. 2007.

KINDLEBERGER, Charles Poor. Desenvolvimento econômico. São Paulo, McGraw-Hill, p. 116. 1976.

KRAEMER, Maria Elisabeth Pereira. Gestão ambiental: um enfoque no desenvolvimento local sustentável. Universidade do Vale do Itajaí. Beth.kraemer@terra.com.br, 2004.

LIU, Po-Ting e SUN, Guang Zhen. The international demonstration effect and the domestic devision of labor: a simple model. Austrália. Pacific Economic Review, 2005.

LIRA, Iván Silva. Metodología para la elaboración de estratégias de desarrollo local. Chile, CEPAL, Instituto Latinoamericano y del Caribe de Planificación Económica y Social, ILPES, Serie Gestión Pública nº 42, 2003.

Llorens, Francisco Albuquerque. Desenvolvimento econômico local: caminhos e desafios para a construção de uma nova agenda política. Tradução de Antonio Rubens Pompeu Braga. Rio de Janeiro, BNDES. 2001.

LOPEZ, Alfredo. Teoria de sistemas. Argentina, pachy@bbs.frc.utn.edu.ar. 2001.

LÓPEZ-PUEYO, Carmen, SANAU, Jaime e BARCENILLA, Sara. Externalidade tecnológicas internacionales y productividade de la manufactura: una análisis sectorial. España, Internet, jsanau@unizar.es. 2005.

LUSTOSA, Maria Cecília. O custo de uso e os recursos naturais. XXVI Encontro Nacional de Economia – Vitória.  1998.

MARIANI, Milton Pasquoto; DIAS, Sibele Amolaro; SILVA, Fabricia Gladys. Turismo e desenvolvimento local da comunidade de ponta de pedras/pa: a busca pela sustentabilidade. UFMS, Campo Grande - MS – Brasil. Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural (SOBER). (miltmari@terra.com.br). 2008.

M. Isaias Covarrubias. Enfoque sistêmico e individualismo metodológico: una aproximación. Venezuela. icovarr@ucla.edu.ve. 2002.

M. BARBOSA, Luiz Gustavo. Os impactos econômicos do turismo e sua implicação nas políticas públicas: o caso do município de Macaé-RJ, Brasil. VII Congreso Internacional del CLAD sobre la Reforma del Estado y de la Administración Publica, Lisboa, Portugal, 2002.

MACHADO, Inocencio Raúl Sánchez e MARTÍNEZ, Zulma María Ledesma. Acercamiento a la medición de las externalidades en el enfoque económico social de evaluación de inversiones. Internet, mailto:raulsm@fce.uclv.edu.cu. 2003.

MADOERY, Oscar. El valor de la política de desarrollo local. Revista Eletrônica. 2008.

MALAGODI, Edgard, DUQUÉ, Ghislaine & TONNEAU, Jean-Philippe. Novos atores do desenvolvimento rural no semi-árido brasileiro: uma visão crítica do período 1997-2002. CD-Ron, 2003.

MTP (MAPAS TURISTICOS DA PARAÍBA). João Pessoa. Paraíba. 2006.

MARIM, Walter Chaves. Turismo e renda. Internet, 2002.

MARIZ, Celso Marques. Evolução econômica da Paraíba. Paraíba. Editora União. 1939.

MARSHALL, Alfred. Princípios de economia. São Paulo, VICTOR CIVITA, 1983.

MARX, Karl. O capital. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1975.

MATOS, Katty Maria da Costa e MATOS, Arthur. Valoração econômica do meio ambiente: uma abordagem teórica e prática. São Paulo, FAPESP, RiMa Editora, 2004.

MATOS MARTINS. Externalidades e custos externos. Alguns conceitos quanto à sua Avaliação e internacionalização no setor dos transportes. Lisboa (Portugal). Paulo.martins@dec.isel.ipl.pt. 2005.

MELLO, Luís Antonio Mello. Análise reflexiva acerca da relação entre Turismo e desenvolvimento local: bases conceituais. Mestrando em Geografia pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Revista Espaço Econômico – N° 72, Ano VI, Maio 2007.

MENEZES, Juliana Santos. O turismo cultural como fator de desenvolvimento na cidade de Ilhéus. Revista Eletrônica. 2008.

MIRANDA, Francisca e MONZÓ, Evelyn. Capital social, estrategias individuales y colectivas: el impacto de programas públicos en tres comunidades campesinas de Chiles. Santiago, División de Desarrollo Social. CEPAL/ECLAC. 2003.

NAVALPOTRO, Justo Sotelo. Consideraciones sobre las externalidades negativas de la economía de mercado en el contexto de la integración ambiental. Observatorio Medioambiente, ISSN: 1132-1660, 2001.

NICOLAU, Isabel. O conceito de estratégias. Lisboa, Pt. Instituto para o Desenvolvimento da Gestão Empresarial. 2001.

OLIVEIRA, Cristiano Aguiar de. Externalidades espaciais e o crescimento econômico das cidades do estado do Ceará. FEAC-CPEAC, RS, Internet: cristiano.oliveira@upf.br. 2006.

OLMOS, Mª Elvira; SÁNCHEZ, Ricardo e VENEGAS, Marcos Aurélio. Los consensos de expertos: uma metodologia útil em la toma de decisiones en salud. Colômbia. molmos@incancerologia.gov.co. 2006.

OMT (ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO TURISMO). Madrid. 2001.

PAIXÃO, Luiz André Ribeiro Paixão. A publicidade e a formação da sociedade em Minas: Notas sobre a Economia do Consumo. Internet. 2003.

PASE, Hemerson Luiz. Capital social e empoderamento. Anais do II Seminário Nacional Movimentos  Sociais, Participação e Democracia, 2007, UFSC, Florianópolis, Brasil Núcleo de Pesquisa em Movimentos Sociais – NPMS ISSN 1982-4602.

PASSOS, Luciana Andrade dos. Paisagem natural, patrimônio cultural e turismo nos Cariris paraibanos. João Pessoa (Paraíba), Dissertação de Mestrado, PRODEMA, 2002.

PAGE, Nanette e CZUBA, Cheryl E. Empowerment. What is it? Connecticut, EUA. 2003.

PAZ, Amanda. Turismo, um fator de desenvolvimento sustentável. Revista @ tur, 2005.

PIGOU, Arthur Cicil. The economics of welfare. 4 ed., London, Macmillan, 1932.

PEREIRA, Daniel Duarte. Cariris paraibanos: do sesmarialismo aos assentamentos de reforma agrária, raízes da desertificação. DEAG-UFCG, Paraíba. 2008.

PIRES, Ewerthon Veloso e ALCANTARINO, Marcos Delgado. A participação das comunidades autóctones no turismo e o capital social no processo de desenvolvimento local: um exame do programa turismo solidário – MG. Internet. 2007.

PNT (PLANO NACIONAL DE TURISMO)– Uma viagem de inclusão. (PAC). 2007-2010. Infra-estrutura logística; infra-estrutura energética; e, Infra-estrutura social e urbana.

PNUD/IPEA (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento/Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada). Brasil. 2003.

PORTER, M. Estratégias competitivas: Técnicas para a Análise de Indústrias e da Concorrência. Editora Campus, Rio de Janeiro. 1986.

PORTER, M. A vantagem competitiva das Nações. Editora Campus, Rio de Janeiro. 1990.

PORTUGUEZ, Anderson Pereira. Agroturismo e desenvolvimento regional. São Paulo: HUCITEC. 1999.

PRODEMA, Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente. 2000.

PUTNAM, Robert D. The prosperous community: social capital and public Life In: The American Prospect. n.º 13, mar. 1993. In. SOUZA FILHO, Jorge Renato (jrsouza@adm.ufrgs.br). Desenvolvimento Regional Endógeno, Capital Social e Cooperação.
PUTNAM, Robert. Making democracy work. Civic traditions in modern Italy, Princeton NJ: Princeton University Press. 1993.
RICHARDS, Michael. Internalizando as externalidades da silvicultura tropical: uma revisão dos mecanismos inovadores de financiamento e incentivo. Londres, Overseas Development Institute. Comissão Européia. Bruxelas. ISBN: 085003471X. 1999.

ROCASOLANO, Pablo Miró. La economia de la información en un contexto Neoinstitucional. Madrid. pablomirorocasolano@hotmail.com. 2004.

RODRIGUES, Cláudia Heloisa Ribeiro e SANTOS, Fernando César Almada. Empowerment: ciclo de implementação, dimensão e tipologia. São Carlos, Revista Gestão & Produção vol. 8, nº 3, Internet. 2005.

ROMANO, Empoderamento: enfrentemos primeiro a questão do poder para combater juntos a pobreza. Rio de Janeiro. ACTIONAIDS. Documento de apoio apresentado no International Workshop.  2002.

ROMERO. Constanza Gómez. Definición, delimitación y caracterización de las entidades sin ánimo de lucro de carácter asociativo y solidario, como contribución a la formación de políticas públicas en colombia. Tese de Maestría. Pontificia Universidad Javeriana. Bogotá. 2006.

ROSTOW, W. W. Etapas do desenvolvimento econômico. Rio de Janeiro, ZAHAR, 1952.

RUSCHMANN, Doris van de M. O turismo rural e o desenvolvimento local sustentável. In. Almeida, J. A.; Riedl, M.; Froehlich, J. M. (orgs). Turismo Rural e Desenvolvimento local sustentável. Campinas. São Paulo. Papirus, 2001.

SACHS, Ignacy. Em busca de novas estratégias de desenvolvimento. São Paulo, Estudos Avançados, Vol. 9 n° 25, 1995.

SAMUELSON, Paul Antony. Introdução à análise econômica. Rio de Janeiro, Livraria  AGIR Editora, 1978,

SEBRAE (Serviço Brasileiro de Apoio a Micro e Pequenas Empresas), Campina Grande, Paraíba. 2008.

SICSÚ, João e CROCCO, Marco. Em busca de uma teoria da localização das agências bancárias: algumas evidências do caso brasileiro. Niterói, RJ. Vol. 4, Nº 1, p. 85-112, jan/jun. 2003.

SILVA, Edson. Proposta metodológica para análise de tecnologias e externalidades de cadeias produtivas do agronegócio. Santa Catarina, Internet, 2004.

SILVA, Marconi Mendonça da. Artigos jurídicos. www.advogado.edv.br/dr/marconi. Internet. 2005.

SILVA, Maria Tereza da e ARNS, Paulo César. Desenvolvimento comunitário: alguns sonhos e reflexões num pensamento imperfeito. Projeto BNDES-PNUD. 2001.

SILVA, Severino da. Historia do cariri. http://www.amigosdobem.org/texto/index.php?id_texto=8&id_cat_texto=1. 2003.

SOUSA, Jorge de. Estatística econômica e social. Rio de Janeiro. Campus. 1977.

SOUSA, Rita Mafalda Dionísio de. Externalidades. Internet. 2000.

THIOLLENT, M. Metodologia de pesquisa ação. São Paulo, 14ª edição, Cortez Editora. 2005.

TONNEAU, Jean Philippe. Desenvolvimento rural sustentável: novos paradigmas ou velhas questões. Internet. tonneau@cirad.fr.

TORRECILLA, Eduardo Rojo. Desarrollo social y económico para luchar contra la exclusión. 2002.

TOVAR, Antonio Carlos de Andrade e FERREIRA, Gian Carlos Moreira. A infra-estrutura portuária brasileira: O Modelo Atual e Perspectivas para seu Desenvolvimento local sustentável. Rio de Janeiro, Revista BNDES. V. 19. Nº 25. 2006.

TRABALHO 1. Revisión de metodologías utilizadas para la estimación de las externalidades. Naciones Unidas, Comisión Económica para América Latina y el Caribe. LC/MEX/L556, 12 de Junio de 2003.

TUMBAY, Alejandro Maldonado. Zonificación y priorización del potencial de recursos naturales de la comunidad campesina de Pomabamba. Lima, Peru, Universidad Nacional Mayor de San Marcus, Tesis para Profesional de Geografo, 2002.

TURÉGANO, Manuel Ángel Santana. Formas de desarrollo turístico, redes y situación de empleo: el caso de maspalomas. Tesis Doctoral, Departament de Sociologia, Universitat Autònoma de Barcelona, España, Bellaterra, 2003.

VEIGA, José Eli da. Brasil rural precisa de uma estratégia de desenvolvimento. Brasília, FIPE-IICA, 2001.

VILLOTA, Francisco Villota. Concepto de desarrollo e indicadores de la calidad de la vida. Revista de Economía Política. Núm. 87. Enero-Abril. 1981.

VISCARRA, Reinaldo Maia e MONTANA, Mônica Martinez. Desenvolvimento local sustentável e meio ambiente na América Latina. Internet. http://metaong.info/node.php?id=718. 2005.

ZAOUAL, Hassan. El mosaico de culturas encara a un mundo uniforme. POLIS – Revista Académica. Universidade Bolivariana. Vol. 1. Nº 2. 2001.

WIKIPÉDIA, Enciclopédia Livre. Internet, www.wikipédia.org. 2007.

WORLD Tourism Organization – WTO. www.unwto.org. 2.008.

Volver al índice

Enciclopedia Virtual
Tienda
Libros Recomendados


1647 - Investigaciones socioambientales, educativas y humanísticas para el medio rural
Por: Miguel Ángel Sámano Rentería y Ramón Rivera Espinosa. (Coordinadores)

Este libro es producto del trabajo desarrollado por un grupo interdisciplinario de investigadores integrantes del Instituto de Investigaciones Socioambientales, Educativas y Humanísticas para el Medio Rural (IISEHMER).
Libro gratis
Congresos

9 al 23 de octubre
VI Congreso Virtual Internacional sobre

Arte y Sociedad: Paradigmas digitales

16 al 30 de octubre
II Congreso Virtual Internacional sobre

Migración y Desarrollo

1 al 15 de noviembre
II Congreso Virtual Internacional sobre

Desigualdad Social, Económica y Educativa en el Siglo XXI

4 al 15 de diciembre
V Congreso Virtual Internacional sobre

Transformación e innovación en las organizaciones

11 al 22 de diciembre
I Congreso Virtual Internacional sobre

Economía Social y Desarrollo Local Sostenible

Enlaces Rápidos

Fundación Inca Garcilaso
Enciclopedia y Biblioteca virtual sobre economía
Universidad de Málaga