TURISMO E DESENVOLVIMENTO ESTUDOS DE CASO NO CENTRO DE PORTUGAL

Paulo Carvalho

4. Conclusão

As principais tendências evolutivas do turismo e dos turistas permitem sublinhar o crescimento relativo de modalidades que configuram novas escolhas geográficas como, por exemplo, as que valorizam o campo, os planos de água e as áreas de montanha, e ainda mudanças significativas de comportamento/atitude designadamente interesses mais diversificados e segmentados, maior participação e envolvimento com os territórios visitados, maior esclarecimento, informação e exigência.
Os territórios rurais localizados em ambientes de montanha oferecem uma base de recursos diversificados e de extrema importância para o desenvolvimento de actividades turísticas, que lhes conferem um lugar de destaque no panorama dos destinos turísticos actuais. As dinâmicas recentes reflectem a importância dos recursos mais valorizados, designadamente o património natural e cultural, e de um conjunto de orientações e quadros normativos que, apesar de desarticulados, fragmentados e ainda afastados de uma visão e gestão adequadas, procuram induzir iniciativas e resultados positivos para o desenvolvimento dos territórios e das populações.
Nesta atmosfera de mudança, os novos produtos destinados a captar segmentos específicos da procura turística (vinculados a uma maior exigência em matéria de planeamento e sustentabilidade da actividade turística), são incontornáveis como oportunidade para requalificar e revitalizar espaços de relevante interesse patrimonial, sobretudo através de uma lógica de articulação de políticas e iniciativas, cooperação, parceria e redes territoriais.
No caso de Miranda do Corvo, a última década representa uma nova e decisiva etapa para o turismo. Depois dos primeiros planos e projectos (elaborados nos anos 80) e de algumas acções no final do século XX, foram lançadas e concretizadas nos últimos anos algumas iniciativas estruturantes, de que é expressão mais visível a requalificação da aldeia serrana do Gondramaz (no âmbito das Aldeias do Xisto) e a construção de um conjunto significativo de equipamentos (para o lazer, turismo e cultura) na Quinta da Paiva (através da Fundação ADFP e da Câmara Municipal).
As iniciativas em curso, envolvendo diversos actores e programas, no contexto do actual período de execução das políticas públicas, podem contribuir para qualificar e diversificar a oferta turística de Miranda do Corvo, nomeadamente as áreas do alojamento e da animação, e ainda constituir uma oportunidade para requalificar paisagens e territórios.
Apesar do potencial e de algumas iniciativas turísticas pontuais, ainda não existe um plano integrado que congregue todas as actividades desenvolvidas, organize as diferentes vertentes da oferta e as planeie no tempo e no espaço, assuma uma área de especialização turística para o concelho de Miranda do Corvo, e faça da escala regional a matriz de referência para a organização e gestão da actividade turística.
O planeamento, o marketing, a articulação da oferta, a construção de redes (sub-regionais e regionais) e a génese e/ou consolidação de actores institucionais (de escala supra-municipal) da actividade turística são condições fundamentais para afirmar o turismo como oportunidade de desenvolvimento para Miranda do Corvo.

Bibliografia

Adelino, L. (2010). Planeamento Turístico em Miranda do Corvo. Contributo de uma Análise Geográfica, Tese de Mestrado em Geografia Humana (Ordenamento do Território e Desenvolvimento), Universidade de Coimbra, Coimbra.
Adelino, L. e Carvalho, P. (2011). “Turismo e perspectivas de desenvolvimento em espaços de montanha. O exemplo de Miranda do Corvo (Pinhal Interior Norte/Centro de Portugal)”, Actas Oficiales del 5º Congreso Internacional Virtual sobre Turismo y Desarrollo, Málaga, Grupo de Investigação EUMED (Universidade de Málaga), 20 pp.
Borges, M.R. e LIMA, S. (2006). “O Turismo de Montanha: Abordagem Conceptual e Enquadramento do Produto”, Revista Turismo e Desenvolvimento, nº 6, pp. 157-165.
Câmara Municipal de Miranda do Corvo (1987). Plano de Turismo do Concelho, Miranda do Corvo, Câmara Municipal de Miranda do Corvo.
Caeiro, J. (2009). Políticas territorializadas de Desenvolvimento em Contexto de Montanha. O exemplo da Acção Integrada de Base Territorial da Serra da Estrela, Tese de Mestrado em Geografia e Ordenamento do Território, Universidade de Coimbra, Coimbra.
Carvalho, P. (2005). Património Cultural e Trajectórias de Desenvolvimento em Áreas de Montanha. O exemplo da Serra da Lousã, Tese de Doutoramento em Geografia, Universidade de Coimbra, Coimbra.
Carvalho, P. (2008). “Questionando as Trajectórias e as Perspectivas de Desenvolvimento das Áreas de Montanha em Portugal – entre Marginalização e Integração Territorial”, In Valença, M. (org.). Globalização e Marginalidade. Desenvolvimento, na Teoria e na Prática, Natal, Editora da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, pp. 935-946.
Carvalho, P. (2009). “Planeamento, Redes Territoriais e Novos Produtos Turísticos Eco-culturais”, Proceedings 1st Cape Verde Congress of Regional Development, Cidade da Praia, 19 pp.
Cavaco, C. (2005). “Especificidade da Montanha exige maior Comprometimento”. Pessoas e Lugares, II série, nº 28, p. 2,.
Cavaco, C. M. (2007). “Práticas e Lugares de Turismo, Desenvolvimento e Território”, In Fonseca, M.L. (org.). Espaços Rurais Pós-agrícolas e Novos Lugares de Turismo e Lazer, Lisboa, Centro de Estudos Geográficos, pp. 299-362.
Correia, J. (2009). Turismo, Património e Desenvolvimento em Ambientes de Montanha: o caso do Piódão, Tese de Mestrado em Geografia e Ordenamento do Território, Universidade de Coimbra, Coimbra, (2009).
Cristóvão, A. (2007). “Áreas de montanha: tão críticas, tão sensíveis, tão subestimadas”, Comunicação apresentada no Seminário EQUAL Mountain Opportunities, Wojtowice (Poland).
Fernandes, G. (2010). “Perspectivas de Gestão e Políticas de Valorização do Território na Cordilheira Central”, Actas do IV Congresso de Estudos Rurais, Aveiro.
Instituto Nacional de Estatística (2010). Anuário Estatístico da Região Centro 2009, Lisboa, Instituto Nacional de Estatística.
Moreno, L. (1999). A Serra do Açor e o Piódão: Refúgios de uma Ruralidade Recriada, Desenvolvimento Rural. Desafio e Utopia, Lisboa, Centro de Estudos Geográficos, pp. 395-413.
Paul, J. (2006). Potencialidades Turísticas da Serra da Lousã. Revista Turismo e Desenvolvimento, nº 6, pp. 103-108.
Price, M. (2007). Mountain Area Research and Management. Integrated Approaches, London, Earthscan.

Volver al índice

Enciclopedia Virtual
Tienda
Libros Recomendados


1647 - Investigaciones socioambientales, educativas y humanísticas para el medio rural
Por: Miguel Ángel Sámano Rentería y Ramón Rivera Espinosa. (Coordinadores)

Este libro es producto del trabajo desarrollado por un grupo interdisciplinario de investigadores integrantes del Instituto de Investigaciones Socioambientales, Educativas y Humanísticas para el Medio Rural (IISEHMER).
Libro gratis
Congresos

4 al 15 de diciembre
V Congreso Virtual Internacional sobre

Transformación e innovación en las organizaciones

11 al 22 de diciembre
I Congreso Virtual Internacional sobre

Economía Social y Desarrollo Local Sostenible

Enlaces Rápidos

Fundación Inca Garcilaso
Enciclopedia y Biblioteca virtual sobre economía
Universidad de Málaga