SOCIALISMO: Um Projecto de Sociedade

Miguel Judas

Organização da luta na esfera cultural

No Socialismo, em última instância, só existem duas finalidades, tendo como referência a Felicidade Humana: - A reprodução simples da sociedade, consistindo na conservação das suas condições biológicas, culturais e materiais, e - A reprodução ampliada, consistindo na incrementação quantitativa (até certo ponto) e na elevação qualitativa dessas mesmas componentes biológicas, culturais e materiais. Considerando que as condições "materiais" não têm qualquer finalidade em si (produção de lucro, exibição de "prestígio" ou "poder", etc.), constituindo uma mera plataforma de apoio para a realização da Felicidade Humana (alimentação, abrigo e conforto, mobilidade, expressão e comunicação, etc.), verifica-se que todas as actividades e esforços desenvolvidos pelos cidadãos fora dessa área da produção material e dos serviços, se aplicam na sua reprodução física e cultural, simples e ampliada. Se se entender a "cultura física", nas suas dimensões pessoais, sociais e estéticas, como uma parte da Cultura, que o é, então poder-se-á considerar que todas as actividades humanas se dirigem para: - a produção material e dos serviços (a "economia"); - a produção cultural. Tal como o processo da produção material e dos serviços, o processo cultural não é um processo meramente espontâneo. Pelo contrário, ele estrutura-se, estimula-se e orienta-se, tanto num sentido, de reforçar os factores da cultura capitalista e de submissão, como no sentido da cultura socialista, libertária. Porém, ao contrário dos processos "económicos", os quais têm de ser regidos segundo "as leis da matemática" e a maior sincronização e disciplina, os processos culturais são predominantemente espontâneos e não obedecem a qualquer espécie de "lei" determinística, resultando, ao invés, de duas indeterminantes: o livre arbítrio e a criatividade. Porém, o ponto de partida para o Socialismo, profundamente marcado pela hegemonia burguesa no domínio Cultural, pelo controlo capitalista dos principais instrumentos culturais e pela crescente "mercadorização" e "profissionalização" das actividades artísticas e pela apropriação privada do Conhecimento e da "comunicação social", determina que também a esfera cultural seja palco de uma intensa luta entre as duas orientações. Nesta frente de combate também a Revolução deverá ter Objectivos claros, estabelecer uma Estratégia, Tácticas e sistemas operacionais eficientes. Quanto aos objectivos podemos referir, sucintamente, que consistem na impregnação da sociedade, da grande maioria dos seus membros, com os Valores Democráticos e Socialistas e suscitar o seu pleno exercício prático, na quotidianidade cidadã, desde o nível mais íntimo da vida pessoal até aos níveis da gestão global da sociedade. Normalmente, de uma forma muito redutora, considera-se o sistema de ensino, a comunicação social, a esfera religiosa e o universo da produção artística como os quatro instrumentos principais da luta cultural, como os instrumentos com maior capacidade de condicionamento cultural. São importantes, de facto. Tão importantes que a burguesia luta tenazmente para manter sobre eles o seu controlo. Por isso a Revolução não poderá deixar de, sobre cada um deles, desenvolver uma acção precisa e contundente, no quadro da aplicação do Democracia Integral. Na frente da luta cultural a Revolução deverá ser fortemente concorrencial. O carácter pluralista da Revolução não aponta para silenciar os adversários. A sua direcção principal é dar a voz aos antes invisibilizados e silenciados, de modo a que estes se constituam como a linha da frente no combate cultural contra a burguesia e, simultaneamente, actores directos da construção revolucionária. Mas, a actividade cultural não tem aí, nessas instituições "industrialistas" e de serviço ideológico (as fábricas de ideologia), as suas únicas sedes. Pelo contrário, a Cultura, sendo muito mais vasta, está e desenvolve-se em todo o lado, nos lares, nas organizações comunitárias, nas instituições colectivas, nas empresas, na quotidianidade da sociedade.

A nova Cultura Socialista, as mães e a Família A primeira prioridade da Revolução na frente cultural deverá ser a de interromper o processo de reprodução da "cultura capitalista", eivada dos elementos ideológicos burgueses, entre as gerações mais velhas e as mais novas. Nesse sentido, uma importância especial deverá ser dada à promoção cultural socialista das mulheres e das crianças e jovens. Existem duas condições elementares para que a nova cultura socialista se possa afirmar no seio familiar: - a primeira respeita às condições do habitat, a habitação propriamente dita e a sua envolvência urbanística: sem uma habitação digna as relações familiares tendem a deteriorar-se; - a segunda respeita à superação do carácter "privado" das relações familiares, atrás da qual se escondem relações de dominação e opressão incompatíveis com o carácter livre de todas as relações sociais socialistas. Em consequência, toda a comunidade, desde os nós mais elementares de relações sociais, deverá ter o direito e o dever de intervenção perante a persistência de relações sociais corrompidas no seio de qualquer agregado familiar. Desde tenra idade as crianças devem viver num ambiente familiar harmonioso, cooperativo, respeitoso e responsável, sem altercações e, muito menos, violência verbal e física. Devem igualmente ser educados no sentido do trabalho e do cumprimento responsável das suas tarefas domésticas e educativas, consoante os seus graus de maturação, com vista a tornarem-se no futuro indivíduos "não dependentes", autónomos. No final da adolescência todos os jovens deverão estar aptos a gerir um pequeno orçamento e a desenvolver autonomamente todo o tipo de actividades domésticas, incluindo as operações básicas relativas à manutenção e reparação doméstica. Numa sociedade orientada para o Socialismo, é tão importante dotar todos os indivíduos com habilitações laborais como dotá-los de habilitações para as funções da paternidade e da maternidade, incluindo a pedagogia infantil. Esta não deve estar a cargo somente das creches e dos "jardins infantis" comunitários onde as crianças participam de processos de socialização mais vastos que o ambiente familiar. Por isso, cada lar ou comunidade familiar, para além de um "centro afectivo" e uma unidade de "produção social", também se deve constituir como um "centro de formação cívica, cultural e ambiental" para todos os seus membros, com as correspondentes actividades. Nas condições concretas hoje existentes na maioria dos países, é sobre as mães que recai a maior responsabilidade pela formação social e cultural das crianças, na continuidade de uma divisão do trabalho familiar com raízes ancestrais. Apesar de este facto tender a extinguir-se na marcha para o Socialismo, devendo todos os membros dos agregados familiares assumir co-responsabilidades formativas, durante um longo período a sociedade no seu conjunto deverá dar uma atenção especial à libertação económica, social e cultural das mulheres em geral e, por seu intermédio, impulsionar a incorporação da nova cultura socialista nas novas gerações.

A nova Escola Socialista Os estabelecimentos de formação e os respectivos currículos deverão reflectir o novo conceito de formação integral socialista e não o velho conceito das "fábricas" de ensino, que tendem a reproduzir e formar jovens para o assalariamento, desprovidos de espírito de iniciativa e de responsabilidade (pessoal e social), aptos para reabsorverem a cultura de dominação e de submissão. A transição não será fácil pois, imediatamente, haverá que democratizar, de forma extensiva e intensiva, o Conhecimento. No entanto, reafirma-se, todas as energias disponíveis deveriam ser canalizadas para uma profunda reforma "reintegradora" dos sistemas educativos e de formação da juventude. Os vários domínios da Cultura deverão estar presentes em todo o processo formativo das crianças e jovens, em conformidade com os respectivos estados de desenvolvimento, alargando sucessivamente os horizontes ambientais-naturais, comunitários e sociais e de complexidade técnico-científica dos processos tratados, unindo sempre a aquisição teórica com a prática. As Escolas socialistas deverão organizar-se e funcionar segundo um modelo que reproduza o melhor possível o funcionamento real da sociedade. Nesse sentido, elas constituir-se-ão como Comunidades Juvenis Apoiadas, dotadas de um território próprio sobre o qual se deverão constituir as correspondentes comunidades juvenis socio-territoriais, comunidades juvenis socio-produtivas e comunidades juvenis por motivos de interesse, com as responsabilidades respectivas. Essas comunidades juvenis serão apoiadas por um vasto conjunto de Tutores qualificados (os actuais "professores") e com as Tutorias institucionais das diversas comunidades existentes na zona de implantação, aos quais competirá apoiar e orientar as comunidades juvenis no sentido da sua auto-sustentação e auto-gestão de acordo com os mais exigentes critérios de qualidade e de eficiência. As diversas comunidades integradas nas Comunidades Juvenis Apoiadas poderão organizar-se em "Clubes" por área do conhecimento e acção (as actuais "disciplinas" escolares) dotados dos respectivos equipamentos, oficinas e "laboratórios", devendo todas as crianças e jovens participar nas respectivas actividades, de acordo com os seus estados de desenvolvimento e de maturação. Todo o "ensino" deverá ser orientado para a elaboração de "projectos" e a respectiva concretização. As Comunidades Juvenis Apoiadas deverão funcionar tendo como referências os princípios de abertura e pluralismo, auto-sustentabilidade, integralidade e subsidiariedade próprios das comunidades socialistas. Todas as actividades relativas à vida corrente das Comunidades Juvenis, designadamente as relativas à conservação e manutenção de espaços, instalações e equipamentos, à gestão administrativa e financeira e, parcialmente, à produção material (designadamente alimentar) e de serviços, deverão ser realizadas pelas próprias crianças e jovens, em função das respectivas aptidões e grau de maturidade. Este processo de formação geral deverá comportar, em momentos adequados, uma componente de defesa e protecção civil, ministrada sob o enquadramento e orientação das forças armadas e de protecção civil no sentido de educar a juventude no espírito patriótico socialista, da tenacidade e perseverança, da gestão dos riscos, da disciplina e da solidariedade, da aventura e da superação de si próprios. Durante o processo formativo, as crianças e jovens deverão desenvolver as qualidades pessoais e conhecer, experimentar e exercer o mais vasto conjunto de actividades sociais, nos âmbitos desportivo, artístico, técnico-científico, cívico, ambiental-natural, e produtivo, de modo a, chegada a fase adulta, poderem definir livremente uma estratégia de vida pessoal que lhes permita a sua plena realização individual e social no quadro da sociedade socialista. No início da sua vida adulta, os jovens deverão ser possuidores de uma sólida cultura física, cívica e intelectual e encontrarem-se aptos para participar de forma autónoma, responsável e criativa na vida da sociedade. A formação superior, técnico-científica, humanística e cívica deverá ser prosseguida no quadro de Comunidades Universitárias e de Investigação, abertas a todos os cidadãos adultos, auto-sustentáveis e auto-geridas em estreita articulação com os órgãos do Poder Popular aos diversos níveis, com as entidades gestoras de ramos e cadeias produtivas, com as entidades de gestão ambiental de alto nível e, eventualmente, com as forças armadas e de protecção civil. As Comunidades Universitárias e de Investigação constituem complexos de "ciência-produção" a quem competirá, em todos os domínios da vida da sociedade, questionar permanentemente as tecnologias, processos e modelos de gestão utilizados ou praticados e desenvolver novas soluções criativas para a elevação da produtividade do trabalho social e da eficiência social, económica e ambiental-natural. Estas Comunidades deverão administrar todo o sistema de investigação científica e tecnológica e de disponibilização livre do Conhecimento a toda a sociedade, articulando-se com as correspondentes actividades de variadíssimas comunidades por Motivos de Interesse e Comunidades Socio-Produtivas num Sistema Nacional do Conhecimento e Inovação. A par das suas actividades formativas, deverão assentar a sua actividade na elaboração e desenvolvimento de projectos de estudo e investigação, no respectivo desenvolvimento e aplicação prática e na prestação de serviços de consultoria e assessoria a todo o tipo de instituições sociais. Todas estas actividades têm carácter socio-produtivo.

Volver al índice.

Enciclopedia Virtual
Tienda
Libros Recomendados


1647 - Investigaciones socioambientales, educativas y humanísticas para el medio rural
Por: Miguel Ángel Sámano Rentería y Ramón Rivera Espinosa. (Coordinadores)

Este libro es producto del trabajo desarrollado por un grupo interdisciplinario de investigadores integrantes del Instituto de Investigaciones Socioambientales, Educativas y Humanísticas para el Medio Rural (IISEHMER).
Libro gratis
Congresos

17 al 31 de enero
I Congreso Virtual Internacional sobre

Economía Social y Desarrollo Local Sostenible

15 al 28 de febrero
III Congreso Virtual Internacional sobre

Desafíos de las empresas del siglo XXI

15 al 29 de marzo
III Congreso Virtual Internacional sobre

La Educación en el siglo XXI

Enlaces Rápidos

Fundación Inca Garcilaso
Enciclopedia y Biblioteca virtual sobre economía
Universidad de Málaga