SOCIALISMO: Um Projecto de Sociedade

Miguel Judas

CONCLUSÃO Socialismo: a unificação do pensamento humanista e a única e urgente alternativa

Pelo que acima foi exposto, o Socialismo constitui a única alternativa para evitar o Colapso da actual civilização humana e a única possibilidade de permitir que a "colónia" humana sobre o planeta continue a expandir-se numericamente até aos limites suportáveis pelos equilíbrios e ciclos naturais, Os perigos que impendem sobre a Humanidade são graves e de resolução urgente, todos eles apontando, na persistência da hegemonia capitalista, para um colapso humanitário: - nos países pobres: pobreza extrema resultante tanto da dinâmica de desigualdade social do capitalismo como da devastação ecológica que esse modelo predador provoca, conflitos sociais, fomes, doenças, mortes massivas, refugiados, Estados falidos e guerras, nos respectivos territórios e expandindo-se; - nos países periféricos do capitalismo: escassez energética generalizada, altas de preços de produtos combustíveis e alimentares, decadência dos sistemas de saúde, educação e previdência social, conflitos sociais agudos, degradação e ruína urbana, conjunturas revolucionárias; - no âmbito global: desordem económica e financeira persistente, crises energética e alimentar, conflitos sociais agudos, rupturas institucionais e geo-estratégicas, corrida aos armamentos, crise democrática, guerra nuclear generalizada. O Socialismo oferece a oportunidade para a realização plena dos ideais humanistas das mais diversas correntes do pensamento que deles se reivindicam: - o pensamento liberal, assente na Liberdade e Soberania individual e que prossegue hoje a sua luta pelos direitos humanos; - os pensamentos social-democrático, socialista, comunista e anarquista, que radicam na luta das classes trabalhadoras pela sua emancipação social e económica; - todas as crenças religiosas que apelam à Felicidade e à Solidariedade humanas; - os sentimentos patrióticos e comunitários de diversos matizes que reivindicam a auto-determinação das sociedades e a descentralização de poderes; - os homens e mulheres da Cultura e do Conhecimento que consideram as Luzes do espírito como a fonte primária para a enformação social; - os pacifistas que renegam qualquer forma de violência; - os ecologistas que pugnam pelo respeito pela Natureza nas suas diversas manifestações; - os profissionais da técnica e da gestão que se dedicam à descoberta e implantação dos processos e modelos tendentes à optimização do esforço humano na produção; - os profissionais e voluntários das áreas da saúde e da acção social que se confrontam diariamente com os seres humanos desgastados física e espiritualmente e socialmente excluídos pela exploração e a dinâmica capitalistas; - e, ainda, todos os micro, pequenos e médios camponeses e empresários submetidos à dominação do capital financeiro e das trans e multinacionais, que queiram trilhar o caminho do desenvolvimento proposto pelo proletariado, no qual continuarão, por várias gerações, a desempenhar um papel activo como lideres produtivos.

O Socialismo não é uma Utopia. Todos os ingredientes para a sua realização já se encontram presentes na sociedade actual: - a convicção democrática dos povos e a crise da democracia representativa; - o firme desejo de Liberdade e de Soberania individual que continua bem vivo dentro de cada um, como última trincheira de resistência à exploração e à dominação e como mola impulsora do espírito crítico e de iniciativa; - um extraordinário potencial técnico-científico e de gestão de recursos a partir do qual será possível a satisfação das necessidades fundamentais de toda a Humanidade; - uma forte consciência comunitária que, apesar de tudo, persiste e se consolida como "via de saída" dos graves problemas sociais actuais; - uma Natureza bela e generosa, "disposta" a acolher harmoniosamente a Humanidade, a sua criação mais refinada, a sua própria auto-consciência; - uma poderosa e diversificada infraestrutura Cultural, o Conhecimento e a experiência que todos os povos acumularam no decurso das suas longas epopeias pelo mundo. Na luta pelo Socialismo, tal como aqui concebido e se procurou "ilustrar", há duas urgências principais: - Derrotar o belicismo, as ameaças e o uso da violência à escala internacional; - Imprimir, no seio de todas as sociedades, dinâmicas sociais participativas de auto-organização social que criem as condições para a superação dos modelos políticos autoritários e "representativos", no sentido da Democracia Radical. Vencidas hegemonicamente estas duas Causas à escala mundial, o processo de reorganização das sociedades no sentido do Socialismo poderá ser muito mais rápido e fácil do que hoje, perante as adversidades presentes, se poderá antecipar. Contudo, até se chegar lá, ainda a Humanidade no seu conjunto e muitos povos em particular, terão de passar por períodos de grande conflitualidade social e política, tanto maior quanto as consequências sociais e ambientais do Capitalismo decrépito se venham a agravar e quanto maior a resistência que os "acumuladores de capital" e os seus instrumentos de violência venham a oferecer à marcha da História. O Socialismo, tornar-se-á hegemónico à escala mundial e constituirá uma nova forma de organização da sociedade humana, baseada na Paz, na Cooperação, na Liberdade e na Harmonia com a Natureza. Os elementos culturais da civilização predadora, baseada na divisão da sociedade em classes, irão persistir durante várias gerações, mantendo acesa a luta no plano cultural. No Socialismo, todas as questões pendentes herdadas do capitalismo, de ordem social, económica e territorial-ambiental poderão ser tratadas com serenidade, sem colisões dramáticas, de forma democrática e adaptativa. A "política", entendida como uma arena de confronto entre interesses antagónicos, dissipar-se-á na dinâmica das interacções sociais, na constante auto-reorganização dos nós de articulação social, em função das necessidades, na Cultura Social. A "economia" perderá a sua importância como "eminência parda" da sociedade e transformar-se-á num dos domínios da actividade Cultural, a Cultura Produtiva. Os cidadãos dedicar-se-ão, cada vez mais, aos restantes domínios da Cultura, à ideologia como antecipação do futuro, aos valores, ao conhecimento e à renovação simbólica. O Socialismo será, por isso, essencialmente, uma Civilização Cultural. O Socialismo representará a forma de existência da Sociedade Humana Global. Assim o acreditamos e, por essa razão, tanto o defendemos e procuramos afirmar. Epílogo

Fizemos, os leitores e o autor, uma longa mas rápida viagem sobre um território a que se poderá chamar Socialismo. Foi tão rápida que nela se confundiram imagens relativas à tomada do Poder, à transição, à plena marcha e ao "socialismo desenvolvido". Com essa viagem, com algum sabor a aventura, procurou-se dar alguma resposta à questão colocada por Immanuel Wallerstein reproduzida no início deste texto, a qual é compartilhada por muitos milhões de cidadãos em todos os continentes. Poderemos não ter conseguido uma resposta tão satisfatória que leve esses muitos milhões e, para além deles, muitos outros, a desfazerem-se das suas dúvidas e indecisões e a abraçar resolutamente a luta pelo Socialismo. Mas mesmo que tenha sido só mais um, já terá valido a pena.

Elogio da Dialéctica (Bertold Brecht)

A injustiça avança hoje a passo firme. Os tiranos fazem planos para dez mil anos. O poder apregoa: as coisas continuarão a ser como são. Nenhuma voz além da dos que mandam. E em todos os mercados proclama a exploração: isto é apenas o meu começo.

Mas entre os oprimidos muitos há que agora dizem: Aquilo que nós queremos nunca mais o alcançaremos.

Quem ainda está vivo nunca diga: nunca. O que é seguro não é seguro. As coisas não continuarão a ser como são. Depois de falarem os dominantes Falarão os dominados. Quem pois ousa dizer: nunca? De quem depende que a opressão prossiga? De nós. De quem depende que ela acabe? Também de nós. O que é esmagado, que se levante! O que está perdido, lute! O que sabe ao que se chegou, que há aí que o retenha? Porque os vencidos de hoje são os vencedores de amanhã. E nunca será: ainda hoje.

CRÍTICAS, SUGESTÕES E OUTRAS OBSERVAÇÕES

Sendo o presente livro um documento em aberto, susceptível de posteriores melhoramentos, o autor criou um endereço de e-mail próprio para o efeito, agradecendo desde já todas as contribuições:

socialismo.umprojectosociedade@gmail.com

REPRODUÇÃO

O presente livro pode ser reproduzido livremente de todas as formas, digitais ou impressas, sem prévia autorização do seu autor, com duas condições:

1ª – Não ser alterado no todo ou em partes, salvo para superar erros ortográficos.

2ª – Que das edições impressas e comercializadas seja dado conhecimento ao autor através do endereço de e-mail acima indicado.

Volver al índice.

Enciclopedia Virtual
Tienda
Libros Recomendados


1647 - Investigaciones socioambientales, educativas y humanísticas para el medio rural
Por: Miguel Ángel Sámano Rentería y Ramón Rivera Espinosa. (Coordinadores)

Este libro es producto del trabajo desarrollado por un grupo interdisciplinario de investigadores integrantes del Instituto de Investigaciones Socioambientales, Educativas y Humanísticas para el Medio Rural (IISEHMER).
Libro gratis
Congresos

17 al 31 de enero
I Congreso Virtual Internacional sobre

Economía Social y Desarrollo Local Sostenible

15 al 28 de febrero
III Congreso Virtual Internacional sobre

Desafíos de las empresas del siglo XXI

15 al 29 de marzo
III Congreso Virtual Internacional sobre

La Educación en el siglo XXI

Enlaces Rápidos

Fundación Inca Garcilaso
Enciclopedia y Biblioteca virtual sobre economía
Universidad de Málaga