BIBLIOTECA VIRTUAL de Derecho, Economía y Ciencias Sociales

ENERGIA, ECONOMIA, ROTAS TECNOLÓGICAS. TEXTOS SELECIONADOS

Yolanda Vieira de Abreu y otros




Esta página muestra parte del texto pero sin formato.

Puede bajarse el libro completo en PDF comprimido ZIP (330 páginas, 5.19 Mb) pulsando aquí

 


9.6 CONSIDERAÇÕES FINAIS

Os veículos flex fuel têm dominado o mercado brasileiro automobilístico por duas razões principais:

1) as tecnologias aplicadas pela indústria automobilística permitem que o preço de mercado deste veículo se equipare aos automóveis convencionais;

2) biocombustível etanol carburante vêm mantendo seu preço competitivo com o da gasolina.

O rendimento satisfatório do etanol no automóvel flex fuel se dá principalmente pela sua elevada octanagem que promove o aumento na potência do motor e o torna eficiente. Entretanto, é necessário considerar que no conjunto dos fatores o etanol possui rendimento final aproximadamente 30% inferior ao da gasolina, ou seja, se com 1 litro de gasolina um automóvel percorre 10 km, com 1 litro de etanol o mesmo automóvel só percorreria 7 km. Desta forma, o que influencia a escolha entre os combustíveis é o preço de mercado de cada um, sendo que para o abastecimento utilizando etanol só será economicamente viável se o preço do biocombustível for, no mínimo, 30% inferior ao da gasolina. Considerando a diferença de rendimento entre os dois combustíveis, em viagens longas abastecer o veículo utilizando gasolina proporcionaria ao motorista a possibilidade de fazer menos paradas para reabastecimento.

Algumas pessoas optam por abastecer utilizando os dois combustíveis concomitantemente, entretanto esta mistura não provoca diferenças no rendimento do automóvel, podendo o cliente, mediante a observação dos preços de cada combustível e considerando a diferença no rendimento dos mesmos, optar por abastecer somente com o mais viável economicamente.

No Brasil, duas vantagens relacionadas ao etanol o destaca como combustível mais viável: A primeira é que na maioria dos estados brasileiros o preço do etanol é inferior ao da gasolina em mais de 30%, o que viabiliza a utilização isolada deste combustível. A outra vantagem é que por ser produzido através da cana-de-açúcar como matéria prima renovável, o etanol contribui para a redução na emissão de gases de efeito estufa, desempenhando um importante papel na sustentabilidade ambiental brasileira. De forma associada, todos estes fatores contribuem para o sucesso do automóvel flex fuel. Esta tecnologia, de alguma forma, protege o consumidor dos aumentos de preços súbitos do petróleo no mercado e ainda o possibilita fazer escolhas, o que agrada aos usuários de automóveis flex fuel.

REFERÊNCIAS

[1] Junior, H. Tecnologia de Motores Flexíveis. Disponível em: <http://www.mre.gov.br/dc/temas/Biocombustiveis_06-tecnologiademotores.pdf Acesso em 02/04/2010> Acesso em: 05 de Abril de 2010.

[2] Goldemberg, J. (2009). Biomassa e energia. Quím. Nova [online]. 2009, vol.32, n.3, pp. 582-587. ISSN 0100-4042.

[3] Branco, L. (2009). Biocombustíveis Brasileiros e o Mercado Internacional: Desafios E Oportunidades. Revista CEJ, Ano XIII, n. 46, p. 39-48. Brasília – 2009. Disponível em <http://www2.cjf.jus.br/ojs2/index.php/cej/article/viewArticle/1106> Acesso em: 03 de Abril de 2010.

[4] ______. Communication Division. The state of food and agriculture. Rome, 2008. 138 p. ISSN 0081-4539. Disponível em: <ftp://ftp.fao.org/docrep/fao/011/i0100e/i0100e.pdf> Acesso em: 02 de Abril de 2010.

[5] IEA. (2007). World Energy Outlook. Paris. Disponível em <ftp://ftp.fao.org/docrep/fao/011/i0100e/i0100e.pdf> Acesso em: 09 de Maio de 2010.

[6] Fônseca, M., Paixão, M. (2009) Aspectos Econômicos da Produção Brasileira de Etanol e Sustentabilidade. Revista de Economia Mackenzie. Volume 7. Nº. 2. p. 31-49.

[7] Lima, P. (2004). O Biodiesel e a Inclusão Social. 33 p. Câmara dos Deputados. Consultoria Legislativa. Brasília – DF, 2004. Disponível em <http://apache.camara.gov.br/portal/arquivos/Camara/internet/publicacoes/estnottec/pdf/2004_676_Estudo.pdf> Acesso em: 03 de Abril de 2010.

[8] Ambrozim, A., Kuri, A. (2009). Corrosão metálica associada ao uso de combustíveis minerais e biocombustíveis. 7 p. Quim. Nova, Vol. XY, No. 00, 1-7. São Paulo, 2009.

[9] FETEC Bancários. (2008). Com o tempo o mundo vai "se curvar" aos biocombustíveis, afirma Lula. Disponível em: <http://www.fetecsp.org.br/index.php?option=com_content&task=view&id=40669&Itemid=181.> Acesso em: 05 de Abril de 2010.

[10] ANFAVEA – Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (2009). Anuário da Indústria Automobilística Brasileira. Disponível em: <http://www.anfavea.com.br/anuario2009/indice.pdf> Acesso em: 03 de Março de 2010.

[11] ASSOVEPAR – Associação de Revendedores de Veículos Automotores no Estado do Paraná (2009). Frota Brasileira têm 27,8 milhões de veículos. Disponível em: <http://www.assovepar.com.br/noticia.php?id=166> Acesso em: 03 de Abril de 2010.

[12] Zanão, A. (2009). Caracterização da infra-estrutura de armazenagem de álcool no Brasil e análise da sua concentração na região Centro-Sul. 73 p. Dissertação (Mestrado em Economia Aplicada). Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2009.

[13] Filho, J. (2009). A estrutura socioeconômica da produção de etanol no Brasil: o uso de fatores primários de produção e as suas relações intersetoriais. 167 p. Tese (Doutorado em Ciências) - Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2009.

[14] PUC – RIO. (2008). Motores de Combustão Interna. Disponível em: <http://146.164.33.61/termo/Motores/curso%2008/0412756_07_cap_04(2).pdf> Acesso em: 05 de Abril de 2010.

[15] Rahde, S. Motores de combustão interna. Departamento de Engenharia Mecânica – PUC. Disponível em: <http://www.reocities.com/hiostar/Material/Motores03.pdf> Acesso em: 02 de Abril de 2010.

[16] TUDO SOBRE. Motor à explosão. Disponível em <http://www.adorofisica.com.br/trabalhos/fis/equipes/maquinasavapor/motorexplosao.htm> Acesso em: 08 de Maio de 2010.

[17] SEBRAE – Serviço de apoio às Micro e Pequenas Empresas de Santa Catarina. Perguntas Frequentes. Disponível em: <http://www.sebrae-sc.com.br/faq/default.asp?vcdtexto=4611&%5E%5E> Acesso em: 08 de Maio de 2010.

[18] CULTURA BRASIL. Sobre Rudolf Diesel - o verdadeiro criador do motor que não usava derivado de petróleo. Disponível em <http://www.culturabrasil.com.br/programas/radarcultura/limbo/sobre-rudolf-diesel-o-verdadeiro-criador-do-motor-que-nao-usava-derivado-de-petroleo> Acesso em: 08 de Maio de 2010.

[19] Brummett, C., Kanezaki, N., Maruyama, T., Shimizu, T. Society of Automotive Engineers. [Special Publication] SP 2004, SP-1847, 37.

[20] Câmara, J. (2006). Monitoramento eletrônico da mistura ar / combustível em motores de combustão interna ciclo Otto. 171 p. Dissertação (Mestrado em Mecatrônica) – Universidade Federal da Bahia, Salvador – BA.

[21] Sachs, I. The energetic revolution of the 21st Century. Estud. av. [online]. 2007, vol.21, n.59, pp. 21-38. ISSN 0103-4014.

[22] Terra, H. Como construir montar e operar uma microdestilaria de álcool combustível (etanol) de capacidade de 100 litros/dia. Disponível em: <http://issuu.com/anselmocassiano/docs/fabrica_de_alcool_combustivel> Acesso em: 02 de Abril de 2010.

[23] Andrade, E., Carvalho, S., Souza, L. (2009). Programa do Proálcool e o etanol no brasil. ENGEVISTA, V. 11, n. 2. p. 127-136, dezembro 2009. Disponível em: <http://www.uff.br/engevista/2_11Engevista6.pdf > Acesso em: 02 de Abril de 2010.

[24] APENA. Associação de Profissionais de Educação do Norte Alentejo. O Poder Calorífico. Floresta.com. Disponível em <http://www.apena.rcts.pt/aproximar/floresta/recursos/arvore_madeira/caderno3_3.htm> Acesso em: 09 de Maio de 2010.

[25] Souza, E. (2003). Álcool e Gasolina. Fórum 4X4 Brasil. Disponível em: <http://www.4x4brasil.com.br/forum/showthread.php?t=96> Acesso em: 02 de Abril de 2010.


Grupo EUMEDNET de la Universidad de Málaga Mensajes cristianos

Venta, Reparación y Liberación de Teléfonos Móviles
 
Todo en eumed.net:

Congresos Internacionales


¿Qué son?
 ¿Cómo funcionan?

 

15 al 29 de
julio
X Congreso EUMEDNET sobre
Turismo y Desarrollo




Aún está a tiempo de inscribirse en el congreso como participante-espectador.


Próximos congresos

 

06 al 20 de
octubre
I Congreso EUMEDNET sobre
Políticas públicas ante la crisis de las commodities

10 al 25 de
noviembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Migración y Desarrollo

12 al 30 de
diciembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Economía y Cambio Climático

 

 

 

 

Encuentros de economia internacionales a traves de internet


Este sitio web está mantenido por el grupo de investigación eumednet con el apoyo de Servicios Académicos Internacionales S.C.

Volver a la página principal de eumednet