BIBLIOTECA VIRTUAL de Derecho, Economía y Ciencias Sociales

ENERGIA, ECONOMIA, ROTAS TECNOLÓGICAS. TEXTOS SELECIONADOS

Yolanda Vieira de Abreu y otros




Esta página muestra parte del texto pero sin formato.

Puede bajarse el libro completo en PDF comprimido ZIP (330 páginas, 5.19 Mb) pulsando aquí

 


5.7.4 Instalação da Casa de Farinha

O projeto gerar foi até a comunidade para apoiar o projeto descrito anteriormente. No entanto, a equipe que estava no local desenvolvendo aquele projeto desapareceu e deixou a comunidade sem alternativa para utilizar a energia disponibilizada.

A equipe do projeto decidiu, então, instalar uma casa de farinha na comunidade disponibilizando algumas máquinas. A casa de farinha tem alguns componentes básicos: máquina de ralar mandioca elétrica, prensa manual e forno secador rotativo movido a motor elétrico.

Uma máquina de ralar mandioca com capacidade para 50kg/h A máquina de ralar mandioca já foi levada para a comunidade porque é pequena e leve. A figura 16 mostra dois membros da comunidade utilizando a máquina quando da sua chegada na comunidade.

Como se vê na figura 17 foi disponibilizado para a comunidade uma prensa manual retirada da umidade da massa de mandioca ralada, com capacidade de 1000kg/h.

Um forno secador com misturador elétrico com capacidade de 1.300kg/dia foi disponibilizado na oficina comunitária.

5.7.5 Custo da Geração e Distribuição (kWh)

Os custos de O & M (Operação e Manutenção) foram compostos pelos custos de reposição das baterias, contribuição para o gestor, manutenção dos aerogeradores, substituição dos inversores após sua vida útil ou avaria e um fundo de reserva de 5% do valor dos custos de O & M, arrecadado para garantir eventualidades não previstas. A tabela 03 mostra esta composição.

A tabela 04 mostra a potência e quantidade de energia gerada no sistema.

O custo por kWh cobrado é obtido dividindo-se o custo anual total pela energia produzida anual. Assim:

Valor: R$ 0,805483 / kW/h

Este custo não inclui distribuição, já que a as residências não foram atendidas pelo projeto, somente o processo produtivo.

As residências não foram atendidas devido à grande dispersão o que acarretaria em perdas significativas de potência na rede.

5.7.6 Gestão do Sistema

Para se garantir que a energia será utilizada de forma equitativa ou proporcional por todos os membros da comunidade foi necessário implantar um sistema de gestão. A gestão é feita pela comunidade. A sugestão foi que a comunidade elegesse uma ou duas pessoas para serem treinadas para este fim. Estas pessoas além de fazerem a manutenção periódica do sistema, dentro das possibilidades também seriam responsáveis por gerir o uso da oficina garantindo que todos tivessem acesso a ela de forma equitativa.

Estes gestores são os responsáveis por levantar a tarifa de uso da energia da oficina comunitária. A forma de cobrança foi o sistema de rateio. Cada família terá o direito de usar a oficina e seus equipamentos seguindo uma escala determinada pelos gestores e cada família da comunidade contribuirá com uma parcela fixa mensal, aproximada de R$ 70,00 (setenta reais).

Estes gestores trabalhariam em sistema de escala semanal. Considerando que as horas de trabalho nesta ocupação é bem pequena estes gestores teriam tempo para cuidar dos seus negócios (pastoreio, plantio etc.) e receberiam, a título de contribuição, o valor de R$ 50,00 (cinqüenta reais) a ser descontado da sua contribuição para o uso da oficina, já que lês também são produtores. Periodicamente a comunidade pode trocar os gestores através de eleição.

Alternativamente a este sistema, havendo problemas de entendimento na comunidade, pode-se cobrar por tempo de uso da oficina comunitária. Havendo eventos envolvendo toda a comunidade, todos podem ser tarifados ou isentados a critério da própria comunidade, desde que a quantia necessária para a manutenção do sistema, principalmente reposição do Baco de baterias, seja acumulada ao logo do tempo necessário.


Grupo EUMEDNET de la Universidad de Málaga Mensajes cristianos

Venta, Reparación y Liberación de Teléfonos Móviles
 
Todo en eumed.net:

Congresos Internacionales


¿Qué son?
 ¿Cómo funcionan?

 

15 al 29 de
julio
X Congreso EUMEDNET sobre
Turismo y Desarrollo




Aún está a tiempo de inscribirse en el congreso como participante-espectador.


Próximos congresos

 

06 al 20 de
octubre
I Congreso EUMEDNET sobre
Políticas públicas ante la crisis de las commodities

10 al 25 de
noviembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Migración y Desarrollo

12 al 30 de
diciembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Economía y Cambio Climático

 

 

 

 

Encuentros de economia internacionales a traves de internet


Este sitio web está mantenido por el grupo de investigación eumednet con el apoyo de Servicios Académicos Internacionales S.C.

Volver a la página principal de eumednet