BIBLIOTECA VIRTUAL de Derecho, Economía y Ciencias Sociales

ENERGIA, ECONOMIA, ROTAS TECNOLÓGICAS. TEXTOS SELECIONADOS

Yolanda Vieira de Abreu y otros




Esta página muestra parte del texto pero sin formato.

Puede bajarse el libro completo en PDF comprimido ZIP (330 páginas, 5.19 Mb) pulsando aquí

 


CAPITULO IX. ESTUDO SOBRE AS VANTAGENS E DESVANTAGENS DO USO DA GASOLINA, ETANOL E A MISTURA DOS DOIS COMBUSTÍVEIS EM MOTORES FLEX FUEL

Thiago Magalhães de Lázari
Yolanda Vieira de Abreu

RESUMO

No Brasil, os automóveis podem funcionar a gás natural veicular (GNV), gasolina, etanol e mistura de etanol e gasolina. A prática de se misturar etanol à gasolina é comum desde a década de 1930 e, atualmente, a gasolina contém 25% de etanol. No Brasil, o desenvolvimento de um motor capaz de rodar com etanol, gasolina ou ambos misturados em quaisquer proporções começou nos anos 1990. O primeiro automóvel dotado da tecnologia flex fuel (etanol, gasolina ou mistura entre os dois combustíveis) foi lançado no Brasil em março de 2003 pela Volkswagen, utilizando um sistema desenvolvido pela Bosch. O motor bicombustível oferece ampla liberdade de escolha para os usuários, podendo optar pelo combustível de acordo com seu preço, disponibilidade no mercado e desempenho do veículo, considerando as diferenças no rendimento do motor com uso da gasolina ou etanol. Países como EUA, Canadá, Reino Unido, Alemanha e outros possuem veículos com tecnologia flex. Entretanto, somente no Brasil esses veículos possuem a opção de operar com 100% de etanol. Este artigo tem como objetivo analisar os veículos flex fuel e as relações entre o consumo do etanol comparado com a gasolina, considerando fatores como rendimento, preço e sustentabilidade ambiental.

Palavras-chave: Veículos; Motores; Combustíveis; Rendimento.

9.1 INTRODUÇÃO

Desde o início do século XX, o setor automotivo tem se destacado no mercado. O automóvel tornou um símbolo de poder econômico e de status social. A quantidade de carros em circulação aumentou de tal forma que transformou cidades, abriram-se estradas e incentivou-se maior prospecção de petróleo. Este por sua vez, por ser o principal combustível utilizado para abastecimento e manutenção dos veículos, forçou a necessidade da construção de plataformas para sua produção, refinarias, gasodutos e redes de distribuição de seus derivados [1]. O mundo moderno foi construído utilizando diferentes tipos de combustíveis fósseis principalmente o petróleo e seus derivados. O petróleo se destaca pela possibilidade de diversificação do seu uso, por ser de fácil transporte e ainda por estar disponível em quantidades possíveis de mantê-lo no mercado por longos anos.

Todo o sistema de produção de energia no século XX foi dominado pela utilização indiscriminada de combus¬tíveis fósseis, que representavam ainda no início do século 80% de toda a energia produzida no mundo [2]. No setor de transporte, a gasolina se destaca como o principal combustível, sendo largamente demandada por onde a indústria automobilística se implantava.

Atualmente, a frota mundial de veículos corresponde a mais de 1 bilhão de unidades, distribuídos entre automóveis, furgões, caminhonetas, peruas, caminhões e ônibus, circulando constantemente por todos os países do planeta [1], sendo dotados de motores de combustão interna consumindo em sua grande maioria derivados de petróleo para seu funcionamento. Diariamente, mais de 165 mil veículos são produzidos e acrescentados a essa frota, o que significa mais dois veículos por segundo [1].

Estudos e pesquisas têm sido desenvolvidos de forma intensiva no Brasil e no mundo, em busca de combustíveis alternativos que sejam renováveis e sustentáveis e que possam substituir o petróleo no abastecimento destes veículos. Esses novos combustíveis devem ser de fontes de energia renováveis e menos prejudiciais ao meio ambiente quando comparadas ao petróleo, e devem possuir as seguintes características: tecnologia disponível no mercado, viabilidade econômica, segurança de fornecimento, fácil acesso, manuseio e transporte.

Neste contexto pode-se destacar os trabalhos de pesquisa e desenvolvimento que vêm sendo

aplicados em realidade prática através do uso de biocombustíveis, tendo como seu representante principal o etanol. Tais investimentos em pesquisa e desenvolvimento ocorreram nas mesmas proporções em que se tornaram freqüentes as preocupações quanto à poluição ambiental causada pelo uso excessivo de hidrocarbonetos fósseis, os reflexos econômicos devido ao aumento dos preços internacionais do petróleo e pelos constantes conflitos ocorridos entre países possuidores das maiores reservas mundiais desta fonte de energia. A fusão destes fatores resultou numa intensa corrida para o desenvolvimento, produção e usos dos biocombustíveis a níveis mundiais.

O impacto ambiental decorrente do uso de combustíveis fósseis levou os governos de diversos países, assim como aconteceu no Brasil, a iniciar programas de investimento em pesquisa, desenvolvimento e transferência de tecnologias para a substituição destes combustíveis. Alguns países testaram o carro elétrico, o solar, a hidrogênio, a biocombustível dentre outros. Algumas destas experiências se transformaram em realidades, e atualmente é possível observar que cada país vem realizando testes buscando a maneira mais viável para substituição do uso dos combustíveis fósseis em suas frotas de veículos, levando em consideração a fonte de energia, tecnologia e os recursos naturais disponíveis em sua região com potencial para sua aplicação.

Os biocombustíveis têm substancial aceitação no mercado brasileiro e também a nível mundial. A principal justificativa para isso é o fato de serem combustíveis menos poluentes quando comparados aos de origem fóssil e ainda renováveis. Tanto o etanol quanto o biodiesel já vem sendo utilizados nos veículos em praticamente todo o mundo [3]. A produção de biocombustíveis no Brasil, Estados Unidos, China e União Européia podem ser observadas na Tabela 01.

A tabela 01 destaca a posição dos Estados Unidos frente a outros países na produção de biocombustíveis principalmente o etanol, sendo que este país utiliza o milho como principal matéria prima para sua produção. Já a União Européia se destaca pela elevada produção de biodiesel, entretanto ainda é incipiente na produção de etanol carburante. No Brasil a agroindústria sucroalcooleira se destaca na produção de etanol, embora ainda esteja em busca da consolidação do mercado de uso e produção do biodiesel.

A elaboração de medidas obrigatórias e voluntárias adotadas por vários países e a efetividade dos programas Norte Americanos para produção e consumo de etanol, colaboram para que os biocombustíveis, principalmente o etanol, consigam se consolidar como uma tecnologia eficiente para substituir em partes os hidrocarbonetos fósseis derivados de petróleo, principalmente a gasolina. Os resultados obtidos através da utilização deste biocombustível nas frotas de veículos de vários países são satisfatórios e fazem com que as tendências de consumo aumentem geometricamente em todo o mundo (Gráf. 01).

No Brasil, através de programas de incentivo do governo federal, a indústria automobilística desenvolveu motores automotivos com tecnologia Flex que podem ser acionados com diferentes combustíveis no mesmo automóvel. A indústria também disponibiliza ao consumidor automóvel movido exclusivamente a etanol ou gasolina.

Este trabalho tem como objetivo realizar um estudo sistemático sobre os automóveis dotados da tecnologia flex fuel, bem como dos combustíveis utilizados em seus motores: etanol, gasolina e a mistura dos dois ao mesmo tempo. A meta deste artigo é comparar as vantagens e desvantagens do uso destes combustíveis considerando suas características técnicas. Esse tema se justifica pelo fato das constantes dúvidas técnicas entre os possíveis compradores, que gostariam de adquirir um automóvel com essa tecnologia. As dúvidas são referentes à eficiência proporcionada pela nova tecnologia e principalmente pelos rendimentos característicos dos combustíveis utilizados. Porém, é pertinente demonstrar que mesmo existindo dúvidas sobre a tecnologia e os combustíveis, esses tipos de automóveis são os mais vendidos no Brasil e tende a ser cada vez mais aceito pelo mercado automobilístico brasileiro.


Grupo EUMEDNET de la Universidad de Málaga Mensajes cristianos

Venta, Reparación y Liberación de Teléfonos Móviles
 
Todo en eumed.net:

Congresos Internacionales


¿Qué son?
 ¿Cómo funcionan?

 

15 al 29 de
julio
X Congreso EUMEDNET sobre
Turismo y Desarrollo




Aún está a tiempo de inscribirse en el congreso como participante-espectador.


Próximos congresos

 

06 al 20 de
octubre
I Congreso EUMEDNET sobre
Políticas públicas ante la crisis de las commodities

10 al 25 de
noviembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Migración y Desarrollo

12 al 30 de
diciembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Economía y Cambio Climático

 

 

 

 

Encuentros de economia internacionales a traves de internet


Este sitio web está mantenido por el grupo de investigación eumednet con el apoyo de Servicios Académicos Internacionales S.C.

Volver a la página principal de eumednet