BIBLIOTECA VIRTUAL de Derecho, Economía y Ciencias Sociales

A UTOPIA NEGATIVA: LEITURAS DE SOCIOLOGIA DA LITERATURA

Jacob J. Lumier




Esta página muestra parte del texto pero sin formato.

Puede bajarse el libro completo en PDF comprimido ZIP (158 páginas, 763 kb) pulsando aquí

 


Reflexão estética e objeto literário

Na abordagem personalista o objeto do romance é antes de tudo objeto literário: é a fantasia posta em questão na análise da crise do romance dito psicológico, de tal sorte que a refle-xão estética reporta-se sobre a união em ato do autor, per-sonagem e leitor.

Entretanto, dentre os estudiosos da sociologia e filoso-fia literária não é somente T. W. Adorno quem inclui o problema do monólogo interior no âmbito de uma refle-xão sobre a crise da objetividade proposta nos anos de 1950. Mas, já nos anos quarenta, a presença de Proust é justamente tomada como igualmente decisiva pela ensaís-ta Nathalie Sarraute , para enfrentar a crise do romance centrado na vida mental dos personagens, incluindo as narrativas em primeira pessoa, como se convencionou a designação romance psicológico assim classificado para diferenciar dos dramas históricos ou coletivos, ou dos romances focados nas mudanças dos costumes.

Para essa autora, célebre romancista e refinada ensaís-ta, em modo diferente da sociologia crítica da cultura, o objeto do romance é antes de tudo o objeto literário: é a fantasia posta em questão na análise da crise do romance psicológico, de tal sorte que a reflexão estética reporta-se sobre a união em ato (de leitura e de composição) entre o autor, o personagem e o leitor.

O problema do caráter inteligível e das qualidades hu-manas deve ser investigado a partir das próprias descri-ções oferecidas pelos romancistas nas manifestações dos seus personagens. Dessa maneira, antes de voltar-se ao exame da representação da essência obscurecida pela consciência alienada, dá-se prioridade à experiência do fato literário como tal.

Não que o aspecto crítico da cultura seja desatendido nas análises de Nathalie Sarraute, mas que a sua apreci-ação do romance trata a experiência da leitura na pers-pectiva do fato literário, com independência em face do envolvimento prévio nas significações ou in-significações culturais.

A ação dramática não será, pois, necessariamente to-mada em comparação com o que T. W. Adorno designa “cena da câmara escura do teatro burguês”. Entenda-se: na abordagem crítica da cultura, a ação dramática do ro-mance está envolvida em uma técnica da ilusão, que re-serva previamente ao leitor o papel limitado de realizar algo já realizado, e participar assim do caráter ilusório do conteúdo representado - ainda que esse caráter ilusório vá sendo suprimido na história literária conforme se pas-se de Flaubert para Proust, Gide, Thomas Mann ou Musil e desemboque no que, referindo-se a Joyce, T. W. Ador-no chama “reabsorção da distância estética".

Não que, por sua vez, a análise crítica da cultura seja desprovida de interesse específico para a sociologia lite-rária.

Sua orientação é verificar como visto a situação do romance em face da realidade no momento antirrealista do romance. Nada obstante, desse modo vem a ser favo-recida a prevalência da relação com o leitor, ainda que por fora e em detrimento da união autor-personagem-leitor, porquanto a asserção de que a alienação se con-verte em meio artístico, para um tipo de romance cujo im-pulso é decifrar o enigma da vida externa, exige pôr em relevo além da fantasia a ambigüidade do romance como técnica de comunicação.

Não há obra de arte moderna que tenha valor sem que ao mesmo tempo encarne o espanto, a perplexidade, sendo desta forma, por prestarem testemunho do que experimentou o indivíduo da era liberal, que tais obras servem à liberdade.

Desta forma, tem-se por um lado o monólogo interior de Proust, tomado como via determinada de linguagem, que faculta ao narrador fundar um espaço interior na narração, permitindo-lhe por sua vez evitar o discursivo e escapar às convenções da representação objetiva.

Por outro lado, a anulação da diferença entre o real e a descrição do imaginário que acompanha a reabsorção da distância estética como processus histórico-literário, a reabsorção da distância entre o comentário do narrador e a relação com o leitor – já detectada em Proust e comple-tada em Kafka e em Joyce – se insinua em meio ao pró-prio monólogo.

Isto se verificando de tal sorte que, reabsorvendo-se em uma segunda linguagem (monológica) destilada da primeira (discursiva), e em crescimento junto com a mas-sa de todos os que permaneceram alheios à primeira lin-guagem, o mundo coisista da representação torna a se apresentar à narração.

Daí a conclusão de T. W. Adorno de que não há obra de arte moderna que tenha valor sem que ao mesmo tempo desfrute da dissonância e da frouxidão; sem que encarne o espanto, a perplexidade, sendo desta forma, por prestarem testemunho do que experimentou o indiví-duo da era liberal, que tais obras servem à liberdade.


Grupo EUMEDNET de la Universidad de Málaga Mensajes cristianos

Venta, Reparación y Liberación de Teléfonos Móviles
 
Todo en eumed.net:

Congresos Internacionales


¿Qué son?
 ¿Cómo funcionan?

 

15 al 29 de
julio
X Congreso EUMEDNET sobre
Turismo y Desarrollo




Aún está a tiempo de inscribirse en el congreso como participante-espectador.


Próximos congresos

 

06 al 20 de
octubre
I Congreso EUMEDNET sobre
Políticas públicas ante la crisis de las commodities

10 al 25 de
noviembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Migración y Desarrollo

12 al 30 de
diciembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Economía y Cambio Climático

 

 

 

 

Encuentros de economia internacionales a traves de internet


Este sitio web está mantenido por el grupo de investigación eumednet con el apoyo de Servicios Académicos Internacionales S.C.

Volver a la página principal de eumednet