BIBLIOTECA VIRTUAL de Derecho, Economía y Ciencias Sociales

A UTOPIA NEGATIVA: LEITURAS DE SOCIOLOGIA DA LITERATURA

Jacob J. Lumier




Esta página muestra parte del texto pero sin formato.

Puede bajarse el libro completo en PDF comprimido ZIP (158 páginas, 763 kb) pulsando aquí

 


Sociologia, Literatura e Fantasia: O problema das Relações com a Sociologia do Conhecimento.

O Sobre os critérios do fato literário e as condi-ções de uma sociologia da literatura.

O escritor é um fabulador: não diz a verdade e é sempre a verdade que ele diz..., à sua maneira.

As dificuldades antepostas a uma sociologia da literatu-ra ligam-se à orientação intelectual do chamado espírito burguês, como afirmando a independência total da cultura e da arte em relação às formas sociais, de tal sorte que a interpretação da arte não estaria contida na vida social.

Daí surge o obstáculo da interdição pela sociedade.

O receio de um efeito literalmente ameaçador da or-dem torna o fato literário negado na sua significação, combatido como pura fantasia. Distingue-se uma espécie de respeito ao fato literário envolvendo-o em certo misté-rio.

Dessa atitude provêm duas representações desfavorá-veis à sociologia da literatura, seguintes: (a) – uma, a chamada teoria do gênio, que interpreta a figura do autor em termos do inexplicável e inesperado no concerto das paixões e dos pensamentos humanos; (b) – outra, referi-da à elaboração da obra, é a teoria romântica da inspira-ção, do mistério da criação, etc. Além disso, o espírito burguês pode levar os escritores a não gostarem de se ver integrados pela sociologia .

Podem-se observar algumas tentativas de pesquisa que, não obstante o pensamento objetivo, pouco favore-ceram a sociologia da literatura. Umas porque mantive-ram a opacidade intocável do fato literário; outras porque acentuaram a sua redução. No primeiro caso, resume-se a tentativa mais conhecida que foi a de Taine, incluindo os seus colaboradores. No segundo caso, nota-se a ten-tativa marxista e a psicanalítica.

Comenta-se que Taine esperava fundamentar uma ci-ência positivista e determinista da literatura tomando co-mo motivos de explicação (a) – a descoberta em cada es-critor de uma faculdade mestra; (b) – a gênese dessa fa-culdade mestra a partir das suas três famosas condições: a raça, o meio e o momento.

Como se sabe, o dogmatismo de Taine é flagrante na analogia com as ciências naturais. No prefácio de sua o-bra “La Fontaine et ses Fables”, o ponto de vista natura-lista vem a ser aplicado ao homem, tomando-o como um animal de espécie superior que produz as filosofias e os poemas pouco mais ou menos como os bichos da seda tecem os seus casulos e as abelhas elaboram os favos .

Quanto aos seus continuadores, se repele o simplismo na aplicação do dogmatismo de Taine, questionando-se, sobretudo a abordagem analítica redutiva na qual a obra literária, tida como mistério inefável e impenetrável, vem a ser reportada a um fator mais ou menos arbitrariamente escolhido.

→Em relação à tentativa marxista, por sua vez, se lhe reconhece o mérito sociológico de empreender a inter-relação do espírito e das suas produções com os quadros sociais. O primeiro critério de análise marxista da obra li-terária é a fidelidade à realidade social.

Nada obstante, a tentativa marxista de reduzir a litera-tura a um fato de conhecimento, mediante a tipologia das visões de mundo atribuída a Georges Lukacs, é censura-da por ameaçar a especificidade do fato literário. Ao tra-çar um método comum a todas as obras de pensamento tornou-se inevitável por conseqüência desprezar o que distingue precisamente o fato literário dos outros fatos .

Censura idêntica se aplica à tentativa psicanalítica, em cuja abordagem necessariamente se tem de partir sempre de uma redução implicando uma negação da especifici-dade. Por contra, as condições de uma sociologia da lite-ratura implicam a distinção entre fato literário e fato de conhecimento.


Grupo EUMEDNET de la Universidad de Málaga Mensajes cristianos

Venta, Reparación y Liberación de Teléfonos Móviles
 
Todo en eumed.net:

Congresos Internacionales


¿Qué son?
 ¿Cómo funcionan?

 

15 al 29 de
julio
X Congreso EUMEDNET sobre
Turismo y Desarrollo




Aún está a tiempo de inscribirse en el congreso como participante-espectador.


Próximos congresos

 

06 al 20 de
octubre
I Congreso EUMEDNET sobre
Políticas públicas ante la crisis de las commodities

10 al 25 de
noviembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Migración y Desarrollo

12 al 30 de
diciembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Economía y Cambio Climático

 

 

 

 

Encuentros de economia internacionales a traves de internet


Este sitio web está mantenido por el grupo de investigación eumednet con el apoyo de Servicios Académicos Internacionales S.C.

Volver a la página principal de eumednet