BIBLIOTECA VIRTUAL de Derecho, Economía y Ciencias Sociales

A UTOPIA NEGATIVA: LEITURAS DE SOCIOLOGIA DA LITERATURA

Jacob J. Lumier




Esta página muestra parte del texto pero sin formato.

Puede bajarse el libro completo en PDF comprimido ZIP (158 páginas, 763 kb) pulsando aquí

 


Interpretação e Fantasia

Do ponto de vista da standardização, a questão do acesso à obra literária de avant-garde passa pela prevalência da inter-pretação , sobre o princípio da satisfação pela fantasia, e se impõe em modo diferenciado e autônomo, com as significa-ções simbólicas envolvendo a própria fantasia, a exemplo do Ulysse, de James Joyce, em que a rebelião contra a lingua-gem conceitual conforma a fantasia.

Tem-se então que a sociologia literária de T. W. A-dorno orienta-se para a busca do individualismo, levando às seguintes constatações:

(a) – no século XX, o indivíduo como leitor ou recep-tor da narrativa literária encontra-se numa relação de comunicação social;

(b) – o mundo da comunicação social, o mundo dessa relação emissor-receptor de significações simbólicas ou mensagens da indústria cultural, como esfera do que é mediatizado, é um mundo administrado, que funciona a exemplo da maquinaria e que é percebido pelo indivíduo sob a censura da organização ou dos aparelhos organizados, co-mo a experiência do Sempre Igual ;

(c) – a essa experiência classificada sociologicamente como standardização corresponde o indivíduo como incapaz de afirmar diretamente os valores humanos.

Deste ponto de vista a questão de chegar ao valor esté-tico da obra literária torna-se bastante complexa, não sendo mais admitido que o princípio de satisfação pela fantasia seja diretamente acessível.

Cabe então à sociologia literária levar em conta que o valor estético, como a qualidade pela qual a obra de litera-tura alcança os traços da nova sociedade nascente, isto é, como significação simbólica, exige os procedimentos de mediatização dialética em que se verifica a coisificação do mundo.

Desta sorte, juntamente com a prevalência da interpretação sobre o princípio da satisfação pela fantasia - até então especifi-cidade do fato literário, sobretudo no aspecto da relação obra/público - passa a impor-se em modo diferenciado e autônomo, sem paralelo com o romance realista, a ques-tão do acesso à obra literária de avant-garde.

Verificam-se então as significações simbólicas envol-vendo a própria fantasia, a exemplo do Ulysse de Joyce, em que a rebelião contra a linguagem conceitual confor-ma a fantasia e não o contrário.

Por um lado, podem observar as significações da pró-pria fantasia permitindo chegar à compreensão provisória de que o fracionamento da frase em Joyce seja fruto de sua mirada artística sobre o Hamlet, de Shakespeare, e que, portanto aquela revolta contra o discursivo se deve-ria ao procedimento artístico de composição do sonambu-lismo ou da linguagem sonambúlica.

Por outro lado, a abordagem da sociologia literária de T.W. Adorno torna então imprescindível que seja explici-tado o caráter sociológico dessa linguagem sonambúlica, como significação simbólica ou penetrada pela mediatiza-ção, a significação produzida pela e na indústria cultural, de que se faz a montage, sendo confirmado que a rebeli-ão contra a linguagem conceitual conforma a fantasia, e não o contrário.

Desta sorte, a reflexão estética passa a incluir a socio-logia literária na medida em que, se exercendo sobre o futurismo como perspectiva própria ao mundo adminis-trado, faz com que essa perspectiva seja desenvolvida como Crítica da Cultura, o que será conseguido, por sua vez, a partir da análise da fantasia futurista no “The Brave New World”, de Aldous Huxley, análise esta desenvolvi-da por T. W. Adorno no início dos anos de 1940, em termos de utopia negativa.

O mundo standardizado da comunicação social encontra a sua perspectiva no futurismo que, "desideologi-zado", revela-se uma projeção da utopia negativa, à luz da qual é possível chegar à significação simbólico-cultural da literatura e arte de avant-garde.

Note-se para encerrar, que essa orientação da refle-xão estética em direção ao exclusivamente mediatizado imprime um caráter específico ao estatuto da realidade, solucionando o problema da crise de objetividade literá-ria.

Nos quadros intelectuais dessa reflexão, a realidade cuja montage ocupa a literatura e a arte de avant-garde só pode ser alcançada pelas significações produzidas na e por a indústria cultural e a cultura de massa, onde os gestos prevalecem sobre as palavras.

Diferente do realismo literário do século XIX, que valo-rizava a intermediação dos agrupamentos sociais e cor-rentes da vida moral, como qualidades da realidade a ser pintada, na Crítica da Cultura por sua vez, a realidade de-tectada, a realidade em estado de montage é aquela que, sendo produzida na e por a indústria da produção em massa, tem existência social no mundo administrado da comunicação social, onde é verificada como realidade coisista.

Desta forma, os quadros de referência tornados opera-tivos na Crítica da Cultura já são igualmente produzidos e integrados no mundo administrado, tomado este por si mesmo, e compreendem os gêneros de vida que corres-pondem e são identificados à indústria cultural.

Para reconstituir tais quadros operativos ou categorias como aplicações da Crítica da Cultura há que aprofundar o seguinte: (a) – que T. W. Adorno efetua a montage de sua Crítica da Cultura procedendo à desarticulação da ideologia do futurismo, em vista de (b) – reaproveitar o futurismo assim desideologizado, tornando-o operativo como perspectiva da reflexão estético-sociológica, na medida em que o integra como projeção da utopia negati-va.

Palavras Chave: Objetividade literária/ realidade coisista/ montage/ supressão do objeto do romance/ reportagem/ interpretação/ significação cultural/ standardização/princípio de satisfação pela fantasia/ significações simbólicas/ Sempre Igual/ Desmitologização da cultura/.

Categorias: Estética sociológica/ Crítica da Cultura/ Futu-rismo/ Indústria Cultural/ coisificação/ Fantasia/ Significação cultural/ significações simbólicas/ valor estético.


Grupo EUMEDNET de la Universidad de Málaga Mensajes cristianos

Venta, Reparación y Liberación de Teléfonos Móviles
 
Todo en eumed.net:

Congresos Internacionales


¿Qué son?
 ¿Cómo funcionan?

 

15 al 29 de
julio
X Congreso EUMEDNET sobre
Turismo y Desarrollo




Aún está a tiempo de inscribirse en el congreso como participante-espectador.


Próximos congresos

 

06 al 20 de
octubre
I Congreso EUMEDNET sobre
Políticas públicas ante la crisis de las commodities

10 al 25 de
noviembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Migración y Desarrollo

12 al 30 de
diciembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Economía y Cambio Climático

 

 

 

 

Encuentros de economia internacionales a traves de internet


Este sitio web está mantenido por el grupo de investigación eumednet con el apoyo de Servicios Académicos Internacionales S.C.

Volver a la página principal de eumednet