BIBLIOTECA VIRTUAL de Derecho, Economía y Ciencias Sociales

A UTOPIA NEGATIVA: LEITURAS DE SOCIOLOGIA DA LITERATURA

Jacob J. Lumier




Esta página muestra parte del texto pero sin formato.

Puede bajarse el libro completo en PDF comprimido ZIP (158 páginas, 763 kb) pulsando aquí

 


Indivíduos Problemáticos

Se tiverem em consideração que os criadores no do-mínio da literatura são os indivíduos que permanecem orientados essencialmente para os valores de uso, pode-rão alcançar a evidência de que a criação do romance como gênero literário não tem coisa alguma de surpreen-dente.

A respeito dessa situação são observados dois aspec-tos seguintes: (a) – ao levar em conta que a vida econô-mica no plano consciente e manifesto se compõe de gen-te orientada exclusivamente para os valores de troca, constatarão que os criadores de obras literárias e artísti-cas, como indivíduos ligados à produção, por permanece-rem orientados essencialmente para os valores de uso, não somente se situam por isso à margem da sociedade, mas se tornam o que o sociólogo chama indivíduos pro-blemáticos;

(b) – nada obstante, admite-se como ilusão romântica supor uma ruptura total entre a vida interior e a vida social, mesmo a respeito da situação desses indivíduos problemáticos, já que, como criadores de obra literária e artística, não poderiam eles destacar-se da degradação que sofre sua atividade criadora na sociedade produtora para o mercado, desde o momento em que essa atividade se manifesta exteriormente nos quadros, nos li-vros, no ensino, na composição musical, etc., as quais desta maneira passam a desfrutar de certo prestígio, por via do qual adquirem um preço.

Na sociologia do gênero romanesco, para saber como se faz a ligação entre as estruturas econômicas e as manifestações literárias em uma sociedade em que esta ligação tem lugar no exterior da consciência coletiva, deve-se observar a ação convergente de quatro fatores diferentes.

Quer dizer, a criação do romance, sua forma literária complexa ao extremo é a forma estética na qual vivem os homens, os dias todos, ao serem compelidos a buscar toda a qualidade, todo o valor de uso, por um modo inau-têntico através da mediação da quantidade, do valor de troca.

Complexidade esta acentuada pelo fato de que todo o esforço para se orientar diretamente aos valores de uso não engendra senão os indivíduos também como inautênticos, embora sob um modo diferente, que é o do indivíduo problemático.

Para Goldmann essa análise psicossociológica esboça-da prova que as duas estruturas – a do gênero romanesco e a da troca econômica competitiva – mostram-se tão rigo-rosamente homólogas que é possível falar de uma única e mesma estrutura que se manifestaria em dois planos dife-rentes.

Mas não é tudo. Restam ao menos dois problemas importantes: (1) o estudo da sociologia da obra que, adi-ante se verá, em Goldmann subordina-se à sociologia do conhecimento; e (2) o problema específico da sua socio-logia do gênero romanesco, que é o de saber como se faz a ligação entre as estruturas econômicas e as manifesta-ções literárias, em uma sociedade em que esta ligação tem lugar no exterior da consciência coletiva.

Em acordo com esse autor, devem observar a ação convergente de quatro fatores diferentes.

O primeiro fator põe em relevo que a categoria da me-diação ao surgir no pensamento dos membros da socie-dade burguesa traz consigo a tendência implícita a subs-tituir esse pensamento por uma falsa consciência total, que Goldmann esclarece como sendo um modelo de ori-entação no qual o valor mediador se torna valor absoluto e onde o valor mediatizado desaparece inteiramente.

Tendência-limite esta que se realizaria praticamente na propensão a fazer do dinheiro e do prestígio social os valores absolutos e não mais simples mediações dando acesso aos outros valores de caráter qualitativo.

O segundo fator de ligação entre as estruturas homó-logas é o mencionado há pouco, ou seja: a subsistência dos indivíduos tidos como problemáticos por exercerem um pensamento e um comportamento que permanece ori-entado para os valores qualitativos, sem que lhes seja fa-cultado subtraírem-se à existência da mediação inautênti-ca cuja ação geral no conjunto da estrutura social-econômica a nova sociologia do romance põe em desta-que.

Assim se incluem dentre os indivíduos problemáticos todos os criadores, escritores, artistas, filósofos, teólo-gos, homens de ação, etc. cujo pensamento e comporta-mento são regidos antes de tudo pela qualidade de sua obra – embora, como já mencionado, não possam eles escapar inteiramente à ação do mercado e à acolhida da sociedade reificada.

O terceiro fator compreende um aprofundamento en-volvendo a situação dos romancistas em uma conjectura sobre a probabilidade do gênero romanesco. Inicialmente, Goldmann considera estabelecido que nenhuma obra im-portante pudera ser a expressão de uma experiência pu-ramente individual.

Daí a pesquisa para descobrir a atitude de um conjunto ou grupo social cuja subjetividade pudera haver segrega-do a energia para a criação cultural do gênero romanes-co.

Neste sentido, a conjectura goldmanniana afirma a probabilidade de um descontentamento afetivo não conceitualizado (ou não representado na percepção co-letiva) seguinte: a ocorrência verificável de uma aspiração afetiva à mirada direta dos valores qualitativos que seria observada como se desenvolvendo seja no conjunto da sociedade burguesa, seja talvez unicamente entre as classes médias - sendo no interior destas últimas que são recrutados a maior parte dos romancistas.

Quanto ao quarto e último fator para a ligação entre as estruturas econômicas e as manifestações literárias em uma sociedade em que esta ligação tem lugar no exterior da consciência coletiva deve-se levar em conta algumas observações sobre a origem do elemento de biografia que é constitutivo do romance e a contradição que o limita.

Com efeito, o quarto fator da ligação entre as estrutu-ras homólogas se observa em decorrência do seguinte:

(a) – a biografia individual no romance provém dos va-lores do individualismo liberal, ligados às necessidades mesmas do mercado concorrencial (liberdade, igualdade, propriedade, tolerância, direitos do homem, desenvolvi-mento da personalidade, etc.);

(b) – no desenvolvimento do romance, tal categoria da biografia individual tomou a forma do indivíduo problemá-tico a partir (...)

(b1) - não só da experiência pessoal dos indiví-duos problemáticos distinguidos na vida da socieda-de burguesa, mas (...)

(b2) - da própria contradição interna entre o indi-vidualismo como valor universal, engendrado pela sociedade burguesa, e as limitações importantes e peníveis que essa sociedade aportava ela mesma, em realidade, às possibilidades de desenvolvimento dos indivíduos.


Grupo EUMEDNET de la Universidad de Málaga Mensajes cristianos

Venta, Reparación y Liberación de Teléfonos Móviles
 
Todo en eumed.net:

Congresos Internacionales


¿Qué son?
 ¿Cómo funcionan?

 

15 al 29 de
julio
X Congreso EUMEDNET sobre
Turismo y Desarrollo




Aún está a tiempo de inscribirse en el congreso como participante-espectador.


Próximos congresos

 

06 al 20 de
octubre
I Congreso EUMEDNET sobre
Políticas públicas ante la crisis de las commodities

10 al 25 de
noviembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Migración y Desarrollo

12 al 30 de
diciembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Economía y Cambio Climático

 

 

 

 

Encuentros de economia internacionales a traves de internet


Este sitio web está mantenido por el grupo de investigación eumednet con el apoyo de Servicios Académicos Internacionales S.C.

Volver a la página principal de eumednet