BIBLIOTECA VIRTUAL de Derecho, Economía y Ciencias Sociales

A UTOPIA NEGATIVA: LEITURAS DE SOCIOLOGIA DA LITERATURA

Jacob J. Lumier




Esta página muestra parte del texto pero sin formato.

Puede bajarse el libro completo en PDF comprimido ZIP (158 páginas, 763 kb) pulsando aquí

 


A Subjetividade da Utopia negativa e

A supressão do mito.

Com efeito, a desarticulação da imagem ideológica projetada pelo futurismo ao tratar a coisificação como profecia, como uma maldição sobre o futuro, põe em evidência a redução de espírito e natureza ao nível neutra-lizado do que é “contrário absoluto da absoluta coisifica-ção” e que norteia a configuração mesma da subjetividade estacionária na utopia negativa (Cf. Ib, pág. 105).

Nota T.W. Adorno o entendimento diferente que o tema central da filosofia burguesa assume na fantasia futurista, pelo tratamento do culto do instrumento toma-do como separado de toda a destinação objetiva, trata-mento este levando à supressão do mito.

Assim a unidade de natureza e espírito que foi conce-bida na especulação idealista como a suprema reconcilia-ção desaparece na utopia negativa, notando-se em lugar disso que espírito e natureza se aliam contra a civilização tida idealizadamente como aquela que a tudo absorve e não admite nada que não lhe seja análogo.

Quer dizer, a contraposição de espírito no sentido dos bens culturais da tradição, por um lado e, por outro lado a natureza como paisagem, isto é, imagem como criação-sem-dominar mais além da sociedade, termos esses dos quais se concebia em maneira mítica a suprema reconci-liação, simplesmente desaparecem e com isso o mito.

O Complexo de Impotência

A cultura de massa organiza o tempo livre para fazer deste um Standard do decoro infantil.

Para chegar à subjetividade estacionária da utopia ne-gativa é preciso considerar as concepções especulativas de espírito e de natureza que passam por redução, seguintes: (a) – que o espírito como espontânea e autônoma síntese da consciência só é possível na medida em que se encon-tra frente a algo não-abrangido, frente à natureza não previamente elaborada pelas categorias do conhecimento filosófico;

(b) – que somente é possível a natureza na medida em que há espírito que se sabe contrário da coisificação e a transcende em vez de feitichizar-se sumindo nela (Cf. Ib., págs. 105, 106).

O desaparecimento de ambos na utopia negativa é ob-servado na descrição do tipo de sujeito respectivo e na redução que este sujeito efetua levando os homens à impossibilidade absoluta de movimentos antes articula-dos, isto é, à ancilose.

Inclui-se nesta categoria o sujeito da atração e da cu-riosidade em face do mar que contempla sentado desde seu automóvel ouvindo ao rádio canções publicitárias. Junte-se a esta sedução negada do mar a conduta que lança no sumidouro tudo o que não corresponde aos mais recentes métodos de produção, inclusive o passado, e te-rão o esquema da subjetividade na utopia negativa, ou melhor, o esquema de uma des-subjetivação pura a que se identificam os sujeitos-objetos (a) – em sua incapaci-dade para perceber e pensar o que não é como eles mesmos; (b) - em sua auto-suficiência cega de sua pró-pria existência; (c) – em sua imposição da pura utilidade subjetiva.

Quer dizer, uma des-subjetivação identificando-se aos sujeitos-objetos do antiespírito universal assim realizado, produzidos cientificamente e limpos de todo o mito, mas que resultam infantis (Cf. Ib, pág. 106).

Na fantasia futurista observam-se dessa maneira cer-tas involuções já existentes no cotidiano da civilização técnica e da sociedade em regime avançado do capita-lismo organizado que tendem a se converter em disposi-ções com que a cultura de massa organiza o tempo livre para fazer deste um Standard do decoro infantil.

Trata-se da substituição de todos os fins por meios, substituição esta levada a cabo a partir do que T.W. A-dorno chamou como disse culto do instrumento separa-do de todo o destino objetivo, como por exemplo a "re-ligião do automóvel" (implícita publicitariamente em ou-tros tempos com FORD em vez de LORD e o signo do modelo T em lugar da cruz) incluindo a afecção fetichista em possuir perfeitos equipamentos de toda a natureza.

T.W. Adorno sublinha que essa Standardização é o sedimento mesmo da fantasia futurista. Essa fantasia estende o princípio da desmagização do mundo ao ab-surdo, tendo por motivação inicial a universal analogia de todo o produzido massivamente, coisas e homens.

Aliás, nessa analogia de coisas e homens afirmada na produção em massa, T.W. Adorno redescobre uma equi-paração com a metáfora schoppenhaueriana da fábrica da natureza preparando multidões de crianças em pares de gêmeos.

Pesadelo de infinitos sósias, essa equiparação se es-tende até a produção da consciência standardizada de inúmeros homens pela communication industry: o mun-do da fantasia futurista assenta-se na tríade “Community, Identity, Stability” (Cf. Ib, pág. 102).

Seus truques respectivos são: (a) – todo o indivíduo está incondicionalmente subordinado ao funcionamento do todo, com o “World Controller” operando no sentido de que seja impossível a alguém defrontar-se com uma questão problemática; (b) – as diferenças individuais têm sua anulação garantida pela Identity combinada à (c) – Stability, como o final de toda a dinâmica social.

A panacéia que efetua essa garantia de estática social observada sociologicamente como Standardização é o Conditioning.

Tal "condicionamento" visa à produção de determina-dos reflexos ou modos de comportamento por modifica-ções planejadas no mundo circundante, mediante o con-trole técnico das chamadas condições de vida.

A fantasia futurista estende o controle à total pré-formação do homem, desde a geração artificial dos em-briões e a direção técnica da consciência e do inconsci-ente nos primeiros estágios da vida, até o “death conditi-oning”, isto é, um training que suprime das crianças o medo da morte, com o procedimento de fazê-las contem-plar agonias ao mesmo tempo em que se as faz degustar doces para que sempre associem a idéia de morte aos mesmos.

Na utopia negativa desse mundo gerado no Conditio-ning, T.W. Adorno põe em relevo o seguinte:

(a) – que o efeito final do Conditioning como adapta-ção sobre si mesmo é a interiorização e a aprovação da pressão e da opressão sociais por cima da tradição pro-testante: “os homens se submetem a amar o que têm de fazer sem sequer saberem que isso é submissão” - assim se assegura subjetivamente sua felicidade e se preserva a ordem;

(b) – que a penetração dessa ordem torna ultrapassa-das todas as idéias de que a influência da sociedade no indivíduo seja uma influência mediada pela família do-méstica e a psicologia;

(c) – que, como filhos da sociedade no sentido mais li-teral, os homens coincidem substancialmente com ela, tornados dóceis expoentes da totalidade coletiva e estan-do condicionados socialmente, isto é, não simplesmente equiparados ao sistema dominante por um desenvolvi-mento posterior, mas numa relação eternizada em nível biológico (Cf.ib.pág.102, 103).

A interpretação crítica é de que a fantasia futurista in-dica que a reprodução da estupidez realizada antes in-conscientemente no ditame da mera miséria vital, está nas mãos da triunfal cultura de massa, uma vez eliminada aquela miséria.


Grupo EUMEDNET de la Universidad de Málaga Mensajes cristianos

Venta, Reparación y Liberación de Teléfonos Móviles
 
Todo en eumed.net:

Congresos Internacionales


¿Qué son?
 ¿Cómo funcionan?

 

15 al 29 de
julio
X Congreso EUMEDNET sobre
Turismo y Desarrollo




Aún está a tiempo de inscribirse en el congreso como participante-espectador.


Próximos congresos

 

06 al 20 de
octubre
I Congreso EUMEDNET sobre
Políticas públicas ante la crisis de las commodities

10 al 25 de
noviembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Migración y Desarrollo

12 al 30 de
diciembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Economía y Cambio Climático

 

 

 

 

Encuentros de economia internacionales a traves de internet


Este sitio web está mantenido por el grupo de investigación eumednet con el apoyo de Servicios Académicos Internacionales S.C.

Volver a la página principal de eumednet