BIBLIOTECA VIRTUAL de Derecho, Economía y Ciencias Sociales

A UTOPIA NEGATIVA: LEITURAS DE SOCIOLOGIA DA LITERATURA

Jacob J. Lumier




Esta página muestra parte del texto pero sin formato.

Puede bajarse el libro completo en PDF comprimido ZIP (158 páginas, 763 kb) pulsando aquí

 


A Reificação

Para investigar a possibilidade de tal homologia é pre-ciso ter em conta o seguinte:

1) – como transposição do coeficiente de realidade do indivíduo para o objeto inerte, a reificação é um proces-sus psicológico permanente, agindo secularmente no âm-bito da produção para o mercado;

2) – o aspecto concreto das estruturas reificacionais acompanha a periodização da sociologia econômica se-guinte:

(a) – fase da economia liberal se prolongando até o começo do século XX, caracterizada por manter ainda a função essencial do indivíduo na vida eco-nômica (e por extensão na vida social).

Note-se que toda essa análise decorre da inter-pretação do modelo de sociedade liberal clássica como comportando uma interpenetração do aspecto econômico e do aspecto psicológico.

A referência sociológica principal é a constatação de que a regulação da produção e do consumo em termos de oferta e demanda se faz por um modo implícito e não consciente, impondo-se à consciên-cia dos indivíduos como a ação mecânica de uma força exterior.

Desta forma, todo um conjunto de elementos fundamentais da vida psíquica desaparece das cons-ciências individuais no setor econômico para delegar suas funções à categoria preço, que aparece como uma propriedade nova e puramente social dos obje-tos inertes, os quais, por sua vez, passam então a guardar as funções ativas dos homens, a saber: tudo aquilo que era constituído nas formações sociais pré-capitalistas pelos sentimentos transindividuais, pelas relações com os valores da afetividade que ul-trapassam o indivíduo, incluindo o que significa mo-ral, estética, caridade, fé.

Daí porque no romance clássico os objetos têm uma importância primordial, mas existem somente por meio do trato que lhe dão os indivíduos.

→Entretanto, essa situação muda (b) – na fase dos trustes, monopólios e do capital financeiro, ob-servada no fim do século XIX e, notadamente, no começo do século XX, tornando-se acentuada a su-pressão de toda a importância essencial do indivíduo e da vida individual na interior das estruturas eco-nômicas.

→Na (c) - fase do capitalismo de organização, observado depois dos anos de 1930 pela intervenção estatal impondo os mecanismos de auto-regulação da produção em torno dos bancos centrais independentes, se constata, em modo correlativo à supressão progressiva da importância essencial do indivíduo, não somente a independência crescente dos objetos, mas a consti-tuição desse mundo de objetos em universo autô-nomo, tendo sua própria estruturação.

A forma estética romanesca compreende a ironia como afir-mação da tomada de consciência do caráter inautêntico do herói e de toda a esperança ou busca possível.

Ao parecer de teoria sociológica, a contribuição de Lu-cien Goldmann pode ser considerada sociologia da redu-ção ao implícito, abrangendo uma análise dos temas, dos personagens e igualmente da ambiência do autor, em especial a sociologia do romance como forma estética literária.

Admite-se que o romance se caracteriza como a histó-ria de uma busca por valores humanos autênticos que, todavia, se apresenta sob um modo degradado ou inau-têntico, em uma sociedade cumulativamente degradada ou inautêntica desde o ponto de vista existencial.

No tocante ao herói, tal estado de degradação ou de-cadência se manifesta em princípio pela mediação , no caso, redução dos valores autênticos ao nível implícito, precipitando o seu desaparecimento como realidades manifestas.

Tem-se a premissa de que toda a forma literária sob o aspecto propriamente estético nasce da necessidade de exprimir um conteúdo essencial, de tal sorte que a situa-ção ética do escritor constituirá um elemento da obra mais interior e profundo do que, por exemplo, a percep-ção de um público leitor.


Grupo EUMEDNET de la Universidad de Málaga Mensajes cristianos

Venta, Reparación y Liberación de Teléfonos Móviles
 
Todo en eumed.net:

Congresos Internacionales


¿Qué son?
 ¿Cómo funcionan?

 

15 al 29 de
julio
X Congreso EUMEDNET sobre
Turismo y Desarrollo




Aún está a tiempo de inscribirse en el congreso como participante-espectador.


Próximos congresos

 

06 al 20 de
octubre
I Congreso EUMEDNET sobre
Políticas públicas ante la crisis de las commodities

10 al 25 de
noviembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Migración y Desarrollo

12 al 30 de
diciembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Economía y Cambio Climático

 

 

 

 

Encuentros de economia internacionales a traves de internet


Este sitio web está mantenido por el grupo de investigación eumednet con el apoyo de Servicios Académicos Internacionales S.C.

Volver a la página principal de eumednet