BIBLIOTECA VIRTUAL de Derecho, Economía y Ciencias Sociales

A UTOPIA NEGATIVA: LEITURAS DE SOCIOLOGIA DA LITERATURA

Jacob J. Lumier




Esta página muestra parte del texto pero sin formato.

Puede bajarse el libro completo en PDF comprimido ZIP (158 páginas, 763 kb) pulsando aquí

 


A Limitação Ideológica da Concepção do Futuro

Desse modo, deve distinguir inicialmente o comentário sobre a limitação ideológica da concepção do futuro, co-mo tarefa de “decifrar a faticidade do que não é” por meio de prolongamentos do existente combinados a uma lógica corretiva.

A apreciação que Theodor W. Adorno nos passa sobre a noção mesma de utopia já destaca o limite desta noção como inevitável recaída na filosofia da identidade, no ide-alismo. Desta sorte, mostra-se sempre falha “a irônica correção lógica” que busca sempre Aldous Huxley nos seus prolongamentos das linhas existentes. Tanto mais que por este engodo são montados os inverossímeis prognósticos simbólico-religiosos do “The Brave New World”, preservando assim intacta diante das catástrofes previsíveis a tendência para a irracionalidade da civiliza-ção técnica.

Quer dizer, há um truque nessa notada recaída na filo-sofia da identidade que leva a preservar oculta a tendên-cia para a irracionalidade.

Por trás de esse preservar no implícito deve-se distin-guir a atitude da grande burguesia ao afirmar soberana-mente que defende a sobrevivência da economia do lucro não por interesse próprio, mas por todos os homens; por-que “se eles não tivessem que trabalhar tanto como têm não saberiam o que fazer com o tempo livre”.

Se está, portanto, diante de uma sabedoria de frieza que carece de conteúdo cognitivo por coisificar não o mundo, mas os homens, tomando-os como dados exterio-res na medida mesmo em que, nessa relação cognitiva, a burguesia deifica o observador como instância livre.

Dessa mesma sabedoria fria releva a ficção do futu-ro, releva o caráter fictício da preocupação com “a des-graça que poderia infringir ao homem a utopia realizada ao desaparecerem do mundo a fome e a ansiedade”.

Por sua vez, essa ficção do futuro esconde uma trans-posição aos que ainda estão por nascer da culpa pelos males do presente, esconde o dogma do sempre foi assim e sempre será igual em que se resume a crença protes-tante de que: como o homem está manchado pelo pecado original e, portanto, não é capaz de Bem suficiente na Terra, a mesma melhoria do mundo se deforma em peca-do.

E Theodor W. Adorno conclui que o romance de Aldous Huxley fracassa devido à debilidade própria de seu con-teúdo efetivo: a indispensabilidade de um esquema vazio inevitável, a saber: a disposição de que (a) – “a transfor-mação dos homens não podendo ser calculada e esca-pando à imaginação antecipatória”, (b) – adota-se a esco-lha em substituí-la pela caricatura dos homens de hoje.

Nada obstante, note-se que não é a fantasia que fracassa, mas somente a mirada raciocinante para o futuro como tal. Quer dizer, ao pôr em relevo o vazio desta mirada como reencontrando o caráter artístico da ficção do futuro, Theodor W. Adorno sublinha que o futurismo se deixa aproveitar como perspectiva de reflexão estética já no momento desta ficção por instaurar o marco zero da mesma: a ausência de faticidade da estética da fantasia futurista . Será exatamente do confronto teó-rico de sua filosofia desmitologizadora orientando a re-flexão estética, por um lado, com essa fantasia futurista sobre o mundo administrado e a civilização técnica, por outro lado, fantasia esta igualmente desmagizadora a prolongar as linhas já existentes que conforme o disse Theodor W. Adorno tirará as categorias de análise, os quadros operativos da Crítica da Cultura.

Mais além da desmontagem da ideologia como sabe-doria de frieza, no aproveitamento da fantasia futurista como perspectiva de reflexão estética deve distinguir a desarticulação de certas idéias interligadas a tal constru-ção fantástica que sucumbem igualmente à ideologia e cuja neutralização teórica se faz indispensável para pôr em relevo a cuidadosa qualidade daquela construção fan-tástica, tal como Theodor W. Adorno a examina ao inte-grá-la na utopia negativa.


Grupo EUMEDNET de la Universidad de Málaga Mensajes cristianos

Venta, Reparación y Liberación de Teléfonos Móviles
 
Todo en eumed.net:

Congresos Internacionales


¿Qué son?
 ¿Cómo funcionan?

 

15 al 29 de
julio
X Congreso EUMEDNET sobre
Turismo y Desarrollo




Aún está a tiempo de inscribirse en el congreso como participante-espectador.


Próximos congresos

 

06 al 20 de
octubre
I Congreso EUMEDNET sobre
Políticas públicas ante la crisis de las commodities

10 al 25 de
noviembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Migración y Desarrollo

12 al 30 de
diciembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Economía y Cambio Climático

 

 

 

 

Encuentros de economia internacionales a traves de internet


Este sitio web está mantenido por el grupo de investigación eumednet con el apoyo de Servicios Académicos Internacionales S.C.

Volver a la página principal de eumednet