BIBLIOTECA VIRTUAL de Derecho, Economía y Ciencias Sociales

A UTOPIA NEGATIVA: LEITURAS DE SOCIOLOGIA DA LITERATURA

Jacob J. Lumier




Esta página muestra parte del texto pero sin formato.

Puede bajarse el libro completo en PDF comprimido ZIP (158 páginas, 763 kb) pulsando aquí

 


A Ausência do Sujeito

Goldmann admite que o bom fundamento dessa hipó-tese sobre a ligação das duas estruturas homólogas é confirmado ao se considerar o paralelismo entre, por um lado, a transformação da vida econômica, tal como nota-da no fim do século XIX e início do século XX, com a substituição da economia de livre concorrência dando lugar a uma economia de cartéis e monopólios, suprimin-do a função do indivíduo, e, por outro lado, a transfor-mação paralela da forma romanesca, que desemboca na dissolução progressiva e no desaparecimento do persona-gem individual, o herói.

Essa transformação no desenvolvimento da forma ro-manesca dá lugar ao seguinte:

(a) – às tentativas de substituição da biografia como conteúdo da forma romanesca pelas idéias de comunida-de e de realidade coletiva (instituição, família, grupo so-cial, revolução social, etc.);

(b) – ao abandono de toda a tentativa de substituir o herói problemático e a biografia individual por uma outra realidade; (c) – ao esforço para escrever o romance da ausência do sujeito, afirmando a não existência de toda a busca que progressa.

Neste ponto, podem destacar que, baseada na conjec-tura goldmanianna de duas estruturas homólogas, a nova sociologia do romance tem em vista não só restabelecer a especificidade e autonomia da forma romanesca, mas propõe-se recuperar seu estatuto particular e privilegiado em relação à classe burguesa.

O romance não é no dizer de Goldmann uma simples transposição imaginária das estruturas conscientes de tal ou qual agrupamento social particular, mas, antes disso, exprime uma busca por valores autênticos que não é defendida em modo efetivo por grupo social algum. Es-ses valores autênticos são os que a vida econômica tende a tornar implícitos em todos os membros da sociedade.

Da mesma maneira, o entendimento acima afirmado de que a especificidade e autonomia da forma romanesca se põem em relevo pela análise sociológica da redução ao implícito, análise esta desenvolvida ao longo de toda a exposição de Goldmann sobre a homologia das duas es-truturas, as quais se mostram como dois planos de uma única estrutura, revela-se, por sua vez, um entendimento sustentando a convicção de que a literatura romanesca, ao lado da criação poética moderna e da pintura contem-porânea, são formas autênticas de criação cultural, sem que se possa amarrá-las à consciência, mesmo que seja somente a consciência possível de um grupo particular.

Aliás, na constatação de tal autonomia, a nova socio-logia vai mais longe, e admite que, contrariando a opinião consagrada, o romance com herói problemático se revela uma forma literária sem dúvida ligada à história e ao de-senvolvimento da classe burguesa, mas constitui uma forma estética bem diferenciada, que não é a expressão da consciência real ou possível dessa classe.

Desta maneira, Goldmann encaminha uma solução pa-ra o problema da sociologia do romance.

Ao afirmar que se trata de uma forma literária ligada à história e ao desenvolvimento da classe burguesa está nos dizendo que essa classe social constitui o sujeito da cria-ção cultural da forma romanesca, sendo a esse sujeito coletivo que em última instância é referido o conceito de estruturas homólogas, como implicando uma relação inteligível.

Há, portanto, um aprofundamento da pesquisa de cor-relações sociológicas estendendo-se ao fenômeno do to-do do grupo social, de tal sorte que em suas análises das obras romanescas Goldmann é levado a distanciar dois escritores da burguesia como Proust e Balzac.

O primeiro é compreendido na origem do tema da au-sência como aprofundamento da forma romanesca, en-quanto que a obra de Balzac é relacionada à consciência real e possível da classe burguesa.

Nesta perspectiva, se há proximidade dos personagens de Balzac e Proust como remarcou Bernard de Fallois , haveria entre esses romancistas profunda diferença quan-to ao modo de tratar a realidade.


Grupo EUMEDNET de la Universidad de Málaga Mensajes cristianos

Venta, Reparación y Liberación de Teléfonos Móviles
 
Todo en eumed.net:

Congresos Internacionales


¿Qué son?
 ¿Cómo funcionan?

 

15 al 29 de
julio
X Congreso EUMEDNET sobre
Turismo y Desarrollo




Aún está a tiempo de inscribirse en el congreso como participante-espectador.


Próximos congresos

 

06 al 20 de
octubre
I Congreso EUMEDNET sobre
Políticas públicas ante la crisis de las commodities

10 al 25 de
noviembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Migración y Desarrollo

12 al 30 de
diciembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Economía y Cambio Climático

 

 

 

 

Encuentros de economia internacionales a traves de internet


Este sitio web está mantenido por el grupo de investigación eumednet con el apoyo de Servicios Académicos Internacionales S.C.

Volver a la página principal de eumednet