BIBLIOTECA VIRTUAL de Derecho, Economía y Ciencias Sociales

UMA LEITURA DA NÃO RELIGIÃO A PARTIR DA REFLEXÃO SOCIOLÓGICA CONTEMPORÂNEA: DA SECULARIZAÇÃO À (RE) DESCOBERTA DO SAGRADO NA SOCIEDADE

César Augusto Soares da Costa



Esta página muestra parte del texto pero sin formato.

Puede bajarse el libro completo en PDF comprimido ZIP (53 páginas, 162 kb) pulsando aquí

 


 

1.3 Max Weber- A religião e o processo de desencantamento do mundo

Max Weber (1854-1920) também intervém neste debate, com uma contribuição de indubitável originalidade. Weber restitui à religião uma posição autônoma, ou seja, reconhece-lhe autonomia e capacidade de exercer um papel nos processos sociais. A abordagem weberiana, na obra A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo, debate a contribuição que o cristianismo deu à gênese do mundo moderno, mostrando que o protestantismo, em sua versão ascética, favoreceram a afirmação do capitalismo . Do outro lado, discute o incontido processo de racionalização , que se traduz no plano religioso em desencantamento do mundo . “O interesse de Weber pela Religião nasce exatamente da convicção de que as imagens religiosas do mundo (weltanschauungen) exercem um papel fundamental na formação das sociedade, mediante a legitimação de comportamentos tradicionais ou inovadores ”.

Para Weber, nos calvinistas e seus adeptos saídos da Reforma Protestante, o controle constante dos próprios progressos morais foi a pré-condição para a instauração do racionalismo econômico. O ativismo racionalista dos puritanos foi um forte fator que predispôs a afirmação de um novo tipo de homem, o capitalista, “para o qual o cálculo do tempo e do aproveitamento são os pressupostos da habilidade na profissão e da audácia nos negócios: atitudes essas sempre acompanhadas pela sobriedade e vida e severa autodisciplina ”. Quanto ao processo de racionalização, Weber afirma que ela está baseada sobre aspectos não-racionais, sobre instituições pré e meta racionais, e isso é verdadeiro não apenas sob o ponto de vista da desmaginação religiosa do mundo pregado pelo judaísmo e protestantismo, mas também na sua situação futura.

A racionalização promoveu a concepção utilitarista do homem e a concepção manipuladora da natureza, além da fé no valor intrínseco do acúmulo, seja ele econômico, seja do tipo tecno-científico. Esta racionalização está repleta de conseqüências negativas, não apenas para a relevância social da religião, como também para o desenvolvimento da própria sociedade moderna . O cientificismo ateu, criou junto com outros elementos da cultura moderna, com o capitalismo e o utilitarismo, um mundo objetivado, no qual as relações interpessoais são impossíveis. Surgiu o que o próprio Weber afirmou: o intelecto criaria uma aristocracia de posse da cultura racional que seria profundamente antifraterna. Desse modo, o autor leva até as últimas conseqüências o processo do racionalismo ocidental, que comporta o desencantamento da própria imagem cientificista do mundo que, na época positivista assumiu o papel de substituto funcional da religião.

Segundo Weber,

a imagem do mundo que a ciência oferece é aquela de uma infinidade sem sentido, que somente a cultura, através das imagens do mundo, pode trazer significado para o homem. A falência da pretensa auto-suficiência do racionalismo dá, portanto, novamente espaço ao postulado religioso, marginalizado na idade do positivismo, dentro da tarefa sempre renovada de conferir significado ao mundo .

1.4 Karl Marx- A religião como produto da sociedade capitalista

Se para Karl Marx (1818-1883), ainda ligado ao filósofo Feuerbach, “a religião e sua crítica, é o pressuposto de qualquer outra crítica”, para Marx do Manifesto do Partido Comunista e do Capital a questão central no seu pensamento é o modo de produção capitalista e a conexa expropriação do trabalhador. O fetiche religioso desaparecerá, defende Marx no Capital, juntamente com o fetiche do dinheiro, pois ambos são inseparáveis do modo de produção capitalista.

Entre essas posições, afirma-se a definição de religião como uma ideologia , ou seja, uma verdade absoluta, mas que na realidade possui a função de defender os interesses da classe dominante. Na obra A Ideologia Alemã, Marx e Engels designam o conjunto das formas culturais, do Direito à moral, da filosofia à religião como superestruturas , isto é, produções de uma consciência falsa porque estão colocadas dentro de uma estrutura econômica capitalista que aliena o homem. Para Marx, a religião “é a única das superestruturas que não pode ser resgatada, porque as funções que ele exerce se inserem apenas no interior da sociedade capitalista e das formações históricos-sociais que a precederam ”.

O discurso marxiano sobre a função da religião completa-se com a função que ela exerce dentro da sociedade burguesa, de controle social (ópio do povo) e de expressividade consoladora (suspiro da criatura oprimida). Em 1875, pronunciando-se sobre a elaboração do programa do Partido Comunista Alemão, Marx afirmou que o Partido dos Trabalhadores deveria também expressar sua convicção de que a burguesa liberdade de consciência não é nada mais que a tolerância de todas as possibilidades, em especial de consciência religiosa, e que ele, aspirava libertar a sua consciência dos fantasmas religiosos .

Permanece em Karl Marx, a constante tese da superação da religião na sociedade utópica e redimida do mal da propriedade privada e da divisão de classes. Uma visão mais profética do que científica, que engloba o pensamento do autor em outros movimentos revolucionários do último século e faz dele uma religião secular.

Para aprofundar a questão da religião no pensamento social, analisaremos agora o início da sociologia religiosa.

2 O desenvolvimento da sociologia religiosa

“Em seus primeiros passos a sociologia religiosa, que penetrou nas Igrejas cristãs e nela adquiriu seu estatuto oficial depois da Segunda Guerra Mundial, foi confrontada com a questão da descristinanização ”. A sociologia emergente, vinha suceder às teorias dominantes a respeito da situação do cristianismo no mundo, e foi influenciada pela descoberta do estado da classe trabalhadora francesa, logo após a guerra. Sendo assim, teve que defrontar-se com posturas tradicionais e não-científicas sobre o que se chamava descristianização. Desde a Reforma Protestante (1517), o mundo se entendia diante uma onda de assaltos contra a Igreja, indo do protestantismo ao comunismo, mostrando que um desfecho catastrófico na história era inevitável.

Os adversários da Igreja teriam conseguido seduzir as massas, afastando-as da instituição, portanto, descristianizando-os. Os primeiros trabalhos de sociologia da religião foram determinados pela descoberta do estado da classe operária. “Viu-se aí, um fenômeno de descristianização, pois a Idade Média influía inconscientemente. Um tal estado, tão afastado do cristianismo, descoberto na classe operária, deveria ser resultado de uma decomposição ”. Assim, consideravam que a tarefa era explicar a descristianização, não mais através de mitos e de concepções medievais, mas agora, de maneira científica.

A sociologia da religião desenvolveu sua reflexão, partindo de categorias nas quais se define a sociedade moderna, como as categorias de sociedade urbanizada, industrial, individualizada, pluralista, de consumo. Nesta concepção, produziu-se uma transformação religiosa, transformando as motivações religiosas e suas instituições.

O sentido religioso deixa de orientar para outro mundo para se voltar para este. Consiste em fazer tomar consciência da responsabilidade do homem numa sociedade em que a liberdade abre a porta à responsabilidade. Ele se personaliza, uma vez que tem por matéria a responsabilidade pessoal neste mundo. Deus funda essa responsabilidade e a religião a cultiva .

No plano institucional, nascem as comunidades religiosas por associação voluntária, entre pessoas do mesmo meio que apresentam afinidades. E a religião deixa de ser encontrada sinteticamente a uma sociedade globalizada como nas sociedades pré-técnicas, e torna-se um domínio diferenciado, para uma sociedade também diferenciada.

2.1 O Histórico do conceito e o conceito histórico

Há uma indubitável confusão no conceito de secularização evidente desde as origens do termo. É oportuno distinguir na secularização sua origem jurídico-política, que é um fenômeno histórico e averiguável, da secularização como categoria filosófico-histórica, e que, com outros conceitos iluministas possuem a pretensão de interpretar toda a história moderna. Na sua primeira acepção, na língua francesa no fim do século XVI, o termo “secularização” indica a redução de um clérico regular ao estado laico. Dentro da concepção jurídica, Martelli afirma que “o conceito foi empregado para designar o processo de subtração de um território ou de uma instituição, da jurisdição e do controle eclesiástico: com essa acepção, o conceito aparece pela primeira vez durante os extrementes acordos para a paz de Westfália (1648) ”. Designou-se a eliminação da posse eclesiástica de territórios que, sob o ponto de vista formal, ainda continuavam sob jurisdição eclesiástica.

O valor neutro do conceito foi após substituído por uma acepção valorativa depois da espoliação da Igrejas, de seus direitos e propriedades, decretada na Alemanha durante a época napoleônica (1803). Assim, o conceito assumiu o significado de subtração de direitos e bens religiosos e de emancipação da tutela e controle da Igreja. Do campo jurídico-político, o termo secularização passou para o campo filosófico-ideológico , durante o século XIX, adquirindo proporções conflitivas, no quadro do processo de afirmação político-social da burguesia. O objetivo era “intencionalmente em sentido secularizante, isto é, exercendo um coerente programa de ação política a fim de reduzir drasticamente a influência das Igrejas em todos os setores da vida social, especialmente no campo da cultura e da educação ”. Na modernidade, o termo designa os processos de laicização, de autonomia em relação à esfera religiosa, que surgiram no Ocidente a partir da dissolução do feudalismo. Por isso, secularização tornou-se sinônimo de subtração de províncias, de poder e do agir social, do controle ou da influência de instituições religiosas ou de universos simbólico-religiosos.

Devido a estes antecedentes, não é de se admirar que o termo seja utilizado para afirmar juízos opostos sobre a presença e o futuro da religião na sociedade moderna, conforme a valoração positiva ou negativa atribuída a legitimação da religião institucional. Para alguns, a secularização é um fenômeno irreversível, cujas origens são as potencialidades libertadoras da fé cristã e que hoje, podem contribuir para purificar o cristianismo da tendência de tornar uma religião .


Grupo EUMEDNET de la Universidad de Málaga Mensajes cristianos

Venta, Reparación y Liberación de Teléfonos Móviles
 
Todo en eumed.net:

Congresos Internacionales


¿Qué son?
 ¿Cómo funcionan?

 

15 al 29 de
julio
X Congreso EUMEDNET sobre
Turismo y Desarrollo




Aún está a tiempo de inscribirse en el congreso como participante-espectador.


Próximos congresos

 

06 al 20 de
octubre
I Congreso EUMEDNET sobre
Políticas públicas ante la crisis de las commodities

10 al 25 de
noviembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Migración y Desarrollo

12 al 30 de
diciembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Economía y Cambio Climático

 

 

 

 

Encuentros de economia internacionales a traves de internet


Este sitio web está mantenido por el grupo de investigación eumednet con el apoyo de Servicios Académicos Internacionales S.C.

Volver a la página principal de eumednet