BIBLIOTECA VIRTUAL de Derecho, Economía y Ciencias Sociales

UMA LEITURA DA NÃO RELIGIÃO A PARTIR DA REFLEXÃO SOCIOLÓGICA CONTEMPORÂNEA: DA SECULARIZAÇÃO À (RE) DESCOBERTA DO SAGRADO NA SOCIEDADE

César Augusto Soares da Costa



Esta página muestra parte del texto pero sin formato.

Puede bajarse el libro completo en PDF comprimido ZIP (53 páginas, 162 kb) pulsando aquí

 


 

Introdução

Com o advento da ciência , surge no mundo moderno, um discurso sobre a morte de Deus que muitos profetas da humanidade anunciaram essa suposta morte, bem como o suposto fim da religião. Entre eles destacamos: Nietzshe, Freud, Feurbach e Karl Marx. Mas aos poucos, vemos aparecer um novo modo de pensar a vida e uma nova maneira de enxergar os problemas de maneira mais radical, que vão contradizer as arcaicas formas de pensar, do dizer e do fazer. O surgimento de um mundo novo (o mundo da ciência), como uma perspectiva autônoma e secular, fez como que entendêssemos que a natureza é previsível, manipulável e racional. Desfez-se assim, a intervenção de Deus como mediação para a explicação das realidades humanas. A realidade nesse momento histórico passou a ser explicativa, e a razão passava a ter agora, os instrumentos necessários para desvelar todos os enigmas. Aí, arma-se o jogo da secularização como um fenômeno que ganha a cada dia, mais adeptos intelectuais e uma aceitação tácita, com uma contínua provocação em torno do momento: Deus está morto!

Em fins da década de 80, parece que foram consolidadas condições mais favoráveis à análise sociológica do fator religião. Uma série de grandes mudanças acontecidas em escala mundial parecem ter colocado as premissas para análises sociológicas da religião de maneira bem menos simplista e redutiva do que assistimos no final dos anos 70 e, mais consciente da complexidade própria da religião imersa nos processos sociais. A religião passa a ser concebida como um fator relevante do universo sócio-político que está mudando o rosto do mundo contemporâneo, e adquirindo uma importância social não apenas na periferia da modernidade, mas logo nas sociedades subdesenvolvidas do terceiro mundo, nos países desenvolvidos como os Estados Unidos com a multiplicação dos cultos, das seitas, dos novos movimentos religiosos e dos grupos esotéricos, indo aquelas formas secularizadas pela imposição de ideologias destrutivas a religião (antiga União Soviética e leste europeu).

Frente a isso, o estudo da religião é sempre uma questão que abarca muitas esferas, que vai desde a esfera pessoal, interferindo na vida moral e social dos indivíduos. Vista sob perspectiva mais global, analisá-la até onde discorrem suas influências na sociedade é um ponto interessante por duas razões: a primeira delas, se refere como a sociedade se encontra pervadida pelo sagrado, e a segunda, se a religião exerce ou não alguma influência na vida dos indivíduos, sejam decisões éticas ou pessoais. Podemos pressupor que estudar a religião sob o ponto de vista sociológico envolve claramente questões subjetivas, das quais a antropologia cultural detém o seu papel no debate, e dos quais a religião já possui questionamentos por parte do pensamento social contemporâneo, chegando a ótica pós-moderna. Prova disso, e que não é nenhuma novidade acadêmica, são as contribuições do fenômeno religioso nas obras dos autores clássicos da sociologia, e que até hoje, ainda suscitam inúmeras análises de suas teorias. Uma vez que a sociologia da religião deixou de ser, segundo alguns pesquisadores, a ser simplesmente uma sub-área da sociologia para se tornar uma área de enorme relevância e interesse acadêmico, em relação as diversas teorias sociológicas existentes no debate.

Observando a sociedade atual, notam-se cenários muito complexos quanto as novas formas religiosas. Tal fato, verifica-se de modo particular aqui no Brasil, onde os dados do último censo realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) no ano de 2000, nos apontam para uma perda da dimensão institucional da religião, para um notável crescimento dos indivíduos que se consideram sem qualquer crença religiosa, e para um significativo aumento das religiões evangélicas. Dentro destas conceituações, seria possível estabelecer uma postura ambivalente entre o “suposto fim da religião”, ou a sua posterior relativização na sociedade moderna. Logo é necessário afirmar, que na sociedade contemporânea surgiu variadas contribuições em relação ao problema, visto positivamente na margem das presentes discussões da chamada sociedade do conhecimento.

O objetivo central do nosso trabalho é analisar o conceito de secularização na sociedade moderna, procurando também estabelecer uma crítica sociológica à perspectiva da secularização. Também por considerar a discussão em torno da sociologia da religião de grande abrangência, em se tratando que nos meios acadêmicos possa suscitar o debate, que sempre está em voga. Por fim, esta pesquisa se apresenta à condição de pesquisador interessado no debate contemporâneo que traz dúvidas e re-conceituações quando ao futuro da religião na lógica moderna.

Como metodologia, utilizaremos a pesquisa bibliográfica que se fez pertinente ao objetivo do nosso estudo, juntamente com o processo histórico-sociológico. Assim, a presente pesquisa visa realizar um exame claro da discussão sobre a secularização, como também remeter o debate à sociologia contemporânea, que melhor abordou o tema do nosso trabalho.

PRIMEIRA PARTE- RELIGIÃO, SECULARIZAÇÃO E SOCIEDADE

Delineia-se de início, uma problemática que ainda hoje, constitui uma característica de nó teórico: a religião assim como outra qualquer instituição pode exercer alguma função na sociedade? Nesta primeira parte, examinaremos a possibilidade do sistema social oferecer através das distintas reflexões, equivalentes sociais adequados a questão da religião. Entre tais autores, remeteremos a Émile Durkheim, Max Weber e Karl Marx. Faremos uma breve apresentação destes autores que já no século XIX, e princípio do século XX, contribuíram no exame do problema. Em seguida, analisaremos os primeiros passos da sociologia da religião no que tange as primeiras discussões na área.

1 Os clássicos da sociologia e a religião

Começaremos pela sucinta exposição dos autores que marcaram as primeiras elaborações neste campo.

1.2 Émile Durkheim- A natureza religiosa da sociedade

A obra de Émile Durkheim (1858-1917), constitui um marco para os estudos sociológicos dos fenômenos religiosos. A questão da religião é enfrentada pelo sociólogo, depois de uma pesquisa teórica sobre problemas fundamentais da sociedade . A identificação do social com a moral e com a religião torna-se sempre mais clara nas obras da última fase do pensamento de Durkheim. Na obra As formas elementares da vida religiosa, O sistema totêmico na Austrália (1912), o autor analisa a religião das tribos australianas, o totemismo. A explicação do totemismo , como sistema religioso primitivo, permitiria explicar as funções, a origem e a persistência da religião em todas as sociedades, inclusive as modernas.

Para Durkheim, “mais do que a reconstrução da religião australiana primitiva, nas Formas elementares, era prioritário sublinhar a importância social do princípio totêmico, que assegura a unidade do sistema religioso australiano, e tirar daí uma conclusão universal da religião, como pré-condição do viver social em todas as épocas ”. Segundo ele, entre o sagrado e o profano não existe uma relação de superioridade, e sim uma relação de heterogeneidade absoluta. Assim, “a religião é um sistema solidário de crenças relativas a um certo número de coisas sagradas, que apresentam entre si relações de coordenação e subordinação, e são venerados por crentes reunidos numa comunidade moral chamada igreja ”. No caráter coletivo da religião, ela possui o critério que a distingue da magia: não há uma igreja mágica, mas somente uma relação entre o mago e o cliente. A Igreja, isto é, a coletividade do crentes, é, uma outra característica de qualquer religião.

Em As Formas elementares, encontramos a origem do social e do religioso na vida coletiva da sociedade. O autor afirma que na religião existe qualquer coisa de eterno, destinado a sobreviver a todos os símbolos dos quais o pensamento religioso foi circundado. Para Durkheim, a sociedade é uma máquina de criar deuses e define a mesma, como uma realidade transcendente, dotada de moral sobre o indivíduo e, capaz de elevá-lo além de si mesmo. Após reconhece no sagrado, a própria sociedade pensada simbolicamente. O sagrado é objeto de uma intuição afetiva por parte do crente, mas para o autor, tal experiência é coletiva. Diante disso, ressalta o papel social da religião que preserva e dá forma expressiva a sentimentos que alimentam normas e valores, fundamentais numa sociedade. Por sua vez, fornece uma sólida base para o controle social das tendências desviantes, e a sociedade sustenta a religião porque o sistema simbólico não é outra coisa, senão a sacralização dos sentimentos morais duma sociedade.

Portanto, para Durkheim “não existem religiões falsas. Todas a seu modo são verdadeiras; todas respondem, mesmo se de maneiras diferentes, a determinadas condições da existência humana ”.


Grupo EUMEDNET de la Universidad de Málaga Mensajes cristianos

Venta, Reparación y Liberación de Teléfonos Móviles
 
Todo en eumed.net:

Congresos Internacionales


¿Qué son?
 ¿Cómo funcionan?

 

15 al 29 de
julio
X Congreso EUMEDNET sobre
Turismo y Desarrollo




Aún está a tiempo de inscribirse en el congreso como participante-espectador.


Próximos congresos

 

06 al 20 de
octubre
I Congreso EUMEDNET sobre
Políticas públicas ante la crisis de las commodities

10 al 25 de
noviembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Migración y Desarrollo

12 al 30 de
diciembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Economía y Cambio Climático

 

 

 

 

Encuentros de economia internacionales a traves de internet


Este sitio web está mantenido por el grupo de investigación eumednet con el apoyo de Servicios Académicos Internacionales S.C.

Volver a la página principal de eumednet