BIBLIOTECA VIRTUAL de Derecho, Economía y Ciencias Sociales

ENERGIA SOCIEDADE E MEIO AMBIENTE

Yolanda Vieira de Abreu y otros




Esta página muestra parte del texto pero sin formato.

Puede bajarse el libro completo en PDF comprimido ZIP (175 páginas, 1.74 Mb) pulsando aquí

 


1.6 CONSIDERAÇÕES FINAIS

Os indicadores de eficiência energética conforme mostrado neste trabalho pode indicar caminhos, porém é a vontade política e a conscientização ambiental da humanidade que farão com que sejam formuladas políticas adequadas para utilização eficiente dos recursos naturais e para a preservação dos ecossistemas. Os indicadores poderão fornecer dados com a finalidade de comparar eficiência energética entre países, empresas e setores, determinando as influências tecnológicas, alocativas e políticas que podem determinar o comportamento da sociedade em relação à eficiência energética e às medidas para diminuir as emissões de GEE e outros. Estes ainda podem servir de base para determinações de cotas de poluição e emissões de títulos negociáveis entre os que emitiram poluição, acima ou abaixo da cota determinada, políticas relacionadas ao protocolo de Quioto poderão ser definidas a partir destes resultados. Os governos não podem mais desprezar a importância da preservação do meio ambiente por intermédio do uso eficiente dos recursos naturais. Produzir os mesmos ou melhores produtos com menos energia e outros recursos naturais deve ser uma meta, um propósito, de todas as indústrias e dever dos governos, por intermédio de uma regulamentação adequada, a fim de preservar os direitos das próximas gerações.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS

ALVIM. C.F.; Ferreira, O. C.; Eidelman, F.; Goldemberg. J., Energia Final e Equivalente - Procedimento Simplificado de Conversão. Revista Economia e Energia, nr. 18 -jan/fev. 2000. Disponível em: www.ecen.com/eee18/energqui.htm.

BAEHR (1965). In: Horta Nogueira, L.A.; Perez, S.A.N.; Oliveira Junior, S.; Mini-curso: Análise exegética de processos. SP. De 7 a 9 de Dezembro, 1994. p. 19

BEN: Balanço Energético Nacional. Ministério das Minas e Energia, disponível em: http://www.mme.gov.br, 2008

BOSSEBOEUF. D.; Chateau B.; Lapillonne B. Cross-country comparison on energy efficiency indicators: the on-going European effort towards a common methodology. Energy Policy. V. 25. No. 7-9. 1997. p. 673-682.

CLEVELAND, C.J., Ruth, M. Capital humano, capital natural e limites biofísicos no processo econômico. In: CAVALCANTI, C. Meio Ambiente, desenvolvimento sustentável e políticas públicas. São Paulo: Cortez; Recife: Fundação Joaquim Nabuco, 1997.

Daly, H. Beyond growth. The economics of sustainable development. Boston: Beacon Press, 1996.

DALY, H. Políticas para o desenvolvimento sustentável. In: CAVALCANTI, C. Meio Ambiente, desenvolvimento sustentável e políticas públicas. São Paulo: Cortez; Recife: Fundação Joaquim Nabuco, 1997.

DUNN, S. Descarbonizando a economia energética, In: State of the World 2001 (versão em português), ed. ONU, NY/USA, 2002. p. 89-110.

EICHHAMMER, W.; Mannsbart W. Industrial energy efficiency. Indicators for a European cross-country comparison of energy efficiency in the manufacturing industry. Energy Policy. Vol.25. no 7-9, 1997. p. 759-772.

ENRIQUE, J.E.; Mallol, G.; Páramo, M.; Salvá, Influencia de la evolución tecnológica sobre el consumo energético de la fabricación de baldosas cerámicas., E. Cerámica Información, no 222. 1996. p.3-12.

FERRARI, Kátia Regina "Aspectos ambientais do processo de fabricação de placas de revestimentos cerâmicos (via úmida), com ênfase nos efluentes líquidos". São Paulo, 2000. Tese (Doutorado). Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares.

FERREIRA, O. C, Entropia, economia e desenvolvimento social. feu@ecen.com.

FIGUEIREDO Filho, P.M.; Ferrari, K.R.; Ariola, E.E.; Monaco, O.A.; Almeida, E. B. de; Tomi,

GOLDEMBERG, J. Energia, meio ambiente & desenvolvimento, Mimeo, SP, 1997.

Goldemberg, J., Johansson, T.B., Reddy, A.K.N.,Williams, R.H. Energia para o desenvolvimento, São Paulo: T.A Queiroz. 1988

GOLDEMBERG, J. Energia, suas fontes e seus usos. Mimeo, SP,1983.

GOLDEMBERG, J. e Lucon, O. “Energia e meio ambiente no Brasil”, Estudos Avançados - Dossiê Energia. Universidade de São Paulo, Instituto de Estudos Avançados, 21 (59) (2007).

HADDAD, J.; Aguiar, S.C. (Orgs.). Eficiência energética: integrando usos e reduzindo desperdícios, Brasília, Agência Nacional de Energia Elétrica -ANEEL; Agência Nacional do Petróleo ANP, 1999.

HENRIQUES Jr., M. F. et alli, Manual de conservação de energia na indústria de cerâmica vermelha, INT -Instituto Nacional de Tecnologia, R. J., 1993.

HORTA NOGUEIRA, L.A.; Perez, S.A.N.; Oliveira Junior, S.; Mini-curso: Análise exegética de processos. SP. De 7 a 9 de Dezembro, 1994.

IPEAE: Institut per a la Promocio d’Energies Alternatives i Estalvi Energetic. Ahorro energético en el sector azulejero, Valencia, 1983. 1o edição e Consellería de Industria, Comércio y Turismo, 1990, 2o edição.

IPT: Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo, disponível em: www.ipt.br.

IPT: Instituto de Pesquisas Tecnológicas. Conservação de Energia na Indústria Cerâmica Manual de recomendações. São Paulo, 1980.

KLINT, F, Alcantará, V. De la economía ambiental y la economía ecológica. Barcelona: Icaria, 1994.

KOTAS (1995). In: Horta Nogueira, L.A.; Perez, S.A.N.; Oliveira Junior, S.; Mini-curso: Análise exegética de processos. SP. De 7 a 9 de Dezembro, 1994. p. 19.

LIZARRAGA, J.M.S. Termodinâmica de fluídos y el método de análisis exergético, 1987. In: Minicurso: Análise exergética de processos. Horta Nogueira, L.A.; Perez, S.A.N.; Oliveira Junior, S. SP de 7 a 9 de Dezembro, 1994.

MENDONÇA, M. J. C. & Gutierez, M. B. S., O efeito estufa e o setor energético brasileiro. Texto para Discussão n. 719, abril de 2000, IPEA.

MERICO, L.F.K. Introdução à economia ecológica. Edit. da FURB, Blumenau, 1996 (Coleção Sociedade e Ambiente nr.1)

MEYER-Stamer J.; Maggi C.; Seibel S. Globalização e os clusters de cerâmica de revestimento italiano, espanhol e brasileiro: o espaço para governança e upgrading na integração em cadeias de valor globais, 2000.

MME: Ministério das Minas e Energia, disponível em: http://www.mme.gov.br

MONFORT, E..M.; López,I.C.; Mallol G. Cuestiones sobre médio ambiente para um técnico Del sector cerâmico. ITC, 1999.

NAGATA, Y., The US/Japan comparison of energy intensity. Estimating the real gap. Energy policy. Vol. 25. NO 7-9. 1997. p. 683-691.

NORGAARD, R. Development betrayed. The end of progress and a coevolutionary revisioning of the future. London: Routledge, 1994.

NORGAARD, R., Howarth, R. Sustainability and discounting the future. In: Costanza, R. (Ed.).

ECOLOGICAL ECONOMICS; THE SCIENCE AND MANAGEMENT OF SUSTAINABILITY. Columbia University Press, 1991.

NORGAARD, R. Valoração ambiental na busca de um futuro sustentável. In: Cavalcanti, C. Meio Ambiente desenvolvimento sustentável e políticas públicas. São Paulo: Cortez; Recife: Fundação Joaquim Nabuco, 1997.

OLIVEIRA JÚNIOR, S. Análise termodinâmica e termoeconômica de processos de conversão de energia. Mineo. 1996.

PATTERSON. M.G. What is energy efficiency? Energy Policy. Vol. 24. No 5. 1996. p.355-390.

PHYLIPSEN. G.J..M. & Blok, K.; Worrel E., Internacional comparisons of energy efficiency-methodologies for the manufacturing industry. Energy Policy, V. 25 No 7-9, 1997, p. 715

POLIDORO, H.A. Seleção de indicadores de desenvolvimento sustentável para indústrias do setor siderúrgico. Tese de doutorado: Universidade de Campinas,Faculdade de Engenharia Mecânica, 2000.

SACHS, I.. Ecodesenvolvimento. Crescer sem destruir. São Paulo: Editora Vértice, 1986.

SCHIPPER L.; Grubb M. On the rebound? Feedback between energy intensives and energy uses in IEA countries. Energy Policy. Vol. 28 No 6-7, 2000. p. 367-388.

SHENG, F. Valores em mudança e construção de uma sociedade sustentável. In: Cavalcanti, C.

MEIO AMBIENTE, DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E POLÍTICAS PÚBLICAS. São Paulo: Cortez; Recife: Fundação Joaquim Nabuco, 1997.

SZARGUT (1980). In: Horta Nogueira, L.A.; Perez, S.A.N.; Oliveira Junior, S.; Mini-curso: Análise exegética de processos. SP. De 7 a 9 de Dezembro, 1994. p. 21.

ROMEIRO, A. R. Desenvolvimento econômico e meio ambiente; algumas considerações. Revista de Análise Econômica, Porto Alegre, n. 9, set. 1991.

ROMEIRO, A. R, Desenvolvimento sustentável e mudança institucional: notas preliminares. Texto para Discussão n. 68, IE/UNICAMP.

ROMEIRO, A. R., Salles Filho, S. Dinâmica de inovações sob restrição ambiental. In: Romeiro, A. R., REYDON, B., Leonardi, M. L. (Org.). Economia do meio ambiente. Campinas: Instituto de Economia/EMBRAPA, 1997.


Grupo EUMEDNET de la Universidad de Málaga Mensajes cristianos

Venta, Reparación y Liberación de Teléfonos Móviles
 
Todo en eumed.net:

Congresos Internacionales


¿Qué son?
 ¿Cómo funcionan?

 

15 al 29 de
julio
X Congreso EUMEDNET sobre
Turismo y Desarrollo




Aún está a tiempo de inscribirse en el congreso como participante-espectador.


Próximos congresos

 

06 al 20 de
octubre
I Congreso EUMEDNET sobre
Políticas públicas ante la crisis de las commodities

10 al 25 de
noviembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Migración y Desarrollo

12 al 30 de
diciembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Economía y Cambio Climático

 

 

 

 

Encuentros de economia internacionales a traves de internet


Este sitio web está mantenido por el grupo de investigación eumednet con el apoyo de Servicios Académicos Internacionales S.C.

Volver a la página principal de eumednet